DANDO VIDA A VIDA

Dar vida à vida parece paradoxo! Entretanto, é o que todos precisamos fazer! Dar vida à vida é viver este agora como ele é: o instante único em que vivemos sempre! Para quê fazer planos? Para quê relembrar passado? Para quê antever futuro? A vida é agora! Como a vida é? Humana? “Quem perder a vida achá-la-á”, disse Cristo, para revelar o que é Vida em cada um de nós AGORA! Disse também “Eu sou a Vida!” O verbo está na primeira pessoa do presente.

Alguns dizem: “Se eu for viver este agora, a minha vida está ruim demais!…” Que falta perceber? A Vida real! A Vida em SI! DEUS!

Sem Deus a vida é sem sentido! Sem Deus inexiste vida! A ilusão mostra uma vida limitada e temporária! Nela, perseguimos a felicidade de todas as maneiras! Mas, felicidade é Vida! Felicidade é Deus! Onde está Ele? Em nós! Deus é nossa Consciência! Eis o sentido da frase “Eu sou a vida!”.

Uma vez percebido que Deus é Vida, que mais a Vida pode ser? Vida é a totalidade daquilo que Deus é! Vida é Amor! Vida é Luz! Vida é Alegria! Vida é o Aqui-e-agora discernido interiormente!

E o mundo visível? Tem vida? Não! Parece ter vida, mas é simples imagem na mente! Como? Sim, mera imagem na mente! Um sonho parece conter elementos vivos para o sonhador! Mas, mesmo assim, a vida de tudo pertencente ao sonho é mera ilusão mental! Que dificuldade para a mente humana aceitar esta verdade! Ela está em todos os ensinamentos revelados conhecidos! Mas, a mente humana não pode assimilar algo dessa natureza! Somente “as criancinhas” podem fazê-lo!

Paremos de analisar nossa “vida” humana! Paremos de achar que ela está boa ou ruim! Ela é “nada”! A Vida é a Vida Divina sendo nossa Consciência! NELA SOMOS TUDO! Encontrar nosso verdadeiro Eu é encontrar a nossa Vida verdadeira: e, então, as revelações serão verdadeiras para nós, por terem sido Autocomprovadas! Dentro de nós!

(Dárcio Dezolt)

A REALIDADE

Se o mundo conhecesse a Realidade absoluta, invisível, se soubesse da presença de um Deus todo-abrangente em constante atividade, veria o sumiço de seus problemas. Que são eles? Uma névoa que “oculta” a Onipresença. Se ela for desacreditada, pela aceitação incondicional da Verdade de que a Luz da Harmonia ocupa o espaço por inteiro, a REALIDADE será discernida aqui e agora; além disso, para o mundo, a ação do Infinito será vista como vida harmônica.”

Antes que os montes nascessem e se formassem a terra e o mundo, de eternidade a eternidade, tu és Deus” Sl. 90:2 ). Que é Deus? Onde Ele está agora? A Bíblia diz, em Isaías 64:4, … desde a antigüidade não se ouviu, nem com ouvidos se percebeu, nem com os olhos se viu um Deus além de ti, que trabalhe para aquele que nele espera”. Em outras palavras, os sentidos humanos não o estão deixando perceber a REALIDADE: DEUS EM VOCÊ! Não há outra REALIDADE! Não há outra VERDADE! A citação acima, de SALMOS, diz outra vez: TU ÉS DEUS! Desde quando? Desde “antes que se formassem a terra e o mundo”.

“Deus em ti” trabalha para aquele que nele espera”. Que significa isto? Que quando a mente humana se silencia, receptiva e em compasso de espera e reconhecimento, DEUS EM “TI” SE REVELA. “Senhor, tu tens sido o nosso refúgio, de geração em geração” ( Sl. 90:1 ). Enquanto as supostas gerações humanas parecem estar existindo, nosso refúgio sempre tem sido Deus, nossa Consciência iluminada, nossa Identidade eterna. Nunca estivemos sendo algo “além de TI”, porquanto a Onipresença nunca deixou, por um instante sequer, de ser onipresente. “Seja sobre nós a Graça do Senhor nosso Deus: confirma sobre nós as obras de nossas mãos, sim, confirma a obra de nossas mãos” ( Sl 90.17 ).

