LUZES

Dárcio

As Escrituras se referem aos Filhos de Deus como “Luzes”. Isto por que a Realidade onipresente, Deus, é uma Luz infinita que cobre toda a Realidade. Quando for meditar, não  se veja como a mente humana o vê, e sim como uma dessas “Luzes”. Exclua a possibilidade de existir “matéria”; feche os olhos e pense: “Exatamente onde a mente humana desenha um rascunho tridimensional de meu ser, eu constato a minha presença como Luz do Eterno.” Em seguida, sem forçar nada, contemple a SUA LUZ já brilhando resplandecentemente, assim como brilha um raio do sol, e reconheça com total naturalidade:

 “A Luz do Pai brilha em mim”.

OBSERVE O AGORA!

Dárcio

Concentre-se neste AGORA! Observe o Universo sendo! Contemple-se em Sua Mente  cósmica e atemporal, discernindo: “Eu Sou AGORA!” Mantenha-se nesta contemplação! E perceba que,  apesar da “sugestão” de passagem de tempo,  “perdura” o mesmo  “AGORA” inicial! O mesmo “AGORA” de sempre! O mesmo “AGORA” que é Eternidade!

CONFIRME A VERDADE COM AUTORIDADE

Dárcio
Quando confirmamos a Palavra da Verdade com a autoridade do Espírito, como fazia Jesus, a “aparência” surge melhorada; mas, à visão de quem a pronunciou, ocorre o sumiço da ILUSÃO de Existência humana,  o que deixa  à mostra, em três dimensões, a harmonia eterna pluri-dimensional do Reino da Verdade.
 
Deus é Tudo! O ponto de partida, portanto, é sempre o de que “é bom tudo o que Deus fez”.   Quando, diante de alguma “aparência do mal”, assumimos nossa posição de UNIDADE com o BEM   ABSOLUTO , nossa confirmação manifestada com autoridade, de que “o Bem já é presente” e  “o mal é irreal” ,  permite que permaneceçamos destemidamente ancorados na Perfeição incólume da Verdade,  até que   “fumaça ilusória” se dissipe por completo! 
O Universo é Deus em expressão! É Bem Absoluto! Toda “aparência de mal” é MIRAGEM!  Se lidamos com tais aparências crendo não nelas, mas na TOTALIDADE DE DEUS como Bem jamais ausente, a Onipotência divina pode ser comprovada.

SIMPLICIDADE NA CONTEMPLAÇÃO

Dárcio

A premissa básica da Verdade diz que DEUS É TUDO! TUDO É TUDO! Assim, a oração mais eficaz é a que se faz com plena simplicidade em cima desta Verdade absoluta! Fora de Deus não há mais nada! A mente humana, que parecia mostrar quadros falsos, é nada!

Parta com a maior simplicidade possível da Presença divina já sendo VOCÊ! Repouse nesta percepção! Contemplar é simplesmente SER!

“Aquieta-te e sabe, Eu Sou Deus”.

"DAI E SER-VOS-Á DADO"

Dárcio

VOCÊ é um Centro de emanação da natureza de Deus. A lei da Vida é a prática da Expressão! “Dai e ser-vos-á dado!”. Isso não se refere a dinheiro! O Reino não é deste mundo!

Expresse saúde! Expresse boa-vontade! Expresse os dons divinos! Expresse Deus que constitui sua vida! Assim fazendo, estará ccumprinco e comprovando a Lei:

“O Amor é o cumprimento da Lei”.

PERDOAR MELHORA O DESTINO

 
 
Se compreendermos que as pessoas boas ou más que aparecem em nossas vidas são atraídas pelo tipo de onda mental que irradiamos, entenderemos que não existem injustiçados. As leis mentais garantem a “atração dos semelhantes”, ou seja, conhecemos somente aqueles que possuem o mesmo padrão de subconsciente que o nosso. Portanto, julgarmos as pessoas significa julgarmos nosso próprio subconsciente: a mente que pensa em ser ladrão, que teme ladrão, que o tem sempre em foco, atrai ladrão; a mente que pensa em oferecer amor, benefícios, ajuda, atrai benfeitor.
 
Se temermos ladrões e assaltos, estaremos emanando esse tipo de onda mental do ladrão, pois a lei da mente não escolhe bem ou mal: ela atrai aquilo que nós próprios irradiamos.
 
O conhecimento deste mecanismo de ação da mente faz com que conheçamos também o motivo pelo qual o perdão é tão recomendado na maioria dos ensinamentos. O perdão melhora o nosso destino: elimina de nosso subconsciente os sentimentos negativos de mágoas e ressentimentos, evitando que ali permaneçam ocultos atraindo “coisas semelhantes” em nosso destino.
 
Há pessoas que se dizem incapazes de perdoar. Julgam que estarão ganhando alguma coisa com esse “amor-próprio”, mas é justamente o contrário. Por conservarem no subconsciente aquela negatividade tão fortemente arraigada, passam a vida toda colhendo frutos da mesma espécie. Se souberem que o “mal” feito pelos “outros” foi, na verdade, atraído por elas próprias, facilmente deixarão de culpá-los e se dedicarão a trabalhar efetivamente para purificar o subconsciente e torná-lo mais amoroso e positivo.
 
