A PÁSCOA EM NOSSOS CORAÇÕES

A PÁSCOA EM NOSSOS

CORAÇÕES

William Suddaby

Após a noite escura vem o amanhecer dourado e silencioso. Após o inverno frio, irrompe a primavera, nunca deixando de causar admiração quando as flores esbeltas do croco abrem caminho através da neve congelada, e quando soam miríades de vozes alegres que do verde se levantam. Depois do fogo na floresta, folhas novas começam a brotar. Depois das bombas as cidades são reconstruídas. Depois que o coração sofreu profunda perda, um renovado amor começa. E após a crucificação, a hora mais negra do mundo, Cristo Jesus, não vencido pelo ódio e pela morte, foi caminhar no jardim da ressurreição.

A Páscoa dá prova consumada e gloriosa da renovação, e sua mensagem ecoa em um milhão de maneiras. A Ciência Cristã explica que aquilo que humanamente parece ser renovação é apenas um vislumbre da ordem divina –a criação do bem, sempre a se desdobrar, a brilhar através do cenário humano. A carreira de Jesus mostrou que sua vida era a consciência espiritual do bem interminável de Deus. Essa duradoura consciência divina de Jesus se evidenciou na cura de outras pessoas e na indestrutibilidade de sua própria vida. Sua consciência da pura bondade de Deus partilhou assim da eternidade. Ele orou por seus seguidores, dizendo: “A vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3)

A decisão de procurar Deus de todo o nosso coração torna-se a resposta natural à mensagem da Páscoa, pois vemos em sua promessa de vida eterna o bem subjacente que aguarda nossa rendição completa ao Amor divino. E, de fato, compreendemos que não estaríamos procurando Deus se o Seu amor já não nos tivesse alcançado.

Mas,  que é que parece se levantar entre nós e a eternidade do bem, o conhecimento de Deus? Que é a noite escura de nossa ignorância? No mundo, a evidência do bem parece crescer e minguar, desabrochar e nos ludibriar e então desabrochar outra vez. Por ignorância tomamos pela realidade a charada contínua do mundo em mutação. Olhamos à nossa volta e vemos objetos aprazíveis e a eles nos rendemos e nos afeiçoamos. E à proporção que nos afeiçoamos ao bem material, fugidio, do mundo, adiamos ficar afeiçoados ao bem eterno de Deus. A palavra grega traduzida na Bíblia como “pecado” também significa “errar” ou “sair do caminho que conduz à justiça”. O caminho que Jesus apontou revela a existência espiritual inteiramente separada de começos e fins, posta no bem eterno de Deus.

Os pecados da vida mortal procuram nos desviar de nossa meta suprema: conhecer a Deus. Mas, se aquilo que fazemos é puro, contribuindo para uma compreensão espiritual de Deus e para amá-Lo, nisso não há pecado. Lembremo-nos de que o cristianismo, com sua interpretação científica, inclui grande amor pelos pecadores, ao passo que condena no pecado o beco sem saída que nos despojaria da herança de alegria eterna no amor do Pai.

Quanto mais perto de Deus chegamos, tanto mais longe do pecado ficamos. “A missão da Ciência Cristã não é unicamente a de curar o enfermo”, escreve a Sra. Eddy, “mas sim a de destruir o pecado no pensamento mortal.” Logo, existe um caminho que nos leva para fora do pecado e do egoísmo, um caminho para fora do ódio, da falsidade, da indiferença. A ressurreição de Jesus, de que os homens tomaram conhecimento naquela sagrada manhã de Páscoa, abre diante de nós uma vereda de ofuscante significação. Podemos tomar essa vereda e unir nosso coração a Deus. Cedemos àquilo que Deus requer  de nós por toda a eternidade: sermos o reflexo de Seu próprio bem impecável.

A rendição ao que Deus requer eternamente de nós poderá desenvolver-se em nossos corações. Por vezes, a luz da Páscoa está quase imperceptível, e, de repente, irrompe em revivado esplendor. Como nos virá inexoravelmente a todos, que aqui quer no além, torna-nos humildes, remove o desespero, e nos enaltece infinitamente mais que o orgulho e, contudo, o faz sem arrogância. A luz da ressurreição revela o homem envolto no puro amor de Deus. E, em parte, a Páscoa significa o magnífico transformar do coração desde o que é terreno para o que é celestial, onde abundam paz e esperança indescritíveis.

Entregar tudo a Deus não significa que nos tornemos eremitas, ou que nos descuidemos da família e dos amigos, ou que abandonemos o que é bom: mas temos de nos apegar à fonte divina do bem em vez de àquilo que é humano. E essa fonte é muito mais maravilhosa, muito mais cheia de amor, do que     qualquer coisa na terra que tenhamos conhecido. A Páscoa em nossos corações leva-nos para além dos conceitos de que a saúde e o amor e a justiça estão circunscritos humanamente. Capacita-nos a esperar e sentir a abundância espiritual, e a estarmos bem, não embaraçados pelas crenças mortais em hereditariedade, contágio e idade. Capacita-nos a abandonar o beco sem saída do pecado que nega Deus, e a sermos livres.;

A Páscoa faz ecoar em nossos corações a esperança e a felicidade invulneráveis porque Cristo Jesus provou que a vida do homem é indestrutível. Seus símbolos de renovação nos levam a conhecer o próprio Amor infinito. A Páscoa abençoa nossa vida terrena e faz-nos sentir os ventos da eternidade. Em Ciência e Saúde a Sra Eddy diz: “Um momento de consciência divina, ou compreensão espiritual da Vida e do Amor. é um antegozo da eternidade. Essa visão sublime, que se obtém e retém quando a Ciência do ser é compreendida, preencheria com a vida discernida espiritualmente o intervalo da morte, e o homem estaria na plena onisciência de sua imortalidade e harmonia eternas, onde o pecado, a doença e a morte são desconhecidos.” Essa pode ser a conseqüência gloriosa da Páscoa em nossos corações.

(O Arauto da Ciência Cristã – abril 1983)

"VESTINDO A CAMISA DA VERDADE"

“VESTINDO A CAMISA DA VERDADE”

DArcio

A primeira coisa que alguém que estuda a Verdade deve saber é que estas revelações são verdadeiras. Não são teorias a serem testadas! Quem “veste a camisa da Verdade” vive em seus princípios e neles se conserva destemidamente, de modo radical e inabalável. Se notar algum problema físico, saberá que este “corpo físico” não é ele! Saberá que este corpo físico é uma ilusão na forma de imagem de corpo! Saberá que esta imagem é falsa, uma imagem hipnótica de corpo, mais nada! Imagem hipnótica não pensa! Se há “algo pensante”, no sentido de admitir: “Há uma imperfeição aqui”, podemos sabemos que esta ideia não é de Deus, não é nossa, e é a ILUSÃO! Sim, pois uma ideia que não vem de Deus é ilusória! Precisa ser desconsiderada como tal!

O Corpo que temos é espiritual, “feito” com a única matéria-prima real e substancial que existe: O VERBO DIVINO! Separar conscientemente o CORPO da ILUSÃO (em meditação) é o que deve ser feito! Jamais o CORPO tem qualquer problema! Jamais o CORPO nasce, muda ou morre! É preciso “vestir a camisa da Verdade”, ou seja, fazer uma identificação plena com este eterno Corpo-Templo que somos, sem mais nos identificarmos com suas sombras projetadas no “chão da ilusão”. “Glorificai a Deus no vosso corpo”, disse Paulo.

Se notar algum problema financeiro, o que fará? Já postei um artigo sobre isso, dias atrás, intitulado “OLHOS AO CÉU”! A pessoa vive em Deus, mergulhada na Essência Autossuprida! E“formando” esta Essência de infinita abundância! Ela já é herdeira do Infinito inteiro! Irá cair no “trote” da carência? Assim não dá! É preciso “vestir a camisa da Verdade”, isto é, parar de olhar “miragens” de carência humana para se ver como Jesus, que dizia: “TUDO QUE É MEU É TEU, e TODAS AS TUAS COISAS SÃO MINHAS! Não é possível que um estudante da Verdade ainda perca tempo olhando se há suprimento em bolsos da matéria! Somos a expressão da Riqueza Infinita! Formamos o Autossuprimento absoluto! É preciso fazer a identificação plena com esta Verdade!