Leitor, onde parecia haver um ser humano, DEUS EM “TI” estava e está presente. “Aos teus servos apareçam as tuas obras, e a teus filhos, a tua Glória” ( Sl. 90.16 ). O Filho glorificado é “Deus em TI”, a Presença do Eterno que parecia estar ocupada por um “servo ilusório”, visto pela mente que também é ilusória… a mente humana. DEUS EM NÓS CONFIRMA A UNIDADE ORIGINÁRIA! DEUS EM NÓS CONFIRMA A OBRA DE NOSSAS MÃOS. NOSSAS MÃOS SÃO, PORTANTO, MÃOS DE DEUS! ESTA É A REALIDADE!

(Dárcio Dezolt)

A PRÁTICA SIMPLES DA METAFÍSICA

        Uma Verdade revelada é a coisa mais simples de ser posta em prática. Por quê? Justamente por ser verdadeira! Os princípios exigem um conhecimento e uma entrega consciente. O conhecimento: Deus é tudo como tudo! A entrega consciente: a total submissão ou rendição da mente humana a essa Verdade.

        Analisemos a figura da paisagem: temos a impressão de que existe o céu, a terra, a casinha, a água, as árvores, a palmeira, etc. Qual é a substância de tudo? O papel! Esquecidos das formas, perceberemos o papel sendo a “realidade” presente. 

        Assim se dá com “este mundo”: se ficarmos analisando pessoas e fatos, querendo curá-los ou melhorá-los, estaremos nos desviando da substância incorpórea de tudo e de todos, que é Espírito! Pratiquemos o “Silêncio” do reconhecimento total de Deus, de que Seu Reino está à mão, aqui e agora, como a Substância incorpórea, amorfa e invisível que está por trás de todas as formas ou delineações visíveis. Façamos com que a mente humana se curve diante desta Presença perfeita infinita! Nisto se resume a prática metafísica! É simples! Não requer esforço! Porém, requer DEDICAÇÃO!

A PLENITUDE DO VAZIO

Quando contemplamos o mundo real, em nossa Consciência, esta Realidade invisível começa a se tornar visível na forma das aparências deste mundo. Humanamente falando, a felicidade é a percepção da plenitude do vazio, uma vez que a cada segundo vemos aquele segundo ser “criado” a partir do nada.

Há pessoas que se queixam da vida…. pensam ser ela essa seqüência de aparências… mas a VIDA É PLENITUDE ETERNA! Está além deste mundo!

Experimente trocar seu referencial de visão. Experimente aplicar o Princípio espiritual revelado, parando de apenas estudá-lo teoricamente… fique alheio ao que a mente humana lhe diz sobre você e seu mundo… fique “vazio” na PLENITUDE DO INVISÍVEL… a isso denominamos A PRÁTICA DO SILÊNCIO! Dedique-se… deixe de ser um robô!

Conhecer a Verdade é contemplar a PLENITUDE DO VAZIO! Contemplar a PLENITUDE NO VAZIO DAS APARÊNCIAS! Somente com a PRÁTICA poderemos comprovar a veracidade das REVELAÇÕES!

(Dárcio Dezolt)

A Escola da Vida

Se ocorrer o lampejo espiritual, revelador da natureza ilusória deste mundo aparente, de imediato será desfeito o engano cometido por diversos movimentos filosóficos, religiosos ou mesmo metafísicos, que insistem em considerar “este mundo” como local de aprendizado espiritual, uma espécie de “escola” da alma ou da vida.

