A BASE FILOSÓFICA DO IDEALISMO ABSOLUTO

Masaharu Taniguchi

Para curar com a Verdade, jamais se deve ver o homem como entidade corporal. A convicção comum da humanidade é que a matéria eventualmente perderá seu presente equilíbrio químico e de um estado mais complexo, regressará a outro mais simples. No ponto de vista de que o homem é matéria, encontramos implicações de sua destrutibilidade e inconstância. Na idéia de que o homem é corpo carnal também implica a idéia de que pode ser invadido e morto por germes, vírus, bactérias, etc.
 
Conseqüentemente, ao guiar alguém à cura, não se deve ver ao homem como uma entidade física, pois esta idéia implica em destrutibilidade, inconstância e doença. Deve-se, sim, ver o homem como um ser espiritual, eternamente indestrutível. Não importa quão crítica possa ser a condição presente, ou quão débil possa achar-se a pessoa, não se deve deixar preocupar por tais condições, que são apenas fenômeno e não realidade. Qualquer coisa fenomênica é meramente uma sombra, a sombra não é o objeto real. O que não é real só pode ser falso. A falsidade apresenta como existente o que não existe de verdade. O que não existe, logicamente, é inexistente. Um corpo inexistente manifesta uma doença inexistente, mas ninguém deve permitir que sua atenção seja capturada por semelhante falsidade. O filósofo tem que ver a verdade. Deve meditar sobre a verdade de que o homem é FILHO DE DEUS, portanto um SER ESPIRITUAL. Ninguém pode realizar a cura metafísica, se as aparências fenomênicas lhe causam preocupação e inquietações. A terapia metafísica, baseada no idealismo absoluto, não tenta curar através de poderes mentais humanos. O tratamento médico é um processo levado a cabo por médicos. Os médicos reconhecem a existência da doença e aplicam terapia medicinal. Esta é uma ação iniciada a partir de um ponto de vista fenomênico e é completamente aceitável em si mesma. É comparável ao ato de alimentar uma pessoa faminta. Administrar uma adequada quantidade de pílulas vitamínicas e outros medicamentos, pode-se comparar ao ato de alimentar a uma pessoa com uma apropriada quantidade de comida. Sem dúvida, não é uma ação que se realize do ponto de vista metafísico. O mesmo médico metafísico, como homem corporal, toma seus alimentos. Esta ação é aceitável em si mesma. Não obstante, o médico metafísico não vê carne, não leva em conta a existência do fenômeno(mundo visível); em lugar disso, medita sobre a verdade.
 
Através da meditação, ele imprime uma imagem perfeita no filme mental que será projetado na tela chamada mundo-fenomênico. Como resultado, a aparência que se projeta na tela chamada mundo-fenomênico é perfeita. As pessoas vêem as aparências e dizem que a doença se curou. De fato, não houve nenhuma cura, pois a doença não é uma entidade real curável.
 
Quando o praticante adota o ponto de vista de um verdadeiro curador-metafísico, não vê os fenômenos devido a isso, por paradoxal que seja, não busca resultados no mundo dos fenômenos. Se uma pessoa busca, ao meditar, a cura de uma doença, está tomando o ponto de vista de um terapeuta e não o ponto de vista filosófico-metafísico. Um curador metafísico somente medita sobre a verdade. E, ao meditar, percebe plena e profundamente a unidade com a pessoa que busca ajuda, mediante pensamentos de amor, e logo medita sobre a NATUREZA DIVINA desta pessoa. A natureza divina e verdadeira se manifesta da mesma forma como aparece na meditação; a doença não se cura; desaparece. Com o sentido de unidade, aquele em cuja natureza se medita, se manifesta da mesma forma em que o metafísico-sanador meditou.
 
Antes, o paciente havia estado vendo o homem do ponto de vista dos fenômenos. Devido a esse estreito ponto de vista, a verdade não havia se manifestado plenamente sobre a tela do mundo fenomênico. O mundo da verdade aparece claramente com a ampliação do campo de visão do homem (visão que o vê como Filho de Deus perfeito e harmonioso).

UM COM DEUS

Dárcio

 

Ao dizer, “Eu vim ao mundo para dar testemunho da Verdade”, Jesus dava o exemplo de como cada um pode e deve reconhecer a si próprio como o Cristo de Deus! Em toda parte do Universo, Deus Se faz presente com a totalidade de seus dons e qualidades! Contemple este fato em VC MESMO! Feche os olhos e perceba:

TODAS AS QUALIDADES E DONS DIVINOS ESTÃO EXPRESSOS AQUI E AGORA COMO O SER QUE EU SOU!

Dê testemunho desta Verdade, por contempla-La já aceitando sua permanente validade! Faça-o da forma mais simples possível! Já é a Verdade!

A ILUSÓRIA IMPERFEIÇÃO DO SER

Dárcio

Escreve Mary Baker Eddy: O homem é a expressão do ser de Deus. Se alguma vez tivesse havido um momento em que o homem não expressasse a perfeição divina, então teria havido um momento em que o homem não teria expressado Deus, e, por conseguinte, um momento em que a Divindade teria deixado de ser expressa, isto é, teria ficado sem entidade. Se o homem perdeu a perfeição, então perdeu o seu Princípio perfeito, a Mente divina. Se o homem alguma vez tivesse existido sem esse Princípio perfeito ou Mente, então a existência do homem teria sido um mito. As relações entre Deus e o homem, o Princípio divino e a idéia divina, são indestrutíveis na Ciência; e a Ciência não concebe um desgarrar-se da harmonia, nem um, retornar à harmonia, mas sustenta que a ordem divina ou lei espiritual, na qual Deus e tudo o que Ele cria são perfeitos e eternos, permaneceu inalterada em sua história eterna. 

O trecho acima revela o ponto em que devemos nos deter, se quisermos vivenciar a Verdade revelada. Não há duas existências: a divina e perfeita, ao lado de outra, humana e imperfeita. Esse dualismo é a ilusão, a aceitação de uma dupla existência, quando erroneamente nos posicionamos numa condição imperfeita para ficarmos almejando sempre alcançar a perfeita.
 
Que é ilusão? É nada! A suposta aceitação de um fato inexistente! Ilusório! O ponto de partida é a admissão plena e incondicional de que Deus é Tudo! Assim, teremos a sustentação para encarar o Fato verdadeiro, a nossa relação de unidade inquebrantável com Deus, e a conseqüente aceitação de que a Mente única, divina, é a nossa única Mente atual. Se aceitarmos que o homem desgarrou-se da harmonia, estaremos iludidos, estaremos utilizando a “mente humana”, e esta é falsa! Esta mente ilusória tenta nos fazer crer que a harmonia ficou faltante em algum ponto, e que deveríamos trazê-la de volta. Aqui está o segredo da prática metafísica! Decididamente desmascaramos esta fraudulenta mente humana com o Fato verdadeiro: Deus é nossa Mente atual e única! Ela discerne a harmonia perene e intocável! Ela reconhece a Onipresença desta Harmonia infinita! Ela sabe que esta Harmonia É! E sabe que esta Harmonia é TUDO que É!
 
