AQUELE SUJEITO ILÓGICO

AQUELE
SUJEITO ILÓGICO
Emmet Fox

Há gente que costuma dizer: “Creio firmemente na doutrina espiritual;há anos que creio nela, mas nunca consegui fazer com que funcionasse…não é estranho?” E, às vezes, dizem-no com ar de triunfo.

Tais pessoas me fazem lembrar de um certo homem que costumava vangloriar-se de que tinha uma moléstia que ninguém podia curar. Parece que tinha desafiado como êxito todo o tipo de tratamento conhecido, e sempre saíra triunfantemente vencedor, ainda que de posse do seu mal. Sua esposa acabou por curá-lo exclusivamente pela prece, mas era uma mulher paciente e perseverante.

É claro que, se você fica dizendo ou pensando que não pode fazer com que a doutrina funcione (o que, em geral, significa que não espera que funcione), está fazendo uma lei para si próprio nesse sentido, e jamais deve cansar-se de recordar que, quando faz uma lei para si próprio, tem que viver segundo essa lei. Você pode já conhecer essa lei há 40 ou 50 anos, porém, sendo humano, tende a esquecê-la, ao menos ocasionalmente.

A mulher do tal homem provavelmente indica o caminho para a superação desse erro, A chave para o sucesso com tais problemas reside exatamente nas qualidades que ela obviamente possuía: paciência combinada a uma expectativa suave e descansada do êxito.

O paciente a quem curou não é um espécime raro, nem é desconhecido de pessoa alguma. É provável que deparemos com a cara dele no espelho a qualquer momento!

*

VER ATRAVÉS DA MÁSCARA

VER
ATRAVÉS DA MÁSCARA
Lorraine Sinkler

Como pode haver uma união consciente com Deus, quando a máscara da crença universal se coloca entre Deus e você? Isto é possível através do reconhecimento de que este mundo das aparências é hipnotismo; assim, passamos a ver, através da máscara, o Coração do Universo do Espírito.

O que vemos com a mente não-iluminada é uma percepção equivocada da Realidade divina. Há uma diferença enorme entre acreditar que algo seja real e aquilo ser real de fato. Somos UM com Deus, e, nessa Unidade, reconhecemos somente um Eu, uma Vida. Transcendendo o hipnotismo, contemplamos a glória do Universo de Deus.

.

COMPREENDENDO O ASPECTO REAL DA VIDA – Final

COMPREENDENDO
O ASPECTO REAL DA VIDA
.
Gustavo Rocha
.
Final
.
Outro dia, conversando com alguém sobre este assunto, tal pessoa afirmou que para que consigamos compreender a Verdade, deveríamos estar dispostos a manter uma mente sempre aberta, dispostos a apagar tudo o que sabemos e, assim, recomeçarmos do zero. Deveríamos fazer isto várias vezes quantas necessárias! Recomeçar do zero a cada dia. Isso constituiria um comportamento virtuoso, um ato humilde (na verdade, é um ato destituído de ego) e espiritual. Manter a mente aberta ou mantê-la fechada, tanto faz – não há meio mais eficiente para atrasar a nossa compreensão espiritual! A compreensão da Verdade não virá através de nada disso! Não é importante o que o homem faz. O homem pode agir com a presunção de que sabe sempre cada vez mais, ou pode agir com a humildade de recomeçar do zero a cada dia – este não é o ponto. Porque ambos constituem esforços humanos. Não é importante o estado humano (físico, intelectual, mental, espiritual) que a pessoa se encontra. Deus olha para seus filhos e diz: “filho, se você permitir, eu lhe salvo agora, na forma em que você estiver, na condição que você estiver, onde você estiver, seja quem você for – nada disso importa. Apenas se entregue a Mim”. E é assim que Deus arrebata seus filhos para o céu, para o Reino. O ensinamento do Budismo da Terra pura diz que o Buda Amitabha viveu uma vida de imenso sofrimento – assim como Jesus Cristo, O Buda Amitabha sofreu por todos os homens deste mundo, e não somente pelos homens de sua época, mas pelas pessoas de todas as épocas e eras – e os tomou todos sobre si, para que ninguém mais precisasse sofrer para entrar no Céu, no Nirvana, na Terra Pura, no Jisso. E após ter sofrido tanto quanto Jesus Cristo, e ter finalmente atingido a iluminação espiritual, o Buda Amitabha declarou: “Escolhi sofrer no lugar de todos para remir a humanidade. De hoje em diante, aquele que crer em mim e chamar pelo meu nome, eu o salvarei onde ele estiver, como ele estiver, quem quer que ele seja”. E, desde então, alguns budistas têm tido como principal prática espiritual a entoação e repetição do nome de Amitabha, através do mantra “Namu Amida Butsu” ou por “Namandabu” (que é a contração do mantra mais extenso).

Jesus diz: “Vinde a Mim, os que estão cansados e sedentos, e EU vos aliviarei”, “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida…”, “Aquele que crer em MIM, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva… e ainda que ele morra, viverá”, “Se pedirdes ao Pai em meu nome, sereis atendidos”. Buda diz: “Aquele que crer em MIM e chamar pelo meu nome, será salvo e eu lhe mostrarei a Terra Pura”. Krishna diz: “Mas, quem de coração puro se voltar a MIM e fizer em meu espírito tudo quanto faz – quem renunciar a si mesmo e, dia e noite, firmado em MIM, me servir -, esse será salvo por MIM do tempestuoso mar da existência desse inconstante mundo do nascer e do morrer, porque buscou refúgio em MIM.” Deus é misericordioso demais! Só existe um EU. Este EU apareceu neste mundo como Jesus, como Buda, como Krishna e, por Revelação, está aparecendo também como cada vida existente, como cada um de nós. Possuímos o mesmo Espírito, a mesma Essência, porquanto no universo inteiro há um único EU, uma única Presença, uma única Vida. Esta é a Revelação. Os iluminados compreenderam esta Unicidade. Este EU único é o que tem aparecido através dos tempos para mostrar a humanidade o Caminho da Vida.

No livro “A Verdade da Vida, vol. 01”, o Professor Masaharu Taniguchi relata uma experiência mística/espiritual que de fato foi vivida por um homem que ele havia conhecido. Segue a transcrição do texto:

“O sr. Giichi Ano era um respeitável seguidor do Budismo. Mensalmente convidava um mestre budista e realizava uma reunião para que jovens e fiéis de sua vila pudessem ouvir boas palavras. Desde quando era jovem de uns 20 anos, pensava seriamente sobre o assunto “vida”. Quanto mais pensava, mais foi-se embaraçando nos indecifráveis sofrimentos humanos e chegou a um ponto tal de confusão, que pensou até em se matar, tamanha era sua seriedade. Ele era herdeiro de uma fábrica de molho de soja, por isso, do ponto de vista econômico , não havia propriamente que sofrer. E também não sofreu porque tivesse uma saúde débil. Sofreu psiquicamente a ponto de querer morrer, por pensar em assuntos como o que vem a ser a “vida”, o que vem a ser o “homem”, o que vem a ser o “desejo”. Ainda jovem, com cerca de 20 anos apenas, chegou a sofrer tanto com tais problema; só por isso podemos imaginar o quanto era séria, por natureza, a personalidade do sr. Ano. Quando ouvi esta história do Sr. Ano senti admiração pela seriedade de sua personalidade. Nessa ocasião, o sr. Ano, para resolver o sofrimento da vida, estava fazendo a invocação de Amitabha, sentado em posição de prece, confinado num quarto. Então, certo dia, teve uma visão, na qual contemplou nitidamente uma situação que parecia um paraíso búdico, cheio de luz. Quando viu claramente com seus olhos o aspecto daquele mundo exclusivamente de luz, apagou-se completamente, sem deixar sinal, o seu sofrimento pela vida de treva que levava e, depois disso, o que preenchia seu coração era pura alegria e regozijante bem-estar. Esta visão, na qual lhe foi mostrado o mundo exclusivamente de luz, persistiu por cerca de um mês. ra demais a alegria, demais o regozijo, e nasceu um desejo de experimentar mais uma vez, como antes, o sofrimento em relação à “vida”. Ele orou assim: “Permita-me sofrer mais uma vez em relação à vida”. Então, de fato, repentinamente, se interrompeu a sua clarividência e apagou-se do campo visual o mundo exclusivamente de luz. Desde então, ele continuou a sofrer a respeito da “vida”, exatamente na forma como pediu na oração e, somente agora, conseguiu dominar o sofrimento da vida que ele próprio procurara. (…)” (A Verdade da Vida, vol.01; pg. 184-186)

