COMENTÁRIOS SOBRE “O CORDEIRO DE DEUS DESTRÓI O MAGNETISMO ANIMAL – 4

– 4 –

Por que a Ciência Cristã nos diz que temos de tratar o magnetismo animal como algo a ser destruído? Por que não nos detemos, simplesmente, nos bons pensamentos? Esse modo de ver é falaz, porque o magnetismo animal parece ser um poder ao nosso sentido atual das coisas, e nos busca impedir de estar conscientes só do bem.

Como é importante esta explicação! Sempre que expomos o princípio absoluto, DEUS É TUDO, há quem estranhe a necessidade de conhecermos a natureza da “crença ilusória”; porém, este aparente paradoxo é, na verdade, uma forma de realmente permanecermos na Verdade da “totalidade e unicidade de Deus”, uma vez que, ficando convictos da natureza puramente hipnótica dos cenários  mostrados pelos supostos sentidos mortais, vemo-nos livres para “contemplar o Bem subjacente”, que, de fato, é real, perfeito e reconhecido por Deus.

Fazendo uma analogia, seria, por exemplo, conhecermos algum vizinho e, enquanto os demais da vizinhança não soubessem que ele voltaria de uma festa pela madrugada, fantasiado de mendigo, só nós o soubéssemos! Enquanto todos creriam ver um “mendigo na rua”, nós veríamos a verdade, “o vizinho”, uma vez que estaríamos cientes  da “imagem falsa” de mendigo, enquanto os outros, não!

No caso, “ver o mendigo”, para os demais da rua, seria  desconhecer a verdade! E, “ver através do erro”, como diz o artigo, é o que nós faríamos: “ver o vizinho”, sem sermos iludidos pela “fantasia”. Em outras palavras, “provar que o mendigo é irreal” é simplesmente estarmos convictos de que unicamente “o vizinho”, mesmo fantasiado, era quem realmente estaria ali, para ser visto!

Os quadros do erro, chamados de “este mundo” por Jesus, foram assim por ele considerados justamente para que pudesse explicar que “este mundo é o mundo do pai da mentira”, ou seja, é a Verdade – DEUS SENDO TUDO – o que realmente encontra-se evidenciado, exatamente AQUI E AGORA, enquanto “este mundo”, ou o “erro”, é para ser considerado como este artigo comenta em seu início, ou seja, “visto através de suas imposições”, para provarmos ser irrealidade!

CONTINUA NA PRÓXIMA SEGUNDA-FEIRA..>

RECONHECENDO A ONIAÇÃO COMO ATIVIDADE DO AMOR DE DEUS!

DEUS É TUDO, o que significa que toda atividade real se mantém pela Oniação divina. Como DEUS É AMOR, a Oniação é o Amor divino Se expressando perpetuamente como a Verdade que somos!

“Eu Sou a Verdade”, disse Jesus. Sabia SER exatamente o Filho que todos somos, se nos virmos como Filhos espirituais de Deus! Disse ele: “Eu subo para Meu Pai e Vosso Pai, para Meu Deus e Vosso Deus”. Assim disse para que fizéssemos como ele: que SUBÍSSEMOS À ONIAÇÃO DO PAI NA UNIDADE PERFEITA, dissociados das “crenças ilusórias” que nos identificam com os ilusórios “feitos terrenos”, tanto bons como maus!

A Verdade que nos liberta dos conceitos humanos decorre de nossa SUBIDA À ONIAÇÃO AMOROSA DE DEUS, de forma que VIVAMOS IDENTIFICADOS COM ESTA ONIAÇÃO PERFEITA, QUE COM PERFEIÇÃO CUIDA DE TUDO QUE DEUS É, E DE TUDO QUE, COMO CRISTO, TODOS SOMOS!

Faça dedicadas “contemplações” de seu Corpo de Luz, contemplando-o como “submisso à Oniação amorosa de Deus”. Desvincule-se por inteiro da CRENÇA EM CORPO NASCIDO, SUPOSTAMENTE SUJEITO ÀS FALSAS LEIS DO MUNDO!  O “mundo” é ilusório,  apenas feito de “NADAS”; e por isso,  NÃO SE INCLUI NA ONIAÇÃO!

Contemple DEUS ATIVO COMO A ONIAÇÃO QUE MANTÉM PERFEITO O SEU CORPO ETERNO. FEITO DA LUZ DO VERBO DIVINO! VÁ CONTEMPLANDO-O EM PARTES, COM CABEÇA, TRONCO E MEMBROS ESPIRITUAIS, E COM CADA PARTE CUIDADA PELA PRESENÇA PERMANENTE DA ONIAÇÃO AMOROSA E PERFEITA!

Por que fazermos isso, se o Corpo de Luz se mantém perfeito? É para não nos prendermos ao IRREAL “corpo carnal” e suas crenças no bem e no mal.

Todas as supostas “atividades do mundo” são IRREALIDADES, MESMO QUE SE MOSTREM COMO AÇÕES REAIS!

Solte-as todas de vez, e contemple a oniação como toda e única atividade, que torna o Corpo de Luz nosso BEM PERMANENTE!

*

DEUS É A NOSSA ESSÊNCIA- 2

2

A Essência divina, sendo Onipresença, não se expressa apenas em supostos “mensageiros da Verdade”! Pelo contrário, os mensageiros atestam que SOMOS TODOS UM, SENDO DEUSES NUMA UNIDADE PERFEITA!

O mundo se mostra convencido da mentira a ele passada, quando religiões e denominações colocaram “no Alto”  apenas os mensageiros, deixando “no baixo” a humanidade toda! QUISERAM PREGAR SUAS “DOUTRINAS VÁRIAS E ESTRANHAS” SEM ENFATIZAR A Verdade de que JÁ SOMOS TODOS A PRESENÇA DE DEUS EM PURA E PERFEITA EXPRESSÃO INDIVIDUAL.

Somos unicamente a Essência divina Se evidenciando! E quando isto é declarado, muitos costumam dizer que devíamos passar a Verdade “por etapas”! Esta é a “voz do erro” lutando para se manter! A Verdade simplesmente É! Podemos imaginar o que diria um professor de matemática, caso um aluno lhe dissesse: “Mestre, essa questão de  confusa! Não poderia me ensiná-la por etapas?” NÃO! NÃO PODERIA! O aluno terá de aceitá-la como a Verdade que universalmente JÁ É!

A Essência divina requer ser PERCEBIDA como MANIFESTAÇÃO GLOBAL, E NÃO SIMPLESMENTE INDIVIDUAL! Por isso Jesus rejeitou ser rotulado de “bom mestre”, dizendo que “BOM SÓ HÁ UM, QUE É DEUS”!

A percepção da “Universalidade da Verdade” é libertadora. Mas enquanto o “EU SOU”, como O TODO, não for RECONHECIDO por todos, a irreal DUALIDADE parecerá existir!

Uma vez compreendido que DEUS É A ESSÊNCIA DE TODOS, desaparecerá o apego a pessoas ou condições. O TODO ILUMINADO SERÁ RECONHECDO, E, O MELHOR, RECONHECIDO COMO NOSSA PRÓPRIA CONSCIÊNCIA! E este é o sentido de “O REINO DE DEUS ESTAR DENTRO DE VÓS”!

Uma “troca de referencial” nos será requerida, para que nos desliguemos das “aparências” e nos fixemos à nossa Essência. Será quando repetiremos a fala de Jesus: “AQUELE QUE ME VÊ A MIM, VÊ O PAI”.

O estudo se resume nesta tomada de posição transcendental.

M arie S. Watts assim disse:  NOSSO PRIMEIRO PASSO É ADMITIR:

“EU SOU A CONSCIÊNCIA ILUMINADA!”.

Todo referencial embasado em “aparências” terá que ser abandonado, e somente assim, o linguajar dualista terá fim.

A Verdade é ABSOLUTA, e todo desvio, por menor que pareça ser, dará “espaço para a Ilusão”. E caso ela encontre em nós “espaço para fazer ninho”, não poderemos declarar que “Quem me vê a mim, vé o Pai”.

DEUS É ESSÊNCIA, E NÃO ILUSÃO! DEUS É TUDO, E ILUSÃO É NADA!

Eis por que esta radical “tomada de posição” nos é requerida, caso pretendamos, “ainda hoje”, nos ver vivendo no Paraíso!

F I M

 

*

RECONHEÇA A MENTE DE CRISTO SEM ILUSÃO SENDO SUA MENTE!