Assim como a onda expressa o mar, em unidade, o homem expressa Deus, também em unidade. Um Deus perfeito Se expressa como homem perfeito. Assim cada um de nós já é! A suposta mente humana, ilusória, deve ser desconsiderada! Não ficará “positiva”, mas ficará reduzida ao nada que sempre foi, quando a Mente única, perfeita, que Se mantém em toda parte em unidade com Suas idéias perfeitas, for aceita com plena naturalidade como sendo a nossa Mente real, eterna e única.

FALANDO DE CASAMENTO

Joel S. Goldsmith

Os casamentos, como estão sendo vistos atualmente, não estão dando certo. Nem é para menos! Da forma com que são interpretados, cada cônjuge acaba ficando sem identidade e individualidade, com a mulher muitas vezes perdendo até o sobrenome!
 
Dois seres se tornarem um não deve implicar a perda da individualidade, coisa impossível de realmente ocorrer! Sempre, de antes do nascimento até a eternidade, o indivíduo se mantém como indivíduo: jamais perdemos a qualidade de ser únicos. O casamento humano, com seu sistema de submissão um ao outro, tenta anular o que de mais precioso cada um possui aos olhos de Deus: a sua individualidade espiritual, ou seja, a manifestação do próprio Deus como homem e como mulher. Temos todos qualidades e dons que não se destinam a ficar anulados simplesmente porque alguém se casou.
 
No casamento espiritual, pelo contrário, em vez de submissão existe liberdade. Um cede ao outro total liberdade, reconhecendo este ponto logo que se casam. Depois de trinta anos de experiência, concluí que somente darão certo os casamentos em que houver a mútua concessão de liberdade. Cada um vivendo a própria individualidade e, ao mesmo tempo, sem exigências, compartilhando a vida a dois.
 
Se no casamento humano homem e mulher têm direitos legais, no casamento espiritual a coisa é diferente: ambos têm somente o privilégio de amar e compartilhar, sem direito algum de fazer exigências. Não cumpriremos nossa experiência humana enquanto não pararmos de aprisionar alguém como  vítima de nossos direitos.
 
Geralmente, no casamento humano, o marido assume a função de sustentar a mulher. Espiritualmente, jamais ela fica nessa dependência, pois estaria negando sua divina herança de se manter autosuprida graças à sua comunhão com Deus. Quando esta herança é reconhecida, o marido é liberto para compartilhar, liberto das obrigações legais que o forçariam a fazer alguma coisa. Ninguém gosta de agir por obrigação! Nem legal nem moralmente! Porém, quando fazemos as coisas espontaneamente, de livre vontade, sentimos enorme prazer. São feitas de coração, e não movidas por alguma lei de tribunal humano.
 
A volta ao lar do “filho pródigo” é o casamento místico. Quando o indivíduo, que se via separado de Deus, descobre sua unidade consciente com Ele, temos o casamento místico. Separado de sua Fonte, jamais o homem será completo!
 
O indivíduo, quando está consciente de sua unidade com Deus, encontra sua unidade com todo ser e idéia espiritual— e isto inclui todo tipo de relacionamento no céu e na terra. O casamento humano, portanto, é a expressão visível do casamento místico, da unidade consciente com Deus. Sem esta base real de fortalecimento espiritual, casamento algum poderá resistir. Quando cada um, homem ou mulher, fizer o contato consciente com Deus, estará em contato consciente com seu par, com os filhos, vizinhos, nação e resto do mundo. Jamais haverá esta “união fortalecida” sem que haja, antes, o relacionamento de união com Deus. Aí, sim, teremos uniões fortalecidas em todas as esferas humanas.
 
Não devemos crer no casamento como instituição permanente, a menos que ele tenha sido fruto da conscientização de unidade com Deus por parte do casal. Então, sim, haverá a união impossível de ser rompida. Ouve-se muito, em cerimônias de casamento, a frase “o que Deus uniu não se pode separar”. De fato, o que Deus une ninguém conseguirá separar! Será um relacionamento indestrutível, mas se for consolidado realmente por Deus. Inexiste unificação, inexiste união, exceto na consciente união com Deus.
 
De minha própria experiência, posso adiantar que as desarmonias não têm acesso ao lar ou casamento em que o casal com freqüência se une em meditação. Se algo pude aprender em minha vivência espiritual, tal aprendizado foi o seguinte: onde quer que nos unamos em meditação, ocorre o desdobrar do amor.
 
Para que um casamento não se restrinja ao mundo visível, e seja uma união do Reino de Deus, para que ele tenha, não a “paz do mundo”, mas a “Paz celestial”, deverá existir não somente por um vínculo espiritual, mas também ser mantido por constante meditação, em que nos unimos a Deus e nos unimos mutuamente.
 
Este é o segredo da meditação. Com ela, unimo-nos a Deus e nos descobrimos em unidade com toda a humanidade sensível à espiritualidade. Isto se torna ainda mais real no casamento. Na união com Deus, principalmente quando homem e mulher se unem para meditar, ambos descobrem entre si um elo indissolúvel, uma vez que o relacionamento que daí emerge, é algo muito além daquele meramente pessoal. Ele transcende inclusive o bom relacionamento humano. Dissolve todo o mal entre os casamentos comuns, dissolve toda a sensualidade, todo ciúme, toda malícia, toda exigência, e se torna a livre doação de Deus a nós, e a cada um, reciprocamente.
 
Não há questão alguma, num lar, que não se resolva pela meditação conjunta, desde que ambos abram mão de querer fazer prevalecer a sua vontade ou desejo pessoal, para que a Vontade de Deus possa ser feita. Este é o segredo, e não há outro. Todos os tipos de relacionamentos humanos podem ser mantidos em harmonia; porém, esta possibilidade somente existe pela submissão de nossa vontade a Deus, e nunca pela submissão mútua de nossa individualidade.
 
Sempre devemos honrar e respeitar a individualidade do outro. Recordemos que, da infância à fase madura, temos em cada casal duas pessoas trazendo traços individuais de caráter, de hábito e de vida; assim, não nos iludamos: tudo aquilo não ficará passível de resignação somente por ter ocorrido um casamento! Portanto, mesmo quando nossos meios, modos ou maneiras diferirem por completo dos praticados por nosso parceiro, os fatos que acabamos de expor deverão ser lembrados. Enquanto cada um tiver a liberdade para ser “ele mesmo”, enquanto os dois estiverem sendo “eles mesmos” em união consciente com Deus, o casamento será uma relação indissolúvel, assim na terra como é no céu.

ORDEM: PRIMEIRA LEI DO UNIVERSO

Dárcio

A Ordem é a primeira Lei do Universo. A Ordem é o próprio Universo Se mantendo em harmonia absoluta! A Lei é Deus em cada ponto de Si mesmo expressando a Ordem permanente.

