SABER CALAR

Dárcio

Diante da revelação de que “O Espírito de Deus habita em VÓS”, se meditamos, é unicamente para discernir esta Presença-Viva sendo o nosso ser!

Faça o seguinte: com esta citação em mente, ou seja, “O Espírito de Deus habita em mim”, fique calado! Deixe a Voz divina Se anunciar sozinha! Aguarde! Sinta-se na presença de Deus! Sinta Deus sendo a SUA PRESENÇA! Perceba que DEUS É TUDO! Solte-se nesta Verdade pelo tempo que lhe parecer o suficiente!

Não há momento mais glorioso do que este! Desfrute-o ao máximo!

CONTEMPLE A UNIDADE EM SILÊNCIO

Dárcio

Quando Cristo disse: “Eu e o Pai somos um”, revelou a unidade da Realidade absoluta! Nesta unidade está todo o segredo da revelação! Que é o Reino de Deus “dentro de nós?” A percepção dessa UNIDADE! Se tudo é UM, somos o UM! Nada nos pode ser tirado ou acrescentado! Segundo a visão humana, tudo é diferente desta revelação. Assim, as pessoas, iludidas por um universo que não existe, tentam nele acumular coisas, encontrar pessoas, escapar de problemas, etc. Como sair desse mecanismo falso ou ilusório? Através do Silêncio contemplativo!

Somos UM! Não há duas mentes nem duas vidas! Deus é VIDA ou MENTE ÚNICAS! Se contemplarmos esta Unidade, ou seja, se a reconhecermos e a considerarmos como Fato eterno e, portanto, fato deste AGORA, estaremos vivenciando nossa libertação completa! Enquanto acreditarmos em “mundo humano”, estaremos sendo vítimas desse hipnotismo de massa! Ao pararmos para dar crédito à profunda revelação de que “este mundo é nada”, ou seja, de que “o reino não é deste mundo” (Jesus Cristo), ou de que “este mundo é maya (ilusão)(Buda), estaremos despertos! Vivos como VIDA ÚNICA! Conscientes como CONSCIÊNCIA ÚNICA! E, o ilusório mundo do bem e do mal terá se evaporado de nossa percepção!

O Silêncio contemplativo é o recurso de que dispomos para reconhecer esta UNIDADE ILUMINADA que somos! Se quisermos vivenciar esta Realidade, precisaremos nos dedicar a estes princípios. Eles são verdadeiros! Que cada um pare neste instante, percebendo interiormente:

“Eu e o Pai somos um”. EU SOU UM! EU SOU O “UM”!

"PERFEITOS EM UNIDADE"

Dárcio

“Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que me enviaste a mim e que tens amado a eles como me tens amado a mim.”
João 17: 23

A natureza impessoal de Deus, do Universo ou da Existência deve ser percebida, para que as crenças ilusórias possam ser dissipadas de um vez por todas. A mente humana está habituada a tratar os assuntos levando em consideração as pessoas. Cada um se julga uma pessoa independente! Quando algum ensinamentos é revelado, também o chamado “mestre” é visto como “pessoa”. Daí o surgimento das crenças falsas decorrentes, tais como: “Aquele ser é iluminado”, “Aquela pessoa é um Mestre”, “Aquela pessoa é muito atrasada, aquela outra é bem evoluída”, etc.

Para tirar a noção de “mestre pessoal”, Cristo disse: “Minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou”; em outra ocasião, disse àquele que se referiu a ele como “bom mestre”: “Por que me chamas bom? Bom só há um, que é Deus”.

Toda revelação divina é impessoal e válida universalmente, aqui e agora, para a Existência integral! Eis por que, na citação de abertura deste texto, encontramos a fala de Jesus:

“Para que eles sejam PERFEITOS EM UNIDADE!”

Este ponto,  “PERFEITOS EM UNIDADE” , é a chave da libertação! O Universo é UM! É Verbo! É Perfeição absoluta! É eternidade! É agora! Não existem “pessoas” no Universo! Há o Verbo, sempre a PERFEIÇÃO EM UNIDADE, aparecendo COMO infinitas expressões de Si mesmo! Fazendo uma analogia, é como se, num quadro-negro, representativo do Universo Infinito, desenhássemos um círculo, um retângulo e um quadrado. Que seria a existência? O quadro-negro! Que seriam as figuras geométricas? Formas desenhadas e da mesma substância do quadro-negro, que, nele, continuam em UNIDADE. Se o “círculo” se imaginasse menos ou mais iluminado ou evoluído do que o “quadrado”, esta noção somente poderia ser vista como absurda!  O “círculo” é o “quadrado”, em termos de natureza, e o fato de ter forma distinta não o torna inferior nem superior a ele.

Uma pessoa, se esforçando para se iluminar, constitui a prática errada da Verdade. A forma correta é a Visão integral de que “somos PERFEITOS EM UNIDADE”. O Verbo, aqui onde eu estou, aparece na forma distinta como o ser que EU SOU; o mesmíssimo Verbo, aí onde você está, aparece na forma distinta como o ser que VOCÊ É! Se pensarmos no círculo sobre o quadro-negro, poderemos imaginá-lo a dizer: “Eu” sou o círculo e “você” é o quadrado! Porém, se eliminarmos as “formas”, veremos somente o quadro-negro! E, assim, este quadro-negro estaria sendo o ÚNICO a dizer: EU SOU TUDO! EU SOU O CÍRCULO, O QUADRADO, O RETÂNGULO! A UNIDADE PERFEITA!

Esta é a Visão correta! “Não existe nenhum outro ao lado de MIM”. Somos o UNO, somos PERFEITOS EM UNIDADE! Não existem pessoas! Não existe ilusão! TUDO É DEUS! DEUS É TUDO! Meditemos! Meditemos somente para reconhecer esta Iluminação Plena que temos e que já somos, pois, em virtude da Onipresença, já somos PERFEITOS EM UNIDADE!

"EU SUBO PARA MEU PAI E VOSSO PAI"

Dárcio

“EU SUBO PARA MEU PAI E VOSSO PAI”
João 20,17

“Eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”!  Que revelação! Que maravilha, se ela tivesse sido disseminada com ênfase desde que nos foi anunciada! Jesus nos mostra, mais uma vez, a unidade da Vida perfeita em Deus! Com sua visão iluminada, via-nos em igualdade com ele, como filhos perfeitos do mesmo Pai, do mesmo Deus!

