"E A NINGUÉM NA TERRA CHAMEIS VOSSO PAI"

“E A NINGUÉM NA TERRA CHAMEIS

VOSSO PAI”

Mateus 23;9

Dárcio

O ensinamento iluminado jamais nos posiciona na condição de mortais oriundos de óvulos fecundados! Ao dizer: “E a ninguém na terra chameis vosso pai”, Cristo dava o REFERENCIAL DA VERDADE! A revelação de que DEUS É TUDO exclui a possibilidade de alguém ser descendente de seres humanos! Todo ensinamento que nos coloca na posição de humanos é falso!

As revelações absolutas, apesar de verdadeiras e já válidas exatamente para todos nós, requerem “contemplações” também absolutas! Se alguém realmente desejar conhecer a Verdade, terá de dar seu “adeus consciente” aos ensinamentos que falam em seres humanos, em “escola terrena para a alma” e idéias afins. Quando a pessoa entender que “não é para chamar de pai a ninguém na terra”, isto lhe será um detector de ensinamentos ilusórios!

“Porque UM SÓ é vosso Pai, o qual está nos céus!”. Assim Jesus completou a frase. Esperava, com ela, que a pessoa se livrasse de vez das amarras ilusórias que a tornavam cativa das crenças coletivas. Que torna o homem presa fácil de meras ilusões? Acreditar ter filiação humana! Rompida esta crença, ele se verá “filho de Deus”, que é um com Deus, que é Deus! Feche os olhos e contemple a Verdade: VOCÊ ESTÁ EM DEUS, SEU PAI É DEUS! Pare de endossar ILUSÃO!

DEUS É TUDO, TUDO É DEUS


DEUS É TUDO, TUDO É DEUS

Dárcio

O que importa, no estudo da Verdade, não é a quantidade de artigos lidos, mas a quantidade de contemplações da totalidade de Deus que são realizadas. Os artigos buscam repetir a Verdade básica de que Deus é Tudo. Esta repetição é propositada, pois há de se considerar o seguinte: sendo Deus TUDO, a Mente única é Deus e já sabe que a Realidade é puramente divina. Logo, a repetição é para desprogramar a mente iludida pela dualidade. Este site busca atender aos anseios de alguém que realmente se interesse pela Verdade com toda a sua alma. Quanto mais alguém se entrega aos princípios absolutos, menos tem de se ocupar com as atividades corriqueiras do dia-a-dia; elas transcorrem em harmonia cada vez maior em proporção direta à dedicação ao estudo.

Três pontos devem ficar bem claros: (1) Deus é Tudo, Tudo é Deus; (2) Deus, sendo Tudo, é VOCÊ e VOCÊ é Ele; (3) A Mente real já sabe disso e a mente ilusória deve se desprogramar do dualismo através de leituras e meditações.

Ponha estes três pontos como suas prioridades de cada dia, e estará buscando o Reino de Deus em primeiro lugar. E lembre-se: não há nada para ser buscado em segundo lugar: DEUS É TUDO, TUDO É DEUS! Dê seu testemunho próprio desta Verdade.

CONSCIÊNCIA E PENSAMENTOS

CONSCIÊNCIA E PENSAMENTOS

Dárcio

No Caminho espiritual, os passos rápidos são dados quando sabemos que o paraíso já existe, está pronto e dele já fazemos parte. Na Bíblia, esta percepção recebe o nome de “Renascimento”. O mundo que a humanidade aceita como existente se fundamenta totalmente em pensamentos: a pessoa pensa ser este seu pai, pensa ser aquela a sua mãe; pensa ser o seu nome aquele registrado em seus documentos; pensa ser a sua existência algo temporal e inconstante; pensa ser o mundo material, pensa ser seu corpo material, e pensa ser constituído de matéria e mente humana. Em suma, até que se inicie a jornada espiritual, a pessoa estará vivendo somente neste “universo de pensamentos”, que acaba sendo por ela aceito sem a mínima contestação.

Que motivo teria alguém para contestar? Afinal, a maioria assim encara o mundo, e tal aceitação coletiva parece hipnoticamente dar a todos a certeza de que esta visão de mundo é, de fato, a visão correta. Todavia, num dado momento da vida, cada pessoa passa a notar que, em seu íntimo, além de seus pensamentos, existe a presença de ALGO a mais. Sua antiga aceitação dos problemas do mundo passa a dar lugar a dúvidas e indagações, e “novo céu e nova terra” parecem despontar em seu horizonte. Quando há a percepção de que este ALGO INTERIOR, presente além dos pensamentos, constitui a TOTALIDADE do verdadeiro Ser, falamos que se dá o “Renascimento” da pessoa.

Para a Consciência, ou seja, para o ALGO além dos pensamentos, o tempo não existe. A Consciência é uma constância incólume: é “o que é, que era e que há de vir”, ao contrário dos pensamentos, que se alteram a cada instante. A conclusão importante, decorrente disto, é a seguinte: se pretendermos apreender alguma base confiável de vivência, esta deverá se fundamentar em algo IMUTÁVEL. Como os pensamentos ou crenças variam a cada instante, longe eles estão de nos servir como base de sustentação sólida. A Verdade Absoluta reconhece a Si mesma como sendo esta Consciência constante, que a TUDO abrange. Todas as crenças e pensamentos coletivos são o “NADA”.