Sejam quais forem os quadros de desarmonia mostrados pela mente humana, não se prenda a eles! Não são “ordem”, são a “desordem”; logo, não são REALIDADE!

Atenha-se a Deus Se mantendo como Ordem Onipresente! Atenha-se à Verdade até que sinta ver calmo o “temporal de ilusão”. Deus é Tudo! A Ordem é Tudo! Atenha-se à VERDADE, somente à VERDADE! E a Verdade é esta: A ORDEM É A PRIMEIRA LEI DO UNIVERSO! 

"DESPERTA, TU QUE DORMES…"

Dárcio

Em Efésios, 5: 14, consta: “Desperta, tu que dormes, levanta-te dentre os mortos e o Cristo te alumiará”. Os “mortos”, na Bíblia, são os que se julgam seres humanos, nascidos da carne e expulsos do paraíso. “Levantar-se dentre os mortos” é “subir à Consciência Cristica”, ao Cristo de seu próprio ser, em que SUA LUZ É VOCÊ!. Isto o leva à percepção de que jamais VOCÊ deixou de estar em UNIDADE PLENA COM DEUS.

Todo ser humano tem seus limites! Mesmo os que se dizem dotados de poderes mentais “desenvolvidos”, pois, em realidade, unicamente Deus é Poder! Por que é revelado que “Com Deus todas as coisas são possíveis?” (Mateus 19: 26). O motivo é o seguinte: “TUDO ESTÁ FEITO!” A Obra de Deus está pronta, consumada e perfeita, e VOCÊ somente deve contemplá-La com os “Olhos da Consciência Iluminada”. Esta contemplação consciente é o “estudo do Absoluto”: A PERFEIÇÃO INFINITA JÁ ESTÁ CONSUMADA!

Quando sua atenção permanece nesse reconhecimento, deixando de lado as aparências vistas pela suposta mente humana, é discernido que “Deus e Homem são UM”, e, assim, “tudo lhe será possível”, pois, em verdade, TUDO JÁ ESTÁ FEITO. Não ficará com “olhos nas aparências”, tentando ali realizar trabalhos prodigiosos! Não é este o sentido! Estará contemplando que as maravilhas divinas já estão feitas! Apenas isto! No contato normal com o mundo, suas ações tomarão naturalmente o rumo certo, em que as “coisas todas vão se tornando possíveis”, e se concretizando neste mundo. Por que? Por já “estarem feitas”! As “contemplações” apenas  vão tornando-as VISÍVEIS.

HUMANOS PONTOS DE VISTA

Dárcio

É comum, ao falarmos com alguém que não esteja estudando a Verdade Absoluta, ouvirmos que “Verdade absoluta” não existe, que “cada um tem sua verdade”, que “a verdade de cada um depende de seu ponto de vista”, etc. Quando citamos frases de Buda ou de Cristo, que enfatizam a Verdade Absoluta, o que ouvimos? “Você não deve apenas citar frases fora do contexto!; é dessa forma que os ensinos são deturpados!”. Porém, quando perguntamos: “Mas estas frases são verdadeiras ou não?  “Em Deus vivemos, nos movimentamos e temos o nosso ser” (Atos 17:28),  por exemplo, como você a entenderia DENTRO do contexto?”  E, é quando a pessoa desconversa, diz que cada um quer “puxar a sardinha para a sua brasa” e rapidamente encerra a conversa com frases do tipo: “Religião não se discute”. Por que esta atitude é tão comum? Por ser crença coletiva! É a “mente carnal” falando como a pessoa, e não a própria pessoa! Como sabemos, a “pessoa real” sempre é Deus em expressão individual!

O mundo atual não comporta mais os “humanos pontos de vista”. Ou alguém se enquadra às profundas Verdades reveladas, com “coração de criança”, repetindo para si , e vivenciando em si  as frases absolutas de Buda, Cristo e outros iluminados, ou ficará alinhado ao mesmerismo, à crença hipnótica com sua “pseudo-humildade”, que muito mais honra os errôneos conceitos humanos do que as próprias revelações de Deus.

Quem já entendeu que a mensagem espiritual visa ao entendimento de que Deus é nosso ser, seu único trabalho será o de permanecer nesta percepção de que a Mente divina é a sua! Este “entendimento” não é um “humano ponto de vista”, e ele sabe disso!

As sementes podem e devem ser lançadas também em solos inférteis, desde que fiquemos livres e descomprometidos quanto ao “quando” que elas germinarão e darão frutos na vida de alguém! O sol brilha! Não nega luz nem calor a ninguém! Quem dele necessitar, logo achará forma de a ele se expor! “Segue-me tu”, disse Cristo Jesus. É isto!

DESAFIO ILUMINADOR

Dárcio

Viciados em ensinamentos que apenas focalizam supostos poderes da mente humana, muitos que vêm ao estudo do Absoluto acham difícil entender as bases deste enfoque. Acostumados com práticas mentais, que apenas prometem rearranjar a vida particular e também o mundo todo, carregam a fixa idéia de que o mundo humano é real e passível de ser melhorado. A permanência nesse universo de crenças não constitui a real libertação do homem!

A Verdade lança o desafio: “Não chameis de pai a ninguém sobre a face da terra” (Mateus 23:9). A aceitação de que o Reino de Deus é aqui mesmo, é que “aos poucos” deve ser conscientizado por alguém, é a grande farsa! Certos autores pregam a existência do Reino divino, mas condicionam sua manifestação a algo possível de ser feito pelo suposto “eu humano”. Falam que o bom ser humano é canal de expressão divina, que a “espiritualização” dos pensamentos nos leva a Deus, etc. Tais colocações dualistas, por mais que possam parecer bem-intencionadas, são falsas! DEUS É TUDO, E DEUS É UM COM A TOTALIDADE DE SUAS FORMAS AUTO-MANIFESTADAS! Deus está UNO com cada um de nós, o que equivale a dizer que nada poderá “nos unir a Deus”. A Existência é UNIDADE! Deus já é UM  conosco! A dualidade é a farsa que coloca o pseudo-moralismo humano como pré-requisito para o desfrute de nossa herança divina.

Aos nos recomendar, “Não chameis de Pai a ninguém sobre a face da terra”, Jesus revelava a UNIDADE PRONTA DA EXISTÊNCIA, revelava que sempre é o AGORA em que DEUS É UM CONOSCO. E revelava que este REINO DA UNIDADE CONSUMADA é o único verdadeiro em existência. Não há ser humano afastado de Deus; não existe ser humano moralmente melhor, em condição superior ao mau ser humano, para se unir a Deus; não existe bom ser humano; não existe mau ser humano; não existe ponte que ligue um ser humano a Deus. Não existe ser humano, não existe mundo humano, não existe humanidade!