Se notar algum problema de relacionamento, solidão, depressão, tristeza, ou qualquer outro “tipo de nada”, a pessoa irá endossar esta farsa? Nem teria cabimento! Deverá “vestir a camisa da Verdade”,isto é, saber que “EU E O PAI SOMOS UM”, e sair confiante, ALEGRE e plena, consciente de que no VERBO que ELA É, não há mudanças e muito menos mudanças para pior!

Em suma, DEUS É TUDO! TUDO É DEUS! DEUS VIVE! DEUS É A NOSSA VIDA! Esta Verdade não será discernida por alguém que perca tempo dando atenção á mente humana e suas mentiras! “Vista a camisa da Verdade!” VOCÊ É A VERDADE!

*

QUE É DEUS – III (Final)

QUE É DEUS?

(A VIDA E O ENSINAMENTO DOS

MESTRES DO ORIENTE)

Baird Spalding

(III Final)

“Por mais de cinquenta anos, depois daquele dia na cruz, ensinei e vivi com meus discípulos, muitos dos quais eu amava muitíssimo. Naqueles dias, nós nos reuníamos num lugar tranquilo fora da Judéia. Ali estávamos livres dos olhares indiscretos da superstição. Muitos adquiriram ali os grandes dotes e levaram a cabo um grande trabalho. Vendo, então, que, se eu me ausentasse por algum tempo, eu seria capaz de ensinar e ajudar a todos, ausentei-me. Além disso, eles estavam dependendo de mim em lugar de depender de si mesmos; e, no intuito de tomá-los autoconfiantes, era mister que eu me afastasse. Se eles tinham vivido em íntima associação comigo, não teriam podido encontrar-me de novo se o quisessem?

“A cruz foi, no princípio, o símbolo da maior alegria que o mundo jamais conheceu. O fundamento da cruz é o lugar em que o homem pisou na terra pela primeira vez e, portanto, a marca que simboliza a aurora de um dia celestial aqui na terra. Se vocês quiserem rastreá-la constatarão que a cruz desaparece de todo e que ela é o homem em atitude de devoção, de pé no espaço com os braços erguidos num gesto de bênção, mandando seus dotes a humanidade, derramando suas dádivas livremente em todas as direções.

“Quando vocês souberem que o Cristo é a vida apropriada dentro da forma, a energia crescente que o cientista vislumbra, mas não sabe de onde vem; quando sentirem com o Cristo que a vida é vivida de modo que pode ser dada livremente; quando aprenderem que o homem é obrigado a viver ao lado da constante dissolução das formas, e que o Cristo viveu para desistir do que o corpo dos sentidos ambicionava, pelo bem que ele não podia gozar naquele momento — vocês serão o Cristo. Quando se virem como parte da vida maior, mas dispostos a sacrificar-se pelo bem do todo; quando aprenderem a agir direito sem ser afetados pelo resultado da ajuda; quando aprenderem livremente a renunciar à vida física e a tudo o que o mundo tem para dar (isto não é nenhum sacrifício de si mesmo, pois quanto mais derem de Deus verificarão que têm mais para dar, embora, às vezes, o dever pareça exigir tudo o que a vida tem para dar. Vocês conhecerão também que aquele que quer salvar sua vida a perde) verão que o ouro puro está na parte mais profunda da fornalha, onde o fogo o purificou completamente. Vocês encontrarão grande alegria em saber que a vida que deram a outros é a vida que conquistaram. Saberão que receber é dar livremente; que, se abdicaram da forma mortal, uma vida mais elevada prevalecerá. Terão a alegre certeza de que uma vida assim conquistada é conquistada para todos.

“Vocês precisam saber que a Grande Alma de Cristo pode descer ao rio e que o andar sobre as águas só tipifica a simpatia que vocês sentem pela grande necessidade do mundo. Então vocês serão capazes de ajudar seus semelhantes sem se jactarem de virtuosos; podem passar o pão da vida às almas famintas que vieram procurá-los, mas esse pão nunca diminuirá pelo fato de ser dado; precisam continuar com energia e saber plenamente que são capazes de curar todos os que vieram procurá-los, doentes ou cansados ou pesadamente carregados, com a Palavra que deixa inteira a alma; vocês são capazes de abrir os olhos dos cegos por ignorância ou por opção. (Não importa quão baixo esteja a alma do cego, pois ele precisa sentir que a alma de Cristo está ao seu lado, e precisa descobrir que vocês pisam com pés humanos o próprio solo que ele pisa. Então conhecerão que a verdadeira Unidade do Pai e do Filho está dentro e não fora. Saberão que precisam permanecer serenos quando o Deus exterior é posto para fora e somente o Deus interior permanece. Precisam ser capazes de conter o grito de dor e de medo ao soarem as palavras ‘Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?’ Mesmo assim, nessa hora, não precisam sentir-se sozinhos, pois devem saber que estão com Deus; que estão mais próximos do coração do Pai amante do que nunca. Precisam saber que, na hora em que tocam a tristeza mais profunda, é a hora em que começa o seu maior triunfo. Com tudo isso, vocês precisam saber que a dor não pode tocá-los.

“A partir dessa hora, sua voz soará com um grande canto livre, pois saberão que vocês são o Cristo, a luz que brilhará entre os homens e para os homens. Conhecerão a treva que existe em toda a alma que não encontra uma mão auxiliadora para apertar enquanto caminha pela estrada acidentada antes de descobrir o Cristo no seu interior.

“Vocês precisam saber que são realmente divinos e, sendo divinos, precisarão ver que todos os homens são como vocês. Saberão que há lugares escuros que terão de trans­por com a luz que levarão para o mais alto, e a alma de vocês ressoará em louvor do fato de poderem prestar serviço a todos os homens. E então, com um grito alegre e livre, subirão ao seu ponto mais alto na união com Deus.

“Agora sabem que não há substituição de sua vida por outras vidas, nem de sua pureza pelos pecados dos outros; mas que todos são espíritos alegres e livres em si mesmos e em Deus. Sabem que poderão alcançá-los, ao passo que eles não podem alcançar-se uns aos outros; que não podem deixar de dar sua vida pela vida de cada alma, para que ela não pereça. Entretanto, precisam ser tão reverentes para com essa alma que não derramarão sobre ela uma torrente de vida, a menos que a vida dessa alma se abra para recebê-la. Mas derramarão livremente sobre ela uma torrente de amor, de vida e de luz, de modo que, quando ela abrir as janelas, a luz de Deus entrará por elas e a iluminará. Saberão que em cada Cristo que nasce, a humanidade sobe mais um degrau. E saberão muito bem que vocês têm tudo o que tem o Pai; e, tendo-o todos, é para todos usarem. Precisam saber que à medida que se elevam e são fiéis, elevam consigo o mundo inteiro; pois à medida que palmilham o caminho, este se torna mais plano para os seus semelhantes. Precisam ter fé em si mesmos, sabendo perfeitamente que essa fé é Deus dentro de vocês. Finalmente, precisam saber que são um templo de Deus, uma casa que não foi feita com as mãos, imortal assim na terra como no céu.

“E eles cantarão de vocês, ‘Salve todos, Salve todos, Aí vem o Rei. E, vejam, Ele está sempre com vocês. Vocês estão em Deus, e Ele está em vocês’.”

Jesus levantou-se, dizendo-se obrigado a deixar-nos, porque devia estar em casa de outro Irmão, na mesma aldeia, naquela noite. Todos os presentes se levantaram. Jesus abençoou a todos e, em companhia de dois participantes da reunião, saiu da sala.

QUE É DEUS – (II)

QUE É DEUS?

(A VIDA E O ENSINAMENTO DOS

MESTRES DO ORIENTE)

Baird Spalding

( II )

“Quando eu disse, ‘Eu sou o Cristo, o único gerado por Deus’, não o declarei por mim mesmo apenas, pois, se o tivesse feito, não poderia tornar-me o Cristo. Digo claramente que, para produzir o Cristo, eu, assim como todos os outros, precisamos declará-lo; pois precisa­mos viver a vida, e o Cristo precisa aparecer. Vocês podem manifestar o Cristo quanto quiserem mas, se não viverem a Vida, o Cristo nunca aparecerá. Pensem muito, queridos amigos: se todos manifestassem o Cristo e depois vivessem a Vida durante um ou cinco anos, que despertar haveria? Não se podem imaginar as possibilidades. Esta foi a visão que eu vi. Queridos, vocês não podem, porventura, colocar-se onde eu estava e ver o que eu vi? Por que me cercam com as trevas e com o lodo da superstição? Por que não erguem a vista, a mente e os pensamentos para o alto e não veem com uma visão clara? Veriam, então, que não existem milagres, nem mistérios, nem dor, nem imperfeição, nem desarmonia, nem morte, exceto os que o homem fez. Quando eu disse, ‘Venci a morte’, eu sabia de que estava falando; mas foi preciso a crucificação para mostrá-lo a esses queridos.