Nos estudos da Verdade, é comum empregarmos um linguajar impreciso para explicar algo que sequer tem existência. Para exemplificar, se DEUS É TUDO, a Verdade é que DEUS É A ÚNICA MENTE EM EVIDÊNCIA; porém,  como algo IRREAL é “visto”, sem que seja DEUS, costuma-se dizer que “a mente em ilusão” é a que acredita “ver” o que não tem existência.

Junte-se a isto o fato de serem poucos os reais e ferrenhos interessados na Verdade, sendo que a maioria se mantém satisfeita em “se manter com a mente carnal”, sem uma dedicação real, total e requerida, para que DEUS, COMO MENTE ÚNICA, SEJA RECONHECIDO COMO A MENTE DE CADA UM DE NÓS, SEM TREVAS E SEM ILUSÃO,  E RECONHECENDO A SI MESMA COMO A MENTE MANTENEDORA DO UNIVERSO REAL, ÚNICO, ESPIRITUAL, PERFEITO E PERMANENTE, sabedora de que DEUS É TUDO!

Muitas são as colocações didáticas empregadas para motivar o conhecimento da Verdade junto àqueles que se mostram aparentemente CONVICTOS de que “existe mundo de vida terrena”! Se apenas lhes for  dito que VIDA TERRENA É ILUSÃO, QUERERÃO SABER COMO ELIMINAR A ILUSÃO! E SE LHES FOR DITO QUE NÃO É NECESSÁRIO ELIMINAR A ILUSÃO DA MENTE, POR SER A ILUSÃO ALGO QUE É NADA, continuarão reconhecendo o “mundo material” sem perceber Verdade nenhuma!

RECONHEÇA EM VOCÊ A MENTE DO CRISTO,

 SEM ILUSÃO!

UNICAMENTE 0S REAIS INTERESSADOS NA VERDADE se acharão dispostos e voltados a entender as variadas e diferentes colocações didáticas que objetivam gerar a CONVICÇÃO de que SOMENTE EXISTE DEUS, sendo TUDO e sendo TODOS!

*

“TU MANTÉNS EM PERFEITA PAZ AQUELE CUJA MENTE REPOUSA EM TI!”

“Tu, ó Deus, manténs em perfeita paz aquele cuja mente repousa em Ti”

Isaías, 26: 3

Todo chamado “trabalho metafísico” se resume numa identificação total com a Mente sem ilusão. Não há mais de uma Mente, uma vez que DEUS É TUDO, e, portanto, é a Mente única evidenciada como o Universo real, espiritual e perfeito.

“Tu, ó Deus, manténs em perfeita paz aquele cuja mente repousa em Ti” (Isaías, 26: 3). Como há SOMENTE A MENTE DE DEUS, basta-nos reconhecê-la como a NOSSA MENTE, separando-a da ILUSÃO COLETIVA que, por ser voltada às ilusórias formas materiais, perde de vista a Verdade de que TUDO E TODOS SÃO INSEPARAVELMENTE “UM”!

O Universo é a MENTE DIVINA SEM ILUSÃO SE EXPRESSANDO COMO “PERFEITA PAZ”, PERENE E ONIPRESENTE.

Quem seria “aquele repousado em Deus” e mantido em “perfeita paz” por Deus? SERIA CADA UM DE NÓS IDENTIFICADO COM A MENTE DIVINA “SEM ILUSÃO”!

A humanidade entende como UNIDADE a Mente e a Ilusão, enquanto somente a Mente é REALIDADE, enquanto a ilusão é IRREALIDADE! Se virmos alguém com a “mente em ilusão”, veremos as  supostas formas separadas como “aparências mutáveis e discordantes da Paz perfeita”. Quando nos fixarmos na Mente ISOLADA das formas, nos acharemos “repousados na Perfeita Paz”

Paulo chamou a “mente em ilusão” de “mente carnal”, a  FALSA crença em formas materiais, que desviam a todos da Mente real que todos temos, sugerindo seu desfile interminável de imagens ilusórias em mutação. Diante delas, basta-nos “repousar na Mente divina SEM ILUSÃO”, e nela PERMANECERMOS! 

A Mente divina é o nosso LAR EM DEUS, é a nossa HABITAÇÃO CONSTANTE NA CASA DO PAI!

 *

“POR QUE ERRAIS?”

Então Jesus lhes esclareceu: “Vós estais equivocados por não conhecerdes as Escrituras nem o poder de Deus!”

Mateus, 22: 29

Esta postagem tem por título uma pergunta encontrada já respondida por Jesus: “Estais equivocados por não conhecerdes as Escrituras nem o Poder de Deus”. Se à sua época pudesse ser dita a Verdade que “desfaz o erro”, Jesus assim teria dito: “ERRAIS POR DESCONHECERDES QUE É DEUS QUEM VIVE COMO TODOS VOCÊS!”

O erro não é algo de que o suposto “ser humano” deva se libertar! Por isso Jesus acentuou a necessidade de “as Escrituras serem conhecidas”, a fim de SEREM PRATICADAS!

Não intentava “melhorar seres humanos”, nem que eles evoluíssem ou reencarnassem “trocentas mil vezes”, supostamente para irem “progredindo espiritualmente”! O ERRO, SEGUNDO AS ESCRITURAS, É ELIMINADO PELA ANULAÇÃO OBTIDA ATRAVÉS DA NEGAÇÃO RADICAL DOS ILUSÓRIOS “SERES ERRADOS”! EM OUTRAS PALAVRAS, SOMEM ERROS E ERRADOS MEDIANTE A CONSTATAÇÃO DE QUE DEUS É TUDO, TUDO É DEUS!

Para isso, assim dizem as Escrituras: “Vós sois a Luz do mundo”, “vós sois deuses”, “despojai-vos do velho homem e de seus feitos”, “negai-vos a vós  mesmos”, “perdei a suposta vida humana, e vós tereis o Cristo como vida eterna”.

Não é preciso “conhecer as Escrituras” além de suas revelações essenciais! Basta praticarmos a revelação de que “a Unidade Perfeita” é a real existência em que, como CRISTO, vivemos a Vida divina, tanto em NÓS MESMOS como igualmente em TODOS OS DEMAIS.  

Junto com este reconhecimento do Cristo que somos, reconhecemos que a Oniação Onipotente de Deus é a REAL ATIVIDADE ONIPRESENTE DE DEUS, MANIFESTADA COMO “UNIDADE ONIATIVA PERFEITA”!

*

QUE TIPO DE DEUS É VOCÊ?- 14

– 14 –

A percepção da Verdade de que DEUS É TUDO, e que DEUS É TUDO COMO O CRISTO QUE É TUDO EM TODOS, é a percepção de que “TUDO ESTÁ FEITO”, E FEITO PERFEITO!

Disse Jesus: “Dei-lhes a glória para SEREM UM, perfeitos na UNIDADE”! Para Jesus, TODOS  já são UM! Para aqueles que se veem como “carnais mortais”, a ILUSÃO aparenta existir, e sendo cada um deles! ILUSÃO É ACREDITAR NA “APARÊNCIA”, ACHANDO QUE SEJA REALIDADE COEXISTINDO AO LADO DE DEUS! Por causa desse dualismo ilusório, as chamadas “preces de petição” são as que mais costumam ser feitas! Mas Jesus disse que “o Pai sabe do que necessitamos antes que Lho peçamos”. Este SABER DO PAI é o SABER DO FILHO, por estar na Mente de Cristo que nos vê na Unidade Espíritual Perfeita! Tudo é UM  e tudo é DEUS!

 Quando deixamos de nos ver como a suposta “mente carnal” erroneamente insinua que somos, saberemos que SOMOS UM com tudo e com todos da UNIDADE DIVINA; E ENTÃO, SEJA QUAL FOR A APARENTE NECESSIDADE, BASTARÁ PERCEBERMOS NOSSA UNIDADE COM ELA, E ESTE RECONHECIMENTO A “TRARÁ À LUZ”, ISTO É, SERÁ NOTADA TAMBÉM VISIVELMENTE PRESENTE!

Há pessoas que assim dizem: “Eu sei que EM DEUS eu sou TUDO QUE DEUS É; mas, na “vida real”, a minha situação está péssima!”. Jesus disse que: “A boca fala do que está cheio o coração”.

 Se alguém admite “estar separado de Deus”, ou chama a ILUSÃO de “vida real”, a Verdade estará longe de “seu coração”! Por isso, “sua boca vive enfatizando as mentiras da mente carnal”! Seria alguém VIVENDO EM DEUS, porém, acreditando VIVER NA APARÊNCIA DE MUNDO!