Que dizer do suposto mundo humano? Nada! É uma farsa! ILUSÃO MENTAL! Este é o DESAFIO ILUMINADOR! Deixar de considerar o mundo e os supostos filhos de pais humanos, para DISCERNIR A VERDADE: TUDO É DEUS, UNO CONSIGO PRÓPRIO COMO INFINITAS FORMAS PERFEITAS!

Leitor, Deus é UM com VOCÊ. Nenhuma prática mental ou meditativa irá jamais “uni-lo a Deus”. Não leve em conta um ser humano! Ele é NADA, desde o princípio. Nada seria capaz de separar VOCÊ da Fonte. VOCÊ ESTÁ UNO COM DEUS, POIS DEUS É TUDO.

“Não terás outros deuses ao lado de mim”, diz a Bíblia no Velho Testamento; “Eu e o Pai somos um”, diz o Novo Testamento. Em outras palavras, a Verdade é sempre a mesma, e está revelada para que cada um A perceba em SI MESMO. Cabe, a VOCÊ,  reconhecer esta Verdade:

 DEUS ESTÁ UNO COMIGO; PORTANTO, DEUS É O SER QUE EU SOU! “QUEM ME VÊ A MIM, VÊ AQUE QUE ME ENVIOU”.

VEJA-SE COMO SOL E COMO RAIO

Dárcio

Apesar de a mente humana ver tudo separado, como se realmente cada ser fosse dotado de mente pessoal, perdura a Verdade de que a Mente ÚNICA se desdobra harmoniosamente como a Mente real de todos nós. No estudo do Absoluto, isto é aceito com “coração de criança”, isto é, ISTO É ACEITO, e ponto final! Podemos falar do sol e de algum de seus raios; mas, estaríamos falando de duas coisas separadas? O Sol é o Sol exatamente por incluir todos os seus raios! Assim é Deus: a Presença universal UNA, que, como o Sol, inclui, é É, cada emanação Sua! “Sois deuses!”, disse Jesus, explicando a individualidade de todos na composição eterna do DEUS UNO ONIPRESENTE!

Contemple a Verdade, apenas! Não tente se “unir a Deus”, não force a mente para “discernir o que VOCÊ JÁ É, sem precisar forçar nada!! Deus é o “Sol”; e, exatamente AGORA, a SUA VIDA é o “raio individual”, ou “Cristo”, que está sendo emanado desse Sol em absoluta perfeição de unidade inquebrantável!

“Eu e o Pai somos um”, disse Jesus! Ele , como RAIO e como SOL se via! Faça o mesmo! Não se veja apenas como “centelha divina”, como é falado em certos ensinamentos! VEJA-SE COMO SOL E VEJA-SE COMO RAIO! Em UNIDADE!

"COMO NÃO ENTENDEIS AINDA?"

Dárcio

Os discípulos já haviam visto a “multiplicação de pães e peixes”! Mesmo assim, logo depois, queixavam-se de falta de pão! Haviam se esquecido de levar pão,e, vendo que havia apenas um no barco, já estavam comentando a escassez!

“Eu sou o pão da vida”, disse certa vez Jesus, para explicar a Verdade universal do ser. A “escassez” surge, nesta aparência de mundo, quando alguém, a exemplo dos discípulos, se “esquece do pão”, não do pão material, mas do “Pão da Vida”. A vida pela Graça é a de quem “trabalha pela comida que não perece”. Muitos não entendem, quando lêem que “somos co-herdeiros de todas as riquezas celestiais”, que tais riquezas são o “Pão de cada dia”, a presença do Cristo reconhecida constantemente em nós! Esta é a “comida que não perece”.

“Para que arrazoais, que não tendes pão? Não considerastes, nem compreendestes ainda? Tendes ainda o vosso coração endurecido? Tendo olhos, não vedes? E, tendo ouvidos, não ouvis? E não vos lembrais, quando parti os cinco pães entre os cinco mil, quantos cestos cheios de pedaços levantastes? Disseram-lhe: doze. E, quando parti os sete entre os quatro mil, quantas alcofas cheias de pedaços levantastes? E disseram-lhe: Sete. E ele lhes disse: Como não entendeis ainda?”
Marcos; 8; 17,21.

Ainda hoje muitos não entendem! As limitações visíveis desaparecem quando, “com olhos ao céu”, reconhecemos a eterna presença do “Pão da Vida” em nós. Tão logo reconheçamos com alegria esta Presença divina, “os bens visíveis começam a fluir”. Como lidar com eles? Administrá-los, entendendo-os como mera “sombra visível” da Substância eterna, do “Pão da Vida”que constitui o nosso “Eu”. Desse modo, a cada dia, teremos atendidas todas as nossas necessidades. Além disso, este trecho ensina a lei “dai e ser-vos-á dado” . Como podemos ver, Jesus “partiu os cinco pães entre cinco mil pessoas”. E os pães se multiplicaram!

Muitos vivem acumulando tudo que vieram recebendo! “Juntam tesouros onde as traças corroem”. Egoísmo? Medo do futuro? Na verdade, nem sempre! Pura falta de entendimento! Puro “coração endurecido”! Somente crêem no que vêem materialmente! A tais, Jesus perguntaria: “Como não entendeis ainda?”

Uma compreensão superficial deste trecho poderia nos fazer crer que a prática da “caridade” é diretamente o nosso objetivo; porém, esta “datividade”, como exposta no ensinamento de Jesus, não é humana! Primeiramente, ele estava desejoso de que os discípulos percebessem o principal: que o mesmo Pai, Fonte Única de Suprimento, estava igualmente presente em cada um. Somente após esta Verdade ser reconhecida, valerá “distribuir” os pães aos cinco mil! Para quê? Para que mais “cinco mil” possam conhecer e contar com a mesma presença do “Pão da Vida” também neles próprios!

Viva a vida pela Graça! A “lógica divina” é diferente da humana! Siga a “receita de Jesus”. Passe a reconhecer, em oração dedicada, o Cristo sendo VOCÊ como o “Pão da sua Vida”. Sinta realmente esta “presença”! Assim, estará “trabalhando pela comida que não perece”. Distribua, com amor e sabedoria, o que lhe for confiado às mãos! VOCÊ é Filho de Deus! Uno com a Fonte infinita de Suprimento real! Assim agindo, testemunhará a repetição do “milagre da multiplicação” em sua própria experiência!

Tenha esta certeza: cada um de nós dispõe de “cinco mil” à espera de que, com eles, repartamos esta “Consciência” de nossos “pães e peixes”; mas, não para que os façamos nossos dependentes; pelo contrário, para que também eles possam ver, conhecer e praticar esta Verdade gloriosa que nos liberta a todos!

A ARAPUCA DO BEM HUMANO

Dárcio

A crença fraudulenta no bem e no mal vem tapeando a humanidade desde que o mundo é mundo! Sempre se repete o filminho ilusório: alguém fazendo de tudo para escapar do mal e fazendo de tudo para desfrutar do bem. Na alegoria de Adão e Eva, é dito que a “expulsão do paraíso” se deu por terem comido do fruto do conhecimento do bem e do mal. Esta é, portanto, a forma com que a ILUSÃO encobre de cada ser a vida paradisíaca a que tem direito, e que já desfruta, mas não vê! Por que não vê? Por estar sob o jugo mesmérico desta “crença no bem e no mal”, que é FALSA!.

