MAGNETISMO ANIMAL-3

MAGNETISMO ANIMAL
Ann Beals

3
.

O NADA DO
MAGNETISMO
ANIMAL
.

A Ciência Cristã difere de outras religiões e filosofias em sua lógica que reduz o mal à irrealidade. No sentido absoluto das coisas, o “magnetismo animal” não existe. O magnetismo animal clama ser um poder separado de Deus. De fato, é a suposição oposta a Deus ou a aparente ausência de Deus na consciência. Parece inventar ilusões negativas a respeito de Deus e Sua criação e então mesmeriza a humanidade para acreditar nelas. Entretanto, existe somente no reino de sua própria irrealidade. A Ciência Cristã expõe o “magnetismo animal” pelo que é. À medida que a lógica da Ciência Cristã se desdobra na consciência, aprendemos que Deus é Tudo e totalmente bom. Ele não conhece o mal. Portanto, o mal é nada. Não existe.

Uma das declarações mais sólidas que a Sra. Eddy faz sobre este ponto está em seu livro “Unity of Good”: “Tudo que existe, Deus criou. Se o pecado tem qualquer pretensão de existência, Deus é responsável por isto; mas não há realidade no pecado, pois Deus não pode contemplá-lo nem reconhecê-lo, da mesma forma que o sol não pode coexistir com a escuridão.

“Construir o senso espiritual individual, consciente somente de saúde, santidade e harmonia, sobre o fundamento de uma Mente eterna que tivesse consciência de doença, pecado e morte, seria uma impossibilidade moral; porque “ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto” (I Coríntios 3: 11). Quanto mais nos aproximássemos de tal Mente, mesmo se fosse (ou pudesse ser) Deus, tanto mais real estas imagens mentais se tornariam para nós; até que a esperança de nos livrar algum dia de sua apavorante presença resultaria em desespero e na sensação obsessiva de que o mal estaria para sempre acompanhando nosso ser.” (p.64: 1-14)

CONTINUA..>

MAGNETISMO ANIMAL-2

MAGNETISMO ANIMAL
Ann Beals
2

DEFININDO
O MAGNETISMO ANIMAL

.
Do Gênesis ao Apocalipse, o mal é chamado por muitos nomes: serpente, adversário, mal, satanás, dragão vermelho etc. Estes nomes indicam, entre outras coisas, mesmerismo do mal , esperteza, duplicidade, falsa sabedoria, sutileza, ódio e sagacidade. Na experiência humana, parece ser a fonte misteriosa de todas as provações e calamidades da humanidade.

Cristo Jesus falou do mal como uma força mental a ser combatida, quando disse: “Retira-te Satanás”(Mateus 4: 10). Ele o repreendeu severamente naqueles que odiavam seus ensinamentos e obstruíam seu trabalho de cura, dizendo-lhes, “Vós sois do diabo, que é vosso pai e quereis satisfazer-lhe aos desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade. Quando ele profere a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.” (João 8: 44) Ele também alertou seus seguidores para estarem atentos com respeito à agressividade do mal. “O que porém vos digo, digo a todos: Vigiai” (Marcos 13: 37). Ele enfrentou o mal no deserto, no Jardim de Getsêmani, na cruz e no túmulo. Como o Guia, ele nos ensinou a necessidade de lutar contra e de superar a crença no poder do mal.

Ao seguir os ensinamentos de Jesus, os primeiros líderes cristãos muitas vezes alertavam seus seguidores a não ignorar ou subestimar a influência que o mal parece exercer sobre a mente humana. Paulo escreveu aos Efésios, “A nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestes.” (Efésios 6: 12). Aos cristãos em Roma ele escreveu, “Porque não faço o bem que eu prefiro, mas o mal que não quero, esse faço…Então, ao querer fazer o bem, encontro a lei de que o mal reside em mim.” (Romanos 7: 19-21)

Tiago também instruiu os primeiros trabalhadores, “Resisti ao diabo, e ele fugirá de vós,” enquanto que Pedro admoestou, “Sede sóbrios e vigilantes: o diabo, vosso adversário, anda em derredor, como um leão que ruge, procurando alguém para devorar.” (I Pedro 5:8) Estes homens eram sábios com relação à natureza e influência do mal.

Estes homens começaram a ensinar outros sobre a capacidade de nos libertar do mal através do poder da oração. Muitas curas espirituais continuaram por cerca de três anos depois da missão de Jesus, indicando que os primeiros cristãos passaram de uma geração para outra algumas instruções claramente definidas sobre como curar como Ele curou. Entretanto, se tal conhecimento existiu, não foi feito registro algum. Eventualmente, este poder de cura perdeu-se. O cristianismo começou a considerar estes trabalhos de cura como milagres.

Em 1866 a Sra. Eddy descobriu o princípio das leis espirituais da cura. Fundamental em sua descoberta foi o fato esclarecedor de que toda doença, discórdia, falta e adversidade são ilusões hipnóticas. A Sra. Eddy deu o nome de “magnetismo animal” para todo mal. Ela fez clara distinção entre o bem e o mal, o Espírito e a matéria, a mortalidade e a imortalidade, a realidade e a irrealidade, a Verdade e o erro. Ela registra o fato de que Deus é tudo e o mal é nada.

Como o Mestre, a Sra. Eddy alertou seus alunos para serem sábios e fortes, resistindo às sugestões hipnóticas do magnetismo animal. Ela ensinou a necessidade de reconhecê-lo pelo que ele é e a resistir com a Verdade até que seja destruído. Muitos dos primeiros adeptos da Ciência Cristã compreenderam como lidar com o mal e eles o faziam com tal autoridade que os tornavam extremamente bem sucedidos na cura.

A descoberta da Sra Eddy está permanentemente registrada em seus escritos, de forma que a explicação científica dos trabalhos de cura de Jesus não possa ser novamente perdida. Estes livros dão instruções completas sobre como curar através da oração. Seus livros podem, portanto, educar uma pessoa na Ciência e na arte da cura espiritual, de forma que essa pessoa possa realizar os trabalhos de cura dos tempos antigos.

Com o início do segundo século da Ciência Cristã, temos diante de nós o desafio de desenvolver o talento da cura espiritual. Nossa época superou muito da superstição, ignorância e limitação do passado, através da ciência e da tecnologia. Mas, a luta final com o magnetismo animal está apenas começando.

CONTINUA..>

MAGNETISMO ANIMAL-1

MAGNETISMO ANIMAL
Ann Beals

1

QUE É
MAGNETISMO ANIMAL?

.
Nestes “últimos dias”, como podemos combater as crescentes influências do mal que se espalham através do mundo? Como os esforços humanos falham em resolver os complexos problemas dessa época, muitas vezes somos envolvidos em circunstâncias sobre as quais temos pouco ou nenhum controle. O Cristão de hoje necessita de uma forma de oração que lhe dê domínio sobre o antiCristo que ameaça aniquilar sua religião, sua civilização e até sua existência.

Para responder a isso a Ciência Cristã proporciona um método de oração que realmente destrói o mal. Aqueles que captam a metafísica desta Ciência adquirem poder sobre o magnetismo animal, desconhecido para a humanidade desde o início do Cristianismo. Uma compreensão desta religião pode reduzir a nada as mais agressivas formas do mal, através unicamente de meios espirituais.

A mente humana, ignorante em Ciência Cristã, não pode fazer isto. O intelecto humano não pode detectar os métodos camuflados do mal nem tem o poder espiritual para aniquilá-los. De fato, quanto mais sofisticado se torna o conhecimento da estrutura material do homem, mais distante está de Deus e mais suscetível a todo tipo de discórdia.

Hoje em dia o mal não é enfrentado pelos princípios cristãos como foi no passado. Por causa da perda da fé em Deus pela humanidade, o antiCristo está invadindo o mundo com enormes ondas de problemas individuais e universais, mostrando os efeitos do mal sobre a civilização quando a base moral do homem está enfraquecida.

A bondade humana sozinha não é suficiente para contratacar as muitas formas agressivas da discórdia e da adversidade que estamos enfrentando. Intelectualismo, tecnologia científica, fé cega em Deus, vontade humana, otimismo superficial e pensamento positivo, não resolvem efetivamente estes problemas.