Que significa “subir para o Pai”? Significa “subir” da visão humana errônea, que nos julga em graus de evolução, para a visão crística, a mesma visão de Jesus, aqui e agora disponível para todos nós! Ciente dessa acessibilidade imediata ao Pai, Jesus nos revela o processo libertador dos conceitos deste mundo, reconhecendo-se como alguém espiritualmente  igualzinho a todos nós! Assim, ao dizer que “sobe ao Pai, sobe a Deus”, confirmando que temos todos  o “mesmo Pai” e o “mesmo Deus”, ele nos impulsiona  a fazer a mesma “subida”.

“Monte”, na Bíblia, quer dizer “Altitude da Iluminação”, isto é, retrata nossa “subida ao Pai”. Eis por que Moisés recebeu os mandamentos no “Monte Sinai”, e, também, porque temos registrados o “Sermão do Monte”, o “Monte da Transfiguração”, e assim por diante. “Subimos ao Monte” quando, em oração contemplativa,  nos interiorizamos e nos desvinculamos da mente carnal, num radical reconhecimento de que “temos a mente de Cristo”, conforme nos revela Paulo em I Coríntios 2: 16,

SUBA PARA TEU PAI, TEU DEUS, MEDITANDO SILENCIOSAMENTE:

Eu subo para meu Pai,  eu subo para meu Deus. Deixo o “vale” da humanidade e subo ao “monte” da cristicidade! “Tenho a mente de Cristo”! Minha visão é iluminada! Percebo a unidade da Vida e a onipresença de Deus! Subo para meu Pai, subo para meu Deus! Na compreensão plena desta revelação de Jesus, neste Alto monte, vejo a mim e a todos, não mais como “seres humanos”, ou em “evolução”, mas como Luzes! Luzes plenas que, como raios de sol, brilham ininterruptamente com a Luz do Criador.

"EU SOU A VIDA"

Dárcio

Enquanto cientistas no mundo despendem anos a fio pesquisando se há vida aqui ou acolá, sabemos, por revelação, que a Vida é ONIPRESENTE! A Vida que somos é DEUS! Não há um ponto em que a “Vida de “um” acaba e começa a “Vida de outro”. E não há ponto em que a Vida esteja ausente! Somos todos uma Vida ÚNICA! A Vida é impessoal, é Deus, é eterna e é espiritual! “Eu Sou a Vida”, “Eu Sou o Pão da Vida”, disse Jesus! Mas falava tendo em vista o Cristo em SI MESMO, um com o Pai,  e um conosco!

Medite! Feche os olhos para o mundo da ilusão, que pensa ver “vida aqui” e não “vida acolá”. Esta ilusão separatista é a causa do egoísmo, das contendas, dos atritos e problemas! Contemple a Vida divina ONIPRESENTE! E, como uma gota que em auto-percepção se”vê” sendo a gota e sendo o oceano, veja-se como esta Vida impessoal e infinita, o Cristo em VOCÊ! E então, jubilosamente, diga pausadamente:

EU…SOU…A…VIDA! EU…SOU…O PÃO…DA…VIDA!

Perceba-se sendo DEUS VIVENDO! Perceba que Deus vivendo é VOCÊ!

NATAL: O HOMEM-DEUS RECONHECIDO

Dárcio

Que Natal poderíamos imaginar que Jesus gostaria que comemorássemos? Um Natal a ver com presépios, participações em solenidades, cultos ou festividades humanas, somente trazendo recordações de seu nascimento em Belém? Suas palavras foram:

“Vim para que todos tenham vida com abundância!”

Se alguém não estiver “com vida em abundância”, nele não se cumpriu ainda o objetivo de sua vinda! E tal objetivo somente  pode ser alcançado com a descoberta do Reino de Deus dentro de cada um. Em resumo, esta foi a missão de Jesus: despertar a raça humana do “sonho de Adão”, revelando este  Reino magnífico que,  já presente em nós, constitui nossa própria Vida, a Eterna Vida com abundância!.

O Natal espiritual, além das comemorações costumeiras deste mundo de aparências, é um estímulo  ao seu próprio Natal, ou seja, ao seu “Renascer consciente em Deus”. Comemora-se primordialmente a compreensão da Verdade de que o homem não é matéria, nunca esteve na matéria, e nem dela  sairá um dia! Comemora-se o Fato de que VOCÊ é um HOMEM-ESPÍRITO, aqui e agora! Perfeito! Imortal! Iluminado! Eis por que Jesus endossa  “serem deuses” aqueles a quem a Palavra divina é dirigida!

Natal, portanto, não é um dia no tempo, mas “o dia” em que percebemos que o tempo não existe!

O Cristo é nascido! Nascido em VOCÊ! Ou melhor, VOCÊ é “renascido” em Cristo! Natal é a conscientização de que VOCÊ já é um Ser de natureza infinita! O “Cristo”, um Homem-Deus reconhecido!

Ao se IDENTIFICAR com este Ser Divino a que estamos aqui nos referindo,  VOCÊ estará  comemorando o SEU Natal!

FELIZ NATAL!

QUEM SOU EU, PARA DIZER: "EU SOU DEUS"?

Dárcio

É comum encontrarmos esta reação: “Quem sou eu, para ser Deus?”, quando os princípios espirituais são revelados. A dificuldade de aceitação se deve ao seguinte: a revelação não se dirige à mente humana, mas à Essência de nossa Vida, que é a Vida infinita, onipresente, indivisível e impessoal: DEUS!

A mente humana nada tem de Deus; tampouco tem algo de Deus a aparência humana de nosso ser. Esta última é ilusão gerada pela primeira, que é também ilusória. É como no hipnotismo: se a pessoa for hipnotizada para engatinhar como bebê, apesar de ser adulta, fará a ação correspondente à sugestão hipnótica apresentada. Uma ilusão estaria “criando” a ilusão seguinte!

Cristo revelou a natureza divina de nós todos. Não somente Cristo, mas todos os iluminados! A maioria permanece desconfiando ou desacreditando da Verdade. Mas a Verdade É! Aceita ou não, Ela É!

Cristo disse que “o conhecimento da Verdade nos torna livres”. Significa que ele sabia que tudo o que as pessoas vinham aceitando era uma MENTIRA! E a aceitação da mentira precisa ser trocada pela Verdade, é óbvio! É o que ele chamou de “nascer de novo”.

A profusão de profecias que circulam por este mundo são uma prova de que “a matéria é aceita como realidade”. Não existem profecias em Deus! Não existem profecias de Deus referentes a um mundo que Deus desconhece! “O Meu reino não é deste mundo”, disse Cristo! Enquanto as pessoas não se dedicarem a “buscar o reino real” dentro delas, continuarão à mercê de todo tipo de crendice ilusória! O processo de conhecimento da Verdade é radical, puro e simples, mas exige tomada de decisão e dedicação.