A solução de suas aparentes dificuldades lhe aparecerá quando ADOTAR A VERDADE DE QUE DEUS É TUDO,  E ISTO A PONTO DE PARAR DE “SERVIR A DOIS SENHORES”!

Para isso, descartará como “NADA” a ILUSÃO, a APARÊNCIA, PASSANDO A “ANDAR SOBRE AS ÁGUAS”, OU SEJA, ACIMA DA “CRENÇA EM DOIS PODERES” E EM UNIDADE COM DEUS, ATRAVÉS DO CRISTO DE SI PRÓPRIO!

CONTINUA..>

FÉ EM DEUS NOS AJUDA A VENCER O MEDO


 

Nós temos o direito de contribuir para o isolamento social sem medo. Mas como podemos nos libertar do medo? Como ficar livres do medo do vírus, da contaminação, de não ter dinheiro para se sustentar nesse período?
Que eu saiba, não existe remédio material para o medo. O único remédio para o medo é espiritual. É a nossa fé em Deus, a compreensão de que Ele nos protege. Por isso, selecionei na Bíblia alguns trechos que nos ajudam a vencer o medo e a reforçar nossa confiança em Deus. Coloquei em negrito os trechos que falam especificamente do medo e também fiz alguns pequenos comentários em parênteses.

Aqui estão as passagens bíblicas:

O Senhor é o meu pastor; nada me faltará. (não me faltará saúde, paz, tranquilidade, suprimento)
Ele me faz repousar em pastos verdejantes. (verdejantes de harmonia)

Leva-me para junto das águas de descanso; (não águas agitadas de preocupação)
refrigera-me a alma. (revigora-me o ânimo, a alegria)

Guia-me pelas veredas da justiça (da saúde, do suprimento) por amor do seu nome.
Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte (da contaminação), não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo… Salmos 23:1-4

O Senhor é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo? O Senhor é a fortaleza da minha vida; a quem temerei?
Ainda que um exército se acampe contra mim, não se atemorizará o meu coração; e, se estourar contra mim a guerra, ainda assim terei confiançaSalmos 27:1,3

Busquei o Senhor, e ele me acolheu; livrou-me de todos os meus temoresSalmos 34:4

Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem-presente nas tribulações.
Portanto, não temeremos ainda que a terra se transtorne e os montes se abalem no seio dos mares; (ainda que a mídia fique falando incessantemente desse vírus)

Bramam nações, reinos se abalam; ele faz ouvir a sua voz, e a terra se dissolve. (o medo se dissolve, quando ouvimos a voz tranquila e suave de Deus nos acalmando)

Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. Salmos 46:1,2,6,10,11

Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova dentro de mim um espírito inabalável. Salmos 51:10 (não vou me abalar com más notícias, nem com a quarentena)

Eis que Deus é o meu ajudador, o Senhor é quem me sustenta a vida. (Ele é quem me sustenta a saúde, a coragem, a paz) Salmos 54:4

Em me vindo o temor, hei de confiar em ti.
Em Deus, cuja palavra eu exalto, neste Deus ponho a minha confiança e nada temerei. Que me pode fazer um mortal? (que me pode fazer um vírus microscópico?) Salmos 56:3,4

Uma vez falou Deus, duas vezes ouvi isto: Que o poder pertence a Deus, (não ao vírus ou à doença) Salmos 62:11

O que habita no esconderijo do Altíssimo e descansa à sombra do Onipotente
diz ao Senhor: Meu refúgio e meu baluarte, Deus meu, em quem confio.
Pois ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa.
Cobrir-te-á com as suas penas, e, sob suas asas, estarás seguro; a sua verdade é pavês e escudo.
Não te assustarás do terror noturno, nem da seta que voa de dia,
nem da peste que se propaga nas trevas, nem da mortandade que assola ao meio-dia.
Caiam mil ao teu lado, e dez mil, à tua direita; tu não serás atingido…
Pois disseste: O Senhor é o meu refúgio. Fizeste do Altíssimo a tua morada.
Nenhum mal te sucederá, praga nenhuma chegará à tua tenda.
Porque aos seus anjos dará ordens a teu respeito, para que te guardem em todos os teus caminhos.
Eles te sustentarão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.
Pisarás o leão e a áspide (pisarás o vírus), calcarás aos pés o leãozinho e a serpente.
Porque a mim se apegou com amor, eu o livrarei; pô-lo-ei a salvo, porque conhece o meu nome.
Ele me invocará, e eu lhe responderei; na sua angústia eu estarei com ele, livrá-lo-ei e o glorificarei.
Saciá-lo-ei com longevidade e lhe mostrarei a minha salvação. Salmos 91:1-16

Enviou-lhes a sua palavra, e os sarou, e os livrou do que lhes era mortal. Salmos 107:20

Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor e se compraz nos seus mandamentos.
Não se atemoriza de más notícias; o seu coração é firme, confiante no Senhor.
O seu coração, bem firmado, não teme… Salmos 112:1,7,8

O Senhor está comigo, não temerei. Salmos 118:6

Quando te deitares, não temerás; deitar-te-ás, e o teu sono será suave.
Não temas o pavor repentino…
Porque o Senhor será a tua segurança…

Não te furtes a fazer o bem a quem de direito, estando na tua mão o poder de fazê-lo. Provérbios 3:24-27

Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel. Isaías 41:10

Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes,
nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura (nem qualquer vírus ou doença) poderá separar-nos do amor de Deus… Romanos 8:38,39

E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor, e aquele que permanece no amor permanece em Deus, e Deus, nele.
No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo1 João 4:16,18

Se você se sentiu confortado com esses trechos da Bíblia, compartilhe essa postagem com seus familiares e amigos, e ajude-os também a vencer o medo!

*

O REFERENCIAL DE DEUS RECONHECIDO EM SUA TOTALIDADE!

Quem conhece a Metafísica Absoluta, sabe que a premissa básica desse ensinamento declara que DEUS É TUDO. Em vista disso, toda sua explanação lida com a chamada TROCA DE REFERENCIAL, e isto porque, SENDO DEUS ESPÍRITO, como disse Jesus, e como a humanidade aparenta adotar como verdadeiro o REFERENCIAL DA MATÉRIA, a exigência primeira é a de que ASSUMAMOS RADICALMENTE O REFERENCIAL DO ESPÍRITO, DEIXANDO DE ACEITARMOS E DE ENDOSSARMOS A FALSA CRENÇA COLETIVA DE QUE O REFERENCIAL DA MATÉRIA SEJA REALIDADE.

“No princípio era o Verbo, o Verbo era DEUS; e sem ELE, nada do que foi feito se fez”, disse João, logo no início de seu Evangelho. Em outras palavras, TUDO que aparenta ser “visto como matéria” é ILUSÃO!

Dessa forma, ADOTARMOS O “REFERENCIAL DE DEUS” SIGNIFICA DEIXARMOS DE LADO AS “CREENÇAS MATERIAIS”, RECHAÇANDO A SUPOSTA “MENTE HUMANA”, QUE ERRONEAMENTE INTERPRETA A EXISTÊNCIA, SUGERINDO À HUMANIDADE QUE “A VIDA MATERIAL É REAL”.

“O príncipe deste mundo é o SATANÁS”, disse Jesus! É ele o “PAI DA MENTIRA”,  MENTIROSO “DESDE O PRINCÍPIO”! Jesus endossava João, quando ele disse que “NO PRINCÍPIO ERA O VERBO”, E NÃO MATÉRIA!

“E viu DEUS tudo quanto fizera, e eis que achou muito bom” (Gênesis 1: 31. ASSIM DEUS TESTEMUNHOU QUE O REFERENCIAL DIVINO É O VERDADEIRO, É ESPIRITUAL, E INTEGRALMENTE “BOM”! 

Desse modo, SEJA O QUE FOR, e que se apresente como MALIGNO, é ILUSÃO, MENTIRA DO “PAI DA MENTIRA”, SEM REALIDADE E SEM “LOCAL PARA PODER EXISTIR”. Por isso, na Metafísica Absoluta, é declarado que DEUS É BEM ONIPRESENTE E PERMANENTE, que DEUS É A TOTALIDADE DA EXISTÊNCIA, e que, em face de ser esta a VERDADE, o suposto “MAL NUNCA EXISTIU”, o que explica o que disse Jesus: “NÃO RESISTAIS AO MALIGNO”! Nesta instrução, Jesus ATESTA o que disse DEUS: “ENXERGAR QUE TUDO É MUITO BOM”!