A agressividade do antiCristo requer de nós esforços mais consagrados para compreender os ensinamentos de Cristo Jesus. O Cristão devotado necessita ser melhor informado sobre a natureza de Deus e a natureza do mal. Então ele saberá como orar cientificamente para superar o mal com o bem. A destruição do mal através da oração é possível quando a Bíblia é estudada em conjunto com o livro-texto da Ciência Cristã, Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, de autoria de Mary Baker Eddy.

Por que a Ciência Cristã é tão eficaz para destruir o mal? Qual é o segredo de seu poder de cura? Mary Baker Eddy, em seu descobrimento desta Ciência encontrou uma forma nova e diferente para enfrentar o antigo conflito entre o bem e o mal, Esta Ciência dá uma análise completa do mal e então fornece a metafísica divina que ensina como detectá-lo e destruí-lo. Uma vez que a natureza do mal é compreendida, descobrimos que a oração científica não é meramente uma forma melhor ou uma forma diferente de superar o magnetismo animal. É a única forma.

Através dos séculos o homem tem lutado contra o mal como se este fosse uma realidade ou um poder oposto a Deus. A Sra. Eddy descobriu que o mal não é uma realidade, mas uma ilusão da mente mortal. Ela menciona em seu livro Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras: “Para compreender a realidade e a ordem do ser na sua Ciência, tens de começar por considerar Deus como o Princípio divino de tudo o que realmente existe…Toda substância, inteligência, sabedoria, existência, imortalidade, causa e efeito pertencem a Deus.” Ela também nos diz, “A noção de que tanto o mal quanto o bem sejam reais, é uma ilusão do sentido material, que a Ciência aniquila. O mal não é nada, não é coisa, não é mente, nem é poder.” (p. 275: 10-13. 330: 25-38)

A totalidade de Deus e o nada do mal podem ser provados quando o estudante desta Ciência compreende até certo ponto a metafísica divina e usa então seu conhecimento para orar de maneira científica.

Apesar que a Ciência Cristã define o mal como uma irrealidade, a rejeição superficial do mal ou magnetismo animal como “nada”, dá um falso sentido de segurança que falha em curar quando necessário. Obtemos domínio sobre o mal quando nos disciplinamos a orar cientificamente até que a cura espiritual se efetue. A cura ocorre quando algum elemento mental dessemelhante do bem é destruído através do desdobramento espiritual, inspiração e regeneração, ocorrendo assim uma mudança mental ou purificação do pensamento.

A oração científica dissolve o domínio do mal na consciência humana porque esta oração é mais que uma petição passiva pelo auxílio de Deus. Este trabalho metafísico requer o arrazoamento inteligente sobre a totalidade de Deus e o nada do mal. É a oração da afirmação e negação através da qual argumentamos a favor do bem e contra o mal em nosso próprio pensamento.

As declarações afirmativas da Verdade usadas nesta oração são baseadas nas Escrituras e na metafísica contida em Ciência e Saúde e outros escritos da Sra. Eddy. Esta Ciência ilumina a consciência com a compreensão de Deus. Define acuradamente a Mente infinita ou Princípio divino, o Amor, que cria e governa o universo e o homem. Revela a natureza espiritual do homem na semelhança de Deus despertando a consciência do homem para sua identidade divina. Dá uma dimensão espiritual do universo que transcende as ilusões da matéria e descortina um ponto de vista mais elevado da criação.

As declarações positivas sobre o bem, extraídas desta metafísica, contêm a afirmação da Verdade usada na oração científica. Tais declarações são tão poderosas que muitas vezes são suficientes para curar até os mais persistentes problemas. A maior parte da oração na Ciência Cristã consiste em afirmações da Verdade, pois é pela compreensão da Verdade que se alcança a cura.

Mas e se a cura não acontece? Então a negação do mal se torna essencial. Apesar de ser possível curar através das afirmações da Verdade sem a negação do mal, há muitas ocasiões em que a oração de cura requer que façamos ambos. A negação do mal é usualmente a menor parte da oração, porém se necessário, deve ser feita com entendimento e convicção. Uma negação fraca do mal deixa suas mais destrutivas energias intactas e a cura não acontece.

Se ignoramos a natureza do mal, não estamos protegidos de sua influência maligna. Em Ciência e Saúde lemos: “Um conhecimento do erro e de suas maquinações tem que preceder aquela compreensão da Verdade que destrói o erro, até que o inteiro erro mortal, material, finalmente desapareça e a verdade eterna, isto é, o homem criado pelo Espírito e proveniente do Espírito, seja compreendido e reconhecido como a verdadeira semelhança do seu Criador.” (p.252: 9-15)

Precisamos ter um claro discernimento do erro e de suas manifestações a fim de podermos argumentar com sucesso contra eles. O magnetismo animal precisa ser negado sem medo e em profundidade. A oração completa que inclui a ambos, a afirmação do bem e a negação do mal, é uma forma tão inteligente da metafísica espiritual que pode curar os problemas mais persistentes.

Descobri o poder dessa oração há alguns anos,  quando estava trabalhando sobre alguns problemas muito difíceis que desafiavam a cura. Tinha obtido no passado muitas curas através da aplicação da Ciência Cristã. Porém, quando apliquei o mesmo trabalho da oração nestes desafios, estes permaneceram sem solução.

Só pude concluir que estes problemas não estavam sendo resolvidos porque era necessário um conhecimento mais profundo da Ciência cristã. Voltei-me para a Bíblia e para os escritos da Sra. Eddy e os estudei minuciosamente durante meses. Deste estudo, compreendi, entre outras coisas, que não estava negando o erro com a suficiente compreensão. Pude ver que meus problemas eram magnetismo animal não enfrentado e que era essencial negar o mal a fim de curá-los. Pela afirmação vigorosa da totalidade de Deus e negação do poder e realidade do mal, comecei a ganhar domínio sobre o medo, ressentimento, mágoas e animosidade dentro de minha própria mente. O amor, o poder e a presença de Deus tornaram-se para mim mais reais do que os problemas. À medida que persistia neste trabalho os problemas foram gradativamente desaparecendo.

Esta experiência ilustra como a oração científica pode ser praticada. Mostra a importância de negar a realidade do mal a fim de destruí-lo. Em seu livro Retrospecção e Introspecção, a Sra. Eddy escreve: “É científico permanecer na harmonia consciente, na Verdade e no Amor imorredouros e salutares. Para fazer isso os mortais precisam primeiramente abrir os olhos a todas as formas, métodos e sutilezas enganadoras do erro, a fim de que a ilusão, o erro, possa ser destruída; se não fizer isso, os mortais se tornarão vítimas do erro.” (p.64: 26-32)

Para provar o domínio que Deus nos deu sobre o mal, devemos investigar profundamente o magnetismo animal – o que é, como somos mesmerizados, como nos impede de orar; e como pode ser destruído através da oração científica.

Continua…>

A QUARTA DIMENSÃO

Joel S. Goldsmith

Quando o Mestre Jesus Cristo disse: “Eu, de mim mesmo, nada posso; o Pai em Mim é quem faz as obras”; e Paulo afirmou: “Não mais eu quem vive mas o Cristo vive em mim” – revelaram a quarta dimensão da vida, na qual “não só de pão vive o homem” e nem por sua vontade, esforços ou sabedoria pessoais.

Chega um momento, em nossa experiência, em que já não somos unicamente nós (aspecto humano), senão que alargamos nossa consciência para a percepção de uma Presença interna. Este momento de transição ocorre quando esta Presença se nos torna real e assume a direção de nossa vida. A partir desta experiência, não mais ficamos “cuidadosos com a nossa vida”, porque sentimos sempre a proximidade desse Algo – que é o Cristo ou Presença divina – que harmoniza nossa experiência diária.

Nesta experiência de transição, deixamos de ser meramente seres humanos (que elaboram os próprios pensamentos, planejam as próprias vidas e resolvem seus assuntos particulares) para atingir um nível de consciência em que sentimos realmente esta Presença interior. Vivemos, então, como que separados um pouco de nós mesmos – digamos, uns dois ou três centímetros – passando a observar, como simples espectadores, o modo como estamos vivendo.