“Existem muitos de nós reunidos para ajudar o mundo inteiro e esse é o trabalho da nossa vida. Houve momentos em que foram necessárias as nossas energias combinadas para repelir as ondas dos maus pensamentos, da dúvida, da descrença e da superstição, que quase engoliram a humanidade toda. Vocês podem chamar-lhes forças do mal, se quiserem. Sabemos que elas são más apenas na medida em que o homem as faz assim. Mas agora vemos a luz ficar cada vez mais brilhante, à medida que nossos amados se desfazem de seus grilhões. Pode ser que, ao desprender-se dessas cadeias, a humanidade se afunde por algum tempo, na materialidade; mesmo assim, porém, é um passo mais vizinho da meta, pois a materialidade não prende ninguém como prendem a superstição, o mito e o mistério. Quando andei sobre a água naquele dia, acham vocês que eu dirigi meus olhos para grandes profundezas, a substância material? Não, fitei meus olhos firmemente no Poder de Deus, que transcende todo poder do abismo. No momento em que fiz isso, a água tornou-se tão firme quanto uma rocha e pude caminhar sobre ela com perfeita segurança.”

Jesus parou de falar por um momento, e um membro do nosso grupo perguntou: ‘O fato de estarmos aqui conversando não o impede de prosseguir no seu trabalho?” Jesus respondeu: “Não se pode obstar a um dos nossos amigos que aqui estão, nem por um momento, e eu acredito estar incluído entre vocês.”Alguém sobreveio: “Você é nosso Irmão.” O rosto de Jesus iluminou-se com um sorriso ao dizer: “Obrigado. Eu sempre lhes chamei Irmãos.”

Nesse momento, um do grupo voltou-se e perguntou a Jesus: “Podem todos revelar o Cristo?” Ele respondeu: “Sim, toda realização só tem um fim. O homem veio de Deus e precisa voltar para Deus. Aquele que desceu dos céus precisa subir de novo para o céu. A história do Cristo não começou com o meu nascimento, nem terminou com a crucificação. O Cristo passou a existir quando Deus criou o primeiro homem à Sua própria imagem e semelhança. O Cristo e aquele homem eram um só; todos os homens e aquele homem são um só. Assim como Deus era o seu Pai, assim também Ele é o pai de todos os homens e todos são filhos de Deus. Assim como o filho tem a qualidade dos pais, assim o Cristo está em cada criança. Por muitos anos, a criança viveu e compreendeu sua Messianidade, sua identidade com Deus, através do Cristo em si mesma. Começou, então, a história do Cristo e vocês podem fazê-la remontar ao princípio do homem. Que o Cristo significa mais do que o homem Jesus, não há dúvida. Se eu não o tivesse percebido, não teria produzido o Cristo. Para mim, esta é a pérola sem preço, o vinho velho em odres novos, a verdade que muitos outros já apresentaram e, desse modo, realizaram os ideais que eu realizei e provei.

Continua…>

QUE É DEUS (I)


QUE É DEUS?

(A VIDA E O ENSINAMENTO DOS

MESTRES DO ORIENTE)

Baird Spalding

( I )

Mais tarde a conversa derivou para Deus, e alguém do grupo confessou: “Eu gostaria de saber quem ou o que realmente é Deus.” Jesus tomou da palavra e respondeu: “Eu creio que compreendo o motivo da pergunta que vocês gostariam de ver esclarecida na sua própria mente. São os muitos pensamentos e idéias conflitantes que aturdem ou perturbam o mundo de hoje sem referência à origem da palavra. Deus é o princípio que está por trás de tudo o que existe hoje. O princípio por trás de uma coisa é Espírito; e Espírito é Onipotente, Onipresente, Onisciente. Deus é a Mente, causa direta e diretora de todo o bem que vemos ao nosso redor. Deus é a fonte de todo o Amor verdadeiro que mantém juntas umas às outras todas as formas. Deus é um princípio impessoal. Deus nunca é pessoal, a não ser quando se converte, para cada indivíduo, em amoroso Pai-Mãe pessoal. Para o indivíduo, Ele pode ser um Pai-Mãe pessoal e amoroso, que tudo dá. Deus nunca se transforma num grande ser localizado nos céus, num lugar chamado paraíso, onde tem um trono no qual se senta e julga as pessoas depois que elas morrem; pois Deus é a própria Vida e essa vida nunca morre. Isto é apenas um equívoco produzido pelo pensamento ignorante do homem, assim como inúmeras malformações produzidas que vocês veem no mundo à sua volta. Deus não é um juiz nem um rei que pode impor-lhes Sua presença ou arrastá-los à barra dos tribunais. Deus é um Pai-Mãe amante e pródigo, que, quando você se aproxima, estende os braços e o envolve. Não importa quem ou o que é você, nem o que você possa ter sido. Você é filho d’Ele, exatamente como quando O procura com o coração e para uma finalidade digna. Se você fosse o Filho Pródigo que virou as costas para a casa do Pai e está cansado das palhas secas da vida, que dá como forragem aos porcos, pode voltar novamente o rosto para a casa paterna e ter a certeza de uma acolhida carinhosa. Ali, o banquete está sempre à sua espera. A mesa está sempre posta e, quando você regressar, não ouvirá nenhuma censura do irmão que regressou antes de você.

“O amor de Deus é como uma fonte pura que jorra de uma montanha. Em sua origem, ela é pura, mas à proporção que flui em seu curso, torna-se turva e poluída até jogar-se no oceano tão impura que nem sequer se parece com a que emergiu do manancial. A medida que entra no oceano, vai se desfazendo da lama e da vasa e deixando-as cair ao fundo, de onde volta a subir à superfície como parte do oceano álacre e livre, do qual pode ser tirada de novo para retemperar a fonte.

“Vocês podem ver Deus e falar com Ele a qualquer momento, justamente como podem ver seu pai, sua mãe, seu irmão ou seu amigo, e conversar com eles. Com efeito, Ele está muito mais próximo do que qualquer mortal pode estar. Deus é muito mais querido e muito mais sincero do que qualquer amigo. Deus nunca está cansado, nem zangado, nem abatido. Nunca destrói, nem fere, nem estorva nenhum dos filhos, criaturas ou criações. Se Deus fizesse essas coisas, não seria Deus. O deus que julga ou destrói seus filhos, suas criaturas ou suas criações, ou que lhes nega alguma coisa boa, é apenas um deus invocado somente pelo pensamento irrefletido do homem; e vocês não precisam temer esse deus, a não ser que queiram fazê-lo. Pois o verdadeiro Deus estende a sua mão e diz: ‘Tudo o que tenho é teu.’ Quando um dos seus poetas disse que Deus está mais próximo do que a respiração e mais perto do que as mãos e os pés, ele foi inspirado por Deus. Todos são inspirados por Deus quando a inspiração é para o bem ou para o certo, e todos podem ser inspirados por Deus a qualquer momento; basta que o queiram.

Continua…>

HOMEM-ESSÊNCIA E HOMEM CARNAL

HOMEM-ESSÊNCIA

E HOMEM CARNAL

Masaharu Taniguchi

Sakyamuni disse: “A mente ressentida jamais poderá desfazer o ressentimento”. Da mesma forma, a mente iludida do homem carnal jamais poderá desfazer a ilusão. O homem carnal não existe verdadeiramente. Não sendo existência verdadeira, desintegra-se com o tempo. É natural que o que “não existe” seja imperfeito; existe somente o que é perfeito. É natural que “o que não existe” não possa compreender “o que existe”. Pergunta-se: “Por que o homem, filho de Deus, que deve ser perfeito, não consegue intuir a sua Essência?”; mas, o Homem-Essência, que é “filho de Deus” e que é perfeito, não precisa intuir a sua Essência, pois ele é a própria Essência.