Essa foi a experiência vivida pelo sr. Giichi Ano, e deu-se através da clarividência. O Jisso verdadeiro não é algo que possa ser “visto”, “ouvido”, ou “tocado”, mesmo que seja por meio dos sentidos espirituais mais sutis. Portanto, o mundo que o sr. Giichi Ano viu não era o verdadeiro Jisso, embora tal mundo o representasse. O Jisso verdadeiro está além de todas as formas. Por isso, “entrar” no Jisso, ou perceber o Jisso, não significa que a pessoa necessariamente terá visões paradisíacas ou celestiais. O Jisso absoluto simplesmente não pode ser captado por nenhuma espécie de sentido (material ou espiritual). Mas isso não constitui empecilho para conseguirmos ver o Jisso. Nós o vemos, mas o fazemos com outra espécie de “olhos” – são os “olhos do Jisso”, ou, conforme ensina a Bíblia, a Mente de Cristo. Somente o Jisso vê o Jisso. Somente a Mente Divina vê a existência divina. Somente Deus vê Deus. Tentar ver Deus com outro instrumento que não seja a própria “Mente de Deus” é mera tentativa fútil. Por isso é que Cristo tomou sobre si as dores e os pecados de toda a humanidade. Por isso é que Jesus e o Buda Amitabha tomaram sobre si os sofrimentos de toda a humanidade: para que, no momento em que pedíssemos a eles, tivéssemos acesso incondicional ao Mundo de Deus, à Terra Pura. O segredo para entrar no mundo do Jisso consiste no fato de que nós podemos entrar nele exatamente assim como estamos agora. Não faz diferença se estamos melhores ou piores do que já somos – a dificuldade (assim como a facilidade) de entrar permanece a mesma. Não precisamos melhorar ou sequer mudar nenhum pouco. Somos aceitos como somos.

São poucas as pessoas que conhecem a história de Amitabha – ele foi outro grande Buda histórico. Sidharta Gautama, o Sakyamuni, não foi o único homem a tornar-se Buda. Amitabha foi anterior a ele e, inclusive, várias vezes, Sakyamuni faz referência ao Buda Amitabha para seus discípulos durante a pregação de suas verdades. O Buda Amitabha possui a mesma história de Jesus Cristo – em épocas diferentes, cenários diferentes, culturas/costumes diferentes… mas a trama é a mesma. Isso mostra que Deus tem se manifestado através dos tempos para conduzir a humanidade a salvação. E a salvação é incondicional! Não depende de condições, esforços, não-esforços, buscas, não-buscas… é incondicional! Porque provém de um lugar que “não é deste mundo”. Então, nada que seja deste mundo possui qualificação suficiente para levar-nos à Salvação, que nos é concedida por Deus. A salvação de Deus só pode ser pela Graça – porque não é deste mundo.

.

“O meu Reino não é deste mundo”
.
Se, ao ler este texto, você conseguiu perceber o ponto, a sua mente atingiu um certo estado de liberdade, de “libertação”. Este estado de libertação deve ser cultivado no dia a dia. Devemos nos recolher a ele sempre que for possível e, assim, nos aprofundarmos neste “vazio”, neste “silêncio”, cada vez mais. O mundo seguirá sozinho, sem nenhuma interferência de nossa parte (isso inclui os atos que estaremos praticando – não seremos nós as pessoas a fazê-los. Eles simplesmente acontecerão), coisas poderão ser-nos mostradas… Tudo ocorrerá conforme a vontade do Pai. Conforme vamos progredindo em nossa habilidade de “acessar” e “permanecer” no mundo do Jisso, começaremos a comprovar algumas das promessas de Cristo em nossas vidas, como, por exemplo, quando ele diz: “Buscai em primeiro o Reino de Deus e a sua Justiça e as demais coisas lhe serão acrescentadas”, “Não vos preocupeis com o que haverão de comer ou de vestir, pois o Pai sabe de todas as tuas necessidades”, “Vossa oração foi atendida antes mesmo de a pedirdes”.

“(…) Vede, eis o mundo da Imagem Verdadeira!

O Mundo da Imagem Verdadeira é o Reino do Pai,

é o Reino dos Céus,

é o Paraíso.

No Reino do Pai há muitas moradas.

Todas as moradas do mundo da Imagem Verdadeira são Seicho-no-Ie.

Logo, para seus moradores,

não há fome,

não há tristeza,

não há discórdia,

não há doença;

tudo o que é necessário aparece segundo a vontade de cada um

e, cumprida a finalidade, desaparece por si mesmo.

Mundo de harmonia, de fartura,

de pureza, de beleza sublime,

eis o mundo da Imagem Verdadeira!

Eis o vosso mundo!

Não é sonho! É a Imagem Verdadeira!

Não existe outro mundo além deste!”

(Sutra Sagrada: Chuva de Néctar da Verdade; Seicho-no-Ie)

“Neste momento, todos os doentes já estão curados e podem se levantar de seus leitos.”

(Seicho-no-Ie)

.

AGUARDE EM SILÊNCIO

AGUARDE
EM SILÊNCIO
.
H. E. Cady
.
Ao iniciar a prática de “aguardar em silêncio”, não pense que deva
fazê-lo na companhia de outra pessoa. A presença de outra
personalidade pode trazer distrações à mente. Aprenda a comungar
sozinho com Deus, Sua mais completa companhia. Quando se
acostumar a se isolar das solicitações exteriores, a sós em Deus, então a
companhia de outros poderá ser proveitosa a você e a eles.
.
“Aguardar em silêncio” não é meramente uma espécie de devaneio
indolente. É a espera passiva, porém determinada, de Deus. Quando
quiser fazê-lo, escolha uma hora em que não seja importunado, e,
sempre que possível, deixe todas as preocupações de lado. Comece o
seu silêncio, elevando o coração pela oração ao Pai de seu ser. Não
receie ser por demais “ortodoxo”, se começar a orar. Nada irá implorar
de Deus, que já lhe tem dado “tudo o que pedirdes”. Você já sabe que
antes de O chamar, Ele lhe mandou o que você deseja: pois de outra
forma, você não o teria desejado.
.
Você não perderia tempo em pleitear algo, ou em suplicar a Deus
com orações desprovidas de fé. Mas esses poucos momentos iniciais de
seu silêncio, passados em falar diretamente com o Pai, focaliza sua
mente no Eterno. Muitos descobrem que no momento de silêncio em
que aguardam a Deus, os seus pensamentos se enchem de toda
espécie de fúteis imaginações. Este é o resultado natural de procurar
não pensar em nada. Comece seu silêncio com a oração. “A Tua
Vontade está sendo feita em mim agora”, ou “Deus flui em mim como
vida, paz e poder”, são frases que facilitam para a mente elevar-se por
degraus sucessivos, com firmeza e segurança, em vez de dar um salto
grande e arrojado para alguma eminência e nela se manter em
segurança. Enquanto você está concentrando seus pensamentos em
Deus, em conversação com o Autor de seu ser, nenhuma imagem-pensamento
exterior poderá penetrar em sua consciência para o
atormentar ou distrair. Sua mente estará fechada para o mundo exterior,
e aberta somente para Deus, fonte de todo o bem que você deseja.
.

COMPREENDENDO O ASPECTO REAL DA VIDA

COMPREENDENDO
O ASPECTO REAL DA VIDA
.
Gustavo Rocha
.
Parte 1
.
Para compreender o Aspecto Real da Vida (Jisso), não é necessário esforço. Não é necessário uma busca. Não é necessário fazer coisa alguma. A busca e o esforço pertencem ao mundo transitório, mundo que é fenomênico, ilusório. O mundo Real não é “deste mundo”. Quando ocorre alguma ação no mundo, isso é o homem “fazendo”. Todo empreendimento de ações ou de esforços pertence ao fazer humano – e Deus jamais atua onde atua o homem. Deus age, realiza suas obras, mas opera tudo isso na Sua Realidade Absoluta, que é o Reino de Deus, o Reino dos Céus, o Mundo do Jisso. Quando o homem se esforça, quando ele age e busca no mundo — tentando compreender/perceber o mundo único de Deus –, isso é “mera ação do homem egoísta que se julga separado de Deus e, por isso, procura alcançá-lo”. Deus não atua onde atua o homem. Mas Deus pode atuar como o homem, por meio do homem, utilizando-se do dele como um “canal”. Quando ocorre isto, não é o homem atuando, mas Deus.

Não é o homem que compreende Deus e seu Reino – Deus é quem mostra. E é por isso que não são necessários esforços humanos. O que o homem necessita fazer é se aquietar e acalmar todos os seus esforços: os esforços no sentido de “se esforçar” e também os esforços no sentido de “não se esforçar”. Quando o homem, na tentativa de ver o Jisso, aprende a parar com essas tentativas de esforços, de repente ei-lo ali! O homem não necessita realmente fazer nada; a ele basta perceber que “a visão já está sendo vista”, “a percepção já está sendo percebida”, tudo já é! A porta por onde ele entrará e que o fará “ver” já existe, já está lá, pronta, sempre lá. É assim que se “entra” no mundo de Deus.