Este é o sentido da chamada “TROCA DE REFERENCIAL”!

A humanidade, quando acredita em Deus, parte de um MUNDO ILUSÓRIO QUE CRÊ EM DOIS PODERES; e assim, pede e mesmo implora a DEUS para que a livre desse irreal “poder maligno”. Este erro absurdo é corrigido pela CONTEMPLAÇÃO DA TOTALIDADE DE DEUS, pela TROCA TOTAL DE REFERENCIAL, e isto a ponto de vivificarmos a Deus reconhecendo que DEUS SABE QUE É TUDO,  E QUE SE EVIDENCIA EM SUA TOTALIDADE, E NÃO EM “PONTOS DO UNIVERSO”!

Na Prática do Silêncio, dê testemunho DE QUE DEUS É TUDO, E QUE SEMPRE SE EVIDENCIA EM SUA TOTALIDADE!

 

Aquieta-te, e sabe: “EU SOU DEUS”, diz o Salmo 46.  UMA SÓ COISA TERÁ VOCÊ QUE FAZER: AQUIETAR-SE E TESTEMUNHAR QUE “EU SOU DEUS” É, AQUI E AGORA, A SUA PERENE IDENTIDADE, NÃO SEPARADA DO TODO, MAS SIM, COMO UMA “UNIDADE” QUE É,  AQUI E AGORA, PERFEITA!

*

NÃO HÁ “MUNDO FENOMÊNICO” EM SUA “CONSCIÊNCIA DE EXISTIR”!

Quando passamos, aparentemente, pela EXPERIÊNCIA DE ILUMINAÇÃO, duas coisas nos chamam prioritariamente a atenção: a primeira, que NÃO OCORRE MUDANÇA EM NOSSA “CONSCIÊNCIA DE EXISTIR”; a segunda, que não ocorre percepção de “começo da Experiência”. E é quando fica entendido que DEUS É A NOSSA IMUTÁVEL “CONSCIÊNCIA ILUMINADA DE EXISTIR”, e o que integralmente DESAPARECE, é a ILUSÃO, que parecia “ter existido”.

E vos também testificareis, pois estivestes comigo “desde o princípio”, disse Jesus. Revelava esta aparente “Experiência de Iluminação” pela qual todos terão de passar.

Nossa “Consciência de Existir” é DEUS! Não teve começo nem terá fim! Tampouco tem qualquer noção de “ilusão” ou de “vida terrena”. Os princípios da Verdade Absoluta são decorrentes do modo unânime com que as revelações absolutas foram vivenciadas por seus autores.

A ILUSÃO É BASICAMENTE “ALGUÉM TORNAR UNIDADE” O QUE É “ILUSÓRIA DUALIDADE”! Leva alguém a afirmar “ter consciência do bem e do mal”, quando, de fato, somente TEM CONSCIÊNCIA DAQUILO QUE DEUS É E RECONHECE!

Fazendo uma analogia, com a “tela do cinema”, as “imagens mutáveis dos filmes” NÃO FAZEM PARTE DELA! Com ou sem filme projetado, A TELA É A TELA, e mais nada!

NA EXPERIÊNCIA DE DEUS, A CONSCIÊNCIA DIVINA DE EXISTIR SE REVELA COMO “NOSSA CONSCIÊNCIA INDIVIDUAL”, E AS ILUSÓRIAS “IMAGENS TERRENAS” SE ESVAEM EM SEU “NADA” ORIGINÁRIO!

A humanidade toda, vista pelos olhos da Verdade, é puramente a Consciência Divina em AUTOEXPRESSÃO!

Quando isso for ACEITO E RECONHECIDO, DEUS SERÁ PERCEBIDO EM SUA TOTALIDADE, e a suposta ILUSÃO será simplesmente AUSÊNCIA, ALGO INEXISTENTE, IMPOSSÍVEL, PORTANTO, DE SER “PERCEBIDO”! 

Aquele que COMPREENDER o que está exposto nesta mensagem, COMPREENDERÁ O QUE DISSE JOEL S. GOLDSMITH, EM TODOS OS SEUS LIVROS:

 “A ILUSÃO NÃO É PESSOAL; A ILUSÃO É PURAMENTE “NADA”! 

JAMAIS “TORNE UNIDADE” AQUILO QUE É “ILUSÓRIA DUALIDADE”! SERIA AFIRMAR UMA “FALSA UNIDADE”,  FORMADA PELA “CONSCIÊNCIA DE EXISTIR E A ILUSÃO”! SERIA A TELA DO CINEMA “INCORPORAR”, EM SI MESMA, AS “IMAGENS DOS FILMES NELA PROJETADOS!

ANTES, “SEPARE JOIO DO TRIGO”, ENTENDENDO A CONSCIÊNCIA DE DEUS SENDO A SUA CONSCIÊNCIA! SEM ILUSÃO! SEM APARÊNCIAS!

 *

NÃO TENTE ELIMINAR A “ILUSÃO DA MENTE” COM A “MENTE EM ILUSÃO”!

Há milênios que Buda, tendo enxergado a Realidade iluminada, deixou de “ver o mundo de nascimentos, doenças, mudanças e morte” como verdadeiro! QUE LHE HAVIA OCORRIDO? APENAS O SEGUINTE: HAVIA VISTO O UNIVERSO “SEM A MENTE EM ILUSÃO”!

Tendo conhecido esta Verdade, quis passá-la à humanidade, dizendo: “Não se elimina a “ilusão da mente” com a “mente em ilusão”. Contudo, a humanidade não quis “pagar o preço pago por ele”, que foi TROCAR A” “MENTE EM ILUSÃO” PELA “MENTE SEM ILUSÃO”!  Meditando, trocara ele a “mente que via o mundo dos fenômenos” pela “MENTE QUE VIA O NIRVANA”, intuindo que esta “MENTE SEM ILUSÃO” TERIA DE ESTAR EXISTINDO, O QUE LHE RENDEU A “ILUMINAÇÃO” E A CONDIÇÃO DE “DESPERTO”!

Que seria a “MENTE SEM ILUSÃO”?

Há tempos, viajando e acompanhado por um parente, disse-me ele: “O dia hoje está feio, escuro e com jeito de que vai chover”! Olhando para ele, eu disse: “Experimente tirar seus óculos escuros!” Assim, ele pôde contemplar o ensolarado dia que estava vivendo, pois, até então, não havia percebido que seus óculos eram a causa de sua ilusória constatação anterior! Nem se dava conta de estar com eles em uso!

A “MENTE EM ILUSÃO” apenas reconhece o “real” REINO ILUMINADO como um “sombrio mundo do pai da mentira”! Por isso, Buda o taxou de ILUSÃO! Que fez o mundo? NÃO FEZ NADA, quando deveria ter percebido a grandiosidade da revelação e ter se dedicado prioritariamente a ENTENDER QUE “ILUSÃO É NADA”!

Com “óculos escuros”, a ILUSÃO DE DIA ESCURO poderia APARENTAR SER VISTA, ESCONDENDO A VERDADE TAL COMO REALMENTE O DIA ERA: ILUMINADO E BONITO! Foi o que disse BUDA: “Não se remove a ilusão da mente com a mente em ilusão”!

A humanidade não entendeu nem quis entender o que, de fato, se fazia necessário: PARAR DE OLHAR A EXISTÊNCIA COM AS LENTES DA “MENTE CARNAL”!

Muitos dizem “estudar a VERDADE”, porém, continuando normalmente a VER O MUNDO DA ILUSÃO COM A MENTE EM ILUSÃO!

O mesmo erro foi também notado e alertado por Jesus e Paulo, que disseram: “vivemos em Deus com a mente iluminada de Deus!” Dele jamais recebemos a “mente carnal ilusória”, que acredita enxergar seu “escuro mundo de fenômenos fantasiosos”! E DE NADA NOS ADIANTARIA RECLAMAR DE TUDO COM ESTA “MENTE EM ILUSÃO”!

TODOS OS FILHOS DE DEUS SÃO O QUE DEUS É, VIVENDO NO UNIVERSO ÚNICO E ILUMINADO  DA UNIDADE PERFEITA!

ENQUANTO A “MENTE CARNAL” OU A “MENTE EM ILUSÃO” FOR ACEITA PELA MAIORIA, SEJA COM O NOME DE “NIRVANA”, SEJA COM O NOME DE “O REINO DEUS”, O RESPLANDECENTE E ABSOLUTO “MUNDO DA VERDADE” FICARÁ APARENTEMENTE “OCULTO”, ENQUANTO O “MUNDO DA MENTIRA” FICARÁ SENDO A ILUSÃO “VISTA” COMO “ALGO EXISTENTE”, MESMO SENDO PURÍSSIMA “IMAGEM MENTAL HIPNÓTICA”, OU “NADA”!