 

Enquanto alguém se posicionar nesta “ilusão de mundo”, considerando-se “aprendiz na escola da vida”, inevitavelmente continuará endossando a existência deste mundo falso como sendo a tal escola. Vezes e mais vezes, encontramos em textos sobre a Verdade que “o mundo das aparências” é pura ILUSÃO, simples NADA, algo semelhante a uma MIRAGEM. Sendo assim, tanto a suposta “escola da vida” como seus possíveis “alunos” são ILUSÃO, NADA, MIRAGEM. Conclusão: NÃO ESTAMOS, NUNCA ESTIVEMOS NEM ESTAREMOS NUMA “ESCOLA DA VIDA” TERRENA. Tal percepção, aliada ao princípio da existência única do AGORA, permite-nos captar com nitidez a frase Bíblica “Em Deus vivemos, nos movimentamos e temos o nosso ser”. (Atos 17:28).

 

Se quisermos apreender os princípios espirituais, será de importância máxima que nos mantenhamos em estado alerta quanto à natureza ilusória deste mundo aparente. Caso contrário, ficaremos abertos às suas crenças errôneas e falsas teorias. Para ilustrar, façamos uma analogia com a “casa de espelhos”, muito vista em parques de diversões. Ao entrarmos numa delas, passamos a ver nosso corpo distorcido de inúmeras maneiras. Como temos noção de que as distorções apenas são imagens ilusórias, em momento algum nos passaria pela cabeça a idéia de “querer melhorar” aquelas imagens refletidas. Seria uma intenção ridícula. Em vez disso, apenas nos divertiríamos, vendo aquelas aparências deformadas, sem que jamais elas fossem levadas a sério. O mesmo se dá com “este mundo”. Todo ele não passa de uma imagem ilusória: NÃO PODE SER LEVADO A SÉRIO. Devemos apreender diretamente o Mundo Real e Perfeito do Espírito, que vinha sendo mal traduzido como “mundo material” pelo “espelho” chamado mente humana coletiva. Teria sentido alguém se esquecer da realidade do próprio corpo, para se deixar iludir pelas imperfeições e distorções apresentadas pelos espelhos da casa de diversões? Não! Entretanto, não é exatamente o que muitos que estudam a Verdade aparentemente estão fazendo?

 

Não se pode dizer que “este mundo” é ILUSÃO para, em seguida, considerá-lo como “escola da vida”. Além de contraditórias, estas idéias levam à confusão e ao dualismo. Exige-se um enfoque radical e absoluto quanto a este ponto. ESTE MUNDO APARENTE É ILUSÓRIO! INEXISTENTE! EXISTE SOMENTE DEUS, APARECENDO COMO ESTE UNIVERSO REAL, INVISÍVEL PARA A CHAMADA MENTE HUMANA.

 

Assim sendo, jamais consideramos a existência de algum ser humano em “escola da vida”, procurando evoluir, despertando energias psíquicas, desenvolvendo mediunidade, gerando carmas positivos ou resgatando negativos. Este “ser ilusório”, sempre buscando, buscando, buscando, não é nosso Eu Real! Toda esta busca interminável provém da errônea aceitação de que “este mundo”, além de existir, é uma “escola” de progresso ou evolução espiritual. Entretanto, Deus é Tudo! E, “este mundo” é ILUSÃO!

 

Não devemos perder tempo com este mundo aparente e suas crenças ilusórias. Que tempo não devemos perder? Este AGORA! O único “tempo” que existe! Jamais devemos colocar nosso referencial de existir em algo semelhante ao visto em “espelhos” de casa de diversões.  Assim, entenderemos a nulidade da “teoria da reencarnação”. Mesmo que à saída da Casa dos espelhos, o espelho final fosse perfeito e refletisse com fidelidade o nosso corpo, jamais nosso CORPO VERDADEIRO teria sofrido aquela seqüência de variações mostrada pela série de espelhos para “chegar à forma perfeita”. O sentido desta analogia é muito amplo e importante: NOSSO CORPO VERDADEIRO É ESPIRITUAL E PERFEITO; JAMAIS NASCE E JAMAIS MORRE. DEUS, CORPORIFICADO, CONSTITUI O NOSSO CORPO CONSTANTE E ETERNO. Colocar em Deus o nosso referencial de ser, corresponde a colocar no visitante da “casa de espelhos” o referencial de sua “existência única e verdadeira, considerando-a livre e autônoma em relação ao “mundo dos espelhos do parque”.