Observemos as elevadas palavras de Vivian May Williams, no trecho abaixo transcrito. Que sejam analisadas com a profundidade que merecem! Deus é TUDO, e não “quase-TUDO”.

“Não podemos mais declarar que “Tudo é Espírito” e deixar  fora a manifestação chamada “matéria”. Declarar que “Espírito é Verdade imortal; matéria é erro mortal”, não constitui a ciência do ser. Uma coisa, para ser científica, deve estar baseada em fatos. Aceitar o Espírito como a substância invisível ou essência de todas as formas, e então declarar que as formas são “materiais” e errôneas” é certamente uma crença de que o Espírito Se manifesta em “matéria”; tais crenças falsas prendem os indivíduos e lhes dão um senso de dualidade, em vez de um entendimento da Unicidade.

A menos que encaremos céu e terra juntos, em Consciência, para assim tê-los como uma unidade, a metafísica não será nem mais nem menos do que uma teoria. A única prova, ou demonstração, que dispomos, é através das manifestações ou formas.

Muitos instrutores e praticistas ignoram as manifestações como “erro mortal” e, ao mesmo tempo, dão tratamento a seus pacientes para criar dinheiro, casas, terras, e toda forma visível de manifestação. Se for errado ter um “corpo físico”, então é igualmente errôneo, para um praticista, tratar ou orar para que alguém apresente um corpo saudável. Todo praticista que acredita na “matéria” é uma “casa dividida contra si mesmo”, se estiver orando para melhorar “matéria”.

Se a “matéria” é nada, como poderia ser melhorada? Porém, se não existe matéria e tudo é Espírito, prontamente ficará entendido que alguém terá suas preces atendidas tão rapidamente quanto lhe seria possível resolver um problema de matemática. Assim como a resposta a cada problema de aritmética está estabelecida no princípio da matemática, antes que você comece a utilizar os números, também cada problema da existência humana tem sua resposta estabelecida no Princípio, antes mesmo que você comece a orar. “Antes que clamem, responderei”.

Se Deus é a Vida única onipresente, e se VOCÊ está vivo, VOCÊ É O QUÊ?

"SEM O VERBO NADA DO QUE FOI FEITO SE FEZ"

Dárcio

Há séculos que o mundo religioso vem declarando: “Teu é o Reino, o Poder e a Glória para sempre”, referindo-se a Deus. Mas, na prática, a vida parece contradizer a Verdade tão repetida. Tudo porque a idéia de que algo além do Verbo, chamado “matéria”, está realmente existindo. Alguns ensinamentos chegam a dizer que “a matéria existe”, mas é irreal no âmbito de Deus. Entretanto, esta meia-verdade acaba dando ênfase àquilo que é ilusório. Que é “ilusório”? Tudo que não for “Verbo”; tudo que aparentar ser algo “além de Deus”.


“Todas as coisas foram feitas por Ele (Verbo), e sem Ele nada do que foi feito se fez.”
(João 1;3).

Que maravilha, quando esta revelação é aceita sem reservas!

Alguns estudam a Verdade com a intenção de dominar males físicos. Outros pensan em construir um “paraíso terrestre”. A real necessidade é CONHECER A VERDADE! O conhecimento nada melhora e nada constrói! Mas revela o Reino verdadeiro do Espírito, perfeito, perene, imutável, que aparenta ser oculto simplesmente por fugir do alcance da mente humana.

Despertar para a Verdade, portanto, é perceber a existência única da Mente de Cristo emVOCÊ, como disse o apóstolo Paulo. Esta Mente divina, em expressão, é o Verbo, é Deus aparecendo como Sua própria “idèia”, numa perfeita UNIDADE de variedades infinitas de formas espirituais.

Bem e mal relativos são irrealidades, inexistências, jamais “criados”, sendo, portanto, sem VERBO! Isto porque “sem o Verbo nada do que foi feito se fez”. A errônea admissão da existência de algo além de Deus, bom ou mau, gera a ilusão de que a “mente humana” pode melhorar o mundo, acabar com os males, pecados, doenças,  mortes etc…

A PERCEPÇÃO DE QUE A MENTE É DEUS, DE QUE TUDO É DEUS, REVELA A VERDADE:
TUDO JÁ É PERFEIÇÃO ABSOLUTA!

Suponhamos que alguém queira curar uma doença. Se partir da crença de ser ela  real, e que Deus irá curá-la, este enfoque poderá se mostrar frustrante! Que diz a Revelação? DEUS, VERBO, É TUDO! Portanto, não somente a doença é irreal, mas todo o “quadro da humanidade” é irreal! Eis  porque a Bíblia diz que “todo que é nascido de Deus vence o mundo”.

“Nascido de Deus” é o ser reconhecidamente dotado da Mente de Cristo! Estas Verdades chocam o intelecto; desse modo, muitos autores procuram “amenizá-las” usando textos ou linguajar mais leves. Porém, ao afirmar,  “o meu reino não é deste mundo”, Jesus revelou a Verdade de que o universo único,  aqui presente, é uma Realidade divina!

Se nada foi feito “sem o Verbo”, não há males a serem combatidos, mas sim uma gloriosa Perfeição a ser contemplada e reconhecida como onipresente.   Esta é a visão do “Olho Simples”, citada por Cristo. E este é o objetivo das meditações contemplativas! Fazer com que as aceitações humanas cedam às Verdade divinas reveladas! Fazer com que VOCÊ perceba O VERBO sendo a “sua” TOTALIDADE!

O Universo é real: é Bem absoluto, uma Autoexpressão do Verbo. Você precisa, nesta percepção, incluir especificamente a sua identidade global: Espírito, Mente e Corpo, isto é,  admitir que a natureza  universal de Deus é a natureza integral do seu Eu individual.

A Mente divina é a sua Mente, a natureza do Verbo é a Substância do seu Corpo. Conhecer a Verdade significa perceber com clareza esta Onipresença de Deus, em que VOCÊ, agora, é  INCLUSO.

QUE É A METAFÍSICA ABSOLUTA – Cap. 6

Dárcio

Capítulo VI
COMO ESTUDAR O ABSOLUTO

O Universo infinito é Deus. A premissa básica de nosso estudo diz que Deus é Tudo. Assim, nada há em existência que seja dessemelhante de Deus. A natureza de Deus é a natureza de toda a existência. Quando estudamos, fazemos primeiramente este reconhecimento, que deverá ser acompanhado de nossa total e incondicional identificação com esse Infinito Perfeito, a que é dado o nome de Absoluto, Deus, etc.

