MUNDO DAS IMPOSSIBILIDADES

Dárcio

“Para Deus todas as coisas são possíveis”, diz a Bíblia. O que está implícito, nesta frase, é a natureza ILUSÓRIA de todas as imperfeições! Sejam elas quais forem, em DEUS, há a possibilidade de serem desmanteladas, não por Sua ação poderosa, mas, simplesmente por serem ILUSÃO!

Quando meditamos e contemplamos o PERFEITO Universo da Verdade, podemos entender que TODAS as IMPOSSIBILIDADES estão ali já acontecendo! Não existem “impossibilidades” no Paraíso! E está mais que na hora de a maioria despertar do SONHO de vida material para se ver neste REINO DAS IMPOSSIBILIDADES, que é o Reino da Graça, da Verdade, e que é o NOSSO REINO!

Se existisse algo trágico, não haveria de ser “algo ruim” visto “neste mundo”, mas sim, haver alguém ainda “crendo neste mundo”. Quem crê neste mundo, crê na ILUSÃO! E, enquanto ela não  for desmantelada pela Luz da Verdade,  parecerá ser real e ainda engrossada pela mente coletiva que nela crê! “Conhecereis a VERDADE, e a VERDADE vos tornará livres”, disse Cristo! E esta Verdade é que a ILUSÃO É NADA! Enquanto DEUS É TUDO!

QUE É METAFÍSICA ABSOLUTA – Cap. 8

Dárcio

Capítulo VIII
A LIBERTAÇÃO

Enquanto alguém se posicionar neste mundo de aparências, procurando nele se realizar, estará deixando de vivenciar a Realidade Infinita sempre aqui presente e já à sua disposição. A percepção consciente da Realidade Suprema é nosso único objetivo quando, informados pelos princípios revelados, de fato aceitamos que Deus é Tudo e que o mundo das aparências é uma ilusão. Este estado último de percepção, em treinamentos iogues, é chamado de samadhi. Em nosso estudo, entretanto, tal estado não é “atingido” através de esforços pessoais. Diante da Revelação de que “Deus é Tudo”, assumimos, com dedicação e seriedade, esta posição transcendental como a nossa real, atual, única e eterna posição, e desconsideramos as limitações do chamado mundo visível.

Comumente encontramos pessoas se dizendo cheias de compromissos e obrigações “neste mundo”, desejosas de saber de que modo poderiam conciliar o estudo com o dia-a-dia. Abordaremos este assunto com muita clareza e detalhamento, pois é de extrema importância conhecermos os princípios do Absoluto e, ao mesmo tempo, sabermos lidar com este suposto “mundo material”, até ser ele definitivamente abolido de nossa percepção ou experiência.

A História registra um sem-número de sábios que renunciaram à vida comum para se dedicar exclusivamente à vida mística. Não é esse o nosso enfoque! Enquanto alguém se imaginar entrando em contato com um “reino superior”, com um “eu superior”, a Verdade Absoluta não estará sendo vivenciada em Sua plenitude gloriosa! Em casos assim, um “alguém meditante” sempre se mostrará presente, quando, de fato, DEUS É TUDO, numa Realidade que exclui a matéria, a dualidade e a ilusão. Muitos acham que o ensinamento é o mesmo, que somente a terminologia é diferente para expressar o mesmo conteúdo. Talvez o objetivo possa ser o mesmo; porém, a grande diferença é que, em nosso enfoque absoluto, ELE É OBJETIVO JÁ ATINGIDO, EXATAMENTE AGORA! Por quem? POR VOCÊ, LEITOR! DEUS É TUDO! E, EM SENDO TUDO, ESTÁ SENDO INCLUSIVE VOCÊ!

Quando esta Verdade é aceita, a Vida divina Se expressa com naturalidade, e as chamadas “obrigações humanas” são atendidas a contento: há amor, há sabedoria, há atenção, há discernimento inspirado do que se deve ou não fazer, e o mundo das aparências é “ajustado” também com naturalidade. Por quê? Por existir SOMENTE UM UNIVERSO: O ABSOLUTO! Desligados de “mundo humano”, “mente humana”, “eu humano”, “relacionamento humano”, “realização humana”, de tudo de natureza humana, permitimo-nos discernir o óbvio: “O PAI EM MIM FAZ AS OBRAS”! E esta é a LIBERTAÇÃO!

Ninguém está sem condições de vivenciar o Absoluto. Qualquer idéia em contrário, por mais lógica que possa parecer, é crença falsa! As coisas são simples demais! DEUS REALMENTE ESTÁ SENDO TUDO!

DEUS, SENDO, SOU EU

Dárcio

A sensação de que vivemos como vida própria apartada de Deus é a ILUSÃO a ser dissipada pelo reconhecimento de que a Vida única é Deus. Quando “perdemos noção de vida separada”, achamos a Vida que somos.

Deus, sendo a Vida única em expressão, é a Vida que somos! Portanto, medite e contemple esta Verdade:

A Vida Infinita Se expressa sozinha, Se supre sozinha, e vive sozinha! No ponto em que eu estou, DEUS, SENDO, SOU EU! Sou plenificado! Sou vivificado! Sou realizado!

Perceba com clareza estas Verdades!

O AGORA SEM DEPOIS

Dárcio

DEUS É! O Universo É! Por isso cada um pode dizer: “EU SOU”. Vivemos neste AGORA sem depois! O “Primeiro Agora” coincide com o “Ultimo Agora”. O Princípio e o Fim são  UM, neste AGORA! Como não há depois, a ilusão não “apareceu”; como não há depois, a crença no bem e no mal não “apareceu”.

Reconheça este AGORA sem “depois”!