Não adianta querer entender intelectualmente esse assunto, pois a inteligência do homem carnal é incapaz de entendê-lo. Entretanto, tornando-se menos densa a “inteligência do homem carnal” (ilusão), começa a se manifestar a luz da sabedoria da Essência (Deus), da mesma forma que o sol aparece quando a neblina cede. Ao fato de a luz da sabedoria da Essência começar a brilhar rompendo a treva da ilusão, dizemos “conhecer a perfeição do Homem-Essência através da intuição”.

A inteligência do homem carnal é como a treva, e o Homem-Essência é como a luz.

*

ONDE SE ENCONTRA O MUNDO DA ESSÊNCIA – 2 (Final)

ONDE SE ENCONTRA

O MUNDO DA ESSÊNCIA

Masaharu Taniguchi

Parte 2 – Final

O mundo da Essência foi criado por Deus e tem como substância as ideias de Deus. É um mundo de vida eterna, repleto de paz infinita e sabedoria infinita. Todos os seus moradores são filhos de Deus. Nele não há nenhum pecador. Todos são puros, pacíficos, alegres, sadios e cheios de vitalidade.

A maioria das pessoas procura a felicidade, a paz e a harmonia no mundo material e se desgasta na tentativa incessante de obtê-las. Mas a verdadeira paz, a verdadeira harmonia e a verdadeira felicidade não podem ser encontradas no mundo material. É preciso despertar para a Verdade de que a matéria é nada. É preciso compreender que as coisas materiais, por serem existências falsas, não nos suscitam uma alegria verdadeira, por mais que as acumulemos. Quando abandonamos completamente o espírito de dependência à matéria e passamos a confiar em nossa natureza originalmente perfeita, ou seja, em nossa Essência, dotada de força infinita proveniente de Deus, tornamo-nos capazes de não considerar o obstáculo como obstáculo nem o sofrimento como sofrimento. E então surge a verdadeira harmonia, não só no plano mental, como também na vida concreta.

ONDE SE ENCONTRA O MUNDO DA ESSÊNCIA

ONDE SE ENCONTRA

O MUNDO DA ESSÊNCIA

Masaharu Taniguchi

Parte 1

O mundo da Essência (mundo perfeito criado por Deus) não é um mundo material que pode ser percebido pelos cinco sentidos ou pelo sexto sentido. E, no entanto, é um mundo muito mais real e consistente do que o mundo material. O mundo perceptível aos cinco sentidos ou ao sexto sentido não pode ser percebido pelos sentidos do corpo carnal, pois é um mundo infinitamente maravilhoso e majestoso, que se encontra além do mundo perceptível aos cinco sentidos ou ao sexto sentido. O mundo verdadeiro – ou seja, o mundo da Essência – existe à parte deste mundo material. Sendo assim, poderia chamá-lo de “outro mundo”, “mundo celestial” ou “paraíso”, mas tais denominações fazem supor um mundo muito distante de nós, o que não é verdade, pois não há nenhuma distância separando-nos da Essência.

Aqui mesmo, onde estamos agora, é o mundo da Essência. Em outras palavras, estamos vivendo no mundo material e, ao mesmo tempo, no mundo da Essência invisível aos olhos carnais. Isso é comparável ao fato de vivermos num meio material visível e, ao mesmo tempo, num meio atmosférico invisível. O mundo da Essência é diferente do mundo material, mas não está distante deste. O mundo da Essência não se encontra nas alturas. Longe do nosso alcance. Na verdade, encontramo-nos exatamente dentro dele.

Continua…>

O PARAÍSO JÁ EXISTE


O PARAÍSO JÁ EXISTE

Masaharu Taniguchi

A oração tem a função de fortalecer a fé. Pela oração, “Seja feita a sua vontade, assim na terra como no céu”, podemos constatar que Jesus também sabia que no céu, (mundo da Imagem Verdadeira) a vontade de Deus já está realizada. Não há como modificar, pela oração, o reino dos céus ou o mundo da Imagem Verdadeira já concretizado. O mundo da Imagem Verdadeira já esta totalmente consumado de acordo com a vontade de Deus e nem se pode cogitar em reformá-lo. Ele é um mundo já pronto.

Se você tem fé em Deus, basta aceitar docilmente, com gratidão sincera, as afirmações:

“O mundo criado por Deus já é perfeito”, “O homem real criado por Deus já é perfeito”.

Não é necessário argumentar nem questionar. Basta aceitar tudo docilmente. Se lhe for dito: “Você é filho de Deus, criado por Deus; o filho de Deus não adoece”, deve responder: “Sim, muito obrigado. Compreendi que, sendo filho de Deus, não sou doente”. Agradecer a Deus é a oração correta. Achar que Deus pode ter esquecido de lhe dar algo e interpelá-lo de vez em quando para lembrá-lo é desprezar a onisciência de Deus.

LIVRE-SE DA POEIRA DA SUPERSTIÇÃO

LIVRE-SE DA POEIRA DA SUPERSTIÇÃO

Masaharu Taniguchi

É uma superstição a crença de que “o homem precisa de um mediador para chegar a Deus”. E aquele que acredita em tal superstição será iludido pelos impostores que dizem: “Vocês, que são pecadores, não poderão chegar a Deus com suas próprias forças. Eu sou o medidor que os conduz a Deus. Sigam a minha religião para não cairem no inferno”. E as pessoas que se deixam iludir por tais palavras serão vítimas dos embusteiros.

Cristo ensinou: “O Reino de Deus está dentro de vós”, e Buda pregou: “Todas as criaturas possuem a Natureza Búdica”. O mediador que liga o homem a Deus é o “Reino de Deus” ou a “Natureza Búdica” que já está dentro do próprio homem. Um antigo adepto da Seicho-no-Ie fundou uma nova religião e está dizendo: “Eu sou o mediador. Sem mim ninguém poderá entrar no Reino de Deus”. Sinto pena das pessoas iludidas por tal superstição.

O único mediador que nos leva a Deus é o nosso “Deus interior”. Nenhum objeto material que se chama “Gohonzon” poderá ser mediador entre Deus e o homem. Quanto mais o homem adotar tais objetos materiais, mais escravizado será pela matéria. Quando se conscientizar do Cristo Interno ou da Natureza Búdica que habita o seu interior, o homem terá conhecido a Verdade e será livre. Então, o Paraíso se realizará aí onde ele estiver.

Falando de modo direto e claro, não existem dois seres distintos, um chamado “homem” e outro chamado “Deus”. Existe unicamente Deus, e o homem é a Sua suprema expressão. O próprio fato de você estar vivo significa que Deus está aqui, agora, dentro de você. Por isso, os seus desejos já estão realizados. Se irá recebê-los materialmente ou não, depende só de sua mente.

Não seja enganado pelos falsos profetas que sugestionam as pessoas com palavras hipnóticas como: “O homem é pecador, é fraco, está maculado”, e as ameaçam dizendo: “Vocês não poderão entrar no Paraíso a não ser pela minha mediação”. Limpe a poeira da superstição e inicie uma nova vida

DE HOJE EM DIANTE ÉS O FILHO DE DEUS"

“DE HOJE EM DIANTE ÉS
O FILHO DE DEUS”
Gustavo Rocha


“Deus é o Todo de tudo.
Sendo Deus o Todo e o Absoluto, nada há além de Deus.
Deus cobre toda a Realidade.
De tudo aquilo que há, nada há que
não tenha sido criado por Deus.”
(Seicho-No-Ie: Sutra Sagrada – ‘Chuva de Néctar da Verdade’)


O que possibilita ao homem ser um filho de Deus é apenas uma única coisa: O fato de Deus ser tudo, o fato de Ele estar em todos os lugares, de ser Ele eterno, infinito e onipresente. Deus existe sozinho! Ele já é a existência toda, porque é infinito. Se houver alguma outra coisa, além de Deus, ocupando um espaço existencial, Deus perdeu sua infinitude. Deus não pode ver outra coisa além de Si mesmo, não pode interagir com nenhum outro ser existente além de Si mesmo. É essa característica e natureza de Deus que faz com que o homem seja”Um” com Deus.

O homem filho de Deus é o “homem Um com Deus”. Somente dentro dessa unicidade  o ser humano é verdadeiramente o filho de Deus. Unicidade significa que Deus e o homem são um, de forma que não se sabe onde o homem termina e Deus começa; não há sequer que falar em tais coisas como “homem” e “Deus”, porque isso gera dualidade, e Deus não conhece a existência do homem. Em Deus, o homem não existe: somente Deus existe! É somente dentro dessa conscientização, dentro deste estado espiritual de consciência, que o homem consegue sentir: “sou filho de Deus”.