Cristo trouxe a libertação plena desta crença! Não disse que iríamos para o Reino de Deus, mas que este Reino já está em nós! Que nos resta saber? Que já estamos nele! É para isso que nos dedicamos à “Prática do Silêncio”. Entretanto, se formos meditar sem antes nos livramos conscientemente dos apegos ao “bem humano”, a sintonia com Deus não se dará a contento!. Enquanto a pessoa permanecer nesta arapuca do bem humano, ocupando a mente com pensamentos do tipo: “Aquela pessoa tem tudo para me fazer feliz!”, “Aquela vaga na empresa é exatamente a que atende aos meus anseios”, “Aquele país seria o ideal para que eu pudesse prosperar”, etc, não estará com a mente livre para que a Verdade Se revele! “O Meu Reino não é deste mundo!” Esta é a aceitação radical que precedendo as meditações, tornam-nas realmente eficazes. Eficazes para quê? Para percebermos que realmente o Reino da Verdade já está em nós e que nós já estamos nele!

DESPERTE PARA A REALIDADE DO HOMEM

MASAHARU TANIGUCHI

Deus é o todo de tudo. Sendo Deus o todo de tudo, nada existe fora dEle. Sendo Deus o Bem, nada existe que não seja bem. Não existindo nada que não seja bem, não pode existir a doença, que não é bem. É por essa razão que se diz que a doença não existe. O que  vê uma coisa inexistente como existente, é a “mente em ilusão”. A “mente em ilusão” é a “mente que sonha”. A “mente que sonha” só existe enquanto sonhamos. Uma vez despertos, não existem nem a “mente que sonha” nem o conteúdo do sonho. A doença não existe. Se parece existir, isso é “sonho”. Despertemos do “sonho”. A realidade é mais concreta do que o sonho. Diante da realidade, o sonho se desfaz. A realidade consiste no fato de que o homem é Filho de Deus, que a sua Vida provém de Deus, e que ele é originariamente saudável.

EM DEUS NÃO HÁ SOLIDÃO

UNIDADE

Só quem se limita à ilusão de um corpo separado é que pensa ficar só. Só quem supõe um Deus distante ou nem compreendeu o que Cristo dEle ensinou é que pensa ficar só. À luz da verdade, ninguém deveria sentir-se sozinho, sabendo que Deus é onipresente e nos ama com terno cuidado; sabendo que o Espírito da Verdade está “mais próximo de nós do que nossos pés e mãos e do que a própria respiração”; sabendo que temos um vasto e riquíssimo mundo psíquico que devemos observar, conhecer e purificar, que são as nossas emoções, pensamentos e nábitos mecânicos. Há tanto a fazer em nós!

A solidão é ilusória porque se apóia somente na realidade dos sentidos, que nos faz dependentes da presença de alguém ou da manifestação constante do seu interesse e afeto. Portanto, a solidão é própria da alma infantil, dependente, que mais pede do que dá. Aquele que está interessado num ideal, que está procurando servir, que preenche utilmente seu tempo, não pode nunca sentir-se só. Não tem tempo para isso. Medite sobre isso. Até mesmo a questão de insegurança material é uma dependência materialista de quem não confia em Deus e nem em si mesmo.

“Não estou só porque o Pai está comigo.”

João 16: 32.

MUDANÇA DE REFERENCIAL

Dárcio

Ao passarmos dos ensinamentos relativos para o Absoluto, o passo inicial exige uma nova tomada de posição. Nosso referencial se inverte radicalmente. Os ensinamentos relativos têm por base o seguinte: “Você traz Deus em seu interior”, “Você deve manifestar o seu Cristo interno”, etc. Desse modo, o suposto ego humano é enfatizado e considerado como existente, apesar de a mensagem ressaltar também a Presença divina. No ensinamento absoluto, consideramos a existência ÚNICA de Deus. De início, como dissemos, alteramos nosso referencial: em vez de afirmar que “todos têm Deus em seu interior”, passamos a considerar que “TODOS SÃO O PRÓPRIO DEUS”, aparentemente revestido por um disfarce ilusório.

Mudando-se o referencial, nossa atenção ficará focalizada SOMENTE em nossa Identidade divina e única. Além disso, isto facilitará o nosso viver diário, já que estará claro para nós QUEM SÃO todos aqueles com quem nos relacionamos.

O antigo referencial nos colocava na condição de “ego humano a ser transcendido ou anulado”. O novo referencial é a Verdade Absoluta de que EXISTE SOMENTE DEUS, o que desfaz a ilusão da dualidade com sua errônea idéia de que haja “alguém” armazenando uma Divindade dentro de si.

A “mudança de referencial” promove também uma total mudança de visão no que diz respeito às meditações (contemplações da Verdade). Elas não mais serão realizadas com o objetivo de se curar ou modificar algo do visível; não serão feitas como instrumentos para que percebamos ou “recebamos” revelações divinas: SERÃO FEITAS SIMPLESMENTE PARA QUE RECONHEÇAMOS O VERDADEIRO REFERENCIAL: DEUS APARECENDO, AQUI E AGORA, COMO A TOTALIDADE DO NOSSO SER; DEUS, SOMENTE, EXISTINDO COMO A TOTALIDADE DA EXISTENCIA. Nenhuma atenção será dada ao aparente “mundo visível” e seus supostos habitantes humanos.

Não somos seres humanos à espera da Luz. “Vós sois a Luz do mundo.” A total identificação com a Luz universal em Si, faz com que cada um de NÓS deixe de se associar com o suposto mundo aparente e suas crenças infundadas, para poder vivenciar a VIDA COM ABUNDÂNCIA, AQUI E AGORA.

DEUS

Marie S. Watts

Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.”
João 10:10.

Este é um texto da Vida, da SUA Vida. Estas páginas o tornarão familiarizado com seu Eu. Irá descobrir sua Vida, Mente, Ser e Corpo tal como você sempre foi, é, e sempre será. O VOCÊ, que você é, como será aqui focalizado, é importante demais para ser encarado superficialmente ou lido de modo casual. Portanto, este não é um texto para ser lido irrefletidamente e guardado numa estante. É para estudo, um texto de referência, para ser mantido sempre à mão, como um lembrete constante do que VOCÊ É, quando a ilusão lhe apresentar um quadro falso do que você não é. Ao estudar a Verdade da maneira  aqui proposta, através de reflexões e meditações, você dirá: “Ora, mas é a verdade sobre mim! Eu sou esta Verdade, Eu sou aquele que sou, e sei disso!”