Algo imperceptível à mente humana está infinitamente presente e expresso. O Universo é a evidência dessa expressão. Seria esta explanação uma teoria? Outra pergunta: esse enfoque traria melhorias visíveis à nossa vida? A Verdade –diferente de uma teoria –não é idéia engendrada pela mente humana. A Verdade é o FATO ESPIRITUAL incontestável. Mudam as teorias, o FATO ESPIRITUAL permanece incólume, onipresente. Que FATO? O de que Deus, o Espírito, o Absoluto, é TUDO! Se o TUDO é imperceptível à mente humana –mas EXISTE, é REAL e é TUDO –, cabe-nos abrir mão de tudo que a mente humana nos mostra, para “percebermos o imperceptível”. Tal percepção não é feita pela mente humana, mas uma Auto-percepção divina, que é por nós reconhecida como presente, aqui e agora, como o Universo real e como nossa Identidade real, que é Deus. Nesta visão, “Eu e o Pai somos um”, e esta deve ser a nossa visão permanente.

Se tudo é Espírito, cada um de nós é esse Uno SENDO. Desse modo, nossa Visão é reconhecidamente espiritual, é Auto-contemplativa.

O Tudo vê o Tudo; o Espírito infinito vê a Si mesmo aqui e agora, consciente de que TUDO é AQUI e TUDO é AGORA. Temos assim o AGORA da ETERNIDADE, objeto único de atenção para quem a este estudo se dedica.

As melhorias visíveis, decorrentes de nossa dedicação às meditações contemplativas, são chamadas por Cristo de “bens vindos por acréscimo”. Quem os estaria vendo? Todo aquele preso à ilusória mente humana e seu conceito material de mundo! Na verdade, os “bens vindos de acréscimo” não existem e nunca existirão como realidades. Como poderia Deus, o Espírito infinito em expressão, ceder parte de Si mesmo, de Sua Infinitude, para que um “bem material” pudesse “vir por acréscimo”? Impossível!

Entendamos com clareza em que consiste este estudo: com o reconhecimento de que nossa Visão é espiritual, contemplamos, com os “Olhos da Alma”, o Agora atemporal perfeito e completo. Contemplamos o Agora da Eternidade, e esta Visão correta, traduzida pela mente humana, “surge” como melhorias visíveis àqueles que não se identificaram por completo com a Mente do Absoluto. Em outras palavras, o nosso reconhecimento da IMUTABILIDADE da Perfeição produz, na crença humana coletiva, uma “miragem de suprimento”. O que para a Mente absoluta sempre esteve presente, para a finita “mente humana” surge como aparência de algo ausente que se tornou presente. Jesus, para explicar este fenômeno, disse que “as coisas nos são acrescentadas”. Precisamos manter a Visão espiritual, para não sermos iludidos por tais “efeitos” hipnóticos enganadores. O mesmo se dá conosco: pela permanente Visão correta de que Deus já é nosso Ser perfeito, exatamente agora, a “mente humana” passa a traduzir esta Verdade através da“miragem” chamada evolução.

HARMONIA NO CÉU, HARMONIA NA TERRA


Dárcio

Numa conta que fizemos errada, o erro some assim que é descoberto e o resultado certo posto em seu lugar. A Ciência Mental trabalha lado a lado com a Ciência Espiritual. Somos o ser perfeito, eterno e imutável, gerado do Verbo e , portanto, à Imagem do próprio Deus. As obras divinas são permanentes! Se, no contato do dia-a-dia, nos vemos usando a mente humana, por estarem nela os conceitos do bem e mal, numa crença que não é sua nem minha, mas sim coletiva, isso pode fazer surgir  situações ilusórias de desavenças, e que são todas imagens FALSAS! Portanto, atenha-se profundamente à sua identidade real, que é ser o Cristo, enquanto, ao mesmo tempo, utiliza os artifícios da terapia mental, ou seja, a gratidão, o perdão ou a reconciliação com todos os seres de seu contato. Desse modo, estará reconhecendo a harmonia no “cèu da essência”, e também,  a harmonia na “terra da aparência”…

O importante é saber que  VOCÊ jamais deixou, realmente, de estar na condição eterna de absoluta perfeição! Isto o fará enxergar claramente que também o “outro”, com quem supostamente pareceu ter havido algum atrito,  é tão perfeito como VOCÊ! Esta conclusão desarticula o QUADRO ILUSÓRIO da crença coletiva! Por isso, Jesus disse: “Sede perfeitos como perfeito é o Pai celestial”. Ele sabia, e sabe, que a PERFEIÇÃO é o estado permanente de nosso ser. Do SEU ser e do ser de TODOS com quem VOCÊ possa estar convivendo em qualquer tempo ou lugar!

ASCENSÃO E EVOLUÇÃO

Dárcio

Quem estuda a Verdade parte do Absoluto, da Essência imutável, de Deus, o Verbo, sendo aceito realmente como Tudo! Sempre falo que “Ascensão” é subir “de cima para baixo”, exatamente para frisar bem o ponto de que a suposta “queda do homem” é mera fantasia da mente ilusória; mero fruto ilusório do pai-da-mentira.

Quando João descobriu sua comunhão com Deus e com Jesus Cristo, segundo ele, descobriu “o que era desde o princípio”. Jamais havia deixado de ser! João prosseguiu, dizendo: O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também mantenhais comunhão conosco, e a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo” (I João 1-3).

Descubra o mesmo VOCÊ,  e permaneça no “que era desde o principio”, ou seja, VEJA-SE AGORA em Unidade com Deus e VEJA-SE totalmente resplandecente com SUA  PRÓPRIA LUZ!

Esta “percepção” é sua ASCENSÃO! O discernimento do EU REAL que VOCÊ já era, é e será! Jamais este SER DIVINO sofre “queda”! Jamais sofre modificações! Jamais está na suposta “matéria”. Jamais nasce, jamais adoece, jamais morre!

Enquanto o Ensinamento Iluminado afirma esta sua posição eterna em Deus, descartando por inteiro a suposta “mente humana”, outros caminhos partem da “escuridão”, de sua cega visão da Existência! São estes caminhos que fazem a humanidade passar por tamanhos pesadelos ilusórios; são eles que pregam sempre o “eu serei”. Eles buscam convencê-lo a “evoluir” justamente a mente que é ILUSÓRIA! Entenda: todos os caminhos são vãos, exceto o únco! O “Eu Sou”.