*

“SE ESTE HOMEM FOSSE UM PROFETA…!”

Por mais que Jesus demonstrasse “sinais”, curando, perdoando pecadores e ressuscitando “mortos”, por mais que fosse criativo em pregar a Verdade através de parábolas, nem assim conseguia cumprir sua intenção de “testemunhar a Verdade que somos”!

A atração do vazio “mundo fenomênico”, até hoje aparenta ser real para a maior parte da “sombra” chamada “existência terrena”. Cega para a Verdade, segue a maioria lutando para “conservar um corpo feito de nadas”, confundindo Suprimento com “dinheiro e posses materiais”, e agindo como fariseus,  assim como aquele que convidara Jesus a comer em sua casa e a sentar-se à sua mesa, enquanto uma conhecida mulher de má vida, que soube da presença de Jesus no local,  foi até ele com um frasco de alabastro cheio de perfume puro. Pôs-se atrás de Jesus e, chorando muito, molhava-lhe os pés com as lágrimas e enxugava-os com os cabelos, beijando-os e deitando-lhes perfume. Vendo aquilo, o fariseu disse consigo mesmo: “Se este homem fosse um profeta devia saber que espécie de mulher é esta que lhe está a tocar nos pés, pois é uma pecadora.”

Assim julgando pelas “aparências fenomênicas”, acreditava o fariseu que um “profeta verdadeiro” deveria agir como ele próprio! Em vez de entender o “juízo justo”, que Jesus pregava, em oposição ao “juízo pelas aparências fenomênicas”, adotado pelo fariseu, passou ele a desacreditar de Jesus, por NÃO SABER QUE ESPÉCIE DE MULHER ERA AQUELA!

Há tempos, tendo tido conhecimento de que um cristão italiano,

 filiado à Renovação Carismática, faria uma palestra sobre “cura espiritual” em Campinas. Interessei-me por ouvi-lo e fui ao Liceu, local em que seria feita a palestra. A igreja estava lotada, as ruas próximas ficaram todas tomadas pelos carros, de tanta gente que veio ao local. O palestrante começou a falar, e houve um grande silêncio. De repente, um homem começou a gritar dentro da igreja, dando ares de insanidade, e, para minha grande surpresa, o palestrante interrompeu sua fala, chamou os seguranças, e ordenou que retirassem o homem do local. Enquanto era retirado, disse ele a todos os presentes: “Deus é Deus da Paz, não de confusão!”

O homem foi retirado e eu também me retirei! Só me vinha à mente que JAMAIS JESUS FARIA AQUILO! E cristão que age como Jesus não agiria, não tem moral para falar sobre “cura espiritual”. A meu ver, deveria conduzir o homem à frente, e ORAR POR ELE, INCITANDO OS PRESENTES A ACOMPANHÁ-LO.

Como disse Mary Baker Eddy, “a cura é o sermão maior!”.

Atualmente, a pressão coletiva que o erro faz  contra a Verdade requer muito mais dedicação e disciplina do que em tempos atrás, àquele que se interessa pelas curas divinas, pois a humanidade, com seus tablets, celulares e a mídia toda, recebe uma “carga cavalar” de ideias e pensamentos contrários à Verdade!

TREINAR A PRÁTICA DO “JUÍZO JUSTO”, QUE SIGNIFICA “CADA UM SE HONRAR COMO HONRA O PAI”, pode se iniciar com um uso muito disciplinado dos atuais “meios de comunicação”, para que possamos, como desejava Jesus, “dar testemunho da Verdade”, sem “julgarmos o mundo, e aqueles que o habitam” pelas APARÊNCIAS!

Ao fariseu, assim disse Jesus::

“Vês esta mulher? Entrei em tua casa e não me deste água para os pés, mas ela lavou-mos com lágrimas e enxugou-os com os cabelos. Não me recebeste com um beijo, mas ela, desde que entrou, não deixou de me beijar os pés. Não me deste óleo perfumado para a cabeça, mas ela deitou-me perfume nos pés. Digo-te que os seus muitos pecados lhe foram perdoados, por isso mostrou muito amor. A quem pouco se perdoa, pouco amor mostra.” Depois disse à mulher:

“Os teus pecados estão perdoados” (Lucas cap.7).

 *

A NATUREZA DO HOMEM- 3

3

Devido à praticidade que caracteriza a Ciência Cristã, as majestosas verdades espirituais são aplicáveis aos pequenos detalhes da vida diária, até mesmo à cura do que é chamado de simples resfriado. Tive uma cura assim um dia desses, aplicando as verdades contidas neste artigo. Sentia-me muito mal, e estava longe de parecer um todo harmonioso! A ignorância mortal sugeria que eu estava presa num corpo material que podia ter uma parte doente, enquanto o restante estava normal; que eu podia estar bem num dia e doente no outro.

Peguei a Bíblia e ela se abriu em Hebreus, onde li:

“Pela fé entendemos que foi o Universo formado pela palavra de Deus, de maneira que o visível veio a existir das coisas que não aparecem”.

Ótimo, pensei. Pela autoridade da Bíblia sei que sou, na verdade, uma ideia, refletindo a substância espiritual, não a material, como parecia. Sou tão pouco sujeita a uma condição material, a um resfriado, quanto o algarismo um na matemática ou a nota na escala musical. Percebi que toda ideia é destituída da noção de tempo; ela não existe de acordo com parâmetros temporais, sob diferentes condições em diferentes épocas.

Então refleti em oração sobre a natureza da fonte que determina minha condição imutável. Na Bíblia, no livro de Isaías, o autor pergunta:

“Quem na concha de sua mão mediu as águas, e tomou a medida dos céus a palmos? Quem recolheu na terça parte de um efa o pó da terra, e pesou os montes em romana e os outeiros em balança de precisão?” Através da oração senti ordem tangível, economia perfeita, onde não pode haver excesso, nem deficiência; senti algo do equilíbrio e da pureza do Princípio divino. Sabia que esse era o Princípio de todo o meu ser, ali mesmo, independente da falsa evidência material em contrário. Deus não podia ser causa de uma parte de mim, fazendo essa parte funcionar normalmente (minha habilidade de me mover estava bem! Minha moralidade estava intacta!), enquanto outra causa governava minha habilidade de respirar. O homem não consiste de muitas partes, mas é um todo íntegro.

Instantaneamente, minha cabeça e peito ficaram desimpedidos. Não foi como se alguma substância houvesse vazado ou tivesse sido expelida. Só sei explicar que foi como se de repente eu tivesse ficado livre de uma ilusão. Num momento o resfriado era uma convicção concreta com o respectivo mal-estar; no momento seguinte não era mais aceito no pensamento nem no corpo. Percebi que o homem, como ideia completa, íntegra, a expressão do Princípio perfeito, é influenciado e governado apenas pelas leis sustentadoras do Princípio, o Amor, não pelas variações da matéria. Perceber a unidade de Deus e o fato de que Sua ideia espiritual está intacta, havia me curado!

Será que uma ideia pura poderia ser parcialmente impura? Será que o Princípio pode ser tanto ordenado quanto caótico? Cristo Jesus trouxe à percepção humana a noção de que o homem é completo, provando que o homem não é feito de partes materiais, capaz de ver, mas não de ouvir, capaz de amar, mas não de andar. Com visão espiritual Jesus viu que toda a pretensão de fragmentação física é ilusória. As qualidades e atributos divinos refletidos, os quais constituem o homem espiritual, não devem ser considerados “partes”, mas aspectos de um todo íntegro que nunca dá defeito, nem quebra. Cortes, ossos quebrados, personalidades divididas ou qualquer outra forma de divisibilidade não precisam ser aceitas como o verdadeiro status do homem.

A realidade é, em verdade, unidade espiritual, integridade, à qual nada falta. Como ela é impenetrável, indivisível, o fato científico é que por podermos ver, podemos ouvir. Por podermos ouvir, podemos ser ativos. Por podermos ser ativos, somos inteligentes. Por sermos inteligentes, somos amorosos. Por sermos amorosos, estamos espiritualmente empregados. Por estarmos espiritualmente empregados, somos supridos. O homem é uma ideia composta, completa, e a lei de Deus o mantém e sustenta intacto.