ESTADOS DE CONSCIÊNCIA – Parte 1

Dárcio
1
A percepção de que Deus é a Consciência única permite que nos identifiquemos com essa unidade e possamos conhecer a Verdade de que “temos a Mente de Cristo”. Esta identificação correta anula a falsa, ligada à suposta mente humana; e, assim, as crenças hipnóticas universais acabam se mostrando como são: inoperantes e sem qualquer poder.
Suponhamos que alguém experiencie este Despertar espiritual de que sua consciência atual é a própria Consciência crística ou divina. Para as demais pessoas, que ainda se identificam com a mente humana, o “Desperto” passa a ser rotulado de “iluminado”, “mestre”, “praticista espiritual” etc. Desse modo, para a “mente humana”, estará existindo, por exemplo, um curador espiritual e seus pacientes. Se este praticista se dedicar a contemplar os supostos pacientes com o “Olho Crístico”, verá a Consciência infinita Se desdobrando em cada um deles, no lugar de vê-los como seres humanos em diversos estágios mentais de consciência. Quando as pessoas são receptivas à ação pura desta Consciência única, indivisível e onipresente, “curador” e “pacientes” são transcendidos, e, como efeito visível, teremos as chamadas “curas espirituais”.
Este efeito curativo é recebido igualmente por todas as pessoas? Não. O envolvimento com as crenças humanas, tanto por parte do “curador” quanto por parte dos “pacientes” influi na receptividade à Verdade. Em vista disso, em muitos ensinamentos espirituais, surgiu a propalada questão dos estados ou estágios de consciência.
Didaticamente, podemos subdividir a mente humana em consciente e subconsciente. A receptividade espiritual se relaciona com a habilidade ou facilidade com que a pessoa consiga deixar de lado a análise puramente lógica ou intelectual, em termos humanos, para permitir a percepção da atuação transcendental da Consciência única nela própria. Como essa facilidade difere de indivíduo para indivíduo, em função de diversos fatores, todos ligados ao envolvimento de cada um com o mundo das aparências, alguns autores de temas metafísicos dão o nome de “estados de consciência” a cada uma dessas supostas graduações de receptividade.
As palavras são meramente expedientes que buscam elucidar uma idéia. Se, por um lado, essas explicações agradam ao intelecto humano, por tratarem de algo aparente, por outro lado, se não ficarmos atentos, teremos o endosso de que a ILUSÃO existe! Que é ilusão? A crença na inexistência! A VERDADE ABSOLUTA É CLARA: DEUS, A CONSCIÊNCIA ILUMINADA, É A ÚNICA CONSCIÊNCIA.
Assim, por mais que os supostos “estados de consciência” pareçam existir, são todos ILUSÃO! Aceitá-los como existentes, quando estudamos a Verdade Absoluta, seria negar a BASE do estudo: a UNIDADE.

ESTADOS DE CONSCIÊNCIA – Parte 2

Dárcio
2
Por difícil que  possa parecer, devemos deixar de lado todas as “diferenças humanas”, baseadas no “julgamento segundo as aparências”. Disse Jesus: “Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas cousas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos (Mateus 11:25).
Há pessoas que justificam a permanência de seus problemas com argumentos do tipo: “Eu não pude elevar a minha consciência o suficiente para resolvê-los”. Este é o perigo de encararmos os “estágios de consciência” como existentes! Somos levados a acreditar que tudo depende de nossa elevação de consciência, quando, na verdade, nossa posição é a de nos tornarmos receptivos à atuação da Consciência única, que é Deus. Jamais a suposta “mente humana” se elevará à Consciência divina, assim como jamais a escuridão atingirá a luz. A “mente humana” é NADA! As curas espirituais e a solução espiritual para todos os tipos de problemas não dependem de nada que seja ilusório; assim, independem dos chamados “estados de consciência”. Para explicar esta Verdade, disse Jesus: “O Pai, que permanece em mim, faz as obras”.
A compreensão deste princípio é fundamental, pois nele está implícito o motivo de não haver esforços mentais na prática da Verdade. Não meditaremos para “elevar a consciência”, e sim para “aguardar a descida do Espírito Santo”, ou seja, a revelação espontânea de que a Consciência infinita já é a nossa única Consciência individual. O Caminho não é o do “esforço”, mas o da “dedicação”. Iremos nos dedicar a manter a mente voltada para o nosso íntimo, para o Reino de Deus “dentro de nós”. Aos olhos da crença, estaremos “evoluindo”; porém, aos nossos olhos, estaremos somente reconhecendo continuamente a nossa verdadeira e única IDENTIDADE DIVINA.
A mente ilusória estabelece, por exemplo, diferentes estados de consciência para um religioso e para um ladrão; além disso, aceita que estamos em constantes flutuações mentais, ora calmos, ora nervosos, etc. Precisamos sair desta esfera de crenças mortais, abrindo-nos à Ação ÚNICA do Absoluto! TODOS OS SERES JÁ SÃO ILUMINADOS! TODOS SÃO O FILHO DE DEUS! Este reconhecimento é o ponto de partida, caso contrário, inexiste estudo da Verdade. Se formos “julgar segundo as aparências”, os princípios espirituais não terão qualquer propósito. Deles nos utilizamos justamente para que as aparências sejam transcendidas. Que significa “transcender as aparências”? Significa RECONHECER a Onipresença de Deus e o puro NADA que são a “mente humana” e todos os seus supostos “julgamentos”.
Habituando-nos à meditação correta, sabendo aguardar, aguardar e aguardar em silêncio e quietude,  com a Mente em contemplação direta da Realidade iluminada já presente, perceberemos que jamais estivemos separados de Deus. E esta comunhão consciente surgirá também visivelmente COMO condição de harmonia nos vários segmentos de nossas vidas.
F  I  M

EU "VOU" PARA MEU PAI

Dárcio

As contemplações que fazemos, durante a “Prática do Silêncio”, objetivam aclarar nosso posição real em Deus pela remoção da crença falsa de que vivemos materialmente neste mundo de aparências. Nossa condição permanente é em Deus” Isso jamais muda! E é o ponto a ser reconhecido e contemplado sem esforço algum!
Suponhamos que alguém ligue seu computador e comece a dialogar com outra pessoa neste mundo virtual; de repente, ele necessite de “sair” para cumprir um compromisso “deste mundo”: ele “sai” mesmo? Ou já estava “neste mundo”? Já estava, antes, durante e depois do “passeio virtual”. Assim como ela “sai” de onde realmente “não entrou”, ou seja, do “mundo virtual”, nós “VOLTAMOS PARA O PAI”, de onde jamais havíamos saído realmente! Assim como a mente, absorvida pelo mundo virtual, fazia com que “este mundo” fosse momentaneamente esquecido, o REINO DE DEUS, onde sempre estivemos, estamos e estaremos, aparentava estar em “outro lugar”.
Desligando o computador, desligamos nossa ilusória “saída deste mundo” pela suposta  “entrada no mundo virtual”; analogamente, desligando a “mente carnal”, descobrimo-nos com a “Mente de Cristo”, já em Deus, e sendo Deus!

QUANTO MAIS, QUANTO MENOS…

Dárcio

A vivência nos princípios da Verdade é a própria vivência na Verdade, e isto somente se nos torna possível se meditarmos assiduamente. As ondas magnéticas do mesmerismo atuam à nossa volta como um “mar de crenças “desejando nos tragar! Se a pessoa não o reduzir a NADA, através de meditações definidas de reconhecimento radical da TOTALIDADE DE DEUS,  menos vontade de meditar irá sentir.

Quanto mais meditamos, mais desejamos meditar! Isto porque esta permanência em Deus nos deixa menos susceptíveis às ondas mesméricas! E quanto menos meditamos, menos teremos desejo de meditar, pois, a pressão mésmerica do hipnotismo de massa estará quase livre atuando sobre nós.