Deus não conhece pessoas, não conhece a humanidade, conhece apenas a Si mesmo. Se “existe” um homem doente, Deus não conhece/não vê tal homem nem tal doença, porque, para Deus, este homem não existe; o homem só existe para o próprio homem. O homem doente existirá somente aos olhos do homem que pensa, julga e está convicto de que Deus e ele não são um.

Deus é o homem. Porém, isso não deve ser avaliado como se existisse um “Deus” e um “homem”. Este ensinamento não tem a mínima pretensão de querer tornar o homem equivalente a Deus, pois o homem nunca é Deus — somente Deus é Deus. O que queremos, aqui, é fazer com que o leitor pare de ver as coisas de modo dualista (avaliação errônea que faz com que o homem caia dentro de determinado estado de percepção) e compreenda a frase sob a perspectiva da unicidade: Dizer “Deus é o homem” é o mesmo que dizer “Deus é Deus”. O homem não existe. Essa outra forma de avaliar a mesma frase elimina da mente o estado de percepção mostrado pelo enfoque dual, e faz surgir uma percepção mais aprofundada, transcendental, que não pode ser captada pela mente que assume o homem como sendo uma existência real, existente ao lado de Deus. Deus é o homem! A mente divina é a mente humana! A realidade é a ilusão! Só existe UM. Entenda isso! E permaneça na contemplação silenciosa desta compreensão. Então lhe será revelado silenciosamente em sua consciência: “Tu és o filho de Deus”, “eis que estou contigo desde o princípio até o fim dos tempos”, “filho, eu te amo! Todas as tuas coisas são minhas e tudo o que é meu é teu.”

Compreende de uma vez por todas que você já é o filho de Deus. Quando compreender, assuma de uma vez por todas esta compreensão como sendo a realidade, e não deixe jamais que a percepção dual torne a ocupar o espaço de aceitação de tua mente — porque isso será possível de acontecer. Mesmo após compreender, você terá de lutar para manter-se dentro da visão correta; terá de manter-se sempre vigilante, alerta para não deixar a influência hipnótica-dual absorver-lhe a atenção. Fora de Deus o homem não é o filho-de-Deus. É somente alguma outra coisa mostrada pela percepção dual, e portanto é falsa.

Deus é tudo! Portanto não há espaço para nada mais existir. Deus está aí exatamente onde você está, sendo exatamente quem você é, vivendo a sua vida. O fato de você ser “Deus vivendo” não é mérito seu. Deus Se manifesta como você e Se expressa como a sua vida unicamente para a glória d’Ele! Só existe Ele! Você nem entra na questão. Você só existe porque essa é a vontade de Deus. Deus o  conhece  como sendo Ele mesmo. Se quer se conhecer como filho de Deus, aprenda a enxergar-se da mesma maneira como Deus o vê: perfeito, uno, em glória com Ele.

Em Deus você é saudável. Em Deus doença alguma existe. Em Deus desarmonia alguma existe. Houvesse desarmonia em Deus, que é infinito, tal desarmonia seria infinita. Houvesse desarmonia em Deus, a existência de Deus e de todo o Universo estaria em jogo — seria instável –, porque “a casa que é dividida contra si mesma jamais consegue subsistir”. Esse é o motivo por que Deus é eterno. Esse é o motivo por que Deus é harmonia, sabedoria, perfeição. Aprenda a ver Deus em todos os seus caminhos, e Ele lhe dará prova de Sua presença. Deus é onipresente. A questão não é saber se Deus está “ali” ou não. A questão é: você tem olhos para ver?

Uma vez que compreenda a sua filiação espiritual divina, jamais olhe para trás novamente. Deixe para trás tudo o que era conhecido e considerado como Verdade para você. Siga em frente mantendo sempre a consciência de que “Deus está aqui onde estou”.

“Retira dos teus pés as tuas sandálias, pois o lugar em que estás é solo santo.”

Quando compreender que o lugar em que está pisando é solo santo, retirará as suas sandálias, reconhecerá e exaltará: “tudo é santo!” Não há nenhum outro solo, a não ser o solo santo de Deus. Toda a existência é esse solo santo. Onde Deus estiver, ali o lugar será santo.

Agora, tome a resolução: “Abandona o teu velho”eu”. De hoje em diante és o filho de Deus.” (Masaharu Taniguchi)

UMA EXPERIÊNCIA EMOCIONANTE

UMA EXPERIÊNCIA

EMOCIONANTE

Emmet Fox

Como estudante da Verdade você acredita que Deus tem todo o poder e inteligência infinitos, e que Sua natureza é a bondade e o amor infinitos.Você também crê que Ele o conhece, o ama e se interessa por você, e que, na realidade, você é uno com Ele.

Por que não fazer a seguinte experiência, que será não apenas emocionantemente interessante, mas certamente trará um bem novo e definido à sua vida? Esta experiência também lhe ensinará mais em um dia do que você poderia aprender em livros ou palestras num período de muitas semanas.

Eis o que você tem a fazer:

Durante um dia todo, pense, fale e aja exatamente como o faria se estivesse absolutamente convencido da Verdade das afirmações do primeiro parágrafo.

É claro que você acredita nelas “teoricamente”, mas agir literalmente de conformidade com essa crença é outra coisa. Para que essa experiência tenha algum significado, você deve fazer o seu papel positivamente.

Pensar dessa maneira o dia todo será o mais difícil, porque o pensamento é muito sutil. Falar segundo essas Verdades será mais fácil, se você estiver atento. Agir de conformidade com elas será a parte mais fácil, embora possa exigir muito em termos de coragem moral.

Se acreditássemos nessas Verdades com a mesma confiança sem questionamento com que acreditamos na existência do metrô, por exemplo, ou do sistema telefônico, nenhum problema, sofrimento ou medo permaneceriam por muito tempo conosco.

"Não te esqueças de Mim" – Parte 2 (Final)

“NÃO TE ESQUEÇAS DE MIM”

Gustavo Rocha

Parte 2 – Final

O post anterior conta a história do Gênesis; revela que Deus ao individualizar-se e criar seu Universo, sussurra uma pequena advertência a cada uma de Suas consciências individuais: “não coma do fruto da árvore do conhecimento, ou então você me esquecerá”.

Antes de Deus desdobrar-Se e criar Seu Universo, Ele era uma existência concentrada, somente o Grande Oceano existia – silencioso, quieto, imóvel, ainda não havia ondas ondulando na superfície do Oceano. Esse estado anterior à criação do Universo é o estado em que Deus é compreendido como sendo o “Nada”, é o estado em que Deus existe como um Ser Não-Manifesto. Então, de repente, Deus, de Si mesmo, escolhe desconcentrar-Se, individualizar-Se, e Se manifestar em forma de muitos. É infinita a variedade de formas que Deus passa a criar e apresentar de Si mesmo. E é nesse “ponto” que surge o homem. E é exatamente nesse “ponto” que, agora, algo precisa ser dito. Algumas coisas muito importantes precisam ser compreendidas: Quando nasce a alma? Em que momento da história da criação de Deus esse acontecimento de “Deus escolher Se individualizar e Se manifestar” acontece? A resposta é: “a todo momento!”.

A história do Gênesis é somente uma alegoria criada para revelar o que está acontecendo, a cada instante, com cada uma das consciências individuais criadas por Deus. Não se trata de algo que aconteceu em algum momento do passado; o Gênesis descreve o que está acontecendo a cada instante; o Gênesis está acontecendo AGORA. A cada momento vivido, o homem está nascendo, está sendo criado e manifestado por Deus. Por que “a cada instante?” Como é possível ao Gênesis estar ocorrendo a cada momento? É possível compreender isso, se entendermos corretamente o significado do que venha a ser o “Agora”.

“Agora” é uma palavra quântica; e em seu sentido espiritual ela procura transmitir o significado de ser um fenômeno quântico. Significa que, assim como Deus, o Agora está livre, desvinculado, desconectado de toda e qualquer a espécie de coisas. Isso faz com que possamos dizer: “O Agora é! O Agora é o que é“. E nada mais pode ser dito sobre ele – absolutamente nada -, não há coisa alguma que possa ser usada como pretexto para explicar ou justificar o que existe e está inserido dentro do É.