Logo no início desta jornada de AUTOdescoberta, uma Verdade de suma importância, um fato supremo, precisa ser conhecido: DEUS É TUDO COMO TUDO. Qualquer tentativa de se perceber o Ultimato da Realidade sem estar munido desta conscientização será em vão, apenas resultando em confusão, contradição e frustração. É comum encontrarmos estudantes sinceros, ao longo do Caminho, que se vêem desencorajados e fracassados por não terem alcançado o elevado ideal a que se propuseram. O motivo é este: não conscientizaram ou não aceitaram integralmente a Deus como Tudo. Para chegarmos plenamente à percepção da Realidade, teremos de aceitar inteiramente a Deus, a Realidade. E esta aceitação não poderá ser parcial nem sofrer qualquer restrição. Terá que ser total e plena, sem limites ou reservas.

Desse modo, voltemos a afirmar: Deus é Tudo como Tudo. Deus é o universo e tudo o que ele contém. Deus é infinito, eterno, ilimitado, imensurável em termos de tempo e espaço. Sem começo, sem fim, sem mudança, e sem deixar de ser UM, Deus É. Toda existência, toda consciência de existência, é Deus. Toda Vida, Substância, Forma, Atividade, Amor, Inteligência, compreende Deus. Nada há, ao lado ou fora da PRESENÇA UMA TOTAL INFINITA, que é Deus. Na verdade, não existe nenhum “fora”, visto que a infinitude de Deus é Tudo. Tudo contido nesta infinitude é Deus, a Totalidade, a Unicidade de tudo que existe. Deus é onipresente e é a Onipresença. Nada mais está presente, senão Deus; não existe presença alguma, além de Deus. Deus é oniativo e é a Oniação. Não há nenhuma outra ação nem outro agente ativo, além de Deus. Deus é onipotente e é a Onipotência. Não existe nenhum poder operando nem existindo, senão Deus. Deus é onisciente e é a Onisciência. Nada existe conhecido, além de Deus; e não há outra mente, além da Mente divina, que possa conhecer alguma coisa. Se puder aceitar plenamente esta Verdade, sem impor reservas ou restrições, mantendo-se firme e resolutamente nEla, você estará realmente dando um bom avanço rumo à Autodescoberta.

Talvez esteja imaginando o que nos leva a enfatizar tanto a Onipresença, Onipotência e Onisciência de Deus. A razão é muito simples: o primeiro requisito, para que haja o conhecimento do seu Eu, seu Autoconhecimento, é o conhecimento de Deus. Quando souber o que Deus é, quando conhecer e experienciar Deus, você saberá também o que você é, e terá a experiência de ser aquele Eu glorioso. Saberá o que é ter a experiência de ser um SER PERFEITO, eternamente jubiloso e livre. Por quê? Porque Deus é exatamente aquilo que você é, e abrange a totalidade do que está existindo como você.

Jesus tinha pleno conhecimento disso. Em João 10:15, encontramos: “Assim como o Pai me conhece a mim, também conheço o Pai”. Todos conhecemos o diálogo travado entre o Mestre e Filipe: “Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta. Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai?”. João 14: 8-9. Que palavras gloriosas da Verdade! E somente agora começamos a perceber o seu total significado! A Bíblia contém diversas passagens que revelam a Presença de Deus como Jesus. Contém também passagens expressando a Verdade de que nós, você e eu, estamos inclusos nesta Presença COMO Ela própria. No decorrer desta leitura, estas Verdades bíblicas serão trazidas à tona e elucidadas.

Nosso vocabulário inclui uma palavra que tem passado quase despercebida pelo mundo da Metafísica: trata-se do vocábulo “COMO”. Muito tem sido dito e escrito a respeito de Deus ser Tudo em Tudo, e dEle estar no universo. Entretanto, nunca ouvimos ou lemos que Deus é Tudo como Tudo, que Deus existe como o universo, como você e eu, e como tudo que possui Vida, Forma, Mente ou Atividade. Prontamente irá notar que, se não conscientizarmos que Deus é Tudo como Tudo, inevitavelmente estaremos aceitando outra presença e poder apartados de Deus. Isto é dualidade, uma “casa dividida contra si mesma”, e o resultado disso, invariavelmente, será a confusão que culminará em fracasso. A dualidade é o entrave encontrado por muitos estudantes sinceros da Verdade. É fácil descobrir o motivo dela aparentar ser enorme obstáculo: o mundo, como aparenta ser, é extremamente conflitante com a idéia de Perfeição que sabemos ser Deus.

Passemos a observar além desta aparente contradição. O universo, os planetas e o mundo são existentes; e são reais. Você, eu, tudo e todos dotados de Vida, Forma, Mente a Atividade, somos verdadeiros. Seria tolice achar que o universo (e tudo nele contido) fosse “nada”. Portanto, reconheçamos a sua presença para podermos, com inteligência, conhecer o que estivermos reconhecendo.

Para quem não teve ainda a percepção espiritual, o universo, o mundo, aparenta ser constituído de matéria, ar e elementos materiais. O universo se mostra como algo que teve início, que sofre mudança, e caminha rapidamente para a destruição ou final. Todos nós estamos bem familiarizados com estas aparências falsas.

Após colocarmos o que o universo aparenta ser, e não é, passemos a perceber o que ele é. Para isso, como em todas as nossas pesquisas da Verdade, voltemo-nos à Totalidade de Deus. “Porventura não encho eu o céu e a terra?, diz o Senhor”. Jeremias 23:24. Deus verdadeiramente enche o céu e a terra. O universo, a infinitude, é Deus. Deus está no Todo como o Todo. Neste ponto, precisamos conhecer a natureza de Deus.

Entre inúmeros sinônimos para Deus, encontramos: Espírito, Mente, Vida, Amor. Assim, comecemos com Espírito. Para muitos, o termo Espírito quase não diz nada, sendo, quando muito, visto como conotação bem vaga. Parece-lhes impalpável, nebuloso, sem substância, forma ou atividade. Se assim fosse, o Espírito, ou Deus, seria incapaz de evidenciar Sua própria existência. Que tipo de evidência ou existência sem substância, forma ou atividade poderíamos ter? Nenhuma.

Deus, Espírito, é existência, e está evidenciado ou manifesto como Substância Espiritual, forma e atividade, exatamente aqui e agora. Este universo, sua substância, forma e atividade, são reais, tangíveis, verdadeiros, como Espírito. Para quem possui percepção espiritual, a realidade única, a existência única, aparece como Espírito.

De fato, este universo em que você vive, se move e tem o seu Ser, é inteiramente Espírito. Tudo que vínhamos erroneamente encarando como substância ou forma material, está realmente aqui, mas não como matéria. Está presente como Espírito eterno, perfeito e imutável. Nada há de errado neste universo. O único erro está na maneira com que o vínhamos vendo e interpretando. Vínhamos aceitando uma distorção daquilo que existe, isto é, uma miragem, no lugar do que realmente está existindo.