O problema básico e principal é o homem achar que, para conseguir perceber, ele deverá primeiro aprimorar-se em algum sentido. As pessoas pensam que para chegar “lá” será necessário a elas fazer um exame de consciência, orar mais, meditar mais, compreender as coisas um pouco mais, expandir a consciência um pouco mais, purificar um pouco mais a sua mente… Tudo isso (e muito mais) na verdade é desnecessário. Uma pessoa  possuidora de pouco entendimento espiritual possui as mesmas chances de captar o Jisso que possuem os homens abarrotados de conhecimentos espirituais. Conhecimento mundano e conhecimento espiritual – tudo isso pertence a o mundo fenomênico e transitório. Uma pessoa pode possuir muito ou pouco conhecimento espiritual – qualquer um deles existe/pertence ao mundo que não é o Real. Por isso, no que diz respeito ao Jisso, nenhum deles influenciará “para mais” ou “para menos”, em qualquer sentido. Porque Deus concede a todos a mesma possibilidade, as mesmas oportunidades. É um Deus justo! O homem que busca conhecer Deus tentando meditar, orar e adquirir cada vez mais conhecimentos está movendo-se no mundo, está partindo do mundo e rumando para o seu destino final e inevitável: o próprio mundo. E o homem que também não está nem aí para Deus, move-se no mundo da mesma forma. A diferença de um de outro é que o primeiro possui a vontade de conhecer, enquanto o segundo não a tem. Mas ambos movem-se no mundo.

Para conhecer a Deus, é necessário o buscador deixar de mover-se no mundo. Para que isso aconteça, é preciso haver uma entrega total, um estado de completo abandono, uma mente (um estado mental) de absoluto desapego. Essa postura mental de desapego surge quando o homem cessa com seus esforços “no sentido de esforçar-se para alcançar”, bem como com seus esforços para “fazer cessar seus esforços”. Então ele deixa o mundo e subitamente se vê na dimensão onde não é ele quem faz. Não foi preciso a ele fazer esforço pessoal algum, ele viu pela Graça! “Filho, é do agrado do Pai dar-te o Reino”, disse Jesus. E o mundo não pára; coisas continuam a acontecer, mas é o Pai quem as estará fazendo. “As minhas obras, eu de mim mesmo não as realizo. Mas o Pai quem está em mim, este realiza as obras”.

O que importa não são as ações realizadas no mundo pelo homem. E mesmo a busca, mesmo a tentativa de tentar alcançar, são a barreira que impedem o homem de “conseguir”.

Continua..>

PAZ

PAZ
.
UNIDADE
.

HABITO NO SANTUÁRIO INTERNO
DA PAZ ONDE NENHUMA TEMPESTADE ME PODE PERTURBAR
.
A pessoa feliz é prudente; sabe ocupar a consciência de fé, compreensão, bom-senso e alegria, não reservando lugar aos hóspedes indesejáveis das impressões negativas com que é constantemente bombardeado. “Viver no mundo e não pertencer-lhe”, como fez Jesus, é uma arte de não-identificação com as coisas que não nos convêm.Viver em Deus é permanecer na Graça; é manter-se equânimemente positivo, harmonioso, lúcido, paciente, amoroso e cheio de fé. Eis o “orar sem cessar”, referido por Paulo: uma atitude constante de oração ou de sintonia com o Divino, de modo que possamos receber-Lhe as bênçãos da inspiração e da força para preencher cada ato de luz.

Logo ao início do dia me volto a Deus. Como ainda não sei manter-me em constante harmonia, varro da consciência os erros de ontem, deixo ir a ansiedade em relação aos assuntos do dia e abro-me a Deus para receber-Lhe o fluxo de suprimento. Ele sabe o de que preciso. Deste momento de quietude saio recarregado e provido para um dia útil, proveitoso e equilibrado, chegando ao fim do expediente sem os desgastes nervosos comuns. A paz não é a ausência de problemas: é a vivência em Deus!

“Pois Ele é a nossa paz”
Efésios, 2: 14

A MENTE QUE ESTÁ EM ILUSÃO PROFUNDA…

A MENTE QUE ESTÁ
EM ILUSÃO PROFUNDA…
.
…dá forma à sua crença e manifesta uma imagem falsa. Porém, seja qual for o aspecto manifestado, a falsidade é eternamente falsa e jamais será Realidade. Não temais o que não é Realidade. Não trateis como Real o que é irreal.
.
Enfrentai a mentira com a Verdade.
Enfrentai a imagem falsa com a Imagem Verdadeira. Enfrentai a treva com a Luz. Além do Real, nada existe que destrua o irreal. Além da Imagem Verdadeira, nada existe que destrua a imagem falsa. Além da Verdade, nada existe que prove a inexistência da treva.
.
SUTRA – SEICHO-NO-IE

A PSICOLOGIA DO AMOR

A
PSICOLOGIA DO AMOR

.
Masaharu Taniguchi

.
Não creio que o namoro seja uma coisa tão importante. Do ponto de vista psicológico, o amor é uma espécie de doença febril predominante na adolescência. Sob o ponto de vista religioso, o amor é realmente um sentimento sagrado, se o interpretarmos como a emoção do reencontro das duas metades de uma alma, que se achavam separadas. Mas encontrar o amor puro e verdadeiro é tão raro quanto encontrar um diamante entre as areias da praia, pois o amor puro e verdadeiro do ser humano, cujo espírito é encoberto por um invólucro chamado corpo carnal, é constantemente maculado por uma febre chamada desejo dos sentidos carnais.Se você refletir sobre o amor verdadeiramente puro, perceberá que ele não desperta nenhum desejo carnal. E se tal desejo passar pela mente, por um momento que seja, você sentirá que o amor sagrado foi maculado por esse desejo, e terá a sensação semelhante à de ter sujado com barro aquilo que você tinha de mais precioso.

No entanto, o corpo carnal tem apetite pela comida, devido à necessidade de se sustentar. Da mesma forma, sente desejos sexuais, pela necessidade de impedir a extinção da espécie. Por isso, homens e mulheres que estão na plenitude sexual sentem atração uns pelos outros. Encaro esse fato como uma realidade dolorosa em face do amor verdadeiramente espiritual.

Um ato libidinoso como o de apalpar o órgão genital da mulher não é expressão de um amor verdadeiro, e sim comportamento semelhante ao de um cachorro. O verdadeiro amor é aquele que transcende a carne. É um sentimento ligado unicamente ao espírito. O amor se torna impuro quando nele se mistura o desejo carnal.

É lamentável que muitos intelectuais e jovens de hoje, ao pregarem o amor livre, estejam na verdade propalando a “livre manifestação” a “livre prática do sexo”.

Quando Cristo jejuava às margens do rio Jordão, apareceu o demônio”… e lhe mostrou todos os reinos do mundo, e a glória deles.” (Mateus 4:8). E tentou-o dizendo: “Tudo isto te darei, se prostrado me adorares.” (Mateus 4:9).

Na expressão “todas as glórias”, estão incluídos também os prazeres carnais. O diabo, o satã e a serpente, que aparecem na Bíblia Sagrada e nas literaturas budistas, são símbolos dos prazeres dos sentidos ou dos desejos carnais. Prostrar-se diante do demônio significa a derrota do Eu verdadeiro.

Na literatura budista chamada Vimalakirtinirdésa-sutra, consta uma passagem em que algumas feiticeiras recebem a ordem do príncipe das trevas para voltarem ao palácio, sob a promessa de que lá poderão desfrutar os prazeres dos sentidos, ou seja, a satisfação dos “desejos carnais”. Mas elas se recusam a voltar porque, tendo sido influenciadas por Vimalakirti, haviam se afastado dos prazeres dos sentidos, ou seja,  dos “desejos carnais”, e se encontravam já num estágio mais elevado, o de buscar a alegria verdadeira, eternamente inesgotável. Elas pedem a Vimalakirti que lhes mostre essa alegria eterna. Ele lhes diz para esperarem um momento, e logo retorna com pequeno castiçal. Pega uma vela, acende-a com o lume eternamente inextinguível, coloca-a no castiçal e diz: “Eis o lume infinito, que darei a vocês.” Trata-se de uma metáfora. Essa passagem ensina que devemos buscar a alegria espiritual perene como o lume infinito.

Numa peça teatral que escrevi, baseando-me neste sutra budista, existe a seguinte passagem:

“Este é o lume infinito, símbolo da Luz da Verdade que extingue a ilusão. Representa a Luz do despertar espiritual, que jamais se apagará. Com uma vela acesa podem-se acender milhões de outras velas. Assim também é a luz do despertar espiritual. Ela é infinita, porque, por mais que a distribuamos aos outros, não enfraquece. Pelo contrário, intensifica-se mais e mais. Se vocês, que despertaram para a Verdade, transmitirem aos outros a Luz da Verdade, até mesmo o palácio do demônio Paplyas tornar-se-á um lugar pleno de Luz. O mundo ao nosso redor é reflexo de nossa própria mente. Aonde quer que vamos, o ambiente ao nosso redor se preencherá de Luz, contanto que mantenhamos em nossa mente a Luz da Verdade. Agora voltem para o palácio de onde vieram. Chegou o momento em que até mesmo no palácio do demônio Paplyas irá brilhar a Luz da Verdade.”