Perdoar significa desanuviar nosso subconsciente. O perdão pode ser praticado em secreto, pois atua para nós e dentro de nós. Muitos puderam comprovar a cura de doenças crônicas simplesmente após sentirem internamente o alívio produzido pela sincera prática incondicional do perdão.
 
 
MENTALIZAÇÃO PARA PERDOAR
 
 
Neste instante, eu perdôo plenamente a todos os meus parentes e pessoas com quem tive desentendimentos no passado. Perdôo a mim mesmo por ter guardado sentimentos negativos a respeito deles. Que sejam livres! Que sejam felizes! Sempre que surgir algum deles em minha mente, afirmarei decididamente: JÁ O DEIXEI LIVRE; SEJA FELIZ! Meu subconsciente está purificado e cheio de amor. Atraio somente coisas boas.
(mentalizar várias vezes, diariamente, até sentir o alívio interno que comprove o final deste tratamento mental) 
 
Pontos a serem observados:
 
1. Melhoramos nosso destino através da saturação de nosso subconsciente com idéias positivas e eliminação das negativas.
 
2. Para eliminarmos o negativismo do subconsciente, podemos fazer uso do perdão. Com ele, muito negativismo oculto vem à tona e é eliminado.
 
3. Perdoar não significa “passar por cima do mal que nos fizeram”. Significa eliminar do subconsciente a semente negativa ali retida, por causa do nosso desconhecimento das leis mentais.
 
4. O perdão é entendido quando aprendemos que nossas ondas mentais traçam o nosso destino e que jamais sofremos injustiças causadas pelos outros.
 
5. Atraímos o bem ou o mal segundo o nosso padrão mental. A prática sincera e consciente do perdão eleva este padrão e faz com que o nosso destino se torne cada vez melhor.
 
 

ESPELHO

(O PRINCÍPIO DO SUPRIMENTO)

Dárcio

A grande dificuldade inicial, no estudo da Verdade, está em se compreender a Revelação de que o mundo verdadeiro é espiritual e perfeito, enquanto este suposto mundo material é ilusório, puríssimo nada. Façamos uma analogia com o espelho e aquilo que ele reflete. Se diante dele colocarmos dez quilos de areia, ele refletirá dez quilos de areia que serão ilusórios! A imagem refletida parecerá ter dez quilos, o aspecto visto parecerá ser verdadeiro, ter cores, ter tudo que o objeto posto à frente dele realmente possui, mas, de fato, não terá realidade alguma!

Precisamos entender que esta “imagem no espelho” somente pode estar ali porque existe a imagem verdadeira fora do mesmo! O reflexo não tem realidade nem substância! É mero reflexo! Que revela a Metafísica? Revela que, assim como a areia vista no reflexo está fora do espelho, todos nós estamos fora deste “mundo material”, em Deus, exatamente agora. Que é a pessoa vista no mundo? Que é o mundo? Reflexos finitos da Realidade infinita. Que “espelho” nos apresenta este reflexo? A chamada “mente humana”. Ela é mero “espelho”, finito e limitado, que tenta refletir o infinito perfeito como “imagens finitas temporais”.

Se quisermos aumentar para vinte quilos de areia a quantidade mostrada pelo espelho de nossa analogia, que teríamos de fazer? Orar diante dele para que nos aumentasse a quantidade desejada? Não! Colocaríamos à frente dele mais dez quilos de areia, e, automaticamente, o reflexo apareceria aumentado para “vinte quilos”. Este é o princípio do suprimento, ensinado pela Metafísica.
Se quisermos mais suprimento visível, precisamos colocar diante da mente (espelho) aquele aumento de Substância. De que Substância dispomos? De Deus, pois Deus é a única Substância real e onipresente! Eis por que é sempre reiterado que “Deus é a Fonte Única de Suprimento!” Fechamos os olhos, diante do “espelho-mente-humana”, e reconhecemos o fluxo infinito do Suprimento divino em nosso interior, em nossa Consciência. Assim, naturalmente, aparecerá o “reflexo visível” dessa Substância invisível, reconhecida como estando presente.

Quem entender esta analogia do espelho, entenderá a base dos princípios revelados, e terá conhecido o significado das palavras de Cristo: “Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e Sua justiça, e todas as demais coisas vos serão acrescentadas”.