Quem passa pela experiência da Iluminação espiritual sabe que isto é correto: Deus, Espírito, realmente é Tudo, e está manifestado como Tudo. Mas o Espírito somente pode Se manifestar, ou Se evidenciar, como Espírito. Se isto parece difícil de ser entendido ou aceito, analise este trecho de Hebreus 11:1: “A fé é a substância das coisas que se esperam, e a evidência das que não se vêem”. Ter fé –não uma fé cega, mas uma hábil convicção: a certeza de que as Verdades que você está lendo e repetindo são legítimas. Uma persistência tranqüila e confiante nesse tipo de fé revela a Substância que esperamos contemplar, além de evidenciar o Universo Espiritual que antes não enxergávamos, por estarmos olhando “por um espelho em enigma”.

Realmente, o Espírito é Onipresente; assim, a Mente, Vida, Verdade, Amor, ou seja, tudo que Deus é, está necessariamente incluso nesta Onipresença. Se não fosse assim, Deus seria incompleto. Onde quer que Deus esteja –e Deus está em toda parte-, Ele está presente em Sua totalidade. Em outras palavras, tudo que Deus é, existe igualmente abrangendo a infinitude e a eternidade. Deus, como Espírito, inclui Deus como Mente, Vida, Alma, Princípio. A utilização de qualquer desses sinônimos deve implicar a Presença da Totalidade que Deus é. Onipotência, Onipresença, Oniação, Onisciência, todos são sinônimos de Deus: são inseparáveis, uns dos outros. Tampouco podem ser excluídos da totalidade desse Tudo que Deus é. Observe, portanto, que a Presença de Deus é o Poder de Deus, a Mente de Deus, a Inteligência de Deus, a Vida eterna de Deus e o Amor de Deus.

Uma conscientização dessa natureza, que discerne a plena abrangência divina, é o que irá capacitá-lo a ver além de algum problema aparente, seja de ordem física ou mental; seja uma forma de ameaça à vida ou qualquer outra aparência de desarmonia. Obviamente, toda a nossa atenção deve sempre se concentrar na Totalidade ou Unicidade de Deus. Nos casos de aparência desarmônica específica, será útil contemplarmos especificamente o que Deus é como Mente, como Vida, etc., em vez de encararmos a aparência de algo que Deus não é.

Sim, o universo—e tudo que ele contém-, é Deus. E o que compreende ou abrange Deus constitui a Essência, a Substância, a Atividade, a Inteligência e a Forma de TUDO QUE ESTÁ FORMADO. Assim como Deus é eterno, sem começo e sem fim, tudo que é Deus “aparecendo como”, também permanece perenemente em seu estado de perfeição imutável eterna. Deus não está à mercê das circunstâncias ou mudanças. Deus não está sujeito à desintegração, destruição ou distorção. Deus não está sujeito às dores do nascimento ou às angústias da morte. Deus não tem consciência dEle próprio  estando à mercê de tais falsidades, nem pode Ele ser conhecido como estando sujeito a elas. Jamais algo pode ser acrescentado à Totalidade de Deus; jamais algo pode ser subtraído dEla. A VERDADE É ESTA! Poderia ser diferente? Se Deus é, e tem consciência de ser, ELE PRÓPRIO, a Substância, Vida, Forma, Mente de toda a existência COMO ELE MESMO? Deus, realmente, é a única Mente. Ele é a única Mente que conhece algo, e é toda Essência, Substância, Forma e Atividade daquilo que Ele está conhecendo.

Caro leitor, sua dúvida é saber de que modo isto se relaciona com você? Está imaginando como isto poderá servir-lhe de ajuda na solução de algum aparente problema? Posso garantir-lhe o seguinte: ESTE É O ÚNICO CAMINHO. Você irá descobrir que não tem nenhum problema para ser resolvido. Ser-lhe-á revelado que somente o que é verdade para Deus, é verdade para você. De fato, você existe como a própria Presença daquilo que Deus é. Tanto em você como em sua experiência, nada há que esteja presente, senão Deus. A Mente que é Deus desconhece problemas não resolvidos. E, qual outra Mente poderia identificar-Se como sua Mente, senão a Mente única? A Mente de Deus?

Isto lhe parece obscuro? Aparenta ser impraticável ou impossível? Nesse caso, faça a si mesmo esta pergunta: “Nas afirmações que tenho feito, de que Deus é a única Mente, única Vida, tenho mesmo acreditado nelas?” Se sua resposta for positiva, no afirmativo, você não terá dificuldade para constatar a simplicidade, a correção inequívoca desta Verdade Absoluta. Em Eclesiastes 3:15, encontramos esta inspirada declaração do Ultimato: “O que foi feito, é o que permanece; as coisas que hão de ser, já foram; e Deus renova aquilo que passou”.

Caro leitor: agora deve ter ficado bem claro que a Totalidade, a integralidade, a plenitude de Deus, inclui você. Você, sua Vida, Mente, Corpo, Ser, tudo já está incluso na imutável perfeição divina, o Todo como o Todo.

TRILHOS QUE NÃO SE JUNTAM

Dárcio

 

As Revelações espirituais precisam ser encaradas como o que de mais importante encontramos disponível. Mostram os fatos reais, mesmo enquanto a iludível mente humana  nos mostra suas infindáveis falsidades! É uma dificuldade fazer com que alguém se detenha diante de uma Revelação a ponto de substituir a aceitação ilusória pelo fato espiritual eterno! Isto porque a mente humana resiste! Mune-se de sua “lógica  racional”, e faz de tudo para prender a pessoa em seus ilusórios caminhos tortos.

Para a “sábia” visão humana, os trilhos de trem se juntam no horizonte! Assim é visto, mas jamais aquilo é verdadeiro! Para a “sábia” mente humana, nosso corpo veio se formando no ventre materno! Assim é aceito, mas jamais aquilo é verdadeiro!

Que é “estudar a Verdade”? É “ver” humanamente os trilhos se juntando e, ao mesmo tempo, COMPREENDER que eles permanecem paralelos. É “ver” humanamente os seres nascendo, e, ao mesmo tempo, COMPREENDER que todos permanecem perfeitos como deuses, completos e imutáveis “desde o princípio”.

O estudo não objetiva “separar os trilhos”; tampouco  objetiva “curar corpos nascidos”: ele nos oferece a Revelação da Verdade! Os trilhos, apesar da aparência de junção, não se juntam! Os corpos, apesar da aparência de nascimento, não nascem! Quando isso é percebido, ficam entendidas as frases de Jesus Cristo: “Não julgueis segundo as aparências”, “não chameis de Pai a ninguém sobre a face da terra”; “antes que Abraão existisse, eu sou”.

Sejam quais forem os “problemas” mostrados pela mente humana, assuma a Revelação: estes problemas são vistos, mas não são reais! E aceite, com compreensão, que “a situação” que se mostra desarmônica, JÁ É HAMONIA PERENE!

Permaneça neste reconhecimento, ATÉ SUMIR A ILUSÃO! Até que “ela” se mostre como falsa! Até que ela seja entendida como NADA!