Na verdade, então, não somos uma entidade material governada por um cérebro e composta de partes separadas; somos a semelhança completa, intacta e espiritual de Deus. Compreender essa ideia correta sobre o homem tem o efeito prático de restaurar os doentes e os pecadores à integridade. A verdade de que nenhum indivíduo pode ser menos do que completo reforça nosso empenho em expressar mais e mais de nossa superioridade, dada por Deus, sobre as pretensões tanto da matéria quanto do pecado, aqui e agora.

Assim como nós somos a causa de cada aspecto de nosso reflexo num espelho, Deus é a Causa de cada aspecto de Seu reflexo, o homem e o universo. O homem, como reflexo, não pode ser parte espiritual e parte material, ou parte mortal e parte imortal. A integridade do Princípio divino é a lei de eliminação destas incoerências ilusórias. O homem é, como a Ciência Cristã ensina, “governado e protegido por seu Princípio divino, Deus”, inteiro, santo, livre da materialidade.

F I M

(Extraído de O Arauto da Ciência Cristã – Abril 1995)

 

 

A NATUREZA DO HOMEM-2

2

A verdade espiritual nos reeduca, corrigindo a impressão equivocada quanto ao homem como uma fração, uma germinação material, que se desenvolve para depois se deteriorar. A Verdade revela o estado genuíno do homem como uma imagem completa, que está sempre se desdobrando, de tudo o que constitui o Espírito divino. Uma compreensão da indivisibilidade do homem anula a aceitação impensada da mentira mortal de que a vida é uma troca, que começamos a vida como um bebê incompleto que, apesar de inocente e puro, não tem experiência, sabedoria, discernimento e paciência. Parece que essa criança tem de alterar suas jovens qualidades para poder adquirir aspectos de maior maturidade. No entanto, através da Ciência Cristã, descobrimos que nós e nossos filhos temos o direito divino de expressar inteireza inalterada. O homem reflete a inteireza espiritual como imagem de um Pai-Mãe ilimitado. Essa integridade da verdadeira identidade pode ser demonstrada em nossa experiência à medida que a compreendemos e a vivemos. Uma vez aberto o pensamento a essa possibilidade, através do Cristo, que é a verdadeira ideia de filiação, a demonstração de nossa verdadeira natureza pode começar.

Não pode haver incoerência entre uma unidade individual e o todo que ela representa. Esta dedução tem a autoridade do Cristo, a Verdade, a apoiá-la, e nos investe do poder de adquirir domínio sobre o processo mortal de envelhecimento. À medida que compreendemos o fato espiritual a respeito da integridade do homem, podemos ajudar as crianças a expressarem mais independência e a merecerem confiança, e aqueles “idosos” perceberão que suas capacidades se mantêm constantes e normais, livres de enfraquecimento e decrepitude. Não é necessário abrir mão do entusiasmo para preservar a força, nem da flexibilidade para desfrutar da estabilidade.

O estado intacto, imperturbável, do Espírito divino assegura que o homem como ideia do Espírito também é intacto. Como a fonte é eternamente perfeita, sua manifestação não pode ser nada menos que isso.

Tiago disse bem: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito é lá do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não pode existir variação ou sombra de mudança” (Tiago 1:17).

  1. Continua..>

A NATUREZA DO HOMEM-1

1

VOCÊ está querendo ser curado? Ser curado muitas vezes é descrito como “tornar-se completo”. Um dos conceitos sanadores mais abrangentes na Ciência Cristã é o da natureza do homem como uma expressão completa, indivisível, de Deus.

Mary Baker Eddy, que apresenta a Ciência divina da cura em sua descoberta da Ciência Cristã, faz uma declaração que é a base de uma compreensão constantemente eficaz sobre a verdadeira natureza do homem. Ela escreve: “Será que o homem não é metafísica e matematicamente o número um, uma unidade,e portanto um algarismo completo, governado e protegido por seu Princípio divino, Deus?”

Considere Deus como o Princípio divino do ser, a própria Vida. Como Deus é o único Criador e é infinito, de um modo individual Seu reflexo necessariamente manifesta, qualitativamente, a totalidade de Seu ser como uma unidade plena ou representativa d’Ele. Uma unidade implica estar intacto, inteiro, um todo indivisível. Como semelhança de sua origem, cada filho de Deus, de um modo distinto, individual, manifesta a inteireza de Deus, que é Tudo e sabe tudo.

Os problemas corpóreos que queremos curar são os efeitos subjetivos da crença de que o homem é uma máquina pessoal, biológica, composta de diferentes sistemas e órgãos materiais, às vezes saudável, às vezes doente, jovem e depois velho. Estas máquinas podem supostamente ser afligidas em parte; o aparelho digestivo pode estar com defeito, enquanto as funções motoras estão funcionando bem, por exemplo.

Essa noção falsa sobre o homem é o exato oposto do homem verdadeiro, espiritual, à imagem e semelhança de Deus. Cristo Jesus claramente indicou essa verdade, quando disse: “O Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai, porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz”. E ele disse: “Porque assim como o Pai tem vida em si mesmo, também concedeu ao Filho ter vida em si mesmo”.
A Sra. Eddy discorre mais amplamente sobre a natureza do homem como reflexo espiritual, quando escreve em Ciência e Saúde: “Deus é o criador do homem, e como o Princípio divino do homem permanece perfeito, a ideia divina ou reflexo, o homem, permanece perfeito. O homem é a expressão do ser de Deus”. E continua mais adiante: “As relações entre Deus e o homem, o Princípio divino e a ideia divina, são indestrutíveis na Ciência e a Ciência não concebe um desgarrar-se da harmonia, nem um retornar à harmonia, mas sustenta que a ordem divina ou lei espiritual, na qual Deus e tudo o que Ele cria são perfeitos e eternos, permaneceu inalterada em sua história eterna”.

 

Assim como cada número inteiro na matemática, assim também cada um de nós, como expressão individual do Princípio divino, a Vida, tem uma identidade nítida. Temos nosso próprio nicho no plano de todas as coisas – um propósito ordenado pelo Princípio que ninguém mais pode preencher, assim como temos um relacionamento, baseado no Princípio, como todas as outras ideias de Deus. A integridade de cada expressão de Deus é mantida pelo Princípio, Deus.

Continua…

 

 

 NADA PODE SER ACRESCENTADO NEM TIRADO DO CRISTO QUE VOCÊ É!

“Eu sei que tudo quanto Deus faz durará eternamente; nada se lhe deve acrescentar, e nada se lhe deve tirar; e isto faz Deus para que haja temor diante dele”.. 

Eclesiastes 3: 14

Se perguntarmos a alguém: “Você acredita na Bíblia?”, caso ele diga que sim, poderemos fazer-lhe duas outras perguntas: “Você acredita que um corpo carnal pôde ser-lhe acrescentado? Acredita que  a sua saúde pôde ser-lhe tirada alguma vez?” Como seriam as suas respostas?

A Bíblia garante ser impossível algo nos ser acrescentado ou tirado! O ensinamento absolutista concorda com a Bíblia, e ambos chamam de mentirosas as CRENÇAS COLETIVAS engendradas pela suposta “mente carnal”!

“Negar-se a si mesmo”, entendido verdadeiramente, é simplesmente RECONHECER QUE NUNCA ALGO COMO UM “CORPO NASCIDO” FOI-NOS ACRESCENTADO OU NOS PODERIA SER TIRADO, PRINCIPALMENTE LIGADO AO CRISTO QUE SOMOS!

Por que sempre esta mente falsa conta com o endosso coletivo da humanidade?  Por forjar ela “imagens aparentemente vistas”, que mostram seguidamente algo nos sendo acrescentado ou sendo tirado! Por isso, Jesus deu ao ilusório “mundo de aparências” o rótulo de “mundo do pai da mentira”! Por toda parte são “vistas” as “aparências” de perdas e ganhos, sem que nenhuma delas tenha realidade e muito menos o respaldo de Deus ou das Escrituras!

Não precisamos de pedir nada a Deus, disse Jesus! “O Pai conhece as nossas necessidades antes que Lho peçamos!” Que podemos e devemos fazer? “Conhecer a Verdade”, disse ele. “Errais por desconhecerdes as Escrituras e o Poder de Deus”.

A humanidade, acreditando ter sempre ALGO SENDO-LHE ACRESCENTADO E TAMBÉM TIRADO, RI E CHORA SEGUIDAMENTE EM FUNÇÃO DE SUAS CRENÇAS ERRADAS! Comporta-se como se fosse “apartada de Deus” e de sua permanente “herança divina”.