A RELAÇÃO MENTE E ESPÍRITO

Dárcio
( IV )
Um “Não” à Dualidade
Jamais devemos aceitar a existência de um Universo espiritual, perfeito e invisível, e aceitar, paralelamente, um “outro” Universo visível e imperfeito, que evolui pouco a pouco rumo à perfeição. Tal dualidade compromete toda a realização da Verdade. HÁ SOMENTE UM UNIVERSO! ESPIRITUAL, INFINITO E PERFEITO. NELE ESTAMOS AGORA! A SUPOSTA MENTE HUMANA NÃO O PODE VER, MAS ELE AQUI SE ENCONTRA, E ESTAMOS TODOS NELE, EXATAMENTE AGORA.
A ilusória aceitação de “dois” Universos se deve ao “julgamento segundo as aparências”. “Aparências” são conceitos finitos e distorcidos que a mente humana cria sobre o Universo, pois ela não consegue vê-lo tal como realmente ele é. Portanto, estes conceitos devem ser reconhecidos como NADA! O “progresso”, neste estudo, é proporcional ao nosso radical abandono do conceito ilusório de Universo, para que se dê a revelação de nossa atual presença no perfeito Universo divino, que é único. “Em Deus vivemos, nos movimentamos e temos o nosso ser” (Atos 17; 28).
Caso continuarmos crendo num mundo humano e imperfeito, olhando-nos e ao nosso próximo com os ilusórios “olhos” da mente humana, estaremos, certamente, dentro da lógica do mundo, mas isto em nada contribuirá para o nosso Despertar espiritual. Poderia a lógica humana entender o perdão ou o amor incondicionais? Poderia entender que “o Reino não é deste mundo”? Sabemos as respostas.
Sejam quais forem os aspectos visíveis “deste mundo”, sejam quais forem os aspectos visíveis de nosso ser, é preciso que os encaremos como NADA: são pura ILUSÃO! Tanto os bons como os maus aspectos do cenário visível são ilusórios: o “quadro todo” deve ser visto como ilusório! Fazendo uma analogia, seria como se alguém estivesse vendo uma novela pela TV, envolvido com ela, e repentinamente outra pessoa desligasse o fio da tomada para que, com o sumiço da imagem da tela, ele se desse conta de que a “realidade” estava sendo o cenário de sua casa. Não somos “pessoas deste mundo”; somos Deus manifesto comoseres individuais. Se deixarmos o envolvimento com o “quadro humano”, ficando com a “mente transparente à Verdade”, e SOMENTE à Verdade, surgirá o chamado “paraíso terrestre”, um harmônico conceito tridimensional, que será meramente um “reflexo visível” do VERDADEIRO E ÚNICO UNIVERSO AQUI PRESENTE, QUE É PURAMENTE ESPÍRITO.

DESESTABILIZAÇÃO MOMENTÂNEA

Dárcio

Quando projetamos estampas numa tela, de início, costumamos observar se as imagens estão saindo bem nítidas. E, notando que não, ajustamos o foco do projetor até que a nitidez seja a melhor possível, Neste processo do ajuste, as imagens na tela se deformam, sofrem todo tipo de desestabilização, até se firmarem como devem. A pessoa que as projeta não fica preocupada com as distorções momentâneas que ocorrem até que a nitidez se estabilize; por quê? Por saber que as distorções são naturais e necessárias para que se atinja uma imagem projetada ideal.

Assim também se dá conosco neste estudo da Verdade. Quando passamos a nos posicionar conscientemente em unidade com Deus, objetivando a percepção da Realidade perfeita, as “projeções” das aparências, na tela da mente humana, começam a sofrer uma desestabilização para chegar ao “ponto ideal”, como ocorre com as estampas na tela de projeção. Alguns, por desconhecerem este mecanismo, se preocupam, vendo estas “aparências deformadas”, e pensam que o estudo não está adiantando, ou que a situação, em vez de melhorar, piorou, etc. É preciso que a pessoa se mantenha firmemente consciente de ELA E DEUS FORMAM UM SÓ CORPO, até as aparências visíveis “se acomodarem” ao foco da Verdade para se mostrarem em harmonia estável neste “mundo de aparências”.

“Em Deus vivemos, nos movemos e temos o nosso ser (Atos 17; 28). Nesta Verdade deve VOCÊ permanecer! As aparências, sejam as anteriores, as em mutação ou as futuras que se mostrem harmonizadas, são sempre apenas”aparências”. Permaneça na Verdade: reconheça: Deus Se expressa como o ser individual que EU SOU”; desse modo, as aparências caminharão no sentido de “refletir” a imutabilidade perfeita da Realidade divina.

. Muitos, por desconhecerem esse mecanismo, se preocupam.

"TEU PAI QUE VÊ SECRETAMENTE"

Dárcio

“Mas tu, quando orares, entra no teu aposento, e,
fechando a tua porta, ora a teu Pai, que está em secreto;
e teu Pai, que vê secretamente, te recompensará.
Mateus 6; 6
A Visão de Deus é absoluta. Deus jamais poderia ver ilusão; assim, Deus jamais poderia ver em cada um de nós algo diferente da perfeição. Quando oramos, devemos ter em mente que a visão humana, sugerida como sendo a visão que temos, nada vê em nós, em nosso próximo ou em nossa vida, e que tenha realidade absoluta.
A mente humana “vê” somente os sonhos de sua própria natureza nula. Jesus sabia disso, e que, se fôssemos meditar, mantendo de início esta cegueira humana , iríamos “dividir a casa”, querendo, da oração alguma “correção de ilusão”. Assim, disse: “fecha a tua porta”, ou seja, deixe de aceitar as aparências externas, e “TEU PAI, QUE VÊ SECRETAMENTE, TE RECOMPENSARÁ”.
Faça isso: não se esforce mentalmente durante as meditações; isole-se mentalmente “deste mundo” e saiba claramente que Deus o vê com Sua Visão absoluta e perfeita! Contemple-se sendo VISTO por Deus! Deixe que Deus dê o testemunho divino sobre VOCÊ!