Se neste momento estamos na esfera profissional, vemos que nos chegam outros negócios dos quais não somos responsáveis – ou seja: sobre cuja realização não fizemos esforços pessoais. Se somos escritores, músicos, etc., recebemos idéias e temas com os quais jamais havíamos sonhado e que inspiradamente nos chegam do íntimo. Sabemos, então, que não os estamos gerando, mas que são dados por uma Graça interna.

Se estamos empenhados num Trabalho Espiritual, de cura ou pregação, vemos que  pacientes e estudantes nos são encaminhados, mas será o Espírito quem os sanará e ensinará. Compreendemos, então: “Vivo – mas não eu, senão que o Cristo é Quem vive minha vida. Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também.”

Em tal estado, convertemo-nos no instrumento consciente de ação da Consciência divina. Então compreendemos a citação do Mestre: “Não sou eu quem faz as obras, mas o Pai que mora em mim é Quem as faz”. Jesus queria significar que de seu próprio conhecimento ou esforço ele nada podia fazer, senão que era a atividade da Verdade, em sua Consciência, que tornava possíveis os milagres de cura, de conforto ou de alimentar multidões.

Vimos a ser, pois, o veículo através do qual a vida vive a si mesma ou o mensageiro levando a divina Mensagem. Sabemos que já não estamos vivendo a própria vida, senão que a Presença e o Poder a estão vivendo, fazendo de nossa instrumentação humana o seu modo de expressão ou meio de atividade. Esta vivência nos permite entender claramente porque o Mestre disse: “Eu e o Pai somos um, mas o Pai é maior que eu”. Não que isto sugira dualidade ou separação, que seria um retorno à crença ultrapassada em um Deus separado do homem. Já aprendemos que Deus Se manifesta individualmente como Eu e Tu, o que vem mostrar que Eu Sou, Deus, embora sendo um Princípio infinito, universal, divino, da vida, aparece como eu e tu individuais, de modo que, em verdade, “Eu e o Pai somos um”: o Ser interno a exprimir-Se como o indivíduo externo.

Não obstante, todas estas colocações não passam de meras declarações da verdade, até o momento mesmo de nossa transição, em que a experiência interna converte estas idéias em verdade viva, em realidade palpável. Aí estas declarações da Verdade cedem lugar à Presença interna, que se torna uma experiência real.

Ao alçar-nos a este lugar na Consciência, em que o Cristo vive as nossas vidas, constatamos, ao mesmo tempo, que o Cristo mantém e provê nossa existência inteira, suprindo-nos vitalidade, iniciativa, inteligência, amor, persistência, valor e saúde, necessários ao cumprimento de nossas metas. Ele também nos subministra recursos materiais suficientes, reconhecimento e prestígio, já que, havendo tomado o leme de nossas vidas, pode manejar todas as coisas devidamente, na amplitude de nosso nível, promovendo a realização total de nossa vida. Ele vai adiante de nós, proporcionando transporte, hospedagem, oportunidades e êxito em tudo que empreendemos.

Aqueles que se ocupam do Ministério Espiritual logo verão que este Infinito invisível supre tudo o que é preciso para a completa manifestação da mensagem, posto que “o meu ensino não é meu, e sim dAquele que me enviou”. Tudo o que seja necessário à expressão da Mensagem e, quem quer que seja o inspirado ou Mensageiro, tenhamos a certeza de que será apoiado, sustido e suprido por Aquele que é a Fonte e a Inspiração da Mensagem.

Quer esteja no exercício de atividades comerciais, quer nas artes, numa profissão liberal ou nos deveres do lar,  a pessoa inspirada sente-se, de imediato, liberta de toda responsabilidade pessoal, na medida em que o Infinito Invisível se converte na Alma e atividade de seu ser.

Compreendamos, agora, que quando Jesus fala do Pai que está nEle, refere ao Poder e à Presença divina que lhe animaram o ser e que constituía o poder curativo, o poder que multiplicou pães e peixes, o poder que apaziguou a tempestade, o poder que ressuscitou Lázaro dentre os mortos. Da mesma forma, compreendemos o que disse Paulo, quando fala que tudo podia através de Cristo, aludindo ao Poder divino a que chamamos de “o Infinito Invisível”. Foi esse Poder que possibilitou ao “Apóstolo dos gentios” cumprir sua missão de levar a mensagem cristã ao mundo de sua época. Ele recebia desta Presença interna a força, a inspiração, a coragem e todo sustento.

“O Pai que mora em mim é Quem faz as obras” (de Jesus) e o “Cristo que me fortalece” (de Paulo) são um e o mesmo Espírito interno, a mesma Consciência da Verdade que supria o povo prometido como maná, e o guiava “como nuvem durante o dia e coluna de fogo durante a noite”, através da realização de Moisés; que aparecia como tortas assadas sobre a rocha, como corvo trazendo alimento, ou como uma viúva oferecendo alimento, através da realização de Elias; na forma de cura maravilhosa, à porta do Templo, chamada Formosa, pela realização de Pedro e João. “O mesmo Espírito que ressuscitou Jesus dentre os mortos, dará também a vida a vossos corpos mortais”.

DECISÃO E PODER

Dárcio

Por mais que as sugestões do mundo tentem convencê-lo de que há OUTRO PODER além de Deus em atividade, a Verdade é que Deus é o Poder Amoroso único que está ativo como o Universo todo e como a sua Consciência. Portanto, quando tomar a DECISÃO de meditar e reconhecer este PODER, deve entender que DECISÃO E PODER são UM, mas que são “departamentos” distintos em você próprio! A DECISÃO vem da mente e o PODER vem da Consciência! Por isso temos o registro, “Aquieta-te, e sabe: Eu Sou Deus”, no Salmo 46.

Medite consciente da ação conjunta e una das duas funções! DECIDA-SE por reconhecer que a ONIPOTÊNCIA É! Ao mesmo tempo, entregue-se, com esta convicção, á Consciência divina que Se derrama como TODO O PODER presente no Universo, em sua vida, em sua Mente e em seu Corpo. Contemple esta atividade da Onipotência!

A DECISÃO trava o mesmerismo! Enquanto isso, o PODER, que é Atividade onipresente, Se revela espontaneamente! Assim, sempre que meditar, permaneça nesta DECISÃO, e “deixe” o PODER Se mostrar em VOCÊ! E como onipotente!!

A ERA ETERNA (Um Basta Ao Dualismo)

Dárcio

A humanidade vem encarando as revelações espirituais sempre como algo “a ser” conscientizado aos poucos, pelo intelecto. Mestres mensageiros têm sido vistos como “escolhidos de Deus”, pessoas de alguma forma especiais ou diferentes da maioria . Esse modo ILUSÓRIO de encarar os fatos tem uma causa única: o dualismo. A Revelação espiritual mostra que a Luz que somos sempre esteve presente como a nossa NATUREZA REAL. Esta Luz dissipa o conceito dualista de que somos “Espírito” e “matéria”. O Cristo jamais se identificou com algo ou alguém “deste mundo”; e, o mais importante, também nos desvinculou integralmente desta “ilusão” chamada mundo humano: “Não chameis de Pai a ninguém sobre a face da terra…” (Mateus 23-9), Resta, portanto, entendermos o sentido pleno da palavra “aparência”. Se o Cristo é a “Luz do mundo”, e se nos é dada a mesma Revelação, esta UNIDADE ILUMINADA já existe e está presente. Que é uma “aparência”? Mera imagem que, apesar de vista, não corresponde ao Fato real e espiritual ali presente. Alguma coisa aparenta ser de certa maneira, entretanto, é de outra.

Não existe Realidade e “aparência”: existe a Realidade que, discernida corretamente, revela a VERDADE; e, que vista distorcidamente, revela uma ILUSÃO. Jamais a “aparência” está existindo! Jamais se torna real. “Aparência” é a REALIDADE, mas vista equivocadamente, de modo limitado e distorcido. Como acabar com a distorção? Separando a Realidade da “aparência”, sem pretender que a última seja alterada ou melhorada. A Realidade é sempre Realidade; a “aparência” é sempre falsidade.