A cada momento o homem está nascendo – e está nascendo pela primeira vez! O homem está sendo constantemente re-criado por Deus. Ele morre e renasce a cada instante, a cada “Agora”. O homem só existe Agora! E o que existe Agora nada tem a ver com o que estava existindo no Agora anterior. No plano da superfície parece haver continuidade, mas não é assim. Quando um “Agora” se vai, ele se vai totalmente, não sobrou nada dele, de modo que nada permanece – nem mesmo o rastro. O Agora nunca é uma existência alterada, transformada, modificada a partir do anterior. Não há elos. A Realidade mostra que cada “Agora” existe isolado. Compreender isso lhe dá condições de entender o sentido espiritual do verbo “é”. Quando se diz espiritualmente que algo é — que Deus é, que a Sabedoria é, que o Amor é, que a Harmonia é, que a Vida é — essas afirmações são feitas a partir desta compreensão espiritual sobre o Agora.

Mas a visão que o mundo conserva do “Agora” é a de que ele vem a ser um instante inserido no contexto linear de tempo (passado, presente e futuro). O mundo apresenta um conceito linear de tempo, e por isso enxerga o “Agora” de uma maneira completamente distorcida. O “agora” mundano nada mais é que o “presente” existente na linearidade do tempo. E o Agora espiritual é não-linear: ele é descontínuo, é desconexo, é quântico, e possui uma qualidade e significado diametralmente opostos àquilo que o mundo conhece e chama de “agora”. É importante ter essa visão em mente. A velha noção acerca do Agora precisa ser abandonada, e o entendimento de um “Agora” descontínuo deve ser conservado na mente. Por que “na mente?” Porque a nós nada é possível ser feito ou percebido sem a mente. Tudo o que existe de Real no Universo existe eternamente, existe intacto, sem nunca mudar. E dependendo do conceito ou idéia (crença) que a mente mantém do Universo que vê, ela distorce a Realidade com que está em contato e a vê segundo suas próprias noções, conceitos, idéias, crenças. A mente que apresenta a distorção da Realidade é semelhante a um espelho embaçado; para que ele possa refletir fielmente a Verdade/Realidade, precisa limpar-se completamente de seus conceitos, suas crenças, idéias. Quando isso é feito, a mente torna-se um espelho límpido, transparente como vidro cristalino, e assim a Realidade, a Verdade, poderá ser percebida pela mente tal como existe verdadeiramente.

O olhar que o mundo conserva do Agora faz com que a mente coletiva da humanidade tenha uma compreensão errada, distorcida; o mundo alimenta a crença/ideia de que cada momento do tempo existe alinhadamente, de modo que o momento presente esteja de alguma forma relacionado ao momento anterior. Isso retira do Agora a liberdade e o poder absolutos que lhe são inerentes, cria para ele uma relação de dependência para com “coisas passadas”. E se o homem, com sua mente individual, não conscientizar-se de tal crença coletiva que a humanidade alimenta, e não fizer esforços conscienciais, direcionando-os em sentido contrário, acabará por ser carregado pelas correntezas da mente coletiva, ficando preso às limitadas percepções/compreensões que a humanidade possui do mundo. E permanecerá imerso nessa ignorância junto com a humanidade até que desperte e realize esforços no sentido contrário às crenças e idéias do mundo. O homem pode libertar-se de seu passado a qualquer momento, assim que erradicar as crenças e idéias errôneas que possui arraigadas no fundo da mente. O homem existe em um estado de absoluta liberdade – apenas não sabe disso. E quando, afinal, ele compreender e souber que a Verdade é que ele existe em estado de absoluta liberdade, poderá libertar-se de todas as limitações (as quais ele próprio se agarrava/ segurava em sua mente) e desfrutar de tudo o que já existe na Realidade que Jesus chamou de “Reino de Deus”, que já está preparado/pronto “desde o princípio dos tempos”. Mas para isso, é importante que o homem compreenda e aceite totalmente a ideia e o sentido de que o Agora é descontínuo, e portanto completamente desvinculado de qualquer acontecimento do passado.

O tempo só existe quando o homem pensa nele em termos de continuidade, linearidade. Não há sentido em se falar de “tempo” quando se compreende que o Agora é não-linear, descontínuo, desconexo, isolado, livre, independente – o tempo simplesmente não existe. O homem que realiza esta compreensão desagarra-se e sai fora da ideia de “tempo”, transcende a crença alimentada pela mente coletiva da humanidade, e percebe que, na realidade, o tempo não existe. E passa a viver no eterno Agora.

Tudo isso foi dito apenas por um único motivo: fazê-lo compreender que a existência, o Universo inteiro, está sendo criado por Deus, a cada instante. A cada instante (que na verdade não existe, pois só o Agora existe) Deus está criando o homem e pedindo “não coma da fruto da árvore do conhecimento”. E se Agora você escolher “não comer” do fruto, então você não se esquecerá de Deus, então você não se esquecerá de “Quem você é”. Você não será “expulso do Jardim do Éden”, você permanecerá nele. E estará vivendo aquele estado de ser – absolutamente livre, absolutamente bem-aventurado – que os ensinamentos espirituais chamam “Iluminação”. A Iluminação é possível ser atingida a qualquer momento – só pode ser atingida Agora! Esses são os mistérios da existência. O Gênesis está acontecendo na história da criação exatamente Agora. Exatamente Agora, Deus está criando a sua Criação – e pela primeira vez. Entenda isto! PELA PRIMEIRA VEZ! E liberte-se das amarras do tempo! Aprofunde-se nessa percepção, contemplando-a, até finalmente perceber que Deus cria o Universo apenas uma vez: AGORA.

"Não te esqueças de Mim"

“Não te esqueças de Mim”

Gustavo

Parte 1

Deus é tudo! Mas como a humanidade caiu em pecado? Se tudo o que existe é autoexpressão de Deus, como pôde a humanidade cair dentro de uma percepção de ‘separatividade de Deus’? Como pôde a humanidade iludir-se e cair em “pecado”?

Deus é UM; essa Unidade aparece como sendo muitos, ou seja: o Deus Universal aparece como a vida individual de cada um dos seres existentes. No entanto, “no momento” em que Deus Universal individualiza-se, Ele sussurra suavemente à cada uma de Suas consciências individuais:

“Eu sou UM, mas estou me individualizando. Apesar disso, não acredite na infinidade e na diversidade de coisas que aparecerão”daqui pra frente”. Aqui tudo sou EU. Eu apenas escolhi me desconcentrar, apenas escolhi me descentralizar, mas não vá perder de vista a visão de “Quem sou eu”, nem perca de vista a visão de “quem você é”. Não acredite na diversidade de aparências que irão surgir a partir de agora, pois ‘em si mesmas’ elas nada são. Se acreditares nisso, tu te esquecerás de Mim. Apesar de eu estar me descentralizando, não há nada para se conhecer verdadeiramente, pois Eu continuo sendo tudo aqui – inclusive você. Não coma do “fruto da árvore do conhecimento”.

Essa é a advertência que Deus dá a cada uma de Suas consciências individuais, quando são manifestadas e passam a existir. Deus é o Oceano. Toda consciência individual existente nasce do Grande Oceano — são ondas ondulando na superfície do Grande Oceano. No exato momento e no exato ponto em que o oceano começa a assumir a forma de onda, ele sussurra aos ouvidos de cada uma delas: “Não se esqueça do lugar em que você se encontra; você está em Mim. Eu estou aqui. E isto é tudo o que há para se conhecer, não comam da fruta da árvore do conhecimento, ou você me esquecerá”. Mas, por curiosidade e até mesmo por inocência, muitas ondas experimentam comer da fruta da árvore do conhecimento, só para ver o  que acontece — apenas para saber o que ela é, o que ela faz. Nisso, essas ondas esquecem-se da sua ligação com o Grande Oceano e começam a enxergarem a si como se possuíssem uma existência em si mesmas, independente do Grande Oceano no qual elas se encontram. Essa é a história do homem. Foi assim que “surgiu” este mundo ilusório com o qual muitas das ondas individualizadas estão sonhando.