O QUE SE VÊ NÃO EXISTE

Dárcio

O que se vê com a mente humana não existe! O que existe é somente a Substância-Deus, Luz infinita, em eterna manifestação perfeita, e que inclui VOCÊ. Portanto, sejam quais forem os problemas “vistos” pela mente humana, solte-os de sua atenção! “Vinde a MIM (Consciência da Verdade) e EU vos aliviarei”. Esta “ida ao Cristo” de seu próprio ser, com a convicção de que “o que se vê com a mente humana não existe”, o deixa em unidade somente com a perfeição que existe! Perceba essa unidade gloriosa AGORA MESMO!

“Quem permanecer em MIM dará frutos”, disse Jesus, garantindo que, se VOCÊ se abstrair das ilusões visíveis, para radicalmente se compenetrar da Substância-Deus que VOCÊ JÁ É, a SUA Luz, assim reconhecida, “limpará” todas as falsas negatividades da suposta vida humana.

VOCÊ é Filho de Deus, e não vítima humana de crenças temporais deste mundo!

MEDITAÇÃO DE SEGUNDOS

DÁRCIO

A ação de Deus em nós é constante, mas, através de orações curtas podemos fazer melhor sintonia, quando nos dedicamos, por poucos segundos, unicamente em perceberde Sua amorosa Presença em nós.

Cerre os olhos por alguns segundos, e medite:

Pai, estou aberto e atento unicamente à Tua atividade amorosa em mim. Silencio-me por alguns segundos para perceber a Tua Presença una comigo.

(Em seguida, permaneça receptivo por alguns segundos)

A DOENÇA COMO CRENÇA

Dárcio

Quando alguém se imagina doente, com algum assim-chamado distúrbio “físico”, deve, imediatamente, saber que a questão é puramente mental e jamais física! O corpo físico, sendo matéria, não sofre nem sente dor! A sensação vem da mente envolvida com crenças infundadas, onde a principal é a de que estamos separados de Deus, ou que Deus não constitui a substância perfeita que é o nosso corpo verdadeiro.

Que devemos fazer? Meditar e contemplar o nosso corpo espiritual já perfeito! Entender que nossa soltura na ação de Deus em nós faz com que as névoas da crença se dissolvam na mente humana! Se persistirmos em aceitar que a luz divina, fluindo em nós, erradica as crenças falsas geradoras da ilusão de doença, teremos a chamada “cura”. Assim, não devemos meditar pensando em curar o corpo! Ele está perfeito sempre! Entendamos que a Luz de nosso corpo, se irradiando livremente através da mente receptiva, elimina a imagem falsa de doença nela retida! A saúde está sempre em nós! Esta é a Verdade a ser contemplada com determinação e confiança.

MARTA E MARIA

Dárcio
E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou em uma aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa. E tinha esta uma irmã, chamada Maria, a qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a sua palavra. Marta, porém, andava distraída em muitos serviços e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe, pois, que me ajude. E, respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada.
Lucas 10; 38-42
Olhando uma cidade do alto de um edifício, vemos o retrato do que é a humanidade em seu dia-a-dia de atividades. Um cenário de correria, agitação e preocupações várias! Todos têm pressa! Todos acham que o que têm a fazer é muito importante! E atribuem àquela correria desmedida o sentido da vida! Mas não é bem assim!
A vida, de fato, é mesmo atividade. Porém, uma atividade global, e harmoniosa, que se desdobra incessantemente como a atividade natural de cada um. Jamais pode ser confundida com essa atividade tumultuada e estressante a que, infelizmente, se submete a maioria. Por que a confusão e a correria tomam conta de todo mundo? Porque a maioria está “distraída em muitos serviços”, vivendo na ilusória “mentalidade de Marta”. E, quem assim vive, faz questão de arrastar os demais para a mesma forma de pensar, a exemplo de Marta, que pediu a Jesus que intercedesse junto a Maria para que ela a ajudasse.
O mundo está lotado de “Martas”, que aparecem como patrões, exigindo serviços não imprescindíveis de seus subalternos; como funcionários, que vivem insatisfeitos por não poderem realizar suas vaidades supérfluas com os ganhos atuais, como familiares, que inventam viagens desnecessárias somente por olharem um feriado se aproximando; como anunciantes na mídia, que despertam interesse geral pela compra de coisas inúteis; como novelas, futebol, e centenas de outras distrações, que escravizam a mente de seu público, etc. Onde está o erro? Na falta de “Marias”. Na falta de interesse e dedicação, por parte da maioria, para se pôr “aos pés do Mestre”!
A vida verdadeira é a Vida de Deus sendo tudo e sendo todos! “Ficar aos pés do Mestre” é meditar e ouvir a Voz do Cristo de nosso próprio ser! Esta Voz não nos deixará inativos! Apenas nos deixará sintônicos com a Ação de Deus! Não mais agiremos movidos pelo “hipnotismo coletivo”, mas sim, em unidade com Deus. Esta ação, que é espiritual, também se estenderá à vida cotidiana; e, por ser um reflexo visível da ação verdadeira invisível, esta se traduzirá adequadamente como atividades realmente necessárias, proveitosas e úteis a todos.
“Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada.” Esta “boa parte”, escolhida por Maria, e que “não lhe será tirada”, é o conhecimento da Verdade!
Você não é “deste mundo”. Não é um ser humano em atividades mil das aparências! Acalme-se! Despreocupe-se! Sua atividade real, atual e única é espiritual e de natureza divina! “Ser Maria” significa “ficar aos pés do Mestre”, sua própria Consciência iluminada, para discernir sua unidade com Deus e a Ação do Pai aparecendo como a sua ação harmoniosa individual! É dentro dessa visão que tudo em sua vida se amolda à Verdade, e ela se desdobra como vida abundante e plena de bem-aventuranças “por acréscimo”.