É necessária uma determinação inicial no sentido de manter a dedicação e disciplina na prática das meditações contemplativas! O mesmerismo, esta sugestão de massa, é NADA! Mas, assim ela precisa ser detectada e reconhecida! Até mesmo aquela mania de ler sem parar os textos ou livros espirituais é parte da crença hipnótica, que quer segurar a mente da pessoa  neste mundo de leituras, para que ela não o transcenda e vença! As leituras são úteis até o ponto em que são úteis, ou seja, para elevar a mente ao ponto de a pessoa entrar em meditação e discernir este Universo ILUMINADO do Espírito em que vivemos! Passou disso, ela deve entender esta prisão à leitura como mesmerismo, cerrar os olhos e realmente discernir a REALIDADE em que já vivemos!

QUE É METAFÍSICA ABSOLUTA – Cap. 7

Dárcio

Capítulo VII

A VIVÊNCIA

Vivenciar o Absoluto não é vivenciar uma vida humana sem problemas! Muitos associam este estudo com o chamado “pensamento positivo”. Pensar positivamente, neste conceito material de mundo, logicamente é melhor do que se deixar envolver pelo lado negativo da coletividade. Porém, vivenciar o Absoluto, exatamente como está dito, significa VIVENCIAR O ABSOLUTO!

Falamos, nos capítulos anteriores, que já estamos AGORA num Universo espiritual. Ressaltamos, também, a necessidade de reconhecermos este Fato pela contemplação de sua veracidade plena e absoluta. Para tanto, a mente aberta (receptiva, quieta e em silêncio), constitui a base para estas contemplações serem feitas sem nenhum tipo de esforço.

Que esforço uma Verdade poderia fazer para se tornar verdadeira? Nenhum, é claro. Assim, o “pensar positivamente”, que seria um esforço mental humano, deve abrir espaço para que a Verdade, aquilo que JÁ É, Se revele, na ausência plena de esforços. Somente assim, entenderemos o sentido do ensinamento “Não resistais ao maligno”.

Por que alguém tentaria “pensar positivo”? Por acreditar em mente humana com poder criador; por acreditar serem reais e passíveis de mudanças as imagens vistas por ela: mudanças para pior ou, no caso de se pensar positivamente, para melhor. Há pessoas que se dizem desinteressadas pelo estudo do Absoluto; alegam estar muito bem contando com as próprias mentalizações. Benefícios humanos, assim obtidos, são citados como provas desse sucesso. Que mal há nisso? Tudo depende do sentido que damos à palavra “sucesso”. E, depende também do nosso objetivo, quando abraçamos algum ensinamento. Quem mentaliza, ou utiliza positivamente a mente humana, será capaz de constatar alguma melhoria visível como fruto deste trabalho; porém, estará vivenciando um mundo ilusório de quadros mentais. E, além disso, poderá estar bloqueando a visão para a Verdade suprema de que “em Deus vivemos, nos movemos e existimos”.

A Metafísica Absoluta enfatiza: HÁ UMA VERDADE AQUI! E esta Verdade Se expressa SOZINHA, por dispor da ONIPOTÊNCIA onipresente para fazê-lo. Portanto, neste estudo, o sucesso é quando abandonamos a ilusória mente humana, “criadora” de pesadelos ou sonhos agradáveis; quando aderimos totalmente ao princípio de “não resistir ao maligno”; quando deixamos de querer diretamente benefícios humanos decorrentes do estudo! Nesse estado contemplativo, de silêncio e quietude, em que a livre ação de Deus em Se expressar é universal e impessoalmente reconhecida, ficamos abertos à Graça divina e percebemos a UNIDADE ORIGINÁRIA. Sempre vivemos na Graça! Sempre vivemos em Deus! A Verdade impessoal, que JÁ SOMOS, é que nos mantém! É esta Verdade Absoluta que desconhece qualquer outra presença, poder ou existência!

Neste estudo, não ficamos dependentes de mera ação mental positiva; antes, numa atitude passiva, incapaz de duvidar da capacidade infinita que a Verdade dispõe para Se expressar, vemo-nos na qualidade de SER A VERDADE exatamente no ponto em que estamos.

Sem nenhuma “resistência” às aparências, sem nenhum tipo de “esforço mental”, ficamos de modo contemplativo percebendo a Presença do Espírito Infinito sendo tudo e todos, num UNIVERSO SEM MATÉRIA, que é o REINO ABSOLUTO DA REALIDADE. Nesta percepção, claramente há o discernimento idêntico ao de Cristo: “Eu sou a Verdade”. Este é o sentido de “vivenciar o Absoluto”.

"EU SOU O ALFA E O OMEGA" – Parte 1

Dárcio

Parte 1

“EU SOU O ALFA”

Quando os ensinamentos da Verdade Absoluta nos são revelados, devemos imediatamente fazer radical identificação com eles, assumindo-os como princípios já válidos agora para cada um de nós. Não devemos analisá-los com a suposta mente humana, esta ilusão de mente que desaparece diante do reconhecimento pleno e direto de que Deus, a Mente Única, é a nossa Mente real.

Toda análise humana da Verdade acaba por limitar o sentido total de uma Revelação. Exemplificando, se dissermos que “o tempo não existe”, teríamos algum benefício se nos prendêssemos a meras divagações intelectuais sobre o assunto? É comum querermos associar uma Revelação com as “coisas deste mundo”. Entretanto, toda Revelação retrata um Fato espiritual eterno, válido, portanto, AGORA para todos nós.

Diante da Revelação “Eu Sou o Alfa”, que faz a mente humana? Analisa e diz: “Deus é o Alfa”. E daí? Que vantagem tiramos disto? Nenhuma! Que estaria faltando? A nossa “identificação” com esta tremenda Verdade; a nossa percepção de que este “EU”, que é Deus, é a ÚNICA Presença no Universo inteiro, por ser Onipresente e por ser o Universo em Si. Estaria também faltando a nossa percepção de que este “Eu”, por ser único e igualmente presente em toda parte, já é o nosso Eu,

O Salmo 46 registra: “Aquieta-te e sabe, EU SOU DEUS”. Este “aquietar-se” pode ser avaliado como sendo a própria pessoa se empenhando em apaziguar seus pensamentos para perceber a própria identidade divina. Todavia, este entendimento, apesar de se mostrar útil até certo ponto, é relativo e dualista. Que “mente” existiria para ser aquietada? A da pessoa? Não, pois Deus é a Mente Única! A percepção “EU SOU DEUS” é direta e imediata, pois EU SOU O ALFA. Nada há, além de MIM. Portanto, este “aquietar-se” é uma direta percepção da Verdade Absoluta que desconhece o “tempo”, e desconhece “outra mente”.

Deixar a mente humana receptiva às Revelações é válido somente enquanto aparentemente dermos início à “Prática do Silêncio”. Se não mudarmos rapidamente de referencial, e não formos diretamente à percepção da Realidade (Deus Se Autopercebendo como este Eu que Eu Sou), a ilusão de “mente humana” irá perdurar, pois ela estará sendo admitida como existente por “estar à espera da aquietação”.