A tentação pelos prazeres dos desejos carnais se desvanece diante da verdadeira alegria espiritual.

Há pessoas que sofrem de “doença da paixão”. São as que se sentem muito solitárias se não estiverem namorando e vivem buscando novos amores. Como não conseguem sentir a verdadeira alegria espiritual, tentam buscar compensação nos prazeres carnais momentâneos.

Devemos buscar a terna alegria espiritual, pois os prazeres dos sentidos são inevitavelmente limitados e em segundos se desvanecem por completo. Eles se assemelham a fogos de artifício: são difíceis de serem mantidos por mais de uma hora. A alegria que dura pouco não é o “lume infinito”. A Verdade, sim, é o lume infinito, pois, se acendermos a Luz da Verdade, poderemos iluminar o espírito de milhões de pessoas. Se acendermos a luz da alegria espiritual que se alcança pelo conhecimento da Verdade, milhares e milhares de pessoas serão iluminadas ao mesmo tempo. Mesmo que a fonte de luz seja única, podemos multiplicá-la infinitamente; por mais que partilhemos a luz, o seu brilho não diminuirá. Assim é a Luz da Verdade.

Se transmitirmos os ensinamentos de “A Verdade da Vida” para uma pessoa, ela obterá a cura de doenças, terá harmonia no lar e, mesmo que não obtenha graças materiais, conseguirá a plenitude da alegria espiritual. E, se essa pessoa transmitir a Verdade para uma outra pessoa, esta também sentirá essa alegria espiritual, e assim sucessivamente. Você nada perderá pelo fato de ter transmitido a Verdade para outras pessoas. Ao contrário, sentir-se-á feliz só de imaginar a alegria dos que conheceram a Verdade, e achará que valeu a pena ter praticado boa ação. E, então, você se sentirá mais feliz ainda.

O Prof. Glenn Clark, num de seus livros, diz como deve se comportar um missionário, no caso de uma adepta apaixonar-se por ele e lhe declarar amor. Em casos como esse, o missionário, em vez de repelir categoricamente esse amor, deve aconselhar a adepta: “Estou junto com Deus. Se me ama, ame a Deus. Procure buscar a realização do amor que tem por mim, dedicando-se à pregação do Caminho de Deus.” E, dessa forma, para não deixá-la à mercê do desejo carnal, deve orientá-la para que se esforce no sentido de sublimar esse amor e elevar-se em direção ao amor a Deus. É um conselho realmente sábio.

Provavelmente, Maria Madalena também se aproximou de Jesus com intenções amorosas. Mas ele não a rejeitou. Para impedi-la de cair na tentação carnal, orientou-a para que sublimasse esse amor e o transformasse em alegria espiritual pura e eterna.

No sentimento que comumente é chamado “amor”, estão mesclados vários elementos impuros sensuais. Devemos eliminar esses elementos impuros e sublimar o nosso amor. Por mais que momentaneamente pareça agradável, o prazer dos sentidos acaba se transformando em sofrimento, se durar por muito tempo. Devemos conscientizar que os prazeres dos sentidos são efêmeros; que eles não são existência verdadeira; e, a partir dessa conscientização, empenharmo-nos na sublimação do amor até atingir a alegria espiritual eterna indestrutível.

Em resumo, os prazeres dos sentidos carnais esgotam-se e desaparecem, ao passo que a alegria proveniente do conhecimento da Verdade é como luz inextinguível.

O primeiro amor, puro e ingênuo, transcende a carne e faz a pessoa temer que esse belo sentimento seja mesclado com o desejo carnal. Porém, os jovens que já tiveram experiência sexual, ou as pessoas adultas, frequentemente confundem o amor com o desejo carnal. Por isso, alguns homens dizem: “Quero que ela seja minha, custe o que custar, pois eu a amo”. Nesse caso, o amor foi vencido pelo desejo carnal.

Não podemos cair na tentação de satanás, ou seja, na tentação dos sentidos materiais. Jesus disse: “Vai-te, satanás.” (Mateus 4: 10). Devemos expulsar o demônio chamado “desejo carnal”, que se oculta sob o belo disfarce de amor, enfrentando-o com a Luz da Verdade. O demônio fugirá quando levantarmos alto o lume da Verdade.

No sutra budista, já citado neste artigo, há uma passagem em que o príncipe das trevas diz: “Reduza um pouco essa luz, por favor! Diante da Luz da Verdade tão intensa, as forças me fogem e não posso voltar ao meu palácio. Reduza a luz, por caridade!”

O demônio não é existência verdadeira. Por isso não consegue permanecer no lugar onde resplandece a Luz da Verdade, e acaba desaparecendo.

Fim

PENSE DA MANEIRA CERTA

PENSE
DA MANEIRA CERTA
.
Emmet Fox
.
Existem diversas frases usadas mais ou menos habitualmente em metafísica, às vezes sem que se perceba integralmente sua verdadeira significação. Uma dessas frases é “pense de maneira certa”.

Ora, esta expressão será útil ao lidarmos com uma dificuldade, se compreendermos o que significa realmente. Não quer dizer que, depois de dizermos “Pensarei de maneira certa”, o assunto estará encerrado e não precisaremos fazer mais nada. Isso seria confundir um desejo com a realidade.

Na verdade, pensamos da maneira certa com relação a uma determinada coisa, quando podemos dizer: “Seja feita a Vossa vontade”, sabendo que a Vontade de Deus é sempre algo bom e glorioso. Pensamos da maneira certa com relação a uma coisa, quando lançamos o fardo sobre o Cristo interior. Pensamos da maneira certa com relação a uma coisa, quando oramos por ela, crendo que Deus ouve e atende à prece. Pensamos da maneira certa com relação a uma coisa, quando mantemos uma atitude positiva e afirmativa.

Quando agimos assim, estamos confiando em Deus e não em nós mesmos.
.
Assim como um homem pensa no seu coração, assim ele é.
.

NÃO HÁ OUTRO, SENÃO DEUS

NÃO HÁ OUTRO,
SENÃO DEUS
.
UNIDADE
.

Não há outro, senão Deus, seja em mim, seja em meu mundo. Portanto, existe somente o bem, somente a luz, somente a sabedoria e inteligência, somente a segurança, a alegria, a paz e a beleza, em mim e em meu mundo.

Não há outro, senão Deus em meu lar. Portanto, aqui em casa há somente beleza e paz e calor e fartura e amor.

Não há outro, senão Deus, em meus entes queridos. Por consequência, neles há somente beleza, saúde e fortaleza. Neles há somente inteligência e sabedoria; somente alegria e paz. Há somente proteção para eles.

“Pois assim como o homem pensa (acredita) em seu coração, assim ele é. logo, se acreditamos que não há outro, senão Deus, então vivemos plena e livremente, cheios de alegria e livres de temores!

.

“Certamente Deus está em ti, e não há outro deus”.
ISAÍAS 45:14

SER ATENCIOSO

SER ATENCIOSO
.
Seicho-no-Ie
.
Imaginemos que haja um doente deitado na rua e que um religioso passe por ele. Esse religioso está ciente do fato de que a Imagem Verdadeira desse doente é de perfeição e harmonia, como também que o mal fenomênico não existe originalmente. Então, ele nem olha para o doente e passa dizendo “A doença inexiste originalmente, você é perfeito e harmonioso”. Será essa a atitude de quem alcançou a iluminação?  Sem dúvida, ele é uma pessoa esclarecida até certo ponto, mas não se pode dizer que é uma pessoa amorosa. Ele sabe que o doente está criando temporariamente a doença com a sua mente em ilusão, assim consumando o carma, mas não possui a consciência de que o homem é filho de Deus, e todos são um perante Deus.
.
Esse religioso esqueceu-se do fato de que é ele próprio quem está vendo o outro e pensando “A doença dele é sombra da mente dele, e ele só se curará dela quando mudar sua mentalidade”. Por que alguém que é originalmente um filho de Deus se manifestou no ambiente do religioso como um doente? Porque a mente dele (religioso) está doente. Estar doente significa que a Vida não está atuando com perfeição, ou seja, a Vida dele não está tratando o próximo com a devida atenção. Ser atencioso com o próximo é amar. Amar é sentir que “eu e o outro somos um”. Os outros adoecem porque falta amor em nós e não somos atenciosos com todos.
.
Um olhar de profundo amor faz desaparecer tudo que é imperfeito, porque esse não é um olhar superficial e sentimental. Quando se olha o próximo com sentimento de amor verdadeiro, não existe nisso uma imagem má, porque “eu e o outro somos um”. Starr Daily regenerou-se quando sentiu o olhar de profundo amor de Cristo. Um grande criminoso na visão das pessoas comuns pode não sê-lo na visão de Cristo. Um médico vê à sua frente um leproso, mas Sakyamuni vê a mesma pessoa como um Buda, um iluminado. Enquanto A vê desordem na sociedade, o santo B nela vê cenas em que as pessoas vivem felizes e alegres. Assim, um olhar de profundo amor contém o grandioso poder sanador de Deus.