A ilustração do andarilho, que no deserto vê a “aparência de lago” em lugar da realidade — areia –, é bem elucidativa. A areia é sempre areia, e o suposto “lago” jamais está presente! Aceitar a existência da areia e do lago é o dualismo. Em nosso caso, se estivermos aceitando Deus e matéria, com seres humanos nascendo, crescendo, “evoluindo” e morrendo, estaremos apenas confirmando a ILUSÃO, a MIRAGEM! Seríamos como o andarilho, frente unicamente à areia, e afirmando haver um “lago” ali! Assim como a areia jamais deixa de ser areia, apesar da ILUSÃO, VOCÊ jamais deixa de ser o CRISTO, apesar da ILUSÃO.

Sua dedicação, neste estudo, se concentra neste ponto: PERMANECER CONSCIENTE UNICAMENTE DA REALIDADE ESPIRITUAL E PERFEITA. Tudo parece se desenrolar em sua Consciência. Mas, Consciência, com “C” maiúsculo, é DEUS! Deus é a sua real Consciência. Ela é Consciência infinita, que exclui a POSSIBILIDADE de haver “outra” consciência. A “aparência”, boa ou má, dá “testemunho da mentira”: nela, você aparenta agir com sua “mente pessoal”. DENTRO DE VOCÊ é que ae desfará dessa MIRAGEM, através de uma plena identificação com a Mente única Se manifestando harmoniosamente como o Cristo de seu ser.

Apenas repetir maquinalmente: “Eu e o Pai somos um”, não será o suficiente. Porém, ao separar a REALIDADE ESPIRITUAL da “aparência de mundo”, mediante um reconhecimento radical de que SOMENTE a Realidade espiritual é a VERDADE, ou seja, que exatamente AGORA é VOCÊ a LUZ DO MUNDO, o “dualismo” sumirá em sua nulidade originária.

Desfeito o dualismo, o que resta é a ERA ETERNA, o Reino de Deus, o Universo como Luz infinita. Sempre este Reino de Luz esteve sendo a presença ÚNICA; mas, deixava de ser assim reconhecido, uma vez que a maioria, usando a ilusória “mente hunana”, com seus quadros ficava entretida, sem sequer imaginar que todos eles são puramente ILUSÃO.

Não existe Consciência iluminada pessoal. Por esse motivo, a UNIDADE é pregada em todo enfoque iluminado. Pelas “aparências”, fazemos os falsos julgamentos, rotulando as pessoas em supostos graus de conscientização. Este erro dualista atua como anti-Cristo. Tenta tornar este estudo racional, em que o intelecto entra em ação para opinar, avaliar e tirar conclusões supostamente espirituais. Não há relação alguma entre intelecto, ou razão humana, e Consciência espiritual. A Consciência espiritual é UNA, ONIPRESENTE, MANIFESTA igualmente como todos nós. A Bíblia a define como “a Luz verdadeira que ilumina todo homem que vem ao mundo”. Somente pela erradicação plena do dualismo a TOTALIDADE DE DEUS será reconhecida para valer. Esta Verdade é sempre verdadeira, e não pode co-existir com reservas ou com aparências ilusórias. O referencial verdadeiro é o do Absoluto! Caso contrário, estaremos “julgando pelas aparências”, alimentando o dualismo gerador da ILUSÃO, e negando a Verdade eterna que somos.

Segredos da Oração 07

“Não temais ó pequenino rebanho; porque o vosso Pai se agradou em dar-vos o Seu Reino.”

Lucas 12: 32

A maior parte das orações é feita no sentido de que algo de ruim possa ser evitado, ou que algo de bom possa rapidamente acontecer! O motivo? O desconhecimento da Verdade de que o Reino de Deus já é a única Realidade sempre presente, perfeita e harmoniosa!

A frase de abertura,  de Jesus, corta a ilusão pela raiz! Não diz que “algo na matéria” irá ocorrer! Afirma que nossa atenção deve estar voltada ao “recebimento” do Reino de Deus. Esta é oração correta!

Sejam quais forem os quadros visíveis, ótimos ou péssimos, são todos imagens hipnóticas! Tiremos deles completamente a nossa atenção! Oremos corretamente, abrindo-nos internamente ao Reino absoluto que nos é oferecido! Oferecido não por homens, mas pela própria Fonte onisciente de nossa Vida, que é Deus!

Acostumemo-nos a orar dentro desse conhecimento! Orar é “receber o Reino de Deus” em nossa percepção! É tomar consciência de que “é do agrado de nosso Pai dar-nos o Reino”.

Sigamos as instruções iluminadas, em vez de vivermos constantemente temerosos por causa de simples MIRAGENS!

 

 

O ÚLTIMO INIMIGO

Joel S. Goldsmith
( I )
Todos demonstram interesse pelo assunto da imortalidade — imortalidade aqui e agora, neste corpo, e não imortalidade a ser alcançada após a morte. É neste próprio corpo que podemos experienciar a imortalidade, neste próprio corpo que ora utilizamos como instrumento. Não iremos perder nosso corpo, mas perderemos o conceito falso que dele fazíamos , pela conscientização de sua natureza verdadeira.
Com a perda das noções errôneas de doença, acidente e velhice, e com a conscientização do corpo perfeito, não ocorre a perda do corpo; ocorre, simplesmente, a perda do falso conceito do corpo. Em nossa meditação diária, vamos assim conscientizar a imortalidade, aqui e agora — a imortalidade deste corpo e deste universo –, para que possamos descartar todas as crenças falsas que o mundo retém em relação ao corpo e ao universo.
“Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte”. Para muitos, isto pode parecer bastante desencorajador. Mas, de uma coisa podemos ter certeza: seja ou não este, o último inimigo a ser aniquilado, ele não será vencido enquanto nós não começarmos a vencê-lo, enquanto nós não tomarmos alguma atitude quanto a ele. Passar de ano em ano somente repetindo: “Bem , a morte será o último inimigo a ser vencido”, não irá fazer com que ela seja adiada. Se desejarmos adiar a morte, e finalmente vencê-la, teremos de começar agora mesmo.
Que é a morte? A morte parece ser uma parada momentânea da consciência. Porém, a consciência não pode permanecer ou estar em estado inconsciente. De fato, a consciência jamais pode se tornar inconsciente. O que chamamos de morte não passa de um lapso aparente de profunda inconsciência, do qual nos tornamos conscientes novamente, de modo similar ao que ocorre quando dormimos.
O Corpo Expressa a
Atividade Da Consciência
O passo inicial para vencermos a morte está na conscientização de que o corpo não possui qualquer inteligência pela qual possa viver ou morrer. O corpo não tem inteligência para apanhar um resfriado, e para conseguirmos um resfriado para ele, teremos de permitir a atividade da mente carnal aceitando as crenças do pensamento humano; e teremos de agir de igual forma, para contrairmos para o corpo qualquer outro tipo de doença. A doença humana nunca é contraída pelo corpo nem através dele. O corpo não possui inteligência: ele não pode se mover; é inerte; e, como uma sombra, reflete o nosso próprio estado de consciência. Toda doença, portanto, que aparenta ser do corpo, é contraída através da atividade da mente humana, pela sua aceitação das crenças universais. O primeiro ponto, nesse caso, para que a morte seja vencida, está em se superar a crença de que o corpo possui, de si próprio, capacidade de viver ou morrer, e conscientizar que o corpo tem somente a capacidade de refletir ou expressar a atividade de nosso próprio estado de consciência.
Quando nós aceitamos, na consciência, o pensamento ou crença de morte, é que o corpo sucumbe a ela. Tem sido dito, várias e várias vezes, tanto por metafísicos como por médicos, que as pessoas morrem somente quando dão o seu consentimento. De uma maneira ou outra, isso é verdadeiro. Consciente ou inconscientemente, é dado o consentimento para que ocorra a morte. Se você compreender este ponto de modo suficientemente claro, não apenas poderá adiar, e provavelmente dominar a morte, mas ainda ficará de posse de uma verdade que lhe possibilitará dar atendimento aos chamados referentes a doenças e senilidade.
O fato de um indivíduo, no caminho espiritual, experienciar a morte ou “passagem”, não significa, necessariamente, que ele tenha morrido. Por favor, lembrem-se do seguinte: o que estou lhe dizendo não é produto de minhas suposições, nem algo que tenha lido em algum livro; tudo que tenho dito vem de experiência real em revelações interiores.