Não existe mente humana! Não existe, portanto, um ser ao lado de Deus tentando aquietá-la. “Eu Sou o Alfa” – eis a percepção atemporal que temos AGORA!

Em geral, quando chega alguém a este estudo, há nele a intenção de obter algo desejável no mundo visível. Quando lhe é informado que “TUDO JÁ EXISTE DENTRO DE NÓS”, esta Verdade, a princípio, lhe parece ser algo impalpável, abstrato demais e sem qualquer vínculo direto com sua vida atual. Enquanto não for feita a DIRETA CONTEMPLAÇÂO DA REALIDADE ESPIRITUAL, com sua total e radical IDENTIFICAÇÃO com a mesma, a ilusão de que a vida está na matéria não será transcendida, ou melhor, desmascarada!

A percepção direta, de que “EU SOU O ALFA”, anula a ilusão de nascimento humano. Assim, o Deus-Vivo, único Ser presente, espontaneamente Se revela estando VIVO como a VIDA ATUAL de todos nós. Nesta percepção, não existe esforço mental algum! Com naturalidade, é observado o Infinito Onipresente simplesmente sendo!

Ensinamentos dualistas ou relativos, por darem atenção à ilusória lógica humana, partem da aceitação de um mundo material aqui presente; assim, reforçam a ilusão de que “nascemos neste mundo”, e que nele vivemos em corpos materiais temporais. Jesus, ao ser rotulado de “muito jovem para ter conhecido Abraão”, confirmou a Verdade Absoluta válida para todos nós: “Antes que Abraão existisse, EU SOU”. Este “EU” é o “ALFA”: o princípio de tudo, ou seja, o princípio existencial de cada um de nós.

Uma Substância eterna, amorosa, constante, é o Universo inteiro da Realidade. A este Universo, damos o nome de Deus, ou Eu Sou. Onde Deus está, existe Realidade. Como Deus é Onipresente obviamente, somos esta Presença, exatamente aqui e agora. Eis por que cada um pode afirmar: “EU SOU O ALFA”. Sendo O ALFA, inexiste “alguém” que sofra mudança, que conheça tempo e espaço, que saiba algo além de MIM. Esta constatação é a síntese do Evangelho dos Iluminados.

Quando falamos em Iluminação, mesmo quando citamos “mestres” Iluminados, não devemos nos enganar achando que há “pessoas iluminadas”. EXISTE UMA MANIFESTAÇÃO UNIVERSAL PRESENTE! QUE É LUZ INFINITA! Um “Iluminado” simplesmente é o ser individual consciente desta Presença Impessoal Infinita! A percepção da Presença da Luz desfaz a ilusão de que a Luz, em algum ponto, possa estar ausente, dando lugar à ocupação pelas trevas. QUANDO DEIXAMOS DE LADO O MUNDO DAS APARÊNCIAS, CENTRADOS NA PERCEPÇÃO DE QUE, NESTA AUTOMANIFESTAÇÃO DO UNO, ESTAMOS INCLUSOS, ENTENDEMOS AS PALAVRAS DE JESUS: “QUEM ME VÊ A MIM, VÊ AQUELE QUE ME ENVIOU; QUEM ME VÊ, VÊ O PAI, EU E O PAI SOMOS UM”. Não falava de si mesmo como pessoa, mas como Luz Onipresente!

O conhecimento que a humanidade veio adquirindo, sobre a chamada mente humana, pode ter trazido algum tipo de alívio ou um certo domínio sobre a vida humana. Porém, o ser humano é ilusão. Mesmo que um ensinamento traga progresso visível, se estiver fundamentado em “mente humana”, e não na compreensão de que “EU SOU O ALFA”, não podemos dizer que houve o despertar espiritual. As “melhorias visíveis”, decorrentes deste despertar, nada têm a ver com mudanças de mentalidade humana que alguém possa promover em si mesmo. Poucos se detiveram nesse ponto, para bem observar a diferença radical entre melhoria vinda por acréscimo, fruto do “despertar”, e melhoria gerada por mentalização, fruto de força de vontade humana. Os resultados visíveis talvez se mostrem parecidos; entretanto, o agente-causa é regido por princípios totalmente distintos.

A ilusão “corpo humano” e a ilusão “mente humana” são a mesma ilusão: a crença de que há vida ou substância ao lado de Deus. Esta crença de mundo, ou da mente humana, é realidade. Assim, a cada mudança da crença, ou da mente humana, para melhor ou para pior, a suposta pessoa se vê diante do reflexo visível equivalente. Observemos que a crença em vida humana, nesse caso, ainda perdura; e, o que é pior, aparenta dar segurança à pessoa, que passa a se considerar “onipotente” com estes seus conhecimentos de “mentalismo”.

O “despertar espiritual” traz a melhoria visível; porém, esta é conseqüência de um Princípio espiritual. Quando Jesus disse: “Antes que Abraão existisse, EU SOU”, estava enfatizando a Verdade “EU SOU O ALFA”. Estava anulando a dualidade “Eu divino” e “eu humano”. O “despertar” é esta compreensão da Verdade: “EU SOU O ALFA”, ou seja, “Eu não tenho vida humana; Eu não tenho mente humana; Eu não tenho corpo humano”. Este “despertar” revela Deus! Revela que a Vida é Consciência, é Mente, é Corpo, é Verdade. Revela que “EU SOU O ALFA”.

Uma coisa é admitirmos corpo humano, mente humana, mentalizarmos “melhoria do corpo”, e, decorrente disso, surgir uma “aparência” de corpo curado; outra coisa é reconhecermos unicamente o Corpo de Luz, perfeito, uno com a Mente Infinita perfeita, já estando aqui presente como o nosso único Corpo atual, eterno e imutável. Este segundo enfoque, às vezes chamado de “cura divina”, é o enfoque absoluto, em que não há mente humana para criar o bem ou mal, mas que existe unicamente Deus.

A Consciência divina aparece como Corpo. Consciência e Corpo são UM; além disso, este “UM” é Deus. Eis por que Jesus disse: “Se o olho for simples, todo o Corpo terá Luz”.

O mundo se entretém com suas próprias crenças e teorias: fala em encarnação, reencarnação, regressão a outras vidas, etc. Todo esse emaranhado não sai do âmbito da ILUSÃO. Enquanto o Universo perfeito não for reconhecido como Onipresente, a ilusão irá permanecer dividindo a cabeça das pessoas. O intelecto ilusório logo se deixa atrair por “novas descobertas científicas”, alimentando cada vez mais a tendência de se tentar associar “avanços científicos” com a eterna “Sabedoria revelada”. Psicólogos, psiquiatras, e vários tipos de terapeutas procuram associar seus “estudos” com as práticas religiosas ou meditativas que vêm acompanhando a raça há milênios. Entretanto, seus “pacientes” nunca se vêem cem por cento libertos! Os traços de humanidade não chegaram a ser eliminados pela raiz!

“Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”Eis a milenar frase deixada por Jesus. Que é a Verdade? Resposta: “EU SOU A VERDADE.” A Verdade não muda; a Verdade não “evolui”; a Verdade não nasce, não morre, não reencarna! A Verdade não tem passado nem futuro; a Verdade não faz regressão mental! A Verdade simplesmente É!

Leitor, parta da Verdade Absoluta! Abandone o “mundo das aparências”, voltando-se radicalmente ao Reino interior em que se achará “sendo O ALFA”. “Habite neste Esconderijo do Altíssimo!” A LUZ É VOCÊ! A LUZ É A SUA CONSCIÊNCIA! A LUZ É SEU CORPO! A LUZ É SEU UNIVERSO! Não tente entender esta Verdade com a ilusória “mente humana”! Não pense que esta Verdade será válida para VOCÊ somente “futuramente”, quando “for conscientizada”. Não existe mente humana! Nada há além de Deus. O TODO ESTÁ MANIFESTADO COMO LUZ UNIVERSAL INFINITA! ESTA LUZ JÁ É VOCÊ! DIGA COM A AUTORIDADE DO CONHECIMENTO: “EU SOU O ALFA!”

Continua…>

"EU SOU O ALFA E O OMEGA" – Parte 2

Dárcio

Parte 2

EU SOU O ÔMEGA

Já vimos que quando a ilusão de dualidade é desfeita, mediante o conhecimento da Verdade, a Mente única deste Agora Se revela como onipresente e, conseqüentemente, como a “nossa” Mente.

O livro Ciência e Saúde, de Mary Baker Eddy, traz o seguinte: “Para o sentido mortal, o pecado e o sofrimento são reais, mas o sentido imortal não inclui nem o mal nem a peste. Por não ter erro no sentido, o sentido imortal não tem sentido de erro; por isso não tem elemento destrutivo” (p. 210). Esta frase elucida o entendimento do cap. 21: 4, de “O Apocalipse”: “E (Deus) lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras cousas passaram”.

Tudo se resume num único ponto: “visão correta”. O Sentido espiritual, enquanto não reconhecido como onipresente e perfeito, aparentemente divide espaço com a ilusória mente humana ou, como diz Mary Baker Eddy, com o “sentido mortal”. O objetivo do estudo do Absoluto deve ser bem compreendido, para que a dualidade desapareça como nunca tendo realmente existido.

A Realidade espiritual é O ALFA E O ÔMEGA! Os dois são UM: O AGORA ETERNO. As “primeiras cousas passam” quando o SENTIDO IMORTAL, sempre atuante, é percebido como ÚNICO!

Como fazer com que o sentido mortal desapareça? Através de um aquietar consciente, em que reconhecemos a totalidade do Sentido divino já em nós. Enquanto estivermos reconhecendo imperfeições, estaremos “vendo-as”, apesar de inexistirem. Como podem ser vistas, sendo inexistentes? Aqui está a chave! Elas aparentemente são “vistas” porque acreditamos em mente humana coexistindo com o Sentido divino. Acreditamos que a mente humana evolui, conscientiza a Verdade, até que Deus nos seja revelado. Em outras palavras, o sentido mortal crê no “tempo”, e tenta nos iludir para que creiamos em suas imagens falsas e mentirosas! Como acabar com a ilusão? Identificando-nos com a Mente perfeita, com O ALFA que é O ÔMEGA. Assim, Ocupamo-nos unicamente com a totalidade de nosso Sentido real sendo Deus. E que este Sentido, exatamente AGORA, está discernindo a PERFEIÇÃO ABSOLUTA UNIVERSAL.

No cap. 6, de Malaquias, encontramos: “Porque EU, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos”. Eis outra confirmação da mesma Verdade: existe um EU ÚNICO, imutável, o “Alfa” que é o “Ômega”, à espera do reconhecimento que, de fato, é uma total identificação com a Unidade essencial atemporal, em que Alfa e Ômega “se fundem no Agora.

Ensinamentos dualistas, que colocam o referencial de existência na ilusória matéria, e não em Deus, vêm reforçando a ilusão de que há um ser humano necessitado de conscientizar a Onipresença de Deus. Tal contradição deve ser percebida, para que esta prática ilusória seja de vez abandonada. SOMOS O EU ÚNICO “que não muda”. E o estudo consiste em fazermos este reconhecimento: O EU ÚNICO, IMUTÁVEL, ESTÁ SENDO A NOSSA IDENTIDADE REAL.

“Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-poderoso” (Apoc. 1:8). O livro do Apocalipse é tido como de difícil interpretação ou compreensão; porém, tal avaliação parte justamente da suposta mente humana, que é falsa ou ilusória. Uma Revelação não se destina a ser interpretada! É a Verdade. Presa às alegorias do texto, a mente humana busca interpretá-las com a “sabedoria da serpente”, que aceita o bem e o mal, fazendo com que nos escape a direta Revelação de que cada um de nós já é “o que era, é e há de vir”.

A mensagem do Cristo faz com que descartemos qualquer tipo de filiação humana, para podermos discernir nossa REAL IDENTIDADE: “Em verdade, em verdade EU vos digo: Antes que Abraão existisse, EU SOU”. Este “EU” é o Alfa e o Ômega. Em Colossenses, 3: 9-11, encontramos a mesma Revelação: “Não mintais uns aos outros, uma vez que vos despistes do velho homem com seus feitos, e vos revestistes do NOVO HOMEM que se refaz para o pleno CONHECIMENTO, segundo a imagem daquele que o criou; onde não pode haver grego nem judeu, circuncisão nem incircuncisão, bárbaro, cita, escravo, livre: PORÉM, CRISTO É TUDO E EM TODOS”.

O “velho homem” não se tornará futuramente “novo homem”. Esta é a ilusória teoria da evolução! O NOVO HOMEM É O CRISTO! “Aquele que É, que ERA e que HÁ DE VIR”. O “novo homem” é o CONHECIMENTO da REAL e ÚNICA IDENTIDADE de todos nós. Em outras palavras, este “novo homem” é o HOMEM ETERNO, a Identidade que sempre estivemos sendo, e que, aparentemente, não percebíamos enquanto a mente humana parecia atuar como nossa mente verdadeira. Sem o sentido mortal, inexistem seres mortais; por outro lado, com o Sentido Imortal, “CRISTO É TUDO E EM TODOS”, conforme registra a citação de Paulo.