O ensinamento verdadeiro não prega “ganhos materiais”, chamados por Jesus de “bens acrescentados”. “Aquele que permanecer em MIM, dará frutos”, disse Jesus! Sabia que TUDO QUE DEUS POSSUI É DE TODO FILHO DE DEUS, e sabia que TENDO ESTE CONHECIMENTO, aos olhos do mundo, “os bens visíveis necessários pareceriam lhe vir acrescentados”, enquanto, na verdade, NADA PODE SER ACRESCENTADO A UM FILHO DE DEUS, POR SER COMPLETO E JÁ TER GANHO DE DEUS O SEU REINO DE GLÓRIA E DE BÊNÇÃOS INFINITAS!

Você é O CRISTO em sua TOTALIDADE, isto é, A SUA IDENTIDADE É CEM POR CENTO ESPIRITUAL E CRÍSTICA, POIS DEUS É ESPÍRITO, É LUZ, E SOMOS O QUE DEUS É!

Aquele que PERMANECE atento a esta Verdade, sabe que NASCIMENTOS, MUDANÇAS E MORTES, não fazem parte de sua existência! E estará se lembrando das palavras de Jesus, quando disse:

“E VÓS TAMBÉM TESTIFICAREIS, POIS, ESTIVESTES COMIGO DESDE O PRINCÍPIO”!

*

A GRANDEZA DO AMOR DIVINO -3

III

No decorrer dos anos, tive muitas provas de que o reconhecimento desse puro amor de Deus por Seus filhos, cura. Mas, para realmente sentir o efeito desse amor curativo, temos de aceitar a descrição que Habacuque faz de Deus:

“Tu és tão puro de olhos, que não podes ver o mal, e a opressão não podes contemplar”.

Embora eu tivesse ganho, desde aqueles primeiros dias, uma compreensão mais clara do amor de Deus por mim e de meu valor como Seu reflexo, ainda me achava acreditando numa identidade que podia tornar-se presa das crenças mortais. A esta altura, foi-me dada a oportunidade de aprofundar minha compreensão do Amor divino. Fui curada instantaneamente de um mal interno de longa data, quando vi, por fim, com repentina clareza, que a mente mortal e eu nada tínhamos em comum. Minha identidade real e única não tinha parte alguma com o problema. Como a mente mortal não podia ser a minha mente, eu não me achava enredada pelas crenças mortais nem a elas estava tentando destruir – nem estavam elas tentando destruir a mim. Compreendi que por ser Deus a única Mente, Deus era toda a Mente que eu podia ter. Tive de desfazer-me do sentido mortal de conexão com a matéria e encontrar minha identidade na totalidade do Espírito. Então senti a grandeza do amor de Deus, um amor que nunca me havia deixado vulnerável para ser tentada ou enganada. Eu sabia que o Amor divino era absolutamente forte e inegável. Na radiação dessa verdade espiritual, as trevas tinham de desaparecer, e desapareceram.

Dei-me conta de que eu havia estado procurando evocar o amor de Deus para efetuar uma mudança em meu estado. Nesse momento de inspiração mudou-se minha perspectiva, e dei-me conta de que a grandeza do amor de Deus estava bem acima daquilo a que eu estivera me atendo. Seu amor é absoluto e infinito. Deus não permite a doença nem a compreende. Percebi que exatamente ali meu ser real e único estava livre e era são.

Essa compreensão veio de Deus, que me falou, transmitindo Sua verdade à minha consciência, mediante o Cristo. Eu havia preparado o pensamento para aceitar essa verdade mediante oração, por meio da gratidão, da obediência e da coragem. É pelo exercício das qualidades do Cristo que a luz curativa vem graciosamente à nossa experiência como realidade.

Essa compreensão do Amor divino faz parte da maravilhosa descoberta que a

Ciência Cristã traz a esta era moderna. Com a autoridade derivada dos escritos inspirados e dos exemplos contidos na Bíblia, a Ciência fornece uma compreensão demonstrável de como Jesus curava. Ela satisfaz os nossos anseios espirituais pelo bem supremo. Eleva nosso apreço pela Divindade, a fim de vermos a grandeza de seu amor – um amor por demais puro e poderoso para incluir o mal, um amor no qual encontramos nossa própria identidade como Sua expressão e descobrimos o bem-estar indescritível de cada um de nós. 

FIM

(Extraído de O Arauto da Ciência Cristã – Março 1983)

A GRANDEZA DO AMOR DIVINO-2


II

A mente mortal procura induzir-nos a crer que estamos vivendo na matéria e, por consequência, encontramo-nos indefesos sob suas leis. Alegaria governar-nos, sujeitando-nos à doença e ao pecado, e só nos libertaria depois da morte a um Deus pouco compreendido. Esse Deus de tristezas e paixões humanas é feito à  semelhança de um supermortal. Partindo desse ponto de vista mortal, a oração não valeria muito a pena. Poderia acalmar o pensamento, dar-lhe orientação ou alguma esperança. Mas a confiança do salmista, que escreveu: “O Senhor é a fortaleza da minha vida, a quem temerei?”, assenta em prova mais firme do amor de Deus do que a encontrada mediante anseios mortais.

Não encontramos respostas para a realidade suprema do ser e a natureza real do homem analisando os registros das crenças materiais coletivas. Desde o início e por toda a história, a realidade pura se tornou aparente apenas a indivíduos de pendor espiritual, tal como a luz irrompe através de uma fresta nas nuvens.

Cristo Jesus foi caracterizado por seus contemporâneos, bem como por si mesmo, como uma “luz” que veio ao mundo para curar e regenerar. Como é que ele fazia tal coisa? Referia-se continuamente ao fato de ser inseparável de seu Pai; repetidamente explicava ser o poder de Deus – o poder da Verdade e do Amor – o que realizava as curas. Não se deixando iludir por qualquer quadro aterrador, Jesus ia à raiz do problema e percebia a pretensão irreal exercida sobre a mentalidade do paciente.

“Ela não está morta, mas dorme”, disse. E então, não permitindo que o problema permanecesse nem mesmo sob a forma de sonho, despertou da morte uma menina.

A Bíblia diz-nos que Deus, sendo Espírito, é Tudo-em-tudo. Amor infinito, toda verdadeira substância; é íntegro, bom, o Criador todo-amoroso, o terno Pai-Mãe. Essa compreensão gloriosa traz-nos cura, porque nos eleva acima do testemunho do sentido mortal, e porque é realmente verdadeira. A Sra. Eddy diz-nos:

“Deus se compadece de nossas mágoas com o amor de um Pai para com Seu filho – não por tornar-se humano conhecendo o pecado ou o nada, mas eliminando o nosso conhecimento daquilo que não é. Ele não poderia destruir totalmente nossas aflições se Ele tivesse algum conhecimento delas. Sua compaixão é divina, não humana. É o conhecimento de sua própria infinidade o que proíbe a existência genuína de qualquer pretensão do erro. Esse conhecimento é a luz na qual não há trevas – não uma luz contendo trevas em si mesma”.

Neste universo espiritual, a função do homem é refletir, expressar, ser a ideia dessa Mente amorosa que a tudo envolve. Essa unidade da Mente e sua ideia é permanente e já é um fato estabelecido. O amor divino está em ação, atuando, vendo, conhecendo, mantendo o homem. Ao reivindicarmos conscientemente essa lei como verdadeira a nosso respeito e a respeito de outros, perceberemos uma grande diferença em nossa vida.

Continua..>

A GRANDEZA DO AMOR DIVINO -1

I

Numa de suas epístolas, João diz-nos: “Vede que grande amor nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus; e, de fato, somos filhos de Deus. Por esta razão o mundo não nos conhece, porquanto não o conheceu a ele mesmo”. As implicações dessas palavras levam-nos a compreender a natureza espiritual de Deus e do homem. O amor aí implícito é infinito e divino, e eleva nossa definição de homem bem acima “do mundo”, ou da mortalidade. Esse amor revela o homem como intocado, até mesmo desconhecido, pela matéria ou pelo modo de pensar mortal. No âmago da Ciência Cristã está essa compreensão de que Deus é Amor divino.
 
Quando jovem, frequentei mais de uma Escola Dominical protestante, às vezes na companhia de meus pais e, às vezes, com uma vizinha. Fiquei com a impressão de que Deus era um juiz inexorável que observava cada um de meus atos. Fui ensinada a me sentir indigna de Seu amor, ainda que Deus me amasse apesar de meus pecados. Esforçava-me por ser boa pessoa, mas, apesar de meus esforços, todos os domingos eu tinha de repetir em voz alta, com as demais pessoas, que eu era uma pecadora miserável. Sentia-me confusa. Por certo Deus não amava o pecado. Como poderia amar a mim, uma pecadora?
 