( II )

Progresso ou Retrocesso
Quando as pessoas na corrida normal da vida morrem, ocorre apenas momentâneo lapso de consciência, do qual elas despertam praticamente nesse mesmo grau de mortalidade ou sentido material. Não se tornam mais avançadas ou mais espiritualizadas por causa da “passagem”; sua materialidade não se converte em espiritualidade. Talvez possam se livrar de uma dor imediata, ou de uma doença imediata, mas tal libertação se assemelha à trazida pela medicina. A ajuda médica poderia livrá-las da dor ou da doença, mas nunca as faria avançar espiritualmente. Do mesmo modo, mesmo que o fenômeno da morte possa aliviá-las de alguma doença ou calamidade, isso não alterará o nível de consciência delas; e irão permanecer no mesmo nível material ou mortal, e com a mesma oportunidade de, em dado momento, avançar no caminho espiritual ou retroceder. A escolha é delas, tanto aqui como no depois. Isso tudo, naturalmente, se aplica àqueles que no nível comum da existência humana morrem por acidente, doença ou pela comumente chamada “morte natural”
Os que deixam este plano de existência enquanto estão nas baixas esferas da vida, ou seja, como um alcoólatra, um viciado em drogas, um criminoso ou qualquer outro estado grosseiro da materialidade, irão permanecer no mesmo nível após a sua “passagem”. A materialidade deles se tornará ainda mais densa, embora em alguma época, despertando para a verdadeira identidade, possam mudar o curso e iniciar a ascensão espiritual.
O estudante de religião ou metafísica, que experiencia a morte ou “passagem” quando em ascensão espiritual, enquanto se eleva em sua trajetória, não somente desperta bem avançado no caminho, mas, em muitos casos, se for ampla a sua proximidade com relação à verdade espiritual, sua “transição” poderá significar uma libertação completa da experiência física ou mortal. É esta a libertação contida na mente dos seguidores de certas religiões ocidentais que, ao lado de seus ensinamentos sobre a reencarnação, fazem referência ao estado que almejam atingir para se livrarem de voltar à terra. Em outras palavras, alguns indivíduos atingem tal nível de consciência espiritual, que têm pleno conhecimento de sua verdadeira identidade, e de que o chamado corpo físico não constitui o ser e não possui inteligência por si mesmo, mas é um veículo ou instrumento pelo qual eles aparecem como forma. A estes, a experiência da “passagem” pode encerrar o envolvimento com a consciência de sentido mortal ou material, fazendo com que eles passem à plenitude do viver espiritual.

( III )

Vencendo o Mundo
Temos a oportunidade de dominar a morte por completo, no sentido de permanecermos aqui na terra em nossa forma presente e nas contínuas e progressivas aparências que esta forma venha a assumir. Não sei se isso vem sendo feito ou não, mas há esta oportunidade. Contudo, o ponto importante não é este. Se iremos aqui permanecer por duzentos ou por dois mil anos, não tem maior importância do que se viajarmos para Nova York, para a Califórnia ou Europa. Não tem importância alguma o lugar em que iremos viver. O importante é como vivemos e porque vivemos. O ponto importante é em que nível de consciência estamos vivendo. Estamos vivendo de forma tal que, seja qual for o local ou plano de existência, dominamos os obstáculos da mortalidade e da materialidade?
Uma das últimas declarações de Jesus foi a seguinte: “Eu venci o mundo”. Mas era ainda Jesus que estava dizendo aquilo, enquanto estava no mesmo corpo. “Eu venci o mundo”. Também nós “vencemos o mundo”, à medida de nossa conscientização:
Este corpo não é um poder sobre mim. Eu sou a vida, a mente, a inteligência e o poder que governam este corpo. Não eu, um ser humano, mas Eu, a divina consciência do Ser, dirijo este corpo, este negócio, este lar, este ensinamento e este algo mais dentro da faixa da minha consciência.
O grau de nossa conscientização de que esta Consciência nos governa é o grau com que “vencemos o mundo”. E poderemos caminhar sobre as águas, caminhar entre os micróbios, caminhar entre campos de batalha ou catástrofes, sem que nenhuma dessas condições tenha grande efeito ou poder sobre nós, pois, dentro de cada um de nós, estou Eu, e Eu sou o poder que rege toda a nossa experiência. Onde quer que estejamos, seja qual for a condição ao nosso redor, iremos nos achar diariamente alimentados, vestidos e abrigados. Se preciso for, encontraremos o maná caindo do céu; se preciso for, acharemos ouro na boca de um peixe; se preciso for, veremos pães e peixes serem multiplicados. De uma forma ou outra, seremos supridos diariamente com tudo o que se fizer necessário, seja na forma de pessoa, lugar, coisa, circunstância ou condição. Mas esta nossa experiência ocorrerá somente quando vencermos o mundo.
O processo para vencer o mundo tem início com a nossa compreensão da unidade, da nossa união com Deus, com a nossa conscientização de que “eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma”, tudo que está fluindo através de mim é a vida, a saúde e a plenitude, que Deus é.
Isto disse o Senhor: Não se glorie o sábio no seu saber, nem se glorie a fonte na sua força, nem se glorie o rico nas suas riquezas; porém, aquele que se gloria, glorie-se em me conhecer, e em saber que eu sou o Senhor que exerce a misericórdia, a egoidade e a justiça sobre a terra.
MALAQUIAS 9; 23,24
No momento em que começamos a perceber que tudo que temos é do Pai, que é universal, impessoal, imparcial e, portanto, que não temos direitos nem patentes, estaremos abrindo nossa consciência ao fluxo; e, é quando aquele governo se responsabiliza por nosso corpo, nossos negócios, nosso lar, onde quer que estejamos.

( IV )

(Final)
Ressurreição e Ascensão
Na consciência de Deus., não existe morte. Deus não pode morrer. Deus é vida eterna e a Consciência infinita não pode morrer ou ficar inconsciente. Deus, a divina Consciência, está sempre Se expandindo, Se revelando, manifestando e expressando a Si mesmo como consciência individual. Deus é a sua consciência individual e esta consciência não pode morrer. Se Deus pudesse morrer, ou ficar inconsciente, então, e somente então, poderia você morrer. Como Deus é a vida individual, poderia esta vida morrer? Poderia esta vida, que aparece como sua forma ou corpo, desaparecer da terra? Não; pode somente sair do campo de visão da mortalidade, através do processo da “ascensão”.
Quando nós, por nós mesmos, elevamos a nossa consciência acima da crença de que a vida está no corpo, e que o corpo controla a vida, experienciamos a ressurreição; obtemos a convicção de Jesus, ao dizer: “Derrubai este templo, e em três dias o levantarei” (corpo). Quando estamos imbuídos da compreensão de que a divina Consciência, que é a consciência individual, governa e controla nosso corpo, e quando percebemos individualmente a verdade de que a nossa própria consciência é o poder da ressurreição, de reconstrução, temos a nossa experiência da ressurreição. E então, virá a ascensão.
A ascensão vem da conscientização de que Deus está revelando a Si próprio como o nosso ser individual, e como o Espírito deve aparecer ou Se manifestar como forma, então este corpo é tão espiritual, imortal e eterno quanto a Espírito-substância com que é formado. Com a luz dessa conscientização, virá a nossa ascensão.
Existe um significado espiritual trazido a nós pelo nascimento, crucifixão e ascensão do Mestre: se existe uma progressiva expansão da consciência, até que o nascimento e a crucifixão se cumpram em nós e tenhamos atingido a ascensão, não mais no corpo, mas como uma lei sobre o corpo, nunca mais teremos de retornar àquelas experiências. A ascensão é o estado de consciência que sabe que o corpo não controla a vida, mas que a vida, sim, controla o corpo. O Mestre provou ter atingido este estado de consciência quando, referindo-se à sua vida, disse: “Eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la”, e disse também: “Derrubai este templo (corpo), e em três dias o levantarei”; ou, em outras palavras, “Eu, Consciência, controlo este corpo. A Consciência controla o corpo pelo deixar que a Consciência do Eu Sou forme, de Si mesma, as maravilhas e belezas que nós denominamos aqui e agora.
FIM

Segredos da Oração 06

“Orai em todo o tempo…e vigiai…com toda a perseverança.”