A Revelação diz que “a quem tem sede, EU darei de graça da água da Vida”, ou seja, a Consciência Divina, o Cristo, Se revela diretamente e sem nenhum esforço, quando “alguém tem sede”, e Se mostra como a REALIDADE ETERNA PRESENTE desse “alguém”. A partir de então, a partir deste AGORA, este “alguém”, com CONHECIMENTO PRÓPRIO, poderá dizer:

EU SOU O ALFA E O ÔMEGA, O PRINCÍPIO E O FIM.”

Apocalipse 21: 6.

"EU VOS DEIXO A MINHA PAZ"

Dárcio

Há séculos que o homem vem sendo ensinado a reconhecer a “Paz que excede o humano entendimento”. Deus é Deus da Paz e não da confusão! “Eu vos deixo a paz”, disse Jesus! Isto quer dizer que a “Paz” é uma constância universal, uma realidade permanente, que pode e deve ser discernida agora e sempre!

O mundo continua injetando suas imagens de tragédias, guerras e imperfeições! E diante destas imagens, várias reações são encontradas por parte das pessoas. O que nos interessa, se estudamos a Verdade, é permanecer na visão correta, a visão que contempla a Paz já manifestada! Para reconhecer a presença do Deus da Paz somente depois que os quadros hipnóticos pararem de nos lançar suas sugestões falsas, até ateus saberiam se comportar dessa forma!

O que se requer é uma confiança inabalável na Onipresença do Deus que é Paz e Amor, para que a “paz que excede o humano entendimento” seja o natural para nós! É assim que contribuímos efetivamente na dissipação das mentiras da mente carnal!

CONTEMPLAÇÕES COLETIVAS

Dárcio

A disciplina, neste estudo, é fundamental. O Reino de Deus deve ser buscado em primeiro lugar! O próprio Jesus deixou esta meta como prioritaria. A qualquer momento do dia ou da noite, sempre que pudermos, deveremos “contemplar a Verdade”, deixando de lado as aparências visíveis para reconhecer a Perfeição de Deus, que Se expressa como tudo e todos!

Nosso REFERENCIAL DE SER é Deus e nunca o mundo das aparências. Este mundo é mero desdobramento da Semente Divina que somos na tela hipnótica da mente humana. Nesta tela, o “tempo” parece existir! Por que? Por aparentar haver mudanças! Em Deus, tudo é perfeição permanente, mas, aos olhos do mundo, as imagens ora se mostram harmônicas, ora desarmônicas. Por isso, costumamos divulgar dois horários em que fazemos juntos a “Contemplação da Verdade”. Estes períodos, chamados de “A Prática do Silêncio”, visam a formar em cada um esta “disciplina” no que diz respeito a meditar e contemplar este REINO INFINITO em que vivemos, e que a mente humana busca nos ocultar.

Os horários são os seguintes:

3as: 20,30-21,00h

5as: 21,30-22,00h

Cada um, onde quer que esteja, poderá realizar estas “Contemplações Coletivas” da seguinte forma. De olhos cerrados, poderá ter em mente o seguinte pensamento:

“Pai, cria em mim silêncio para que eu possa discernir a Tua Presença sendo a minha!”. Em seguida, aguardar uma resposta interior.

A MENTE SUBSTANCIAL QUE VOCÊ É

Dárcio

Enquanto parecemos atuar num mundo tridimensional, mutável e finito, por ser assim que a mente humana nos mostra o mundo, estaremos simplesmente nos deixando iludir por irrealidades. Esta visão humana nos torna seres separados, com interesses pessoais ou próprios, e independentes do bem comum. Quando Cristo disse: “Eu sou o Pão da Vida”, revelava a unidade-essência, a Mente Substancial que, mesmo Se “repartindo” entre todos, não se “divide”! “Por que nós, sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, porque todos participamos do mesmo pão” (I Cor. 10; 17).

A humanidade conta, hoje em dia, com uma quantidade enorme de literatura espiritual avançada, que revela a natureza totalmente ilusória deste “mundo de crenças”. Entretanto, esta variedade de informações, apesar de verdadeiras, têm trazido efeitos pequenos, se comparados com a Verdade tremenda que contém. Qual seria o motivo? O principal é o seguinte: as informações reveladas ficam somente fazendo parte da mesma mente humana geradora da ilusão!

As Verdades reveladas atuam de imediato quando, após lidas, aceitas e assimiladas, provocam uma motivação para que troquemos a “mente que as ouviu” pela “Mente que as revelou”. O processo não prevê uma mudança  dentro da mesma mente, e não prevê a transformação de uma na outra! O processo é o de substituição! Se um aparelho de TV foi projetado para captar imagens em preto-e-ebranco, e, se formos informados de que existe, também, outro projeto de aparelho, que capta as mesmas imagens em cores, se quisermos ver tais imagens coloridas, de nada nos irá adiantar ficar apertando botões da TV limitada! Ela terá de ser deixada! Substituída pela outra! E, é este processo que não tem sido feito pela maioria! Livros e livros são lidos! Revelações e revelações são conhecidas! Mas, é feita a substituição do instrumento de captação do Universo? Não! Em geral, continua a mesma mente humana, mostrando suas ilusões, mas, apenas com seu conteúdo informativo ampliado pelo conhecimento chegado. Há, inclusive, correntes que acreditam ser, este acúmulo contínuo de informações, um desejável processo evolutivo, que, supostamente, culminaria na nossa libertação. Nada poderia distar mais da verdade!

As revelações chegam à mente humana! Promovem iluminação? Não! Para que nos chegam? Para que, em contato com elas, despertemos para o fato de que há um Universo infinito, aqui mesmo, e que, com ela, a mente humana, tal universo jamais será discernido! “Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Mas nós não recebemos o espírito do mundo (mente humana), mas o Espírito que provém de Deus (Mente divina), para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus” I Cor. 2; 11,12).

Como não podemos ficar o tempo todo “substituindo” a ilusória mente humana, que vê falsidades, pela Mente divina, que vê a Realidade, devemos aproveitar ao máximo os períodos da “PRÁTICA DO SILÊNCIO” para fazermos esta “troca de mente” de modo o mais radical possível. O próprio Paulo já nos deixou revelado que “Nós temos a Mente de Cristo” (I Cor. 2; 15). A Mente divina é a Substância que somos. Não recebemos de Deus a suposta mente humana, que vê o hipnotismo de sua criação ilusória!

Em silêncio pleno, VOCÊ deve aceitar, assumir e reconhecer a Mente substancial que tem e que É: “Eu tenho a Mente de Cristo”. A princípio, isto poderá lhe parecer mera afirmação da mesma mente humana; não se prenda a isto! Antes, ao mesmo tempo, contemple o Fato de que inexiste mente humana, e avance na compreensão de que, de fato, a Mente que é a Substância do Universo está sendo a SUA Mente atual e única! Como soltar a mente humana? Deixando-a de lado e “aguardando” a ESPONTÂNEA manifestação da Mente de Cristo, que VOCÊ JÁ POSSUI. Não leve em conta as informações que a mente humana lhe vinha passando! Não pretenda mudar ou melhorar algum de seus quadros ilusórios! Não se imagine estando num mundo material e tridimensional! Deus é o Universo onipresente! Assim, reconheça os Fatos verdadeiros revelados:

“Em Deus eu vivo, me movo e tenho o meu ser (Atos 17; 28); “Sei que sou o Templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em mim” (! Cor. 3-16); “Eu tenho a Mente de Cristo”, etc.