O QUE O HOMEM REALMENTE É

O QUE
O HOMEM REALMENTE É
Gustavo Rocha
.
“Eu vim para que tenham Vida, e que a tenham em abundância” (DEUS)
(João 10:10)

Hoje estive contemplando algumas coisas, algumas situações que acontecem muito neste mundo. Me pediram pra fazer uma caridade. Concordei. Era apenas fazer uma doação para poder ajudar uma creche abrigadora de crianças carentes. Me disseram que lá estava faltando comida, alimentos básicos como arroz, óleo de cozinha e leite. E não apenas isso: faltava também outras coisas importantes, como sabonetes, para que eles pudessem fazer sua higiene. Isso também é importante. Só que as pessoas, em geral, não se apercebem disso, e sempre que fazem alguma doação ou caridade, doam coisas consideradas “comuns”, ou seja, na maioria das vezes, alimentos e roupas. Ajudei com alguma quantia que tinha comigo naquela hora. Mas depois fiquei pensando e contemplando sobre essas situações existentes não só ao meu redor, na cidade onde moro, mas também em toda e qualquer localidade deste mundo.

“Até quando as coisas serão assim”? – Foi essa a pergunta que deu início à uma série de pensamentos meus à respeito desse tipo de situação.

É legal ajudar o próximo, fazendo algo em prol de suas necessidades. Sem dúvida alguma é um feito nobre, virtuoso, bonito de se fazer, mas “será que as coisas terão sempre de ser assim”? Ajudar alguém é uma virtude, mas é uma coisa bonita para aquele que está ajudando. Se eu ajudo o meu próximo, referencialmente a mim isso foi algo virtuoso; significa que eu fui “alguém bom”, que se compadeceu do meu próximo, e portanto, os créditos são meus. Por isso, ser caridoso é uma virtude em relação a mim. Mas e o mundo? Essas coisas deveriam acontecer/existir neste mundo? Quando alguém está passando necessidade, de forma a depender totalmente da vontade de alguém que ele nem conhece — quando tem sua vida nas mãos da sorte –, não podendo fazer nada por si mesmo… isso é algo bonito/virtuoso para o mundo? Isso deveria existir no mundo? Para o mundo isso é um fenômeno feio.

Não há nada de errado em ajudar o próximo com leite, comida e sabonete. Essas coisas precisam serem feitas enquanto perdurar esse tipo de situação. É uma pena que a comida, o sabonete e o leite sejam coisas que acabam tão rápido. Você pode doar R$100,00 para comprar leite, pão, objetos higiênicos, mas em pouco tempo todas essas coisas terão deixado de existir. Em alguns dias, elas desaparecerão e a situação de necessidade ou fome surgirá novamente. Então será preciso mais outros R$100,00, ou aquelas pessoas irão definhar nas mãos da realidade. Quando chegará o dia em que as pessoas poderão ter condições de fazerem algo por si mesmas, sem precisar ficar dependendo de ninguém? Eu acredito que esse dia pode chegar. Mas a solução, definitavamente, não é somente ficar fazendo doações de dinheiro, roupas, alimentos, utensílios íntimos. Todos esses esforços são materiais. E é a natureza da matéria surgir, passar, e desaparecer.

Surgir, passar e desaparecer – isso acontece com tudo neste mundo: com alimento, bebida, todas as coisas importantes para suprir a necessidade do homem, e, até mesmo, com o próprio homem. O nosso próprio corpo é uma existência efêmera e passageira. Assim como todas aquelas coisas – comida, leite, sabonetes -, em questão de anos o corpo deixa de existir. A nossa Vida existe em meio a todo este contexto material. Nossa Vida está cercada pela materialidade, que surge, acontece, e acaba. O que significa isso? O que a Vida, Deus, está tentando nos “dizer” com todas essas coisas? A Vida não é matéria. Ela está em meio à matéria, mas a Vida em si não é substância material. Só há uma Vida. E a Vida é espiritual. “Estar rodeada de coisas materiais”, de “coisas efêmeras”, é uma pista, um sinal, uma mensagem; nada mais é que um “meio” muito significativo que a Vida tem e se utiliza para nos transmitir algo. Quantos são os que entendem a mensagem? O que a Vida está dizendo é: “Viu? Aquilo passou, mas você ainda está aqui, e, note, você É sem necessitar realmente daquilo, pois aquilo já não existe mais”; a mensagem é essa. A Vida não está na dependência da matéria, não está sequer presa “dentro” da matéria. Ela está fora. A Vida é absolutamente livre de toda e qualquer espécie de coisa que não seja ela própria, é uma existência absolutamente transcendente, imaculável, incontaminável, irremendável e pura. Quando desaparece, a matéria vai-se para sempre. Mas a Vida fica. Fica sempre, exatamente, no único lugar onde ela existe: onde quer que ela exista, é “aqui”. Todas as coisas que surgem e desaparecem passam pelo “aqui”. Não existe outro lugar para elas “passarem por”. A Vida é espiritual. Todas as coisas que são fenomênicas, são matéria. Afinal, o que somos? Nascemos algum dia? Entramos “neste mundo” alguma vez na Vida? Um dia, quando tudo acabar para a matéria, morreremos?

O erro que perpetua e prolifera cada vez mais a dependência de um ser humano em relação a outro, está em dedicar a ele somente esforços no sentido material. Apenas pão, leite, comida e sabonete não são o suficente para resolver a situação. São remédios paliativos: você ministra uma dose hoje, o suficiente para que amanhã o paciente volte com a necessidade de lhe pedir por mais. A doença nunca se cura – apenas é remediada (em doses homeopáticas). Esse tipo de coisa, apenas, não irá mudar ou resolver o quadro ridículo que existe no mundo. Se o mundo continuar agindo assim, nada nunca mudará. O que os homens têm feito é “pescarem” eles mesmos e oferecerem o peixe ao próximo, na esperança de ajudá-los. É necessário que eles ensinem as pessoas a “pescarem” elas mesmas. Não devemos ficar esperando que um dia as coisas resolvam-se sozinhas, ou que sejam resolvidas por Deus. Deus não resolverá as coisas por nós. E Deus não irá um dia voltar numa núvem, cercado de anjos tocando trombetas, como acreditam muitos cristãos, para aniquilar o mal e levar os bons para o paraíso. Os textos revelados no Apocalipse são profecias que realmente irão (ou podem) acontecer, mas tudo o que é dito lá está colocado de forma simbólica. Por isso, mesmo que alguns arguam: “não é necessário resolver a situação de modo definitivo, ensinando-os a pescarem. Apenas continuemos dando-lhes o peixe, porque um dia, Deus virá e porá um fim definitivo em toda esta cruel realidade”, isso é alienação. Não esperem que Deus venha e resolva as coisas por nós. Não devemos deixar com Deus, nem colocar nEle a responsabilidade, porque Ele não é o responsável por tudo o que está acontecendo. O retorno de Deus, a segunda vinda de Cristo, está acontecendo exatamente agora, da mesma forma que o Gênesis também está acontecendo exatamente agora.

O que o homem precisa receber, principalmente, é alimento espiritual. Precisa aprender a saber/identificar quem ele realmente é. O homem é a Vida, que passa pela matéria, mas que nunca se prende ou se torna um escravo dela. O tempo todo ele é livre – livre de todos os acontecimentos bons e maus que existem neste mundo -, não importa o que esteja sendo mostrado pelos acontecimento/aparências deste mundo. Quando o homem toma consciência disto, quando a mente do homem entra em contato com esta percepção, ela se desprende de todos os acontecimentos fenomênicos — principalmente dos acontecimentos malévolos. Ao desprender-se do mal e recuperar sua liberdade inata, seu estado originário — quando o homem recupera o estado mental exatamente na forma em que ele o recebeu de Deus –, o mal começa a se extinguir sozinho. Por que? Porque o mal só existe na mente do homem. Mais do que alimento material, o homem precisa aprender a se alimentar de alimento espiritual. Mas as pessoas que mais precisam de aprender/saber receber alimento espiritual, só recebem benefícios materiais. A Verdade precisa ser expandida ao máximo, até alcançar o entendimento da mente do mundo todo. Assim, as pessoas começarão a perceber que elas são Vida, e que não são dependentes de situações, que não precisam ficar esperando receber alimentos, que a Vida, por si só, sabe como providenciar alimentos, assim como qualquer outra coisa que a pessoa realmente esteja necessitando.