A RELAÇÃO MENTE E ESPÍRITO 3

 
Estamos em “Solo Sagrado”
 
Quem adquiriu conhecimentos espirituais, transmitidos  pelas diversas  correntes metafísicas, deve saber  que já estamos, aqui e agora, vivendo num Universo espiritual e perfeito, exatamente como foi idealizado por Deus. Contudo, este Universo não é como é visto pela humanidade, o que vem confundindo muitos dos que estudam a Verdade. Existem dois mundos? Um divino e outro humano?
 
Primeiramente, analisemos o seguinte: é incontestável o desejo geral de vivermos harmonicamente e felizes sob todos os aspectos. É também notório que o Universo, dito visível, é incapaz de nos preencher com esta harmonia almejada de maneira completa em constante. Estas conclusões nos impelem a buscar por algo além do visível, algo que nos dê respostas concretas e soluções, em vez de perguntas e problemas. Quando alguém se descobre nesse ponto, inicia-se a busca de Deus, da Verdade, do Invisível ou do aparentemente “Desconhecido”.
 
Dos ensinamentos místicos, a pessoa recebe os princípios espirituais básicos, os quais encontram em sua mente transparente à Verdade toda a receptividade necessária para que possam atuar. É neste momento que o correto entendimento a respeito da relação entre a suposta mente humana e a Verdade se torna de vital importância.
 
Retornemos à questão sobre os “dois” Universos. Muitas escolas metafísicas ensinam a Verdade Absoluta, ou seja, SOMENTE EXISTE DEUS, SE MANIFESTANDO COMO ESTE UNIVERSO ESPIRITUAL E SEUS INTEGRANTES. Podemos dizer que esta frase contém toda a Revelação. E, para melhor aclarar a idéia de que DEUS É TUDO, costuma-se explicar que o “mundo visível” é uma ILUSÃO.
 
Na verdade, a “mente humana” é a ILUSÃO propriamente dita, pois, incapaz de captar corretamente o infinito Universo espiritual como ele é, somente nos apresenta  um “conceito” tridimensional mutável de mundo. Por ser mero conceito, não possui nenhuma base real de existência. Analisemos o seguinte: se, em vez de três, a mente humana captasse somente duas dimensões, o Universo divino infinito nos seria mostrado por ela como conceito bi-dimensional, e assim, facilmente observamos a sua natureza ilusória. Quando se diz que este “este mundo visível é ilusão”, há quem pense que o que está sendo dito, é que não existe nada. O sentido é outro! O mundo visível é uma imagem ilusória por não ser um retrato fiel do Universo divino. Em outras palavras, ao se dizer que “este mundo é ILUSÃO”, está se ampliando ao máximo o conceito do Universo, para que se admita, por fim, a Verdade de que o Universo real em que vivemos já é perfeito, iluminado e infinito.
 
Não há “dois” Universos: há somente UM. Mesmo que “mil tipos” de mente ilusórias nos mostrassem “mil conceitos” de Universo, cada uma traduzindo-o a seu modo, ainda assim, teríamos como real e existente somente o Universo Único, que é Espírito. O papel da mente é o de reconhecer unicamente a presença do Universo divino, mesmo que ela não o capte em suas infinitas dimensões.
 
Quando efetuamos as meditações contemplativas, alcançamos o “silêncio interior” em que Deus pode ser discernido como sendo o nosso Ser;  ao mesmo tempo, a natureza ilusória da mente humana é  percebida. Este é o “Despertar” que nos faz discernir o Universo Luminoso sempre aqui presente, o que nos leva a perceber que permanentemente  estamos em “solo santo”.
 
continua…

PÂNICO OU DEPRESSÃO

     De repente, alguém se diz acometido de uma série de sintomas físicos, psíquicos ou emocionais desagradáveis: medo, tontura, tremor, etc. Indo ao médico ou terapeuta, recebe o diagnóstico: “ataques de pânico”. Recordemos a frase lapidar de Jesus Cristo: “Conhecereis a Verdade, e a Verdade vos tornará livres”. Analisemos a questão do “pânico” e da “depressão” à luz da Ciência espiritual.