 

Gostaríamos que os leitores desta ilustração explorassem ao máximo o profundo significado espiritual que ela busca retratar. Que todas as condições possíveis sejam analisadas, ou seja, as analogias entre as coisas reais e as ilusórias, a identificação dos princípios espirituais ali presentes, etc. Se esta ilustração for bem analisada, com facilidade será percebido o motivo pelo qual o nosso enfoque da Verdade é sempre a partir do Absoluto, isto é, a partir da EXISTÊNCIA ÚNICA DE DEUS COMO REALIDADE, EXISTÊNCIA, PERFEIÇÃO, SUBSTÂNCIA, MENTE E FORMA DE TUDO E DE TODOS.

A Irrealidade

A visão interior é a Visão de Deus em cada um de nós. Em Sofonias 3:15, lemos que “…o Rei de Israel, o Senhor, está no meio de ti; tu já não verás mal algum.” O ser que está “no meio de TI” é a nossa identidade verdadeira, eterna, presente; eis porque “não veremos mal algum”. O MAL NÃO É REALIDADE! Por mais que isto pareça absurdo, é verdadeiro! “Pois eis que EU crio novos céus e nova terra; e não haverá lembrança das cousas passadas, jamais haverá memória delas” (Isaías 65.17). Que eram as “coisas passadas” ? IRREALIDADES, vistas como realidades pela ilusória mente humana.

A Visão da Realidade vem pela “ascensão”, não pela chamada “evolução” da mente humana. “Subirei acima das mais altas nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo” (Isaías 14.14). Estas “mais altas nuvens” são as crenças falsas que tentam ocultar a Verdade revelada já manifestada. COMO SUBIR ACIMA DA ILUSÃO? Seguindo as palavras e modo de vida daqueles que tiveram êxito nesta realização.

Disse Buda: “As três paixões mais graves são: sede de amor, apego à existência e cegueira da ignorância”. Disse Cristo: “Se um dos teus olhos te faz tropeçar, arranca-o; é melhor entrares no reino de Deus com um só de seus olhos do que, tendo dois, seres lançado no inferno, onde não lhes morre o verme, nem o fogo se apaga” (Marcos 9:47.48). A PERCEPÇÃO DO REINO DA REALIDADE MOSTRA DE IMEDIATO A IRREALIDADE DESTE MUNDO DE APARÊNCIAS. Enquanto a Verdade revelada continuar sendo rotulada de “muito profunda”, esta ilusão de existência chamada “mundo material” continuará com suas MIRAGENS iludindo a todos que a elas se apegam graças à “cegueira da ignorância”.

Quando nos identificamos com DEUS EM NÓS ( como UNIDADE), quando percebemos que não há vida humana ao lado da Vida divina, quando deixamos de dividir o Universo em poderes diversos, compenetrando-nos da Verdade de que “A MIM”, À MINHA CONSCIÊNCIA ILUMINADA, “FOI DADO TODO O PODER” temos o DISCERNIMENTO de que O MAL É IRREALIDADE. E mais, também de que o “Bem humano” é IRREALIDADE. Por que os humanos têm sede de amor, apego à existência e cegueira da ignorância? Por tropeçarem devido à visão materialista ilusória! Como dissemos na abertura, “a visão interior é a Visão de Deus em cada um de nós.” Tudo que “vemos” com os olhos humanos são MIRAGENS! São imagens IRREAIS! Vale aqui lembrar as palavras de Jesus: “Tendes olhos, mas não vedes.” Olhos humanos, desconhecidos de Deus, vêem um mundo que também Deus desconhece!

Que cada um se volte para DENTRO DA PRÓPRIA CONSCIÊNCIA, para ali reconhecer “a PRESENÇA DO SENHOR QUE ESTÁ NO MEIO DE TI”, conforme diz a Revelação de Sofonias. Esta é a atitude que nos cabe. Somente assim, “NÃO HAVERÁ LEMBRANÇA DAS COUSAS PASSADAS”; pois EU crio “NOVOS CÉUS E NOVA TERRA”, e estes não são IRREALIDADE S.

(Dárcio Dezolt)