A VERDADE IMPESSOAL SENDO VOCÊ

Dárcio

 

Quando se tem uma revelação transcendental, se discerne a Verdade impessoal e onipresente: Deus é Tudo! Entretanto, ao transmiti-la aos demais, estes, por se avaliarem como mortais ou humanos, personalizam o que é impessoal, acreditando serem “menos evoluídos” do que o “mensageiro”. E prosseguem na mesma vidinha de sempre, alimentando as milenares crenças falsas de sempre, deixando de perceber que, se alguma “pessoa” revelar qualquer Verdade, Ela já estará sendo válida igualmente para todos! Toda Verdade é Fato impessoal e permanente! O que muitos não percebem é que, por se considerarem “humildes e verdadeiros” nesta avaliação de si mesmos segundo a ilusória visão humana, apenas estarão conscientizando a ILUSÃO!

A dificuldade aparece quando a revelação é recebida por alguém que se vê segundo os conceitos falsos da mente humana! “Quem sou eu, para dizer que estou no mesmo estágio de Jesus!”. Algo assim é ouvido freqüentemente! Mas esta classificação de “filhos de Deus” por estágios nunca parte da Verdade nem de nossa Mente real Não há “estágios de evolução”. Há a VERDADE da Unidade e a ILUSÃO da separatividade, e esta última deve ser banida de aceitação por completo! Jesus Cristo descobriu sua natureza real como sendo divina. Por assumir esta Verdade, foi apedrejado! Mas, ao responder àqueles que lhe atiravam pedras, não disse que ele, como pessoa, era um deus! Pelo contrário, usou o plural e confirmou as escrituras! SOIS DEUSES!

Ainda hoje, a maioria acredita que Jesus, como Filho de Deus, recebeu do Pai celeste maior atenção e cuidado do que todos nós! E é por isso que a raça não caminha! Não larga os “julgamentos pela carne”; não abandona as crenças de que Deus fez Jesus perfeito e todos os demais como filhos de “segunda linha”. Continua achando que “Jesus é o Caminho”, mas como “pessoa”. Apesar de todo esse emaranhado de crenças absurdas, permanece a VERDADE incólume! Aquele que desafiar este hipnotismo ortodoxo, entendendo que realmente “SOMOS DEUSES”, fato que o próprio Jesus confirmou, poderá ver que o mesmo Pai amoroso e imparcial, presente como Jesus Cristo, está igualzinho presente, AGORA, como O SEU PRÓPRIO SER! Não como ser mortal ou material, evidentemente, mas como o CRISTO, o ser que espiritualmente já É , apesar de “oculto” pelas  falsas máscaras engendradas pela mente humana. Não há cabimento em alguém “estudar a Verdade” para endossar mais as crenças falsas do que a Verdade eterna! O mesmo Deus que “criou Jesus” é também o “nosso Criador”. “Subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”, disse Jesus, para pôr fim à crença em Verdade pessoal ou em “Filhos prediletos de Deus”. DEUS É TUDO! Cada “Filho” é Deus expresso! E Deus Se expressa por inteiro COMO cada Filho!

Cada um que parar de se identificar com o falsa personalidade humana, para se assumir como Deus Se expressando como seu próprio Eu Real, entenderá porque Jesus confirmou que “somos deuses”. Esta Verdade, reconhecida, é o “renascimento” que nos faz vivenciar o Reino dos Céus, exatamente aqui e agora.

OLHOS NO AGORA

Dárcio

Neste AGORA, há a Consciência de Existir ativa em VOCÊ. Você sabe que você existe! Simplesmente sabe! Saber é reconhecer! Reconhecer é sintonizar; e, sintonizar é ser o Todo!

Silencie-se e perceba sua Consciência estando ativa em VOCÊ! E ativa como VOCÊ!

Pense:

Eu estou consciente de ser!

Ter “olhos no agora” não é ver os quadros hipnóticos do momento presente! Pelo contrário, é estar completamente desvinculado de todos eles e totalmente consciente de que há, em VOCÊ, a Consciência consciente de que VOCÊ EXISTE! Firme-se nesta percepção, e VOCÊ estará contemplando e sendo a Verdade!

“Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus.”

LUCAS 9: 62

PONTO DE PARTIDA

Ann Beals

Em realidade, já estamos no universo espiritual. Estamos aqui e perfeitos agora, na imagem de Deus. Só que a influência mesmérica do magnetismo animal nos impede de ver isto. Para destruirmos este mesmerismo, devemos começar encarando a crença na matéria e olhando através dela para sua origem mental. Devemos ver a matéria como o efeito hipnótico do magnetismo animal e não como uma causa e efeito próprios.

O nada do mal parece difícil de se compreender, se olhamos unicamente para as suas manifestações visíveis – o universo material e o homem mortal. Nossos cinco sentidos dizem que vivemos num cosmo criado pela matéria e suas leis. A matéria parece ser uma estrutura atômica que é sua própria lei, controlando completamente a existências mortal. Através da aparente realidade da matéria, o homem parece estar aprisionado no corpo físico. Sua vida segue um determinado formato que começa no nascimento e termina na morte.

Em realidade, a matéria é a mais concreta forma de mesmerismo resultante do magnetismo animal. A Ciência Cristã revela que não há matéria. A Sra. Eddy discerniu através da revelação, e a física moderna provou até certo ponto, a natureza imaterial do universo. Sabemos agora que os elementos de um átomo não são mais sólidos do que um pensamento ou um sentimento. Mas isto não tornou a matéria irreal para a consciência humana. Por causa da falta de espiritualidade, o mundo ainda continua acreditando na matéria e sofrendo pelas condições materiais.

UM DEUS DE JUSTIÇA

UNIDADE

A palavra “justiça” traz certo temor a algumas pessoas, porque a associam com a justiça humana, cheia de surpresas. Ponhamos de lado as conotações humanas. Deus é justiça mesmo!

A busca humana de justiça muitas vezes exige o retorno ou substituição de algo que consideramos direito nosso. Mas devemos recordar que em Deus não há perda ou injustiça. O bem que Deus nos dá por direito de herança filial, não nos pode ser tirado nem retido. Na Obra de Deus há só lealdade, paz e justiça.

Se estamos defrontando alguma situação aparentemente injusta, não esqueçamos que Deus é um Deus de justiça. Esta verdade atrai seguramente a solução. E nossa fé a completa, vislumbrando os meios pelos quais os desfechos certos chegarão. Quanto mais confiarmos, deixando de lado as amarguras, ressentimentos e dúvidas, tanto mais o poder de Deus manifestará sua Luz.

Ponhamo-nos do lado de Deus e Sua justiça e não do lado das negatividades, na certeza de que nosso direito inato há de prevalecer ou ser vantajosamente compensado, acima de qualquer interferência, tramas e malícias humanas.

Pois Eu, o Senhor, amo a justiça, e farei que a sua obra seja em verdade.”

ISAÍAS 61:8