EU SOU O CAMINHO…disse Jesus! Não falava de sua pessoa, mas do Cristo presente em cada um!Do Cristo que é VOCÊ! Aquele que descartar o suposto “eu humano”, com a “crença no tempo, e toda a sua “farsa evolutiva”, poderá, aqui e agora, discernir o mesmo que João:

O EU que EU SOU, e que era DESDE O PRINCÍPIO, é o EU que EU SOU, aqui e agora, em comunhão com o Pai, com Jesus Cristo e com todos os “ramos iluminados” da VIDEIRA ETERNA!

Contemple esta Verdade em quietude e em silêncio! Permaneça “ascensionado” no TUDO, sem jamais pretender “evoluir” (evolver) no NADA!

MARIA EM SEU SIGNIFICADO ESPIRITUAL

Dárcio

“E no sexto mês, foi o anjo Gabriel enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré. A uma virgem desposada com um varão, cujo nome era José, da casa de Davi, e o nome da virgem era Maria. E, entrando o anjo onde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é convosco; bendita és tu entre as mulheres. E, vendo-o ela, turbou-se muito com aquelas palavras e considerava que saudação seria esta. Disse-lhe então o anjo: Maria, não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus. Este será grande e será chamado filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai. E reinará eternamente na casa de Jacó, e o seu reino não terá fim. E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço varão? E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; pelo que também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.”
Lucas 1: 26,35.

Em cada coração que ocorra a percepção da Onipresença de Deus, é notado o fato espiritual eterno de que “o Senhor é conosco”. O estado mental de pureza e entrega a Deus é o estado pré-requisito em que “achamos graça diante de Deus”. É a fase em que, sem que tomemos consciência, deixamos o campo interno da consciência preparado para a “descida do Espírito Santo”.

Quem é o Filho de Deus, o Santo, que haverá de “nascer” em  nós? Este “Filho de Deus” é  a real identidade crística de todos nós! Até então oculto pelas camadas de crenças materialistas e pelo intelecto humano! O aflorar do Cristo em nós, de início, nos assusta! Não parecemos estar acostumados com algo perfeito e divino Se manifestando em nós! Mas, onde quer que estejamos, “entra o anjo”, a idéia inspirada por Deus,  que  nos acalma: “Não temas, porque achaste graça diante de Deus. E eis que em teu ventre conceberás e darás à luz um filho, e pôr-lhe-ás o nome de Jesus.”

Este momento sublime marca o início de nosso “despertar” em Cristo! Maria simboliza nosso “Ventre”,  o mais íntimo de nossa pura Consciência crística! Eis por que, em seu ensinamento, disse Jesus: “Quem crer em mim, RIOS DE ÁGUA VIVA fluirão do seu ventre!” Que significa “crer em mim”? Significa crer no Caminho, na Verdade e na Vida espirituais, na UNIDADE que somos e que formamos em Deus! ! Significa entender que o nome de Jesus é EU SOU! E que este EU SOU não é uma pessoa “nascida” neste mundo, mas sim Deus, sendo, portanto, o EU SOU que todos nós somos, na Unidade Celestial, gloriosa e eterna!

Este “renascimento” é o NATAL!

NATAL: MAIS DECISÃO, MENOS COMEMORAÇÃO

Dárcio

Claro está que Jesus Cristo não veio ao mundo para que isto fosse ser somente comemorado. Disse  ter  vindo para “destruir as obras do diabo”, para “dar testemunho da Verdade”, para que “tivéssemos vida com abundância”,  “ficássemos cegos (visão material) e pudéssemos ver (visão espiritual)”, etc.

A comemoração, com sentido verdadeiro, está em fazer cumprir em nós estas metas! Isso exige conhecimento e decisão! Conhecimento, para sabermos que todas as limitações ou problemas “vistos” são ILUSÓRIOS, frutos hipnóticos do “pai-da-mentira”; decisão, para nos rebelarmos com uma atitude sem-volta contra eles, munidos da confiança plena no Poder Único do Amor divino, até que tais “névoas ilusórias” desapareçam de nosso campo de percepção!

Unicamente o Bem absoluto deve ser reconhecido e vivenciado! Todos os supostos problemas, sejam físicos, morais, financeiros, etc., são “obras do diabo” a serem destruídas! Não sumirão por si mesmos com o “passar do tempo”. Não cáia em semelhante armadilha! As crenças devem ser encaradas de frente; e, o tempo para isso é sempre AGORA!

Seja “paralisia”, “cegueira”, “dificuldade financeira”, o que quer que seja, COMEMORE O NATAL COM A DECISÃO DE EXPULSAR ESTAS FALSIDADES DE SUA MENTE! De modo RESOLUTO, DEFINITIVO! Não são realidades! Eis por que o mundo acredita em “milagres”, quando constata o sumiço destas aparências: por  não saber que  não passavaM de CRENÇAS FALSAS! E isso é muito sério! Porque a maioria, infelizmente, passa a vida toda vivendo as “mentiras pregadas pela mente humana”!  Como um cego que, mesmo estando sob a resplandecente luz do sol, “vive em trevas”!

Este estudo da Verdade, tal como a “vinda de Cristo”, não está sendo propagado apenas para que dele tomemos ciência! Que cada um assuma sua PERFEIÇÃO, aqui e agora, expulsando da mente todas as crenças falsas , inclusive e principalmente  as religiosas, em imperfeição, pecado, lei do carma, doença, morte, etc, para poder honrar, exatamente neste AQUI e AGORA, a VINDA DE CRISTO! Como fazer isso? Pela oração contemplativa:

“Pai, revela-me como eu já sou,

segundo a Tua Visão Perfeita!

E que esta DECISÃO, mantida sem esmorecimento, seja a real COMEMORAÇÃO deste seu NATAL!

QUE É A METAFÍSICA ABSOLUTA – Cap. 5

Dárcio

Capítulo V
OBJETIVO DO ESTUDO

Dissemos anteriormente que, para nos dedicarmos a um estudo, primeiro deveremos compreender sua importância e seu objetivo. Qualquer um que perceber a importância deste estudo do Absoluto desejará a ele se dedicar ao máximo de sua capacidade e de seu tempo disponível. Não será um estudo feito nos minutos que lhe sobram de cada dia; antes, a atenção estará voltada quase que exclusivamente a ele. Por quê? Porque a pessoa terá percebido que esta dedicação lhe trará o conhecimento da Verdade, e que este conhecimento é a sua libertação completa.