Efésios 6: 18

Quando lemos, na Bíblia, que devemos “orar e vigiar sem cessar”, se, de um lado, entendemos que devemos  recordar sempre, em nosso dia-a-dia, que “temos a Mente de Cristo”, por outro lado, precisamos também perseverar em  permanecer no referencial divino de Existência, e não mais no ilusório referencial humano que leva em conta uma suposta “vida na matéria”.
“Tudo é Mente infinita e Suas infinitas manifestações”, escreve Mary Baker Eddy, fundadora da Ciência Cristã. Deus, a Mente onipresente e infinita, já está sendo a Mente única de nós todos! Por ser este um fato já presente e constante,   mantido pelo próprio Deus, cabe-nos “orar, vigiar e perseverar” unicamente com este  objetivo único: “ser conscientemente quem sempre fomos, somos e seremos: uma Emanação da Mente infinita! Uma Manifestação infinita da Mente infinita!
Nosso empenho em permanecer conscientes da Verdade que somos, anula a ILUSÃO do que nunca fomos, e deixa-nos capacitados a repetir   com o apóstolo Paulo:
“Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim”.
Gálatas 2: 20
O propósito da oração precisa ficar bem entendido! Não oramos por “algo deste mundo”, mas para percebermos que “deste mundo não somos”. Quando deixamos de nos identificar com “matéria”, estamos “crucificados com Cristo”; e, é quando notamos o próprio Cristo sendo a nosso real identidade, e compreendemos a fala de Jesus: “Eis que estou convosco desde o princípio”.

Segredos da Oração 07

“Não temais ó pequenino rebanho; porque o vosso Pai se agradou em dar-vos o Seu Reino.”

Lucas 12: 32

A maior parte das orações é feita no sentido de que algo de ruim possa ser evitado, ou que algo de bom possa rapidamente acontecer! O motivo? O desconhecimento da Verdade de que o Reino de Deus já é a única Realidade sempre presente, perfeita e harmoniosa!

A frase de abertura,  de Jesus, corta a ilusão pela raiz! Não diz que “algo na matéria” irá ocorrer! Afirma que nossa atenção deve estar voltada ao “recebimento” do Reino de Deus. Esta é oração correta!

Sejam quais forem os quadros visíveis, ótimos ou péssimos, são todos imagens hipnóticas! Tiremos deles completamente a nossa atenção! Oremos corretamente, abrindo-nos internamente ao Reino absoluto que nos é oferecido! Oferecido não por homens, mas pela própria Fonte onisciente de nossa Vida, que é Deus!

Acostumemo-nos a orar dentro desse conhecimento! Orar é “receber o Reino de Deus” em nossa percepção! É tomar consciência de que “é do agrado de nosso Pai dar-nos o Reino”.

Sigamos as instruções iluminadas, em vez de vivermos constantemente temerosos por causa de simples MIRAGENS!

Segredos da Oração 08

“Aquele que dentre vós está sem pecado seja o primeiro que atire pedra contra ela.”

João 8: 7

Os períodos entre as orações são tão importantes quanto os que a elas dedicamos. Escribas e fariseus estavam presos às aparências; a certeza de que o pecado existia estava arraigada na mente de todos! Estavam se dedicando para eliminá-lo deles próprios? Não. Estavam com a atenção voltada ao pecado de “outra pessoa”. Quando Cristo disse que atirasse a pedra quem estivesse sem pecado, todos ficaram sem ação!

Após nossas orações, em que reconhecemos a nossa identidade divina, devemos procurar manter esta percepção de nossa real identidade! De nós as idéias pecaminosas sugeridas pela crença coletiva devem ser expulsas! São os “ladrões do templo”!

O Cristo é nosso Eu Real, sempre nos dizendo “Nem eu te condeno”. Mas,  também nos diz: “E não peques mais”, ou seja, “não voltes a acreditar em pecados e pecadores, após teres aceito que DEUS É TUDO!”

Devemos ter o cuidado de não mais nos prendermos aos nossos supostos erros ou aos de outrem! São estas armadilhas que podem comprometer a ação da oração! Se mantivermos nossa Luz no alto do alqueire, cada vez menos seremos incomodados pelas crenças do mundo!

A mente é uma tela para receber as imagens que fluem de nosso íntimo, que é Deus, e não  antena para captar uma infinidade de quadros errôneos e ilusórios que se mostram vindos “de fora” o tempo todo, e que não passam de pura ILUSÃO!

Segredos da Oração 10

“Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te houver tirado a capa, nem a túnica recuses.”

Lucas 6: 29.

Nossas atitudes, neste aparente mundo material, são representações visíveis da Verdade que conhecemos ou deixamos de conhecer! As orações são instrumentos para  percebermos a totalidade de Deus, a Unidade que  somos, e nossa real natureza, que é espiritual e divina. Que significa “oferecer a outra face”, ou “recusar a túnica, se nos houver tirado a capa”? São atitudes que provam o nosso entendimento de tudo que contemplamos em nossas orações! Não somos todos um? Não somos providos do Alto? Pelo “Pai das Luzes”? Então, por que iremos nos abalar por “agressões”, “roubos” ou quaisquer supostas atividades ofensivas que aparentam co-existir com a perfeita Ação onipresente de Deus?

Há, aqui, dois ângulos a serem notados: o primeiro, que se realmente estamos reconhecidamente com a Mente de Cristo, nossas atitudes devem ser idênticas às dele, em todas as ocasiões; o segundo, que se nos defrontamos, no momento presente, com “agressões ou roubos”, isto se deve à crença dualista que inconscientemente ainda estivemos retendo em “nosso” subconsciente.

Em Deus, na Realidade, somente a Perfeição existe como Oniatividade perfeita! Contudo, nesta “aparência de mundo”, vemos uma representação, na forma de imagens, de nosso envolvimento com a Verdade  e com as crenças falsas!

Quanto mais orarmos e nos identificarmos com os Fatos espirituais, reconhecendo-os como únicos e verdadeiros, menos teremos das chamadas “agressões ou roubos” deste mundo! Eles não são realidades! São apenas uma formação mental condizente com os nossos pensamentos inconscientes dominantes.

As instruções acima, de Jesus, que aparentam absurdas à mente comum, são, na verdade,  expedientes ideais para que deixemos de nos enxergar como “injustiçados” para, ao mesmo tempo, perceber que o “filminho ilusório”, representativo de nossas próprias crenças falsas, simplesmente se projetou na “tela da mente” para nunca  voltar a ser reprisado, o que poderia ocorrer, caso optássemos pelo revide.

Segredos da Oração 05

“Ensina-me Senhor, o Teu caminho, e andarei na Tua verdade; dispõe-me o coração para só temer o Teu nome.”
Salmos 68; 11
Temos visto que oração é a percepção de nossa real identidade divina, de nossa Unidade eterna com Deus, de que o Nome de Deus é nosso real nome.
 
 Os caminhos da mente humana não são os nossos! Cristo disse: “A minha vontade é fazer a vontade daquele que me enviou”. Talvez não haja frase mais forte na Bíblia, no que diz respeito ao nosso posicionamento frente à Verdade revelada e estudada.
 
“Ensina-me Senhor, o Teu caminho, e andarei na Tua verdade…” Que sentido tem esta citação? Ensina-nos a abrir mão do  ilusório mundo tri-dimensional para abraçarmos, aqui e agora, a revelação de que já vivemos numa Realidade que é infinita!
“Senhor”, na Bíblia, é nossa Consciência-Essência! É a “Voz do Espírito Santo” em nós. Orar é estar aberto a esta Voz! É notar esta Voz como sendo a nossa! Ela nos convence do que vem a ser o real Caminho!
“…dispõe-me o coração para só temer o Teu nome.” O verbo “temer” tem o sentido de “respeitar”.  Orar é respeitar “Teu Nome”, como ÚNICO! É descobrir que nosso Nome-Eterno é unicamente: “EU SOU”.
Orar é admitir que não podemos ser um “ego” ao lado de Deus, porque Deus, o EU SOU infinito, é TUDO! Portanto, quando nos contemplamos identificados com o Nome Único, o EU SOU, estamos com o coração “só honrando Teu Nome”, e experienciando a meta máxima de toda verdadeira ou legítima oração.