Quando estava com onze anos de idade, tive um acidente no mato. Enquanto me debruçava para colher avencas nativas, a ponta de um galho entrou num de meus ouvidos, perfurando o tímpano. Minha avó, que ouvira contar algo a respeito da Ciência Cristã, sugeriu que a experimentássemos. Foi a primeira vez que fiquei sabendo de um Deus de amor que, de fato, não tem conhecimento do mal. Deus me amava, não apesar de meus pecados, mas porque apenas via a minha identidade espiritual, real, que Ele havia criado. Essa identidade é impecável e Deus a mantém assim.
 
Essa era uma dimensão inteiramente nova. Eu podia compreender como Deus era capaz de amar um ser espiritual, perfeito. Isso também esclareceu algumas dúvidas que eu tinha com respeito à capacidade de Deus, de criar um produto bom. Indagara-me por que Deus haveria de criar um homem suficientemente fraco para ser tentado, se apenas o viria a punir por ser vulnerável.
 
Naquela época, esse novo ponto de vista exigiu que eu desse um salto de fé. Eu tinha de desistir do quadro mortal de homem que me havia sido ensinado (e que parecera tão evidente) toda a minha vida. Mas, fazia para mim sentido tão maior que um Deus bom  haveria de criar um homem bom, que tranquilizei-me com essa confiança. Dentro de pouco tempo, eu estava completamente curada e recuperara a audição perfeita. Que alegria, quando meus pais me colocaram na Escola Dominical da Ciência Cristã.
 
Nela aprendi que esse Pai-Mãe celeste, o Amor divino, não consente que Sua criação totalmente espiritual, o homem, peque ou adoeça. Seus filhos são sempre a expressão d’Ele mesmo, refletindo as qualidades divinas do bem infinito. Que gratidão, que calorosos sentimentos brotam de se saber que esse divino Pai-Mãe nunca é negligente em manter-nos, nunca nos deixa afundar em águas perturbadas, nunca nos deixa afogar no pecado! Nem sequer por um instante o filho por Ele criado é menos do que o produto brilhante, encantador, puro e radiante do ser divino, singular para Deus, precioso e necessário para Deus. Quão grande é seu amor por nós! Quão satisfeito está Deus com o nosso reflexo inevitável de Sua natureza divina! Tão perto quanto um pensamento está da Mente que o concebe, estamos nós da inteligência divina cuja ideia somos.
 
A Ciência revela a esta época a unidade espiritual entre Deus e o homem, a qual Jesus ensinou. Mary Baker eddy, Descobridora e Fundadora da Ciência Cristã, diz-nos em Ciência e Saúde: “Esta é a doutrina da Ciência Cristã: que o Amor divino não pode ser privado de Sua manifestação, ou objeto, que a alegria não pode ser convertida em tristeza, porque a tristeza não é senhora da alegria; que o bem jamais pode produzir o mal; que a matéria jamais pode produzir a mente, nem a vida pode redundar em morte. O homem perfeito – governado por Deus, seu
Princípio perfeito – está isento de pecado e é eterno”.
 
A sra. Eddy  descreve a existência mortal como um estado de sonho da “mente mortal”. Diz: “Se Deus conhecesse o mal, mesmo como pretensão falsa, esse conhecimento manifestaria o mal n’Ele e procederia d’Ele. A Ciência Cristã mostra que a matéria, o mal, o pecado, a doença e a morte não passam de negações do Espírito da verdade e da Vida, que são positivos e que não podem ser negados. Os estados subjetivos do mal, chamados mente mortal ou matéria, são estados negativos destituídos de tempo  e espaço; pois não há outro fora de Deus, ou Espírito, e da ideia do Espírito”.

Continua..>

 

VENCENDO AS CRENÇAS COLETIVAS

O que é uma crença coletiva? É quando um grande número de pessoas acredita em algo, e parece que esse algo ganha poder devido à quantidade de pessoas que nele acreditam.

Quando parece que todo mundo acredita em algo errado, achamos que é difícil nos defender dessa crença coletiva, não é mesmo? A crença em uma economia instável, a crença em doenças, em  desequilíbrio da natureza… são alguns exemplos de crenças coletivas. Cada uma delas pode ser vencida com a compreensão da verdade espiritual oposta.

Mas daí vem a pergunta: Será que eu sozinho consigo vencer uma crença que é aceita por inúmeras pessoas?

A resposta é: eu não estou sozinho. Estou com Deus. Deus é a Verdade. A Verdade é onipotente, ou seja, ela tem todo o poder. O meu pensamento sozinho não tem poder, mas quando ele está cheio da Verdade divina, ela é que tem poder mais que suficiente para vencer qualquer tipo de erro, mesmo que este erro pareça estar no pensamento de muitos

Podemos também nos perguntar: Se muitas pessoas acreditam em uma mentira, será que essa mentira passa a ser verdade? Se todo mundo acreditasse que 2+2 = 5, isso se tornaria real? Claro que não. Se todo mundo acredita que o homem é mortal, sujeito ao pecado, a doenças e à decadência, essa mentira se torna verdade? Não. A verdade absoluta é que em essência o homem é espiritual, imortal, eternamente santo e sadio, pois ele reflete Deus, que é a Vida, a Verdade e o Amor infinitos.

Temer as crenças coletivas seria como acreditar que cada mente mortal fosse um pequeno deus. Muitas mentes mortais acreditando em algo seria como se muitos pequenos deuses se unissem e formassem um grande deus, chamado pensamento coletivo, ou crença geral. Mas o fato é que só existe um Deus, uma só Mente. E essa Mente sabe toda a verdade. Essa Mente é a Verdade. Ela é o único poder.

“Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom” (Genesis 1:31). Deus só criou o bem. A realidade de Deus é totalmente boa, e a crença coletiva não pode mudá-la.

A Bíblia nos diz: “Filhinhos, vós sois de Deus e tendes vencido os falsos profetas (ou falsas crenças), porque maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo” (1 João 4:4). Ou seja, maior é a compreensão que há em nós, do que as crenças que há no mundo. Maior é a natureza divina em nós, eternamente santa e saudável, do que o pecado e a doença que há no mundo. Maior é o Cristo em nós, do que o erro que está no mundo.

Certa vez, tive a oportunidade de aplicar essas ideias quando orava para me curar de um resfriado. Achei que seria importante vencer a crença e o temor de que os pensamentos da sociedade em relação a esse assunto estavam me influenciando.

Eu pensei: eu não sou afetado pelas crenças coletivas, não importa quantas pessoas acreditem na doença, essas crenças não me afetam. Eu só sou afetado pelos pensamentos de Deus. Deus só criou a saúde. Ele só conhece a saúde. Ele sabe que eu sou saudável, porque Deus me criou à Sua imagem e semelhança, refletindo toda a saúde que vem dEle. Só os pensamentos de Deus é que pousam sobre mim. Eu só sou influenciado por Deus e Seus pensamentos. Eu não estou sujeito às crenças doentias dos outros. Eu só estou sujeito a Deus e Suas ideias sanadoras.

Daí notei que eu estava dividindo o mundo em dois opostos: as mentes mortais e a Mente divina. Então percebi esse erro. Passei a negar que existam mentes mortais aos milhares, que pensam coisas erradas e que tais pensamentos tenham poder. Não. Só existe a Mente divina e Suas ideias. Só existe Deus e Seus pensamentos. Ele é a única Mente. Todos nós refletimos esta Mente única. Nenhum de nós tem uma mente separada de Deus, que possa pensar no erro ou ser influenciada pelo erro. “A Ciência diz: tudo é a Mente e a ideia da Mente. Tens de manter essa linha de combate.” (Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras, p. 492) Ou seja, temos que lutar mentalmente defendendo esta Verdade absoluta: “Tudo é a Mente infinita e Sua manifestação infinita, porque Deus é Tudo-em-tudo” (ibidem, p.468).

Senti que esta oração foi eficaz, pois o resfriado cedeu rapidamente. No dia seguinte, já me sentia curado e livre. Daí percebi que, em nossas orações, é muito importante vencer a crença em crenças coletivas. Reconhecer que Deus é a Mente única, e que os pensamentos maravilhosos de Deus preenchem toda a atmosfera mental.