Pediram a Jesus que se alimentasse de comida, mas a eles Jesus respondeu: “Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis”. Quando ele disse: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”, referia-se àquele pão/alimento espiritual, e não a alimentos ou circunstâncias exteriores. Também há um registro onde uma mulher, ao conversar com Jesus, pensou que ele falava à respeito da água que havia dentro de um poço localizado perto deles, mas Jesus disse a ela: “Qualquer que beber desta água (do poço) tornará a ter sede; Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.”. Na Revelação do Apocalipse foi dito: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei eu a comer do maná escondido.”(Apocalipse 2:17). Esse “maná escondido” é alimento espiritual. A Vida não necessita nada, não depende de coisa alguma neste mundo. Essa Vida é Aquele a quem Jesus, por conhecer tão bem e saber tão intimamente, chamou de “Pai”, de “meu Deus e vosso Deus”. Era só isso o que ele queria: que nós conhecêssemos e soubéssemos quem realmente é Deus. E também que, em virtude dessa Unidade nossa, em Deus, nos amássemos uns aos outros. E, nisso, o ensinamento de Cristo está completo. Mas o mundo não conheceu a Deus da forma que Jesus veio nos ensinar. O mundo muitas vezes amou ao próximo, tentou amar ao próximo, mas o fez fora dessa Unidade. Por não compreender a unidade mística e transcendental dos ensinamentos de Jesus, mesmo amando ao próximo, amou-os com a consciência/compreensão de uma vida material, ao invés de espiritual, e nada se resolveu, o mundo tem ficado cada vez pior. Somente amar ao próximo não é o bastante. Pelo menos, não o bastante para resolver de vez as circunstâncias deste mundo. Primeiro é preciso compreender Deus, e a partir daí, a partir Dele, tudo será feito. Deus não é uma entidade que vive exterior a nós. Deus é tudo. Deus é simplesmente a Vida. Onde a Vida estiver, Deus está. Mas quem não conhecer/souber disto, sofrerá as consequências de acordo com sua própria mente.

“Por que te afliges, se o Pai conhece todas as tuas necessidades antes mesmo de as pedirdes”?

Se a humanidade não souber que ela própria é Vida, todo mal que vemos existir neste mundo continuará acontecendo. O mal não é existência real. Ele existe ou parece existir, mas originariamente o mal não existe. Quando Deus criou o mundo, Ele o fez, e viu que tudo era “muito bom”. Deus jamais cria coisas imperfeitas. Mas, após algum tempo, o mal “infiltrou-se” na criação, não porque Deus o tenha criado, mas porque o homem o concebeu em sua mente. Quando estava no Éden, o homem encontrava-se em sua “condição original”, como Deus o tinha feito. E só quando, por meio de sua própria mente, teve pensamentos que o afastaram de sua condição original, é que ele se viu num mundo completamente diferente da criação originária e perfeita. Com a mente, o homem velou a própria consciência. A mente tem o poder de manifestar tudo o que ela reconhece, tornando a criação originária de Deus encoberta/velada – esse é o livre arbítrio do homem. Sabendo disso, tudo o que o ser humano precisa é retirar o véu que foi colocado com a mente. Aquilo que foi velado pela mente deve ser revelado pela Consciência. E durante a história deste mundo, muitos homens vieram aqui, através dos tempos, para nos revelar a Verdade que estava oculta/escondida. Jesus não foi o único, Buda também veio. E não só ele, também Krishna, Abraão, Moisés, Lao-Tsé, Shankara, e todos os místicos em torno dos quais foram reunidos ensinamentos espirituais, vieram para transmitir àqueles que não compreendiam a Verdade de que “o homem é Vida”, a verdade de que o homem é “filho de Deus”.

Todos os ensinamentos espirituais são válidos. Prefiro citar mais Jesus porque é nEle que quase todo mundo do ocidente acredita. Se Jesus não for mencionado, ninguém vai querer aceitar, ninguém irá sequer cogitar a possibilidade de considerar a Verdade “homem filho de Deus”. Mesmo citando Cristo, e colocando-o no foco de todos os ensinamentos, ainda assim será difícil a aceitação por parte dos cristãos. Porque todos estão tão profundamente condicionados/enraizados nas crenças que foram construídas… Os ensinamentos de Cristo não são falsos. As crenças que foram construídas e admitidas sobre os ensinamento de Cristo é que, em parte, são falsas e superficiais. Colocaram Deus lá longe, num lugar inalcançável, e disseram que tínhamos que rezar para Ele. Se fôssemos bons, seríamos recompensados. Aqueles que fossem ruins seriam condenados e iriam pro inferno pelas mãos do próprio Deus. Quem não acreditasse em Deus do modo como era ensinado, era um traidor, um pecador. Instituíram uma firme crença no pecado e até criaram teorias, argumentações e sistemas lógicos para justificar sua existência (fruto do conhecimento!). O pecador até poderia ser salvo (afinal, Deus era infinito Amor, infinita bondade, infinito perdão), se voltasse a se comportar e crer dentro dos moldes nos quais o ensinamento de Cristo era propagado. Para ser salvo, precisaria atender a algumas condições. “Deus impõe condições para salvar o homem”. – Isso é o que está alojado dentro da mente de muitos cristãos. Mesmo mostrando a Verdade através do Cristianismo, muitos resistirão, pois suas mentes estão carregadas de culpa. “Se deixarmos de crer da forma como o fazemos, acabaremos no inferno”, isso é o que está plantado no fundo da mente consciente e inconsciente, individual e coletiva, da maioria dos cristãos. Se eles não entenderem a Verdade, terão de experienciar suas vidas conforme a natureza da crença que existe em suas mentes. Se a crença for boa, o que se seguirá será bom. Mas se a crença for voltada mais para o lado negativo — do medo, do pecado, da doença, do sofrimento, da violência, da morte, da escassez (o que tende a acontecer, pois essa é e será a tendência da mente coletiva até o dia em que a maioria da humanidade mudar de pensamento e reverter esse quadro) –, o que se seguirá será condizente com a natureza de suas crenças. De qualquer forma, seja a crença boa ou má, ela é uma “ilusão”, é um “conhecimento” obtido quando o homem escolheu comer do “fruto da árvore do conhecimento”. A Verdade está além de qualquer crença; ela não necessita da força de “crenças” para existir – só aquilo que é ilusão necessita de crença. A Verdade existe por si só. É ela que Jesus ensina o homem a viver — não uma crença, mas a Verdade.

Jesus disse de si mesmo: “Eu e o Pai somos Um”. E nos ensinou: “Pai nosso…”. Ele não disse “Pai meu, que cuida do resto da humanidade”, mas ensinou-nos a orar chamando a Deus por “Pai”. Jesus também disse a nós: “Subo para meu Pai e vosso Pai, para meu Deus e vosso Deus”. E em sua última oração junto com os discípulos, no Evangelho de João, cap.17, Jesus ora no sentido de que todos nós sejamos um.

“Para que TODOS sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu em ti; que TAMBÉM eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.”

Essa Unidade vem sendo pregada em todos os tempos, em todos os lugares, e ninguém compreende ela. A maioria sequer dá “atenção” a ela. Se o mundo não conhecer a unidade existente entre “Deus e o homem” e entre “o homem e o seu próximo”, tudo o que vimos acontecendo até agora continuará a acontecer. Aliás, a tendência delas será piorar conforme a mente humana for sendo concentrada e fixada cada vez mais no mal, acreditando ser ele uma existência real. E Deus nunca irá “voltar” para pôr fim a este mundo injusto. A volta de Deus significa apenas a compreensão da Unidade pelo homem. Quando o homem compreende a Unidade, ele compreende Deus e realiza Deus. E essa é a segunda vinda do Cristo. Assim, Deus pode estar voltando para mim, hoje, mas não para você. Você verá a segunda vinda de Jesus quando compreender que tudo é Um. Se só existe Um, só existe Deus. E se só existe Deus, você finalmente entrou no lugar secreto que Jesus chamou “Reino de Deus”.

“O Reino de Deus não é deste mundo.”