Dárcio

Segredos da Oração 04

“E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.”
 Tiago  5: 14,15
 
Enfermidades e pecados não fazem parte da Realidade divina. Temos dito que o objetivo da oração é ser um acesso a este Reino interior da Perfeição, em que, em unidade com Deus, já somos seres espirituais, plenos e perfeitos.
 
A crença em pecados nos leva a confundir o ser real que permanentemente somos, criado à imagem e semelhança de Deus, com a personalidade visível que a mente humana “enxerga”   em todos nós.
 
Que é a “oração da fé”? Tiago nos garante que, com a “oração da fé”, os enfermos se salvarão! Saibamos que “fé é a certeza do não-visto”, e não mera atitude passiva de quem, cegamente, põe em Deus alguma esperança de cura. A “oração da fé” é a aceitação incondicional de que, sem nascimento, mudança ou fim, já somos o Eu Perfeito exatamente agora!
 
Enquanto a mente humana vê um enfermo, talvez em auto-punição, por ter acreditado em seus feitos humanos julgados maus, a Mente divina, ali mesmo, contempla o próprio Verbo, em perfeita expressão gloriosa e iluminada! Esta troca radical de referencial, da visão humana pela divina, é a “oração da fé”.
 
Firmados na visão divina, e sem mais nos identificarmos com o ego enfermo ou pecador, estaremos dando crédito unicamente às revelações libertadoras, e, desse modo, enfermidades e pecados desaparecerão de nossa aceitação interna, substituídos conscientemente pela eterna Verdade.
 
Decorrente desta “oração da fé”, teremos a chamada “cura”, desde que não voltemos a dar poder às aparências em contrário. É nesse sentido que precisamos “vigiar e orar sem cessar”.

Dárcio

Segredos da Oração 02

“Se alguém está em Cristo, nova criatura é: passou o que era velho e se fez nova!”
2 Cor. 5:17
 
Antes de cada oração, seu objetivo deve ser bem entendido! Qual é o objetivo central da oração?  Oração é percepção, e não petição! “Se alguém está em Cristo, nova criatura é”.
 
O estudo da Verdade parte do fato eterno de que DEUS É TUDO! Que significa “estar em Cristo”? Significa percebermos que, com o reconhecimento da totalidade de Deus, ou da Perfeição onipresente, não poderíamos jamais deixar de “estarmos em Cristo”. Em outras palavras, a oração objetiva esta “percepção”: o consciente abandono do que “era velho”, ou seja, do suposto “eu humano”, com todas as suas crenças e dificuldades ilusórias,e completa identificação  com Deus.
 
Assim, cada oração é um “renascimento”, uma alegria de se observar que, aqui e agora, “já somos nova criatura em Cristo”. Uma alegria viva de se observar que jamais o eu ilusório constituiu nossa identidade, e que, desde o princípio, Deus e o verdadeiro ser de todos nós são UM e o mesmo!

Dárcio

Segredos da Oração 01

“Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.”
 João 14: 26

 
Todos os grandes mestres nos ensinaram a contar unicamente com a Onisciência divina, o Saber infinito e já presente como a nossa Consciência espiritual. A oração é o meio utilizado para acessarmos esse saber interno .
 
Jesus, na citação acima, explica que todas as suas revelações somente são conscientizadas mediante uma ação espontânea do Espírito Santo em nós. “Esse ( Espírito Santo) vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.”  Sábias, profundas e verdadeiras palavras!
 
Nesta série, abordaremos os pontos essenciais da Oração Científica. Todos os detalhes revelados se tornam importantes, quando passamos a assimilá-los, um por um, e somá-los de forma que, em conjunto, possam ampliar a cada dia a nossa percepção da Verdade. Que está nos dizendo Jesus? Que as revelações, após serem conhecidas teoricamente ,  devem, em seguida, ser endossadas pelo nosso “Mestre interno”, para que assim possamos ser “batizados com o Fogo do Espírito”.
 
É valiosíssimo sabermos que, humanamente, ou de mestres externos, jamais seremos espiritualmente ensinados! Mas,  através da oração, abrimo-nos ao Espírito Santo em nós, que Se revela como nossa própria Consciência crística. E então, “nos lembraremos de tudo quanto nos tenha sido dito”. Em outras palavras, através da Oração, as revelações se tornam continua e conscientemente realizadas em cada um de nós.

Dárcio

O ÚLTIMO INIMIGO

Joel S. Goldsmith
( I )
Todos demonstram interesse pelo assunto da imortalidade — imortalidade aqui e agora, neste corpo, e não imortalidade a ser alcançada após a morte. É neste próprio corpo que podemos experienciar a imortalidade, neste próprio corpo que ora utilizamos como instrumento. Não iremos perder nosso corpo, mas perderemos o conceito falso que dele fazíamos , pela conscientização de sua natureza verdadeira.
Com a perda das noções errôneas de doença, acidente e velhice, e com a conscientização do corpo perfeito, não ocorre a perda do corpo; ocorre, simplesmente, a perda do falso conceito do corpo. Em nossa meditação diária, vamos assim conscientizar a imortalidade, aqui e agora — a imortalidade deste corpo e deste universo –, para que possamos descartar todas as crenças falsas que o mundo retém em relação ao corpo e ao universo.
“Ora, o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte”. Para muitos, isto pode parecer bastante desencorajador. Mas, de uma coisa podemos ter certeza: seja ou não este, o último inimigo a ser aniquilado, ele não será vencido enquanto nós não começarmos a vencê-lo, enquanto nós não tomarmos alguma atitude quanto a ele. Passar de ano em ano somente repetindo: “Bem , a morte será o último inimigo a ser vencido”, não irá fazer com que ela seja adiada. Se desejarmos adiar a morte, e finalmente vencê-la, teremos de começar agora mesmo.
Que é a morte? A morte parece ser uma parada momentânea da consciência. Porém, a consciência não pode permanecer ou estar em estado inconsciente. De fato, a consciência jamais pode se tornar inconsciente. O que chamamos de morte não passa de um lapso aparente de profunda inconsciência, do qual nos tornamos conscientes novamente, de modo similar ao que ocorre quando dormimos.
O Corpo Expressa a
Atividade Da Consciência
O passo inicial para vencermos a morte está na conscientização de que o corpo não possui qualquer inteligência pela qual possa viver ou morrer. O corpo não tem inteligência para apanhar um resfriado, e para conseguirmos um resfriado para ele, teremos de permitir a atividade da mente carnal aceitando as crenças do pensamento humano; e teremos de agir de igual forma, para contrairmos para o corpo qualquer outro tipo de doença. A doença humana nunca é contraída pelo corpo nem através dele. O corpo não possui inteligência: ele não pode se mover; é inerte; e, como uma sombra, reflete o nosso próprio estado de consciência. Toda doença, portanto, que aparenta ser do corpo, é contraída através da atividade da mente humana, pela sua aceitação das crenças universais. O primeiro ponto, nesse caso, para que a morte seja vencida, está em se superar a crença de que o corpo possui, de si próprio, capacidade de viver ou morrer, e conscientizar que o corpo tem somente a capacidade de refletir ou expressar a atividade de nosso próprio estado de consciência.
Quando nós aceitamos, na consciência, o pensamento ou crença de morte, é que o corpo sucumbe a ela. Tem sido dito, várias e várias vezes, tanto por metafísicos como por médicos, que as pessoas morrem somente quando dão o seu consentimento. De uma maneira ou outra, isso é verdadeiro. Consciente ou inconscientemente, é dado o consentimento para que ocorra a morte. Se você compreender este ponto de modo suficientemente claro, não apenas poderá adiar, e provavelmente dominar a morte, mas ainda ficará de posse de uma verdade que lhe possibilitará dar atendimento aos chamados referentes a doenças e senilidade.
O fato de um indivíduo, no caminho espiritual, experienciar a morte ou “passagem”, não significa, necessariamente, que ele tenha morrido. Por favor, lembrem-se do seguinte: o que estou lhe dizendo não é produto de minhas suposições, nem algo que tenha lido em algum livro; tudo que tenho dito vem de experiência real em revelações interiores.