 

     Com que mente a pessoa se identifica? Em geral, com a mente humana! Entretanto, temos revelado que nossa Mente verdadeira é divina, idêntica à de Jesus Cristo! (I Coríntios 2:16). A mente humana registra os sintomas de depressão e pânico: como devemos agir, diante de tais ilusões? Em primeiro lugar, devemos perceber que “o perfeito Amor (Deus) lança fora o medo”. Em seguida, sem lutar contra os sintomas, devemos observá-los como se estivessem acontecendo fora de nós, fora de nossa Mente real. Identificados como filhos e filhas de Deus, dotados da Mente perfeita de Cristo, focalizamos o Amor infinito de Deus fluindo a partir de nosso próprio ser! Os “ataques” cederão! Que eram? Meras sugestões da ilusória mente humana!

 

     Quanto mais nos dedicarmos à percepção de que vivemos imersos no Amor infinito de Deus, e que este Amor Se irradia de nossa própria Essência, fato que iremos perceber com clareza em períodos de silêncio contemplativo, menos propensos estaremos a ficar submissos a “crises” de pânico ou de depressão. Habituemo-nos a reconhecer nossa Unidade com Deus, e a perceber em nós este “jorrar do Amor divino infinito! “Onde o Espírito de Deus está, aí há LIBERDADE!”  E, este Espírito de Deus está DENTRO de nós!

 

     Outro detalhe prático é o seguinte: após nos visualizarmos imersos no Amor Divino, deveremos expressar este amor em nosso dia-a-dia, doando-nos em benefício do próximo! “Dai, e ser-vos-á dado”, ou seja, quando ficamos esquecidos de nós mesmos, por estarmos expressando o Amor divino que flui através de nós, sequer teremos tempo a perder com idéias de pânico, depressão e demais sensações negativas! Estaremos em unidade com Deus e vivendo a vida pela Graça! E perceberemos, assim, a nossa real liberdade!

SER É NÃO PENSAR

     Em alguns ensinamentos, encontramos frases com o sentido de que “o homem é aquilo que pensa ser”. Esta visão relativa faz com que sejamos levados à ilusória idéia de que uma compreensão mental cada vez maior nos eleva em consciência e que, desse modo, paulatinamente evoluímos e retornamos à perfeição original em Deus. Aqueles habituados com esse tipo de enfoque estranham muito a colocação que fazemos dos princípios metafísicos absolutos.

 

     A Revelação começa e termina com a Verdade de que a Mente divina é única e, portanto, é a Mente de todos nós, exatamente agora. As coisas espirituais são discernidas espiritualmente, e não por análise intelectual baseada no ilusório mundo das aparências. O intelecto não precisa ser agradado: ele é o “pai-da-mentira”, ou seja, a mente humana, por ser instrumento falso e finito, nada nos informa que tenha real credibilidade. A Verdade absoluta diz que DEUS É A ÚNICA CONSCIÊNCIA! Desse modo, acreditar que exista alguma “consciência humana”, interessada em “buscar a Verdade” para entrar em processo evolutivo, é pura ilusão.

 

     Autopercepção divina: este é o processo real, visto pelo mundo como “alguém interessado na Verdade”. Deus já está plenamente consciente da totalidade da Existência. Logo, nossa Consciência atual somente pode ser esta própria Consciência onisciente. As pessoas, por julgarem existir a “mente humana”, pensam em transcendê-la, usando seus próprios pensamentos ilusórios. Assim, afirmamos que SER É NÃO PENSAR! Não pensar inclusive em “transcender” o chamado mundo da matéria. Como a mente humana é inexistente, podemos empregar o artifício de entendê-la como sendo a Mente divina! A mente humana não é a divina! Mas, por ser ela inexistente, se assim a encararmos, deixaremos de lado a dualidade e as limitações, e teremos mais facilidade em admitir que Deus é nossa Mente única e atual.

 

      A frase “a mente humana é a Mente divina”, usada didaticamente, promove a paralisação da “mente inexistente”, deixando-nos apenas conscientes da Mente divina que, em Autopercepção, é vista como nossa Mente única.

 

      O discernimento espiritual do sentido da frase “a mente humana é a Mente divina” elimina, como dissemos, a dualidade pela raiz: todos os seus frutos, como a chamada “queda de Adão”, ou o “retorno do filho pródigo à casa do pai”, que encerram a ilusão de uma existência apartada de Deus, acabam sendo reconhecidos pelo que sempre foram: IRREALIDADES!