A maior obra de caridade que pode ser feita em favor do nosso próximo é trabalhar no sentido de que ele “veja” a segunda vinda de Cristo. Eu realmente acredito no potencial do resultado que o conhecimento espiritual pode provocar. Sei que a verdadeira transformação do mundo não irá decorrer de guerras, revoluções sociais, mudança de sistema econômico, caridade de bens materiais… nada disso irá resolver o problema. Não me importo de fazer doações e de ajudar ao próximo, mas eu sentiria culpa dentro de mim se minha atividade consistisse somente em fazer “ofertas materiais” aos outros. Sem dúvida, esses atos seriam atos de amor, expressariam amor, mas é a Verdade que precisa ser conhecida. O homem precisa conhecer com a mente a Verdade, e a partir deste conhecimento mudar a própria mente. Se não houver uma mudança mental, pode existir o sistema econômico que for — a mente irá projetar neste mundo uma situação condizente com aquilo que ela concebe. Se o homem abriga “medo”, “violência”, “pobreza” no fundo de sua mente, podem ser tirados do poder todos aqueles que exploram os “mais fracos” e colocarem outras pessoas em seus lugares. Podem substituir o sistema capitalista econômico por um outro que seja melhor planejado e mais justo. Mas a mente encontrará uma forma de continuar fazendo aparecer tudo o que existe lá dentro dela. Se a mente da humanidade for mudada, não será preciso sequer trocar de sistema econômico, as coisas darão um jeito de se ajustar dentro do próprio sistema capitalista. O que importa não é o exterior, mas o que existe “dentro”. Brincar com o exterior é ilusão, pois o exterior é “sombra”. O que libertará a humanidade é somente o conhecimento da Verdade de que “o homem é Vida”, “o homem é filho de Deus”, um ser originariamente livre, absolutamente liberto. Em seu estado original, o homem encontra-se em sua natureza búdica, ele é o Cristo, a Verdade. “A Verdade liberta” – outra frase célebre de Jesus. Somente a Verdade é livre. Sendo o homem a Verdade, ele é livre, e já vive no Reino de Deus.

” Também vós, deste mundo, não sois”

Por isso, este é o meu trabalho principal, e será até o fim dos meus dias neste mundo – viver pela Verdade. Não importa se eu A tenha realizado ou não dentro de mim, a minha vida será dedicada à Ela. Além da Verdade, nada mais realmente me importa. Amarei a Deus e a meu próximo, principalmente, através da Verdade. E espero que este texto um dia frutifique, incentivando as pessoas ao mesmo feito — sem nunca deixar de ajudar aos outros usando os meios materiais, pois isso ainda é algo bastante necessário no mundo como ele se encontra –, mas esforçando-se para transmitir ao próximo o conhecimento da Verdade. Se isso acontecer, a minha vida neste mundo terá valido muito a pena.
.

IMPORTÂNCIA

  • IMPORTÂNCIA
Eckhart Tolle
  • Muitas coisas podem ser importantes na sua vida, mas apenas uma tem importância absoluta.
É importante vencer ou fracassar aos olhos dos outros. É importante ter ou não ter saúde, estudar ou não estudar. É importante ser rico ou pobre – certamente isso faz diferença na sua vida. Sim, tudo isso tem uma importância relativa, mas não absoluta.
Existe algo mais importante do que todas essas coisas: é encontrar a essência do que você é para além dessa entidade de curta duração, que é a noção personalizada do “eu”.
Você não encontra a paz reorganizando os fatos da sua vida, mas descobrindo quem você é no nível mais profundo.
*

O DESPERTAR ESPIRITUAL E A PRÁTICA

O
DESPERTAR ESPIRITUAL
E A PRÁTICA
Masaharu Taniguchi

Sempre surge, na vida de um homem, uma ou outra ocasião em que ele percebe subitamente que o seu corpo material não é o seu “eu verdadeiro”, e que existe algo muito superior à matéria, que vivifica o corpo carnal.Esse “despertar” ocorre, por exemplo, quando o homem é salvo por uma força misteriosa, no exato momento em que se vê perdido diante de um grande e iminente perigo; ou quando, de repente, dá-se conta da Vida que palpita dentro dele, no momento em que estava prestes a se entregar ao desespero por estar gravemente enfermo e ter sido desenganado pelo médico e pelos familiares. Em ocasiões como estas, o homem compreende que ele está vivo não pelo seu próprio poder, mas porque é vivificado por uma força superior, muito mais poderosa que a força humana.

Certas pessoas, embora tenham passado por semelhante experiência, não dão muita importância a ela e acabam esquecendo-a por completo. Mas existem outras que, impressionadas fortemente por tal experiência, mudam completamente o modo de encarar o “homem”.

Deixar de ver a si próprio como um pequeno “ser individual” e conscientizar-se do seu “Eu Universal” – eis o renascimento do homem. O verdadeiro “renascer” não consiste apenas em renovação do calendário civil em cada Ano Novo.

O “renascimento” do homem consiste na descoberta do “Eu grandioso” oculto no seu interior. Dito em termos budistas, é o Satori (despertar espiritual ou compreensão da Verdade). Mas muitas são as pessoas que não “vivificam” na sua vida cotidiana os resultados do seu “despertar espiritual”. Eis a razão por que, para elas, esse “despertar” é apenas um lampejo da alma que desaparece logo em seguida. O grande mestre budista Hakuin disse que ele teve dezoito vezes o “grande despertar espiritual”. Acredito que com isso ele quis expressar que não ficou estagnado quando atingiu um determinado nível espiritual; foi progredindo dia a dia, elevando o nível e ampliando o ângulo de seu “despertar”. Em outras palavras, foi um “despertar dinâmico”, vivenciado no dia-a-dia, e não um despertar estático, alheio à vida cotidiana.Toda força que não é utilizada, adormece. A nossa “grandiosa força interior”, da qual nos conscientizamos através do “despertar espiritual”, também não constitui exceção: se não a aplicarmos em nossa vida prática, ela acabará adormecendo novamente. Todos os que conseguiram vencer na vida são aqueles que, após conscientizarem-se da sua “grandiosa força interior” através do despertar espiritual, souberam utilizar-se dela livremente sem a deixar adormecer de novo.

*

A RELAÇÃO ENTRE O PENSAMENTO E …

A RELAÇÃO ENTRE
O PENSAMENTO E A REALIDADE MATERIAL
Masaharu Taniguchi
Cristo disse: “Toda árvore boa dá bons frutos, porém a árvore má produz maus frutos. Pelo fruto se conhece a árvore”. Podemos afirmar que o fato de uma pessoa ter um destino infeliz é a prova de que os seus pensamentos não são corretos. Isto porque os pensamentos são a causa e a realidade material é a consequência.
Pensamentos “incorretos” são os que não vêm da Essência verdadeira da pessoa. São os pensamentos apegados aos fenômenos e que imaginam sempre as “imperfeições”, que não existem no Reino de Deus. Quando a pessoa aproximar mais o seu pensamento à claridade da Essência divina, eliminando o ódio e a agressividade, reconciliando-se com todas as coisas e tornando o seu pensamento tão harmonioso quanto a harmonia perfeita do Reino de Deus, apagar-se-ão todas as imperfeições do mundo do fenômeno e aparecerá uma situação perfeita e harmoniosa que reflete exatamente a Realidade divina.

PRINCÍPIOS BÁSICOS

PRINCÍPIOS BÁSICOS

Emmet Fox

Pela verdadeira compreensão da Metafísica, aprendemos que Deus como Causa é perfeito, que Ele Se individualiza como homem e que o homem, pelo exercício de seu livre-arbítrio, pode criar ou pensar o bem e o mal.

Se um homem tiver bons pensamentos, estará trabalhando em harmonia com a Lei Divina e o bem virá em seguida. Se tiver pensamentos errados, limita em sua própria experiência a expressão integral de Deus e experimentará o mal – e continuará a experimentá-lo enquanto continuar a ter pensamentos limitantes.

Aprendemos ainda mais: que o bem, que é a expressão de Deus, é imutável e eterno, enquanto os pensamentos errados, embora possam causar dor e sofrimento momentaneamente, não têm substância real (ou, para usar um termo técnico, não têm “realidade”) e assim podem ser destruídos, ou tornados sem existência.

Observe especialmente que a ciência metafísica correta não nega a existência do mundo físico, mas ensina que nossa compreensão dele é limitada, cheia de falhas e mutável. Daí decorre que nosso dever, assim como nosso interesse pessoal, exige que trabalhemos na nossa consciência até produzirmos uma compreensão correta que significará, para nós, o fim do pecado, da doença e a morte.

“Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça”.

João 7:24

JEJUANDO

JEJUANDO

Emmet Fox

“Esta espécie só se expulsa pela oração e pelo jejum.”

Mateus 17:21

Havia um homem que tinha um filho epiléptico e os discípulos de Jesus não tinham conseguido curá-lo. O pai desesperado apelou para Jesus, que prontamente curou o filho. Os discípulos, vendo isso, perguntaram por que não tinham sido capazes de fazer o mesmo. Jesus replicou: “Por causa de sua descrença… Esta espécie só se expulsa pela oração e pelo jejum”.

Ora, jejuar de alimentos é uma boa coisa, ocasionalmente, em especial para aqueles que se entregaram a maus hábitos alimentares. Mas Jesus não podia ter-se referido ao jejum físico, pois, noutra ocasião, falou: “não é o que entra na boca que contamina o homem, mas sim o que sai da boca”.Em outras palavras, não é o que comemos, mas o que pensamos intimamente e expressamos que tem importância.

É sua dieta mental que determina o tipo de vida que você leva. Deve jejuar de pensamentos de medo, de raiva, ressentimento, condenação, e assim por diante. São estas coisas que anulam suas preces. Depois de ter limpado sua mente com esse tipo de jejum, você começou a dar todo o poder a Deus—e, naturalmente, suas preces passarão também a ser poderosas.