O ÚLTIMO INIMIGO

Joel S. Goldsmith
( II )
Progresso ou Retrocesso
Quando as pessoas na corrida normal da vida morrem, ocorre apenas momentâneo lapso de consciência, do qual elas despertam praticamente nesse mesmo grau de mortalidade ou sentido material. Não se tornam mais avançadas ou mais espiritualizadas por causa da “passagem”; sua materialidade não se converte em espiritualidade. Talvez possam se livrar de uma dor imediata, ou de uma doença imediata, mas tal libertação se assemelha à trazida pela medicina. A ajuda médica poderia livrá-las da dor ou da doença, mas nunca as faria avançar espiritualmente. Do mesmo modo, mesmo que o fenômeno da morte possa aliviá-las de alguma doença ou calamidade, isso não alterará o nível de consciência delas; e irão permanecer no mesmo nível material ou mortal, e com a mesma oportunidade de, em dado momento, avançar no caminho espiritual ou retroceder. A escolha é delas, tanto aqui como no depois. Isso tudo, naturalmente, se aplica àqueles que no nível comum da existência humana morrem por acidente, doença ou pela comumente chamada “morte natural”
Os que deixam este plano de existência enquanto estão nas baixas esferas da vida, ou seja, como um alcoólatra, um viciado em drogas, um criminoso ou qualquer outro estado grosseiro da materialidade, irão permanecer no mesmo nível após a sua “passagem”. A materialidade deles se tornará ainda mais densa, embora em alguma época, despertando para a verdadeira identidade, possam mudar o curso e iniciar a ascensão espiritual.
O estudante de religião ou metafísica, que experiencia a morte ou “passagem” quando em ascensão espiritual, enquanto se eleva em sua trajetória, não somente desperta bem avançado no caminho, mas, em muitos casos, se for ampla a sua proximidade com relação à verdade espiritual, sua “transição” poderá significar uma libertação completa da experiência física ou mortal. É esta a libertação contida na mente dos seguidores de certas religiões ocidentais que, ao lado de seus ensinamentos sobre a reencarnação, fazem referência ao estado que almejam atingir para se livrarem de voltar à terra. Em outras palavras, alguns indivíduos atingem tal nível de consciência espiritual, que têm pleno conhecimento de sua verdadeira identidade, e de que o chamado corpo físico não constitui o ser e não possui inteligência por si mesmo, mas é um veículo ou instrumento pelo qual eles aparecem como forma. A estes, a experiência da “passagem” pode encerrar o envolvimento com a consciência de sentido mortal ou material, fazendo com que eles passem à plenitude do viver espiritual.

O ÚLTIMO INIMIGO

Joel S. Goldsmith
( III )
Vencendo o Mundo
Temos a oportunidade de dominar a morte por completo, no sentido de permanecermos aqui na terra em nossa forma presente e nas contínuas e progressivas aparências que esta forma venha a assumir. Não sei se isso vem sendo feito ou não, mas há esta oportunidade. Contudo, o ponto importante não é este. Se iremos aqui permanecer por duzentos ou por dois mil anos, não tem maior importância do que se viajarmos para Nova York, para a Califórnia ou Europa. Não tem importância alguma o lugar em que iremos viver. O importante é como vivemos e porque vivemos. O ponto importante é em que nível de consciência estamos vivendo. Estamos vivendo de forma tal que, seja qual for o local ou plano de existência, dominamos os obstáculos da mortalidade e da materialidade?
Uma das últimas declarações de Jesus foi a seguinte: “Eu venci o mundo”. Mas era ainda Jesus que estava dizendo aquilo, enquanto estava no mesmo corpo. “Eu venci o mundo”. Também nós “vencemos o mundo”, à medida de nossa conscientização:
Este corpo não é um poder sobre mim. Eu sou a vida, a mente, a inteligência e o poder que governam este corpo. Não eu, um ser humano, mas Eu, a divina consciência do Ser, dirijo este corpo, este negócio, este lar, este ensinamento e este algo mais dentro da faixa da minha consciência.
O grau de nossa conscientização de que esta Consciência nos governa é o grau com que “vencemos o mundo”. E poderemos caminhar sobre as águas, caminhar entre os micróbios, caminhar entre campos de batalha ou catástrofes, sem que nenhuma dessas condições tenha grande efeito ou poder sobre nós, pois, dentro de cada um de nós, estou Eu, e Eu sou o poder que rege toda a nossa experiência. Onde quer que estejamos, seja qual for a condição ao nosso redor, iremos nos achar diariamente alimentados, vestidos e abrigados. Se preciso for, encontraremos o maná caindo do céu; se preciso for, acharemos ouro na boca de um peixe; se preciso for, veremos pães e peixes serem multiplicados. De uma forma ou outra, seremos supridos diariamente com tudo o que se fizer necessário, seja na forma de pessoa, lugar, coisa, circunstância ou condição. Mas esta nossa experiência ocorrerá somente quando vencermos o mundo.
O processo para vencer o mundo tem início com a nossa compreensão da unidade, da nossa união com Deus, com a nossa conscientização de que “eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma”, tudo que está fluindo através de mim é a vida, a saúde e a plenitude, que Deus é.
Isto disse o Senhor: Não se glorie o sábio no seu saber, nem se glorie a fonte na sua força, nem se glorie o rico nas suas riquezas; porém, aquele que se gloria, glorie-se em me conhecer, e em saber que eu sou o Senhor que exerce a misericórdia, a egoidade e a justiça sobre a terra.
MALAQUIAS 9; 23,24
No momento em que começamos a perceber que tudo que temos é do Pai, que é universal, impessoal, imparcial e, portanto, que não temos direitos nem patentes, estaremos abrindo nossa consciência ao fluxo; e, é quando aquele governo se responsabiliza por nosso corpo, nossos negócios, nosso lar, onde quer que estejamos.

O ÚLTIMO INIMIGO

Joel S. Goldsmith
( IV )
(Final)
Ressurreição e Ascensão
Na consciência de Deus., não existe morte. Deus não pode morrer. Deus é vida eterna e a Consciência infinita não pode morrer ou ficar inconsciente. Deus, a divina Consciência, está sempre Se expandindo, Se revelando, manifestando e expressando a Si mesmo como consciência individual. Deus é a sua consciência individual e esta consciência não pode morrer. Se Deus pudesse morrer, ou ficar inconsciente, então, e somente então, poderia você morrer. Como Deus é a vida individual, poderia esta vida morrer? Poderia esta vida, que aparece como sua forma ou corpo, desaparecer da terra? Não; pode somente sair do campo de visão da mortalidade, através do processo da “ascensão”.
Quando nós, por nós mesmos, elevamos a nossa consciência acima da crença de que a vida está no corpo, e que o corpo controla a vida, experienciamos a ressurreição; obtemos a convicção de Jesus, ao dizer: “Derrubai este templo, e em três dias o levantarei” (corpo). Quando estamos imbuídos da compreensão de que a divina Consciência, que é a consciência individual, governa e controla nosso corpo, e quando percebemos individualmente a verdade de que a nossa própria consciência é o poder da ressurreição, de reconstrução, temos a nossa experiência da ressurreição. E então, virá a ascensão.
A ascensão vem da conscientização de que Deus está revelando a Si próprio como o nosso ser individual, e como o Espírito deve aparecer ou Se manifestar como forma, então este corpo é tão espiritual, imortal e eterno quanto a Espírito-substância com que é formado. Com a luz dessa conscientização, virá a nossa ascensão.
Existe um significado espiritual trazido a nós pelo nascimento, crucifixão e ascensão do Mestre: se existe uma progressiva expansão da consciência, até que o nascimento e a crucifixão se cumpram em nós e tenhamos atingido a ascensão, não mais no corpo, mas como uma lei sobre o corpo, nunca mais teremos de retornar àquelas experiências. A ascensão é o estado de consciência que sabe que o corpo não controla a vida, mas que a vida, sim, controla o corpo. O Mestre provou ter atingido este estado de consciência quando, referindo-se à sua vida, disse: “Eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la”, e disse também: “Derrubai este templo (corpo), e em três dias o levantarei”; ou, em outras palavras, “Eu, Consciência, controlo este corpo. A Consciência controla o corpo pelo deixar que a Consciência do Eu Sou forme, de Si mesma, as maravilhas e belezas que nós denominamos aqui e agora.
FIM
Back to Top