De início, é comum as pessoas acharem que o estudo visa a eliminar problemas da vida humana, de saúde, finanças, relacionamentos, etc. Tão logo percebem alguma melhoria nesse sentido, ficam empolgadas, julgando que, aprofundando-se no estudo, a felicidade humana almejada acabará por se concretizar. Com efeito, a aplicação dos princípios metafísicos acaba mostrando a nulidade dos problemas deste mundo das aparências, e todo aquele que viver de acordo com eles poderá comprovar os seus efeitos positivos visíveis. Porém, esse aspecto da melhoria humana, muito abordado pela ciência mental, e que consideramos desejável e bem recebido a princípio, dista infinitamente do real propósito deste estudo: ver Deus face a face.

Os benefícios humanos decorrentes desse estudo, apesar de bem-vindos e bem-aceitos, devem ser entendidos pelo que são: ilusão! Se não houver um alerta quanto a isto, tão logo esse fenômeno secundário ocorra –ou seja, a pessoa se depare com uma aparência boa em substituição à má –a dedicação se afrouxará, a pessoa estagnará no bem do mundo, até que outra aparência de mal lhe surja, e o estudo não avançará além disso.

Dizemos que o efeito positivo na vida humana é “ponto secundário”, não para lhe tirar o valor. Trata-se de um valor relativo, obviamente, mas deve ser reconhecido, uma vez que ele simboliza a veracidade do princípio aplicado. Por exemplo, se desafiarmos a aparência mediante a permanência no princípio absoluto de que DEUS É TUDO e, em função disso, percebermos a “melhoria visível”, esse efeito sinaliza o que realmente tem valor, ou seja: O PRINCÍPIO É VERDADEIRO!

Com a prática, descartaremos os anseios quanto aos resultados visíveis, por estarmos permanentemente “presos” ao princípio já provado como verdadeiro, e poderemos perceber a totalidade de Deus, a presença permanente da Realidade perfeita.

Vejamos o que diz Joel S. Goldsmith, em sua obra “A arte de curar pelo Espírito”: “Não te dirijas a Deus esperando emprego, segurança, proteção; vai ter com Deus na esperança de receber a experiência espiritual de Sua presença”. ESTE É O OBJETIVO REAL DESTE ESTUDO. A cegueira humana nos impele a não acreditar que aqui mesmo já é o Universo perfeito. Por darmos crédito a essa falsidade é que somos levados às preces de petições envolvendo “melhorias materiais”. É mentira que Deus não possa ser visto e percebido como sendo tudo, e como sendo nossa própria presença! Mas esta Verdade não é vista pela mente humana. A Metafísica Absoluta, com seus princípios revelados, permite-nos esta PERCEPÇÃO.

E continua Goldsmith: “E verás como então Deus Se manifesta em forma de harmonia nos acontecimentos, nas coisas ordinárias de cada dia”.

Esse mesmo princípio está registrado na Bíblia, onde lemos “buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”, (Mt. 6:33).

Assim, para que a Auto-revelação Se dê por completo, isto é, conscientemente, e para que o objetivo desse estudo se cumpra, devemos “ir ter com Deus esperando Deus”.

O EVANGELHO REALIZADO

Dárcio

EU E O PAI

SOMOS UM, MAS O PAI É MAIOR DO QUE EU”

A palavra “Evangelho” significa “Boa Nova”. A revelação da nossa natureza espiritual, eterna e divina.

Jesus estava expondo sua unidade com Deus e, ao mesmo tempo, a nossa unidade com Deus, quando disse “… mas o Pai é maior do que eu”. Passava horas e horas em meditação, contemplando esta Verdade Absoluta! Repreendia seus díscipulos por dormirem, em vez de orarem e discernirem a mesma Verdade neles mesmos. Sono pesado! Um sono hipnótico que aparenta prender os Filhos de Deus neste cativeiro de crenças, chamado “mundo terreno”.

As Escrituras nos dizem:
“Desperta, tu que dormes, e a luz do Cristo te alumiará”.

Que Luz é esta? A nossa! A Luz , que é Deus, aparecendo como o Cristo de nosso  próprio Ser!

Somos todos um com Deus! Mas o Pai é maior do que cada um! Porque o Oceano é maior do que as gotas! Mas, sem elas, ele não existiria! Analogamente, se possível fosse excluir algum de nós da Existência, Deus deixaria de ser completo, e deixaria, portanto, de ser Deus.

Quando percebermos isso, perceberemos o sentido absoluto das palavras de Jesus, que são “O Evangelho Realizado” como o nosso  EU:

“Naquele dia conhecereis que eu estou no Pai, vós em mim e eu em vós.”

"O PAI EM MIM"

Dárcio

Não há processo gradativo de Iluminação espiritual. A percepção individual de nossa Consciência divina é o reconhecimento de nossa Identidade única como sendo o Cristo, o “Pai em MIM”. A mesma  natureza crística que vive em Jesus, em Paulo, em cada um de NÓS, é a Consciência iluminada totalmente manifesta, aqui e agora. O Cristo vive em NÓS como a “glória do Senhor”, que é “nascida sobre NÓS”. A intenção de se classificar, por exemplo, o grau de cristicidade evidenciado como Jesus, Paulo ou outros, não passa de atitude ilusória de se dividir o que é indivisível. Deus é a Consciência infinita única, indivisível, que Se evidencia aqui e agora como a “sua” Consciência individual, como o Cristo, o que lhe possibilita chamá-Lo de “o Pai em MIM”.

DEUS É TUDO! As pessoas do mundo parecem crer que Deus seja “quase tudo”, pois aceitam a existência também de certa mente humana, passível de “receber a Iluminação espiritual”. Apesar de inexistir tal mentalidade humana, vem sendo aceito que “ela” acabará por adquirir, paulatinamente, a compreensão plena da Verdade, através de leituras, palestras, meditações ou contemplações, até “alcançar” o pleno reconhecimento de que Deus é TUDO e não “quase tudo”. Por causa dessa crença falsa, a Consciência divina aparenta estar limitada em sua expressão, impossibilitada de SER ou de AGIR como a totalidade de SUA CONSCIÊNCIA, aqui e agora. Além disso, fica  a impressão de que você é dependente de “compreensão humana” para poder vivenciá-La exatamente neste instante. Quanto absurdo! Quanta ênfase à ilusão! Não existe “mente humana”; assim, não pode haver compreensão da Verdade por algo que inexiste!. DEUS É TUDO! E, esta totalidade abrange e constitui o “seu” Ser de modo pleno, completo e harmônico.