 

     “Dispõe-te, resplandece, porque vem a TUA LUZ, e a glória do Senhor nasce sobre TI”.(Isaías 60:1). Em Autopercepção, devemos notar a Luz divina resplandecendo, aqui e agora, como “nossa” Consciência iluminada. O Evangelho de Tomé registra a seguinte frase de Jesus: “As imagens se manifestam ao homem, e a luz que está oculta nelas–na imagem da luz do Pai—ela se revelará e sua imagem será oculta pela luz”. A “mente-que-parece-existir”, e que se mostra fixa às aparências do mundo, apenas parece ocultar a LUZ ONIPRESENTE DA REALIDADE. Uma ausência não pode ser removida! A Presença única universal é Deus, é Luz, é Espírito. “Se eu digo: As trevas, com efeito, me encobrirão, e a luz ao redor de mim se fará noite, até as próprias trevas não te serão escuras; as trevas e a luz são a mesma coisa”.(Salmo 139:11, 12).

 

     A percepção da UNIDADE ILUMINADA revela somente Luz onde o “pensar humano” admitia “luz e trevas”, saúde e doença, riqueza e pobreza, bem e mal. Por isso, declaramos: SER É NÃO PENSAR. Jamais VOCÊ foi, é ou será o que a suposta mente humana pensa a seu respeito. Onde parece haver “mente humana”, desejosa de transformar “trevas” em “luz”, já brilha a sua Mente iluminada, para a qual “trevas e luz são a mesma coisa”, para a qual “carne e Verbo são a mesma coisa”. Portanto, em vez de querer “transcender”, ou lutar contra as crenças do pensar humano, reconheça: SER É NÃO PENSAR! Reconheça que sua “mente humana” já é a Mente divina, aqui e agora, uma vez que apenas UMA delas existe de Verdade, e a limitação que parecia estar existindo, motivando “buscar a Verdade”, será vista como inexistente. Você perceberá, assim como Jesus, que VOCÊ É A VERDADE!

 

     Em termos práticos, por que dissemos que “a mente humana já é a divina?” Porque SOMENTE a Mente divina está agora atuando realmente como sua Mente. Assim, para VOCÊ, o tempo não existe! A Perfeição Absoluta da Realidade está plenamente manifesta COMO seu EU. A mente que parecia querer curar uma doença, é a sua Mente divina deste AGORA, reconhecendo que VOCÊ JÁ É PERFEITO! A mente que parecia querer melhorar o seu relacionamento com alguém, é a sua Mente divina deste AGORA, reconhecendo que TUDO É HARMONIA! A mente que parecia querer melhorar qualquer coisa, é a sua Mente divina deste AGORA, reconhecendo a Perfeição absoluta do Universo inteiro. Este é o considerar “prático” de “as trevas e a luz são a mesma coisa”. É preciso haver uma concordância plena entre a leitura e a ação. PERCEBER A VERDADE É SER A VERDADE PERCEBIDA!

 

     “Levanta-te; toma a tua cama, e vai para tua casa”. Não fique esperando que esta ordem lhe chegue do “mundo exterior”. A Mente de Cristo é a SUA MENTE! Ela lhe garante: VOCÊ É AGORA UM SER PERFEITO. Não fique “pensando” sobre essa Revelação, como se algum “pensamento” pudesse separá-lo de Deus! NADA PODE SEPARÁ-LO DE DEUS, POIS DEUS É TUDO, AQUI E AGORA, E ESTÁ SENDO INCLUSIVE VOCÊ!

 

     “Ali estava a luz verdadeira, que alumia a todo o homem que vem ao mundo. Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quanto o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; aos que crêem em seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade”.(João 1:9-14)

(Dárcio Dezolt)

VOLTANDO AO PAI

     Em João 16:28, lemos “Saí do Pai, e vim ao mundo; outra vez deixo o mundo, e vou para o Pai.” Pratiquemos o SILÊNCIO percebendo, em quietude, que somente aparentemente deixamos o Pai para vir ao mundo. Reconheçamos que, por Deus ser ESPÍRITO ONIPRESENTE, este mundo material é ilusório, uma imagem na mente humana, ou seja, JAMAIS SAÍMOS do Pai verdadeiramente. Esta percepção completa o sentido da parte final da citação da abertura, ou seja, DEIXAMOS OUTRA VEZ O MUNDO ( a crença ), E VAMOS CONSCIENTEMENTE PARA O PAI. O sentido absoluto é que jamais “entramos” e jamais “saímos” do chamado mundo material, pois este suposto mundo é uma imagem hipnótica na mente humana, e nunca uma realidade manifestada externamente. Sempre estivemos, estamos e estaremos EM DEUS-na Onipresença imutável perfeita–, uma vez que “O MESMO PAI NOS AMA”.

     “Disseram-lhe os seus discípulos: Eis que agora falas abertamente, e não dizes parábola alguma. Agora conhecemos que sabes tudo, e não há mister de que alguém te interrogue. Por isso cremos que saíste de Deus.” ( João 16 : 29-30 ).

     A nossa identificação com a Verdade revelada, de que estamos AGORA em Deus, faz com que nos identifiquemos com a ONISCIÊNCIA. Em outras palavras, “agora conhecemos que sabes tudo”, ou seja, a Mente divina é percebida como a única Mente do Cristo-e a Mente única de todos nós. “Não há mister de que alguém te interrogue”!