Quando a alma individual nasce, ela nada sabe — ela acabou de nascer. Deus se dividiu em muitos e, numa dessas divisões, assumiu a forma de alma individual. O Universo é todo feito/constituído de Deus — e Deus sabe disso. Mas a alma, por ter acabado de nascer, por ter ela nascido sem nada saber, tem o potencial de acreditar no universo desdobrado de Deus, vendo tudo de forma separada, e também tem o potencial de permanecer na mesma visão que Deus conserva de seu Universo: a de que, embora no Universo desdobrado tudo pareça estar separado, ele é, em verdade, Deus. Por isso, no exato momento quando a alma nasce, Deus a adverte: “não coma do fruto da árvore do conhecimento”. Mas ela é livre para acreditar nas infinidades de aparências que se formaram, se ela quiser. A alma nasceu num momento em que o Universo de Deus já estava desdobrado. Antes disso, ela não existia para ver que “somente o Grande Oceano estava lá”. E é por isso que, ao nascer, há a possibilidade de ela acreditar no universo desdobrado como algo separado de Deus, sem relacionar esse universo desdobrado a Deus. Ao nascer, a alma precisa de uma advertência, precisa ser avisada de que o Universo que ela está vendo não é aquilo que aparenta ser. Mas Deus, o Grande Oceano, concede à alma individual essa advertência, dizendo: “cuidado! não coma do fruto da árvore do conhecimento”. De qualquer forma, qualquer que seja a escolha que a alma faça, isso faz parte do plano de Deus. Deus já havia colocado isso em seus planos no momento em que decidiu se desdobrar. Ele soube desde o início que as almas nascidas poderiam confundí-Lo com as diversas formas que Ele passaria a assumir.

Portanto, qualquer que seja a escolha da alma, não há problema algum. Se uma alma, por curiosidade, escolheu comer do fruto da árvore do conhecimento, isso já fazia parte dos planos que o Grande Oceano tinha quando resolveu se individualizar. Da mesma forma, as almas que optaram por seguir o conselho dado pelo suave sussurro do Grande Oceano, também tomaram parte no plano de Deus. Era plano de Deus que cada alma individual tivesse o livre arbítrio para seguir o caminho que escolhesse. Em Seu plano havia dois caminhos: optar por seguir o caminho Absoluto (não comer do fruto) ou acreditar na infinidade e diversidade de aparências que “surgiram” no momento em que Deus se individualizou/se relativizou (comer do fruto). Aqueles que escolheram não comer do fruto, hoje estão vivendo suas vidas em “algum lugar” em Deus (desconhecido por nós). Aqueles que preferiram comer, ainda estão em Deus, mas estão esquecidos dEle, porque passaram a acreditar nas inúmeras formas do Universo desdobrado de Deus, como se elas existissem em si mesmas (separadas de Deus). Quando o homem crê que o universo desdobrado/descentralizado é uma criação separada de Deus, como se possuísse existência em si mesmo, o homem se retira do referencial ABSOLUTO e se coloca num referencial que é imensamente, infinitamente, totalmente relativo. O ABSOLUTO e o relativo não podem coexistir simultaneamente. Um existe sozinho, conhece apenas a si mesmo, expressa apenas a si mesmo — está sempre em um estado de autocontemplação. O outro está imerso num mar de infinitas relatividades, onde tudo — qualquer coisa — pode parecer ser a verdade, dependendo do modo como é olhado/visto. O mundo relativo é um mundo de infinita perdição. Apenas o ABSOLUTO é a verdade, apenas o ABSOLUTO é a existência verdadeira. Quando se está em um, a alma precisa esquecer-se do outro, e vice-versa. A existência relativa não conhece a existência absoluta, e a existência absoluta não conhece a existência relativa — Deus se dividiu, se diversificou, se relativizou, mas NUNCA se iludiu com sua “criação”, nunca deixou de saber que tudo era Ele, nunca perdeu a noção de quem Ele era, — eis a diferença. E conhecer a Verdade liberta.

A liberdade em Deus é tão grande que, no momento em que Ele – o Grande Oceano – individualiza-se na forma de uma infinidade ondas (mas sem jamais deixar de ser o Grande Oceano), tudo é tornado possível: de forma que muitas optam por não comer do fruto da árvore do conhecimento, enquanto outras, por curiosidade, escolhem experimentá-la. Em Deus não há nada para ser conhecido. Eis porque se você comer do “fruto da árvore do conhecimento”, você é “expulso do paraíso”. A visão do referencial divino faz com que Deus seja o conhecedor, o objeto conhecido e o próprio processo de (auto)conhecimento — Deus é tudo! Nada resta para ser conhecido em Deus; nada há para se acontecer. Tudo já está feito! As obras de Deus são permanentes, eternas, imutáveis — o Reino de Deus já foi preparado e concluído desde o princípio de todos os tempos. Agora que você já conhece essa história, mude o seu referencial. Tome essa resolução. Tudo o que é relativo nunca é verdadeiro, apenas aparenta ser. A Verdade, por ser absoluta, conhece a verdadeira liberdade — Ela é livre e liberta os que A conhecem. Como poderia a Verdade ser Verdade, se não for, em si mesma, absoluta, livre, autônoma, independente? Não há como. A Verdade, por natureza, é absoluta, tem de ser! A verdadeira liberdade existe na realidade única do Absoluto. E o Absoluto é Essência, é Amor, é Alma, é Espírito, é Vida, é Deus, é Tudo o que existe. Um olhar atento revela que o Oceano, o Grande Oceano, é tudo o que realmente existe. Só existe Deus.

Continua…>

A MÍSTICA DE "O CAMINHO INFINITO"

 

A MÍSTICA DE “O CAMINHO INFINITO”

Lorraine Sinkler

 

A essência de O Caminho Infinito, seu coração e sua alma, estão em sua mística. Neste caminho não temos que lutar  nem mentalizar para obter o que já temos, ou para ser o que  já somos. Nossa única necessidade é a de arranjarmos períodos suficientes de silêncio, de quietude interna, de tal forma que a Consciência que constitui a realidade de nosso ser, possa aflorar em expressão através de nosso consciente contato com Ela.

 

A consciência humana envolve sempre um conceito de separatividade, de dualismo, de muitas mentes, muitas pessoas, muitos poderes. Quão diferente é tudo isso  da Consciência mística, que é a consciência do Um, aquele Um-Eu-Sou! Esta é a Verdade sobre cada pessoa, e este conhecimento “nos torna um” com todos os demais seres.

 

Transcendendo o visível rumo ao invisível, ficamos no mundo mas vendo através dele. Sabemos que existe unicamente o Um, a despeito das aparências; sabemos que unicamente este Um está em operação. Somente Deus é, e Deus está sempre sendo, sempre aparecendo como Consciência espiritual individual, totalmente pleno e Auto-completo. A consciência humana está sempre  padecendo de um conceito de separatividade, e portanto, o foco está sempre em “se buscar algo”. Ela acredita ser dependente de alguma pessoa ou grupo, mesmo de um praticista ou mestre espiritual “exterior”. Isso não é verdade! A plenitude da vida, tudo de que necessitamos, já existe incorporado à nossa Consciência, e não precisamos lutar para obtê-lo. Todas as pessoas que devem fazer parte de nossa experiência já estão em nossa Consciência, onipresentes agora.

 

“Eu vim para que todos tenham vida, e que tenham vida com abundância”. Este “Eu”, o Espírito de Deus, está dentro de nós, de modo que podemos ser uma luz para aqueles que ainda não tem este conhecimento de que, também dentro deles, esta mesma Luz já está brilhando em sua plenitude. Estamos agora nos voltando deste buscar e lutar por conseguir, para podermos somente ser; ser esta Consciência divina que  já somos. Estamos agora despertando para a Consciência mística de que “Eu tenho alimento que o mundo desconhece”, a comida eterna que nos alimenta e  sustenta.

 

Perguntemo-nos:”O que eu possuo como aquela Consciência mística? Na quietude, escutamos a resposta: “Eu tenho amor, e eu posso irradiar amor ao mundo, em quantidades ilimitadas”. A Consciência que eu sou, tem o pão da vida para compartilhar, a percepção de que “nem só de pão vive o homem, mas da palavra espiritual da Unicidade.”A Consciência mística sabe que eu desconheço qualquer senso material, por ter conhecimento da integralidade do universo espiritual.