“O Pai em MIM” é o Reino de Deus DENTRO DE VOCÊ, em Sua Totalidade Infinita. Isto não quer dizer que exista “outro mundo” fora de seu ser! O Reino de Deus é o Universo espiritual, e este é o ÚNICO MUNDO QUE EXISTE REALMENTE! Se o Reino infinito está DENTRO DE VOCÊ, esta infinitude exclui, por sua natureza, todo conceito ilusório de “fora de você”. Em termos práticos, isto significa erradicar o dualismo! Assumir, a partir do Absoluto, que A MENTE DIVINA é a “mente inexistente”; que a MENTE DIVINA é a “mente carnal”; que o TUDO é o “nada”; que DEUS é o “ego humano”; que o CORPO DE LUZ é o “corpo humano”; e que “o PAI EM MIM “é a totalidade daquilo que EU PERCEBO. Que ocorre nessa percepção? A anulação da visão humana pelo reconhecimento pleno da sua Visão Simples ou iluminada, que apenas vê Deus, perfeição, totalidade! Com esta Visão simples, há somente a PERCEPÇÃO do “Pai em Mim”.

O discernimento espiritual jamais modifica algo deste Universo: apenas no-lo revela tal como realmente é. O mundo pode enxergar um “ego humano imperfeito”, mas nossa Consciência (o Pai em Mim) de imediato ali reconhece o Cristo, plenamente consciente e iluminado. Se a mente humana existisse, tentaria induzi-lo a crer que VOCÊ, com a leitura deste texto, está adquirindo compreensão espiritual e a Iluminação. Não creia nisso! Não existe mente alguma para lhe sugerir algo desse tipo. DEUS JÁ É A SUA ÚNICA MENTE, A QUAL JÁ ESTÁ RESPLANDECENTE E ILUMINADA! A SUA MENTE É A IMACULABILIDADE EM SI, “e não entrará nela coisa alguma que contamine, e cometa abominação e mentira; mas só os que estão inscritos no Livro da Vida do Cordeiro”. (Apoc. 21:27).

A aceitação incondicional de que a Mente Divina é a “mente inexistente”, ou “mente carnal”, é um expediente iluminado para  “não resistirmos ao maligno”. Se reconhecêssemos a mente humana como real, DEUS, A MENTE REAL ÚNICA, pareceria não estar totalmente manifesta, o que não é verdade. DEUS É A TOTALIDADE MANIFESTA! AQUI E AGORA! Se, porventura, pareceu ter havido algo chocante, devido à referida declaração, este “choque” não terá se dado na Mente Divina! Ocorreu, apenas, que a “inexistente” mente humana quis se mostrar estando chocada, ou alarmada, justamente para continuar lhe dando a impressão de ser ela  existente. Não se prenda às alegações ilusórias de que a Mente Divina deva Se manifestar para “dissipar” a chamada mente ilusória. Faça a “superposição aparente”, isto é, reconheça, partindo da Visão absoluta,  que a Mente divina é a “mente carnal”, e pare de lutar com algo que jamais existiu!

Deus sempre foi, é e sempre será a nossa Mente ÚNICA! Alem disso, a Mente divina jamais será envolvida na “superposição aparente”, pois JAMAIS HOUVE, POR PARTE DA MENTE DIVINA, QUALQUER IDÉIA REFERENTE À EXISTÊNCIA DE MENTE HUMANA.

“O PAI EM MIM” é a Totalidade de Deus aparecendo como a “sua” Consciência crística. Esta Totalidade, que já lhe está dada, inclui a Percepção do Universo, tal como ELE REALMENTE É, e inclui a totalidade de “sua” Iluminação espiritual, AQUI E AGORA! Assim ser vivencia a frase endossada por Cristo: “SOIS DEUSES!”.

“Porque aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus, pois não lhe dá Deus o Espírito por medida. O Pai ama o Filho, e todas as coisas entregou nas suas mãos.”
(João 4: 34,35).

BRAÇADAS E BOTE SALVA-VIDAS

Dárcio

Na crença coletiva, dois poderes supostamente estão existindo: o bem e o mal. Este par de opostos é a ILUSÃO, um hipnotismo de massa que atua  na chamada “mente humana”. Entretanto, sabemos por revelação que “temos a mente de Cristo” (I cor. 2-16). Esta Mente divina já sabe que o Poder único e todo-abrangente é Deus! Por que alguém  se diz ser influenciado pelo mesmerismo? Porque em nossa atuação normal do dia a dia, fazemos concessões e “usamos” a mente humana! Somente enquanto esta mente estiver sendo “usada”, consciente ou inconscientemente, pode a crença em dois poderes nos sugestionar!

Tanto a mente humana como a crença em dois poderes, que ela aceita, são irrealidades! Por isso devemos “orar e vigiar”. Como fazer isto?  Suponha que alguém, fazendo um passeio de barco, note de repente que ele esteja pegando fogo. Ciente de que dispõe de um bote salva-vidas, ele faz o pedido de socorro à guarda costeira, lança o bote ao mar, pula em seguida, e, dando braçadas até ele, sobe, ficando em segurança aguardando ser resgatado. As braçadas  seriam dadas somente até ele estar no bote! A partir de então, sua segurança passaria a existir sem mais contar com seus esforços pessoais. Da mesma forma agimos “neste mundo”. Tão logo percebamos estar influenciados pelas crenças coletivas, “damos as braçadas” iniciais, isto é, usamos a própria mente humana para endossar as Verdades divinas que conhecemos, até nos sentirmos seguros “no bote salva-vidas”, ou seja, na Presença de Deus em nós! Neste ponto,  os “esforços” são paralisados e ficamos sossegadamente “aguardando” a Mente de Cristo Se mostrar como sendo nossa Mente única em atividade!

Nossos conhecimentos da ciência mental devem andar lado a lado com a Verdade Absoluta que estudamos! Isto por estarmos aparentemente em dois mundos! As afirmações do bem e as negações do mal correspondem às “braçadas”, e o ponto em que elas se tornam dispensáveis é aquele em que nos sentimos no “bote salva-vidas”, conscientemente em Deus.

"OLHAI PARA AS AVES DO CÉU"

Dárcio

Num de seus artigos, Emmet Fox cita o “feixe direcional” . Os aviões, à noite, voam com os pilotos colocando-os, através de bússola, num feixe direcional. Permanecendo dentro do “feixe”, o vôo estará seguro e na direção certa do destino almejado.

Nosso “feixe direcional” é a percepção de que vivemos imersos na Sabedoria infinita de nosso Criador divino! Assim, em vez de nos preocuparmos com decisões e atitudes, verifiquemos nossa sintonia com o “Feixe”. Nessa Unidade, sempre será AGORA, e sempre será PAZ!