     “Respondeu-lhes Jesus: credes agora? Eis que chega a hora, e já aproxima, em que vós sereis dispersos cada um para sua parte ( a posição espiritual de cada um na Onipresença ), e me deixareis só ( a UNIDADE ), porque o Pai está comigo.” ( João 16: 31-32 ).

     Cada um que perde a noção errônea ( ou a ilusão ) de que é um ser humano, perde juntamente a crença falsa de separatividade… quando percebe a originária e indissolúvel UNIDADE COM DEUS. “Tenho vos dito isto, para que EM MIM TENHAIS PAZ; no mundo tereis aflições, MAS TENDE BOM ÂNIMO, EU VENCI O MUNDO.” ( João 16:33 ).

     Ninguém consegue estar em paz e em aflições ao mesmo tempo. Como dissemos, o mundo visto pela mente humana é ilusório : ESTAMOS EM DEUS. DEUS É O SER ÚNICO ONIPRESENTE, é o único MIM. Cada um, na Prática do Silêncio, deve se enquadrar no sentido absoluto desta Verdade: “EU, EM MIM, TENHO PAZ! Esta Verdade é prática? Sim! Ela revela o UNIVERSO DA REALIDADE, a ESSÊNCIA ABSOLUTA, em que “vivemos, nos movimentamos e existimos”, como disse Paulo em Atos 17:28.

     TUDO JÁ ESTÁ ACONTECENDO AGORA! O TEMPO NÃO EXISTE! PASSEMOS A AGIR COMO SE O MELHOR JÁ ESTIVESSE ACONTECENDO! AJAMOS ASSIM, POIS ESTA É A VERDADE ABSOLUTA! “Ter bom ânimo” significa aceitar, reconhecer, em quietude e silêncio, que a Verdade já é esta exatamente aqui e agora! Este RECONHECIMENTO desmascara o suposto mundo da matéria, com todas as suas chamadas aflições.

(Dárcio Dezolt)

A TRANSCENCÊNCIA QUE LIBERTA

  • Na Metafísica lidamos não com teoria, mas com três componentes básicos demonstráveis: os ingredientes, a receita e o produto final almejado. De nada adianta uma receita de bolo sem os ingredientes: de nada adiantam os ingredientes sem a receita do bolo: e de nada adiantam os ingredientes e a receita, se ninguém produzir o bolo com eles. A base da Metafísica é que DEUS, a SUBSTÂNCIA ESPIRITUAL INVISÍVEL, é TUDO! Assim, o verdadeiro “INGREDIENTE” disponível é sempre DEUS! Por isso Cristo disse “EU SOU O PÃO DA VIDA”, “EU TENHO ALIMENTO QUE VÓS NÃO CONHECEIS.” …. sabia e sabe que DEUS é a única FONTE DE SUPRIMENTO.
        

  • Agora precisamos da RECEITA… qual é ela? Precisamos entender que DEUS É O RESERVATÓRIO INFINITO DE SUBSTÂNCIA ESPIRITUAL… mas, um reservatório de água só alimenta nossas casas se nossas torneiras estiverem ABERTAS. Assim, primeiramente, precisamos entender que temos, dentro de nós, a Mente divina … o FILHO DE DEUS UNIDO AO PAI… depois, precisamos reconhecer que esta Mente de Filho de Deus é a ´VALVULA” que, aberta, deixa ESCOAR a SUBSTÂNCIA ESPIRITUAL INFINITA. Para isto, utilizamos a PRÁTICA DO SILÊNCIO. Em silêncio, quietude, contemplação, reconhecemos que temos em nós a “válvula totalmente aberta” que nos faz jorrar o INFINITO! Desse modo, teremos o Reino de Deus disponível de imediato… e “todas as coisas necessárias nos virão de acréscimo.”
            
    Por que teremos os bens visíveis pelo reconhecimento da presença de Deus jorrando em nosso interior?
          

  • Porque a mente humana é como se fosse um espelho para refletir a SUBSTÂNCIA DIVINA RECONHECIDA! Para que um espelho reflita a imagem de alguém com chapéu, diante dele a pessoa terá de ficar COM chapéu. Da mesma forma, para que a mente humana possa refletir nossas riquezas espirituais na forma de bens visíveis, teremos de nos posicionar diante dela ABARROTADOS da SUBSTÂNCIA ESPIRITUAL! Este é o mecanismo ensinado por Cristo, ao dizer: “BUSCAI O REINO DE DEUS… E AS DEMAIS COISAS VIRÃO ACRESCENTADAS.”
            

  • Quando nos identificamos como FILHO DE DEUS, em UNIDADE COM O PAI, quando deixamos de esperar do mundo as coisas de que necessitamos, quando nos silenciarmos para perceber o INFINITO jorrando dentro de nós, em nossa própria Consciência espiritual, estaremos “buscando o Reino em primeiro lugar”…. e a mente humana ( espelho ) se verá obrigada a refletir esta SUBSTÂNCIA PRESENTE mostrando-a como as “coisas necessárias deste mundo”. Em outras palavras, DEUS É A SUBSTÂNCIA, e a chamada “matéria” é mera sombra da Substância projetada na mente humana.

(Dárcio Dezolt)