Sua “soltura” no Universo infinitodimensional, onde O Espírito de Deus habita em você como a Mente substancial crística, sua única Mente verdadeira, o faz discernir a Verdade que você é, quando, com conhecimento iluminado, pode dizer com Jesus: “Quem me vê a mim, vê o Pai”, ou, com Paulo: “Já não sou mais eu quem vive, o Cristo vive em mim” (Gálatas, 2: 20).

Esta Verdade sempre esteve sendo VOCÊ! As Obras de Deus são permanentes! Unicamente pareciam estar “encobertas” pela ilusória mente humana e seus sonhos, de modo similar ao “encobrimento” que se dá ao quarto e ao seu dono, enquanto ele dorme e sonha pela madrugada afora, totalmente alheio aos fatos verdadeiros já ocorrendo exatamente naquele local em que ele se encontra. Dure quanto durar o sonho, o “quarto já lhe é chegado, e com ele dentro”; dure a ilusão o quanto durar, “O REINO JÁ LHE É CHEGADO, E COM VOCÊ  DENTRO DELE! Por isso, diz a Bíblia: “Desperta, tu que dormes, e a Luz do Cristo te alumiará!”.

ACORDADO ENTRE O SONHO

Dárcio

Além de ler e crer que “este mundo é miragem”, será  bom parar por alguns momentos, pela manhã e também durante o dia,  para se posicionar conscientemente no “Referencial-Verdade”, que é Deus.  Tome, por exemplo, a frase:”Eu não sou deste mundo!”  Em seguida, com olhos abertos, observe o que a mente humana lhe mostra, e reconheça:

“Estou em Deus, e não nesta miragem em três dimensões”.

Perceba isso com clareza, mantendo-se com os olhos abertos! Olhe a “miragem” vendo-a como “miragem”.

Se assim fizer, a influência mesmérica coletiva será travada! Não deixe que  miragens lhe tragam informações! Informe, você mesmo, e a VOCÊ PRÓPRIO,  que a Verdade é sua  “fonte de informação”, e não o mundo das aparências fraudulentas! Depois disso, você se sentirá como que CAMINHANDO ACORDADO  em meio ao sonho coletivo.

,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,,

OBS: Este treinamento se aplica enquanto você estiver em meio aos seus afazeres do dia-a-dia, quando a mente humana estará aparentemente sendo usada. Na “Prática do Silêncio”, feita com os olhos cerrados, contemple unicamente o Universo der LUZ INFINTA, sem levar em consideração alguma as “miragens” ou pessoas e fatos supostamente presente nela, pois tudo é ILUSÃO! DEUS É TUDO!

A RENÚNCIA AO HOMEM NATURAL

Dárcio

“ORA, O HOMEM NATURAL NÃO COMPREENDE AS COISAS DO ESPÍRITO DE DEUS, PORQUE LHE PARECEM LOUCURA; E NÃO PODE ENTENDÊ-LAS, PORQUE ELAS SE DISCERNEM ESPIRITUALMENTE.”

I Coríntios 2: 14

A linguagem do Espírito é totalmente estranha ao ser humano mergulhado na ilusão. O “homem natural”, ou seja, o ser que se julga material e nascido neste mundo temporal, está plenamente convicto de que a realidade é o que ele consegue discernir com a mente humana! Querer contrariá-lo seria perda de tempo! Por que? Paulo dá aqui a resposta: “O homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura, e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.”

Por que há tantos ensinamentos espirituais? Por que eles vêm sendo repetidamente apresentados à raça humana? Porque este “homem natural” considera “loucura” aceitar que Deus é Tudo, inclusive ele próprio! Convicto de sua natureza mortal, imperfeita e temporal, este ser em ilusão cria, no máximo,  teorias de evolução julgando que, pela repetição contínua de “sonhos” (reencarnação), um dia ele se tornará perfeito!

Para ele, esse processo evolutivo é muito lógico! Mas, reconhecer estar hipnotizado pela crença na matéria, e que, exatamente AGORA, ele já é o “ser perfeito criado à semelhança de Deus” lhe parecerá, como disse Paulo, uma tremenda “loucura”.

As coisas materiais são discernidas pela mente que não recebemos de Deus. Paulo nos diz que as coisas do Espírito de Deus somente podem ser discernidas espiritualmente. Quem quiser experienciar as altas revelações divinas, terá de fazer o que chamamos de “Mudança de Referencial”: abandonar a mente humana, sua “lógica” ou “sabedoria”, aceitar a “loucura” de que Deus está sendo a totalidade do nosso Ser, aqui e agora, e nos identificar com a nossa Mente verdadeira, idêntica à de Jesus Cristo. Somente assim, poderemos discernir “espiritualmente” o que é real, eterno e verdadeiro.

O suposto “homem natural” jamais existiu! Era uma sugestão hipnótica da mente carnal,  que vínhamos aceitando, sem contestações,  ser a nossa real identidade.

“Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido. Porque quem conheceu a mente do Senhor para que possa instruí-lo?

Mas nós temos a mente de Cristo.
I Coríntios 2: 15.

Pai, revela-me que Tua Mente é indivisivel e onipresente. Mostra-me que esta mesma mente, que também está em Jesus Cristo, é a minha única Mente, para que eu possa espiritualmente discernir, aqui e agora, as Tuas coisas, a Tua Graça, e a minha Glória nesta eterna Unidade que somos.

A CRENÇA EM PROFECIAS

Dárcio

Volta e meia, e o mundo nos envia suas “profecias”, sempre dando jeito de mostrar que “parte dela” se cumpriu ou se cumpre atualmente! Que são as profecias? Que é o interesse por “profecias”? Uma demonstração nítida do desconhecimento do REINO DE DEUS, da REALIDADE, DA VERDADE! Se, no Apocalipse, por exemplo, é revelado que “TUDO ESTÁ FEITO”, a maioria descarta esta afirmação da Verdade absoluta para ficar analisando as cenas descritas sob as mais diversas formas simbólicas! Que são as imagens descritas? Cenas do futuro? NÃO! Representam o sumiço da ILUSÃO! Nada há além de Deus! Quem fica preso a profecias, sejam elas quais forem, pode se comparar àquele que deixa sua mente presa às mutações de sua sombra pelo chão! E, ainda crendo que  cada deformação apresentada pela sombra seja uma deformação ocorrida nele próprio! O nosso “referencial de existir”, se conhecemos a Verdade, é DEUS e não o “mundo de aparências”!