Notemos que um Universo Infinito está ativo! Ele nos inclui! Se nele nos soltarmos, eliminando as preocupações e a crença estressante de que nossas decisões pessoais são importantíssimas, para nós ou para o mundo, descobriremos o óbvio: uma Inteligência infinita já está cuidando de tudo, e, inclusive, sendo o “Eu Sou” que cada um é.

Jesus Cristo estava se referindo a este fato, ao nos deixar as palavras: “Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?” (Mateus 6; 26)

A vida é simples de ser vivida, quando sua visão se perde na grandiosidade do Infinito e, ao mesmo tempo, se concentra na totalidade deste AGORA! Sem preocupações, sem “decisões importantes”, sem “apegos” e sem “ego”: simplesmente na  UNIDADE!

O PERDÃO SOB VISÃO ABSOLUTA

Dárcio

Eis a base de nosso enfoque: EXISTE SOMENTE DEUS! Quando algo errado parece existir, o que de fato ocorre é a “falta de percepção” da perfeição e da harmonia sempre existentes. Suponhamos que alguém se sinta magoado ou ressentido com outra pessoa, e que lhe recomendássemos que a perdoasse. Seria este um bom conselho? Sem dúvida! A intenção de perdoar alguém deve ser boa; mas, seria exeqüível? Todos conseguiriam fazê-lo? Sem deixar marcas na lembrança?

A maioria dos ensinamentos enfatiza o valor do perdão. Porém, se não houver um entendimento correto e absoluto de seu significado, a Verdade contida em sua prática poderá não ser percebida por completo. A ilusória “mente humana” sugere a existência de uma condição imperfeita, capaz de originar as mágoas e ressentimentos: em seguida, faz com que esta ilusão seja alimentada pela “necessidade de perdoar” a pessoa envolvida. E o suposto problema, que era apenas um, a mágoa, passa a ser visto como sendo dois: a mágoa e a necessidade do perdão.

Um dicionário comum assim define o perdão: “ato de dar como não cometida uma falta, renunciando a castigos e desforras”. Aquele que se dedica à PERCEPÇÃO da Realidade Divina já encontra semelhança entre esta definição e a Verdade absoluta de que EXISTE SOMENTE DEUS. Segundo os conceitos humanos, este perdão seria o “ato de dar como não cometida uma falta… .” Ampliando-se esta definição ou visão ao nível absoluto, observa-se que, devido à UNICIDADE e à ONIPRESENÇA da Perfeição divina, jamais houve, em tempo algum, o que se poderia denominar uma “falta” em todo o Universo. Assim, em termos absolutos, se não houve falta, não poderá haver perdão. Desse modo, o perdão não existe como realidade! E, paradoxalmente, pela percepção da inexistência do perdão, aos olhos do mundo estaremos perdoando infinita e incondicionalmente a todas as pessoas. O que estamos expondo é o seguinte: SOMENTE o discernimento da ONIATIVIDADE ESPIRITUAL DIVINA pode “gerar” no mundo visível o “perdão verdadeiro”, pois a ilusória mente humana é incapaz de fazê-lo a contento e de forma plena. Mas ao reconhecermos, em “silêncio contemplativo”, a Onipresença da Mente divina sempre sendo a Mente de “um” e de “outro”,  esta situação absoluta de harmonia aparecerá visivelmente como “reflexo”.

O reconhecimento radical de que vivemos num Universo espiritual perfeito promove a soltura da crença de que “houve a falta cometida” e de que “existe alguém para perdoá-la”, dando-a como não-cometida. EXISTE SOMENTE DEUS! EXISTE SOMENTE A PERFEIÇÃO! EXISTE SOMENTE O AQUI E O AGORA!

Pelo mesmo motivo, jamais recomendamos os chamados “exames de consciência”, pois seriam “exames de ilusão”. Como dissemos, os erros ou faltas aparentes, atribuídos a nós ou a alguém mais, nada mais são do que FALHA DE PERCEPÇÃO DA PERFEIÇÃO DIVINA SEMPRE PRESENTE. Fazer a mente rebuscar erros ou faltas aparentes, dando-lhes atenção como se realmente fossem fatos  existentes, apenas a impedirá, aparentemente falando, de perceber, aqui e agora, a mesma perfeição que  ela já havia demonstrado ter deixado de perceber anteriormente.

Uma coisa deve ficar bem clara: sob uma visão absoluta, perdoar “setenta vezes sete vezes” não implica ação alguma da chamada “mente humana”. Como dissemos, a Verdade a ser reconhecida é a de que a Consciência divina é a ÚNICA Consciência, minha ou sua, a ser reconhecida. Identifique-se unicamente com a SUA Mente verdadeira, idêntica à de Jesus Cristo, conforme as Escrituras nos revelam, e perceba que a ONIATIVIDADE DIVINA é a ÚNICA ação real sempre presente. Desse modo, a idéia errônea de “faltas cometidas” será dissipada, levando ao nada originário as práticas de “exame de consciência”, “arrependimento” e “perdão”.

Saiba ser este o mais elevado processo daquilo que o mundo rotula de “cura interior”, pois, leva em conta unicamente a Graça divina como a Ação real de sua Consciência Iluminada, que é o próprio Deus.

VEJA A MIRAGEM COMO MIRAGEM

Dárcio

O chamado “mundo visível” é uma miragem sem sustentação alguma! Que sustentaria a presença de um oásis visto por um alucinado andarilho no deserto? Nada! Assim são TODAS as imagens fenomênicas diante de nós! São MIRAGENS! Sejam  excelentes ou péssimas, todas aparentemente ocultam a IMUTABILIDADE da Perfeição que SOMOS e da Perfeição de onde ESTAMOS!

Que força seria empregada para eliminar um oásis e “restabelecer” a areia no deserto? Nenhuma! O oásis é MIRAGEM! A areia já está em seu lugar! Assim é que “vencemos o mundo”: vendo suas imagens como MIRAGENS, enquanto, internamente, reconhecemos:

“Estas miragens estão aqui como miragens, enquanto o que realmente aqui existe é unicamente Deus!”

Faça uma pausa! Veja de fato a miragem como miragem, enquanto, serenamente, confirma, em VOCÊ MESMO, a Consciência Iluminada que a tudo discerne como Luz!  Firme-se na percepção da Onipresença da Perfeição sendo, aqui e agora, a realidade absoluta de tudo e de todos, inclusive VOCÊ! DEUS É TUDO! MIRAGENS SÃO MIRAGENS!