 

O Meu Reino é o centro da paz eterna, uma paz todo-abrangente, um amor todo-envolvente, em que ódio algum jamais pode penetrar. Não vejo nem bem nem mal, por habitar neste Reino interior. Não necessito de nada, não tenho desejo algum, porque tudo já me está disponível: como Deus, em Deus e através de Deus. Tudo já está cumprido. Nesta paz não há discórdia, não existe desarmonia. O Meu Reino é um estado de preenchimento divino, em que tudo o necessário à plenitude da vida se mostra disponível no exato momento em que for requerido.

 

Eu volvo a atenção “deste mundo” àquele Reino interior.  Nada tenho a ver com problemas, pecados, doenças, carências, ódios e batalhas deste mundo, exceto não fazer julgamento algum, exceto orar, exceto perdoar e confortar, e deixar que jorre livremente, a este “vale de lágrimas”, o infinito amor e misericórdia de Deus que está dentro de mim. Assim fazendo, eu me aproprio de meu divino direito, que é  a bênção que o Pai faz jorrar sobre mim. Ele vê a Si mesmo como o meu ser, e diz: “Este é meu filho amado em quem me comprazo”. E eu, de minha parte, reconheço: “Eu e meu Pai somos um”, e “é do agrado do Pai dar-me o Reino”, agora, sempre e eternamente. Se não alcançarmos esta percepção, facilmente cairemos na armadilha de acreditar que o mundo conhecido através dos cinco sentidos é o único mundo real. Mas pelo contrário, ele é um mundo irreal, por estar sempre em mutação e flutuação, enquanto o Mundo da Realidade é um estado de ser eternamente completo, sempre Se desdobrando e Se revelando à nossa percepção. Nós temos uma tarefa a cumprir neste mundo, a tarefa de dissolver a consciência humana e ascender à dimensão superior da vida. Todos os problemas ficam resolvidos, não por serem enfrentados, mas sim, por nos deslocarmos dos problemas para viver no referencial da Consciência espiritual, que desconhece problemas. Todos os problemas se baseiam na consciência humana; contudo, todo assim-chamado poder deste mundo pôde ser desmascarado como sendo não-poder, por aqueles que se elevaram acima da consciência humana. Esta é a nossa missão final: dissolver a consciência humana, primeiro para nós mesmos, e depois, para o mundo.

 

Se aprendermos a ir para dentro de nós mesmos, sem lutas, sem desejos, tudo que nos for necessário se revelará e aparecerá externamente. Quão reconfortante é o pensamento: “Nada pode ser acrescentado e nada pode ser tirado da Consciência infinita que Eu Sou, pois, eu já sou realizado e Autocompleto em Deus”.

 

Repousemos, agora, na percepção de nossa própria Consciência infinita já completa. Esta Consciência desconhece desapontamentos, sem se importar  com o que possa estar acontecendo externamente. Nós habitamos na Verdade de que “Eu já sou completo”. Dediquemo-nos a esta conscientização,  por nos interiorizarmos, momento a momento, àquela conscientização para podermos vivenciá-la e praticá-la no mundo.

 

Conscientize sua Filiação divina, sua herança divina como um filho de Deus, ame supremamente esta divina Consciência; comungue com Ela, habite nEla; e então, deixe Sua luz brilhar através de você com toda a Sua plenitude e com toda a Sua glória. “Minha glória não será dada a outro”. Deus concede Sua glória somente a Si mesmo, aparecendo como nossa própria Consciência divina. No Silêncio e na Quietude, Deus Se glorifica como cada um de nós, para que possamos ser instrumentos de Sua paz,  Seu amor e Sua vida. Se Deus  tem feito a doação de Si mesmo como o ser que cada um de nós é, isto é para que possamos elevar a consciência de toda a humanidade. Assim,  abramos os portões do templo de nosso ser, para que o Rei da Glória interna possa irradiar todo o Seu esplendor.

LEI DO CAMINHÃO DE LIXO

LEI DO

CAMINHÃO DE LIXO

(Autor Desconhecido)

Um dia peguei um taxi e fomos direto para o aeroporto.
Estávamos rodando na faixa certa quando de repente um carro preto saltou do estacionamento na nossa frente.
O motorista do taxi pisou no freio, deslizou e escapou do outro carro por um triz!
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós.
O motorista do taxi apenas sorriu e acenou para o cara.
E eu quero dizer que ele o fez bastante amigavelmente e sorridente.
Diante do inusitado eu perguntei: ‘Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro e nos manda para o hospital!’
Foi quando o motorista do taxi me ensinou o que eu agora chamo de

“A Lei do Caminhão de Lixo”.
<!–[if !supportLineBreakNewLine]–>
<!–[endif]–>

Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo. Andam por ai carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, e de desapontamento. A medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. Quando isso acontecer com você, não tome isso pessoalmente. Apenas sorria, acene, deseje-lhes bem, e vá em frente. Não pegue o lixo delas e espalhe sobre outras pessoas, seja no trabalho, em casa, ou nas ruas.

O princípio disso é que pessoas bem sucedidas não deixam os seus caminhões de lixo estragarem o seu dia. A vida é muito curta para levantar cedo de manhã com remorso ou com raiva. Assim…, ame as pessoas que lhe tratam bem e ore pelas que não o fazem.

A vida é dez por cento o que você faz Dela,

e noventa por cento a maneira

como você a recebe!

MATÉRIA

MATÉRIA

Seicho-no-Ie

A saúde verdadeira não está na matéria, não está no corpo. A Vida verdadeira não está na matéria, não está no corpo; vosso Eu verdadeiro não está na matéria, não está no corpo.

No âmago da matéria, no âmago do corpo, existe um ser sumamente perfeito e maravilhoso. Este, sim, é o vosso Eu perfeito, exatamente como Deus o criou, e é a Vida eternamente saudável e imperecível. Transcendei, vós, agora mesmo a matéria, e conscientizai a Imagem Verdadeira de vossa própria Vida.

MANIFESTE A GRANDEZA QUE EXISTE DENTRO DE VOCÊ

MANIFESTE A GRANDEZA QUE

EXISTE

DENTRO DE VOCÊ

Masaharu Taniguchi

 

Aquele que tem a convicção de que ele é realmente um filho de Deus, que possui dentro de si a grandeza e a capacidade infinita para vencer quaisquer obstáculos, jamais deixa a sua força de vontade esmorecer diante das dificuldades tais como a deficiência física, as críticas, as oposições ou maldades. Quando se aproximam as dificuldades, ele as transforma em esmeril para seu polimento e ferro para forjar a sua alma. É uma ótima oportunidade em que se fortalece ainda mais a sua vontade, redobra-se a sua coragem de agir e jorra tempestuosamente uma força vigorosa capaz de suportar e dominar as dificuldades.

 

O AMOR NÃO FALHA

Masaharu Taniguchi

Viver junto com Deus significa tornar-se uma pessoa que distribui o amor, pois Deus é amor. Justamente quando toda a humanidade se tornar distribuidora do amor é que surgirá o Paraíso na Terra.

Em tudo que fizermos, no falar ou no negociar, se agirmos emitindo antes o sentimento de amor –  O AMOR DE DEUS TE ABENÇOA ATRAVÉS DE MIM – o nosso caminho se tornará suave e prazeroso, e o êxito será maior.

O ódio pode falhar, mas o amor não falha. O ódio provoca conflito, mas o amor traz infalivelmente a paz.

Devemos fazer do “sentimento de amor” o instrumento da nossa vida cotidiana e aplicá-lo em todos os aspectos.

O "MAL" NÃO EXISTE NA REALIDADE

Masaharu Taniguchi

Somente Deus e a Sua criação são existências reais. Creia nisso! E creia unicamente na existência do “Bem”, pois todas as criaturas de Deus são necessariamente “boas”. As coisas más, por mais que pareçam existir, afinal são irrealidades. Não devemos ceder à sugestão hipnótica do mágico chamado “pensamento coletivo da humanidade”, que mostra as coisas inexistentes como se realmente existissem. O que não existe, por mais que pareça existir, não existe.

Certa vez vi pela televisão um número de ilusionismo no qual um mágico da Índia “decapitou” uma linda moça, ali mesmo no palco. Mas a moça que parecia ter sido decapitada reapareceu minutos depois no palco, toda charmosa e sem nenhum ferimento, cumprimentando o público. Os males são como aquela mágica. Por mais que você esteja sofrendo desgraça ou pareça estar doente, na verdade estas coisas não existem, e não passam de situações em que se acha hipnotizado pelo hipnotizador chamado “pensamento coletivo da humanidade”.

Back to Top