“TUDO ESTÁ FEITO” — eis a REVELAÇÃO ABSOLUTA! As obras de Deus são permanentes! E, somente DEUS existe! Todas as imagens visíveis são ILUSÓRIAS! INCLUSIVE AQUELAS DE SUPOSTAS PROFECIAS!

“Vinde, benditos de meu Pai, ao REINO que vos está preparado desde a fundação do mundo” (Mateus; 25-34). O chamado para o REINO PERFEITO E CONSUMADO é milenar! Alguém pode realmente se dedicar a DISCERNI-LO ESPIRITUALMENTE, ou, pode continuar usando a iludível “mente humana” para “enxergar” quadros de “passado”, de “presente” e de “futuro”, que, somados todos eles, PERFAZEM O “NADA”.


"E QUANDO JEJUARDES…"

Dárcio

“E QUANDO JEJUARDES, NÃO VOS MOSTREIS CONTRISTADOS COMO OS HIPÓCRITAS, PORQUE DESFIGURAM SEUS ROSTOS, PARA QUE AOS HOMENS PAREÇA QUE JEJUAM. EM VERDADE VOS DIGO QUE JÁ RECEBERAM O SEU GALARDÃO. PORÉM TU, QUANDO JEJUARES, UNGE A TUA CABEÇA E LAVA TEU ROSTO, PARA NÃO PARECERES AOS HOMENS QUE JEJUAS, MAS A TEU PAI, QUE ESTÁ EM SECRETO; E TEU PAI, QUE VÊ EM SECRETO, TE RECOMPENSARÁ.
“MATEUS 6: 16-17.

O jejum está diretamente ligado à revelação absoluta de que não somos estes limitados seres materiais vistos pela mente humana. Cada vez que lemos “Teu Pai”, encontramos Jesus Cristo anulando nosso suposto nascimento humano! O jejum é uma espécie de comprovação de que “temos alimento que o mundo desconhece”, ou seja, o “Pão da Vida” que Se constitui da presença divina sendo o nosso ser real!

O jejum não é um objetivo em si mesmo! Ele atua como lembrete de nossa natureza divina, enquanto parecemos viver neste suposto “mundo material”.

Em sentido mais amplo, o “jejum” se refere à percepção de que “este mundo material” é NADA! Uma crença falsa a ser desmascarada! Quanto mais formos reconhecendo a Deus como a totalidade de nosso ser, mais estaremos “jejuando” e mais estaremos sendo por Deus recompensados, por estarmos lidando com a Substância real, que é Espírito, e deixando de tanto  trabalhar  pela “comida que perece”, que é pura ilusão gerada pela também ilusória mente humana.

"EU SOU O PRINCÍPIO E O FIM"

Dárcio

A premissa básica do estudo da Verdade Absoluta diz: DEUS É TUDO COMO TUDO! Do Verbo é expressada a Existência toda, razão pela qual somos o Verbo e somos UM.

“Eu sou o Princípio e o Fim”, lemos no Apocalipse! Honrar esta Presença única e permanente é nosso papel. Honrar como?  Iniciando cada contemplação com esta Verdade! Aquele que dá início às meditações com a mente em problemas, no dualismo, está negando a Verdade!

Inicie suas contemplações com a Verdade: “Eu sou o Principio!”  Honre a Deus por não se ver sendo algum “outro”. VEJA-SE COMO A UNIDADE! A Existência infinita, sozinha, Se dá expressão! A Mente infinita Se exprime precisamente COMO este UNIVERSO INFINITO! Contemple esta Natureza Infinita do Verbo em expressão, e, naturalmente, reconheça que O VERBO É VOCÊ1

“Eu e o Pai somos UM”, disse Cristo! Falava da Unidade que obrigatoriamente nos inclui!  O Princípio e o Fim são UM! Ao encerrar a meditação, contemple: “Eu sou o Fim!”

Na permanência eterna da Perfeição, VOCÊ é  Causa e Efeito no mesmo AGORA! Lembre-se: SER o Princípio e SER o FIM anula a crença no tempo e em mudanças! Tudo que o Verbo É, VOCÊ É! Nada mais, senão a IMUTABILIDADE PERFEITA, é realidade!

ESPERE EM QUIETUDE

Joel S. Goldsmith

Sabe porque a demonstração da Verdade aprendida em O Caminho Infinito é tão reduzida? E porque os tratamentos e preces alcançam a tão poucos? Primeiro, porque na meditação é declarado conscientemente a Verdade sobre Deus, é conscientizada a natureza de toda forma de ilusão como isenta de substância, poder ou lei de sustentação, mas  SE ESQUECE DE AGUARDAR, EM QUIETUDE, a certeza interna de que Deus é o único Poder, única Lei, único Ser!

Ao encarar um problema, esquive-se dele mentalmente  e, de modo algum permita sua entrada em sua consciência. Declare ou pense em alguma Verdade sobre Deus, Seu Universo, Sua Presença e seu Poder. DEIXE QUE O PENSAMENTO SOBRE DEUS SE DESENVOLVA EM SEU ÍNTIMO! Declare ou pense tudo que você já sabe sobre a natureza do erro — pecado, doença, carência, morte. DECLARE QUE TUDO NÃO PASSA DE FORMAS DO MUNDO DA  CRENÇA — consciência coletiva da raça, pensamento mesmérico criador de “nadas”. Em seguida, ESPERE! Espere quietamente, silenciosamente, numa atitude de expectativa. Ouça a Voz interna, o “click”, a libertação.

Pratique isso várias vezes por dia. Aproveite todas as oportunidades, tanto com os seus problemas como com os de outrem. Lembre-se: a busca não visa a um crescimento material, mas a realização do Cristo. Somos instrumentos pelos quais o Impulso espiritual destrói o conceito mortal para revelar o homem real cujo ser “está em Cristo”.

O segredo da cura está nesta expressão: CRISTO-REALIZAÇÃO.

Sente-se ou deite-se confortavelmente, relaxe o corpo,  a mente, e sinta-se livre. Este estado receptivo exclui qualquer esforço mental. Você não estará procurando  Deus; antes, estará simplesmente RECEBENDO O CRISTO, de modo relaxado, sossegado e pacífico;  estará “sentindo” aquela Presença. E, nesse estado de receptividade, unicamente existe consciência, serenidade, pureza e paz. Não se prenda a nenhum desejo, motivo ou pensamento do ego — considere apenas idéias  de pureza; pureza e objetivo espiritual;  de pura alegria.

Conserve-se em paz, e a Palavra lhe virá: “Eis que estou convosco até o fim do mundo”…”Eu nunca o deixarei nem o abandonarei” — Eu Sou Você!