Enquanto você entretiver pensamentos de carência e limitação, o seu poder na oração não será grande, mas quando jejuar dessas coisas negativas, então suas preces serão atendidas para si próprio e para aqueles por quem ora.

CORPO NÃO MATERIAL

CORPO

NÃO MATERIAL

Vivian May Williams

Jesus nunca teria reproduzido Seu corpo se o tivesse considerado como “material”. Ele disse que ele era o templo do Deus-Vivo. Como poderia alguém perceber Sua presença, se Ele não surgisse numa forma?

O corpo do homem representa a totalidade dos poderes e capacidades de Deus individualizado; ele realmente representa o Universo. Jesus percebeu isto e exercitou o poder espiritual que Ele tinha sobre Seu Universo. ELE SABIA QUE ONDE QUER QUE ESTEJA Sua Mente, ou Consciência, Sua identidade (forma) deveria estar presente. Isto explica como ele aparecia no meio de Seus discípulos sem precisar dar passos de chegada, ou mesmo sem abrir portas. O corpo não é sólido e concreto como muitos presumem. Ele é tão etéreo quanto a Mente em si. Não é mais difícil para a mente passar através das paredes do que o é para a onda de rádio.

Talvez você pergunte: “Por que a minha forma não aparece na outra sala, quando eu visualizo minha presença dentro dela?” Ela apareceria, se você não acreditasse que seu corpo fosse sólido, concreto, “matéria”. Quando você perceber que seu corpo é tão espiritual quanto a Mente, então sua forma ou identidade aparecerá tão espontânea e tão automaticamente quanto o algarismo 2 acompanha a idéia de um 2.

*

O AMOR ABRE AS PORTAS DO PARAÍSO

O AMOR ABRE AS PORTAS

DO PARAÍSO

Masaharu Taniguchi

Deus é Amor, e quando se emprega a chave denominada amor, abrem-se as portas do Paraíso em todas as partes. Quando se vive amando, abençoando e agradecendo, os terrenos íngremes se tornam planos, os caminhos fechados se abrem e surge o Paraíso. É preciso amar a Deus acima de tudo. “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento”, este é o primeiro mandamento de Cristo. E também, semelhante a este, o segundo mandamento: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo”.

Sobre como amar a Deus, Jesus ensinou: “Se me amais, guardareis os meus mandamentos”. Quais são estes mandamentos? Eles estão bem explicados no Sermão da Montanha. Resumindo, a sua essência seria: “Tudo quanto quereis que os homens vos façam, assim fazeis vós também a eles”. Onde as pessoas guardam esse mandamento, é certo que os negócios progredirão e surgirá o Paraíso tanto no lar como nas relações internacionais.

Ore silenciosamente pelas bênçãos de Deus sobre todas as pessoas relacionadas com você. Ore da seguinte forma: Ó Deus, tornai-as felizes”. A oração dirigida ao outro vem beneficiar a própria pessoa que orou.

*

A PÁSCOA EM NOSSOS CORAÇÕES

A PÁSCOA EM NOSSOS

CORAÇÕES

William Suddaby

Após a noite escura vem o amanhecer dourado e silencioso. Após o inverno frio, irrompe a primavera, nunca deixando de causar admiração quando as flores esbeltas do croco abrem caminho através da neve congelada, e quando soam miríades de vozes alegres que do verde se levantam. Depois do fogo na floresta, folhas novas começam a brotar. Depois das bombas as cidades são reconstruídas. Depois que o coração sofreu profunda perda, um renovado amor começa. E após a crucificação, a hora mais negra do mundo, Cristo Jesus, não vencido pelo ódio e pela morte, foi caminhar no jardim da ressurreição.

A Páscoa dá prova consumada e gloriosa da renovação, e sua mensagem ecoa em um milhão de maneiras. A Ciência Cristã explica que aquilo que humanamente parece ser renovação é apenas um vislumbre da ordem divina –a criação do bem, sempre a se desdobrar, a brilhar através do cenário humano. A carreira de Jesus mostrou que sua vida era a consciência espiritual do bem interminável de Deus. Essa duradoura consciência divina de Jesus se evidenciou na cura de outras pessoas e na indestrutibilidade de sua própria vida. Sua consciência da pura bondade de Deus partilhou assim da eternidade. Ele orou por seus seguidores, dizendo: “A vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3)

A decisão de procurar Deus de todo o nosso coração torna-se a resposta natural à mensagem da Páscoa, pois vemos em sua promessa de vida eterna o bem subjacente que aguarda nossa rendição completa ao Amor divino. E, de fato, compreendemos que não estaríamos procurando Deus se o Seu amor já não nos tivesse alcançado.

Mas,  que é que parece se levantar entre nós e a eternidade do bem, o conhecimento de Deus? Que é a noite escura de nossa ignorância? No mundo, a evidência do bem parece crescer e minguar, desabrochar e nos ludibriar e então desabrochar outra vez. Por ignorância tomamos pela realidade a charada contínua do mundo em mutação. Olhamos à nossa volta e vemos objetos aprazíveis e a eles nos rendemos e nos afeiçoamos. E à proporção que nos afeiçoamos ao bem material, fugidio, do mundo, adiamos ficar afeiçoados ao bem eterno de Deus. A palavra grega traduzida na Bíblia como “pecado” também significa “errar” ou “sair do caminho que conduz à justiça”. O caminho que Jesus apontou revela a existência espiritual inteiramente separada de começos e fins, posta no bem eterno de Deus.

Os pecados da vida mortal procuram nos desviar de nossa meta suprema: conhecer a Deus. Mas, se aquilo que fazemos é puro, contribuindo para uma compreensão espiritual de Deus e para amá-Lo, nisso não há pecado. Lembremo-nos de que o cristianismo, com sua interpretação científica, inclui grande amor pelos pecadores, ao passo que condena no pecado o beco sem saída que nos despojaria da herança de alegria eterna no amor do Pai.

Quanto mais perto de Deus chegamos, tanto mais longe do pecado ficamos. “A missão da Ciência Cristã não é unicamente a de curar o enfermo”, escreve a Sra. Eddy, “mas sim a de destruir o pecado no pensamento mortal.” Logo, existe um caminho que nos leva para fora do pecado e do egoísmo, um caminho para fora do ódio, da falsidade, da indiferença. A ressurreição de Jesus, de que os homens tomaram conhecimento naquela sagrada manhã de Páscoa, abre diante de nós uma vereda de ofuscante significação. Podemos tomar essa vereda e unir nosso coração a Deus. Cedemos àquilo que Deus requer  de nós por toda a eternidade: sermos o reflexo de Seu próprio bem impecável.

A rendição ao que Deus requer eternamente de nós poderá desenvolver-se em nossos corações. Por vezes, a luz da Páscoa está quase imperceptível, e, de repente, irrompe em revivado esplendor. Como nos virá inexoravelmente a todos, que aqui quer no além, torna-nos humildes, remove o desespero, e nos enaltece infinitamente mais que o orgulho e, contudo, o faz sem arrogância. A luz da ressurreição revela o homem envolto no puro amor de Deus. E, em parte, a Páscoa significa o magnífico transformar do coração desde o que é terreno para o que é celestial, onde abundam paz e esperança indescritíveis.

Entregar tudo a Deus não significa que nos tornemos eremitas, ou que nos descuidemos da família e dos amigos, ou que abandonemos o que é bom: mas temos de nos apegar à fonte divina do bem em vez de àquilo que é humano. E essa fonte é muito mais maravilhosa, muito mais cheia de amor, do que     qualquer coisa na terra que tenhamos conhecido. A Páscoa em nossos corações leva-nos para além dos conceitos de que a saúde e o amor e a justiça estão circunscritos humanamente. Capacita-nos a esperar e sentir a abundância espiritual, e a estarmos bem, não embaraçados pelas crenças mortais em hereditariedade, contágio e idade. Capacita-nos a abandonar o beco sem saída do pecado que nega Deus, e a sermos livres.;

A Páscoa faz ecoar em nossos corações a esperança e a felicidade invulneráveis porque Cristo Jesus provou que a vida do homem é indestrutível. Seus símbolos de renovação nos levam a conhecer o próprio Amor infinito. A Páscoa abençoa nossa vida terrena e faz-nos sentir os ventos da eternidade. Em Ciência e Saúde a Sra Eddy diz: “Um momento de consciência divina, ou compreensão espiritual da Vida e do Amor. é um antegozo da eternidade. Essa visão sublime, que se obtém e retém quando a Ciência do ser é compreendida, preencheria com a vida discernida espiritualmente o intervalo da morte, e o homem estaria na plena onisciência de sua imortalidade e harmonia eternas, onde o pecado, a doença e a morte são desconhecidos.” Essa pode ser a conseqüência gloriosa da Páscoa em nossos corações.

(O Arauto da Ciência Cristã – abril 1983)