A mudança brusca na maneira de se encarar o mundo, ou seja, o abandono do conceito humano de mundo para a aceitação do paraíso, aqui e agora, dá-se pela Graça divina. A cada um de nós, cabe a parte da dedicação ou devoção, que consiste num estado máximo de receptividade interna às revelações. Precisamos desejar acolher esta Graça, abrindo-nos inteiramente ao Seu influxo, sem esforços mentais. Quando deixamos a janela do quarto aberta, em dia ensolarado, espontaneamente a luz flui para o seu interior. A Luz divina brilha de forma permanente, bastando-nos um reconhecimento e um processo de abertura plena a Ela, isto é, uma posição máxima de receptividade.

Como seria esta “receptividade plena”? Fecharmos os olhos e aguardarmos que a Luz divina nos iluminasse? De início, até poderíamos encarar dessa maneira. Porém, o mais preciso, o ideal, seria que soubéssemos o enfoque absoluto: A LUZ JÁ É O NOSSO SER! Este conhecimento elimina a crença dualista de que estaria existindo “outro ser” na posição de “receptor” desta Luz. CADA UM DE NÓS JÁ É A LUZ; CADA UM JÁ É O UNIVERSO ILUMINADO PELA LUZ. A LUZ QUE ILUMINA O UNIVERSO E O UNIVERSO POR ELA ILUMINADO SÃO UM. ESTE UM É VOCÊ, SOU EU, É A CONSCIÊNCIA DIVINA INFINITA!

O despertar espiritual nos revela que existe somente UM UNIVERSO, o ESPIRITUAL. Entretanto, quando alguém abre mão dos pensamentos e crenças para ficar receptivo à Verdade Absoluta, deve estar atento para não se deixar envolver pelos “efeitos aparentes” destas contemplações. Elas promovem uma “soltura de crenças” que dá a impressão de ser um período difícil, em termos de vida humana. As meditações e contemplações da Verdade revelam o “nada” que as crenças são, e essas crenças incluem a personalidade humana que falsamente se mostrava como sendo o nosso verdadeiro e único Ser. Conscientes disso, não nos deixemos levar pelas alterações de crenças que se mostram visíveis, e não nos identifiquemos com elas, considerando-as como algo relacionado conosco. A convicção de que Deus é o nosso Ser, aliada ao estado de alerta quanto à natureza ilusória deste “mundo das aparências”, constituirão a nossa certeza de segurança e amparo nesta aparente fase transitória.

“A mulher, quando está para dar à luz, sente tristeza,…mas, depois de ter dado à luz a criança, já não se lembra da aflição, pelo prazer de haver nascido um homem no mundo. Assim, também vós, tendes tristeza agora; mas outra vez vos verei, e o vosso coração se alegrará, e a vossa alegria ninguém vo-la tirará.” (João 16: 21, 23).

Se conseguirmos conservar a percepção de nossa IDENTIDADE, sem nos envolvermos com as alterações ocorridas nas crenças do mundo, o processo de desintegração das mesmas revelará que elas são o NADA. Jamais o nosso Ser real, que é Deus, participa destas alterações de crenças. Precisamos conservar isso em mente, para casos de surgimento de alguma “aparência desagradável”, que nada mais seria que o próprio desaparecimento de crenças infundadas e sempre destituídas de realidade, presença e substância. AS ALTERAÇÕES, BOAS OU MÁS, OCORRIDAS NO MUNDO APARENTE, NÃO TÊM NADA A VER CONOSCO. O SER QUE PARECIA ESTAR DESPERTANDO PARA A VERDADE, OU QUE PARECIA ESTAR SE LIVRANDO DAS CRENÇAS, FAZ PARTE DA PRÓPRIA CRENÇA, OU MIRAGEM, E, TAMBÉM, EM NADA SE RELACIONA CONOSCO.

Deus é a TOTALIDADE do nosso Ser. Todas as alterações visíveis são meras crenças; as aparentes alterações de crenças são, na verdade, acontecimentos que jamais existiram; portanto, jamais afetam o Ser divino que cada um e nós JÁ É! Permaneçamos firmes nesta Verdade. Assim, aos poucos, também a aparência de mundo refletirá a HARMONIA PERENE que continuamente vínhamos reconhecendo como JÁ EXISTENTE no Universo harmônico e perfeito em que realmente “vivemos, nos movimentamos, e temos o nosso ser”.

Lembre-se: Você é a Sua Consciência e não os seus pensamentos. E Deus constitui a Sua Consciência.

Em João, 1:18, encontramos: “Deus nunca foi visto por alguém. O Filho unigênito, que está no seio do Pai, esse o fez conhecer.” Não existe nenhum “alguém” fora de Deus para vê-Lo. DEUS É O SER ÚNICO! Quando cada um de nós percebe a Presença divina aparecendo individualizada como nossa Identidade Iluminada, esta Presença é o citado Filho unigênito que está no seio do Pai.

Esta Verdade Absoluta está contida na declaração “Eu e o Pai somos um”. Todos nós já somos o Pai aparecendo como o Filho. Isto significa que também no dia-a-dia devemos não mais nos identificar com pais humanos. Não iremos desconsiderá-los, mas faremos algo que transcenderá os chamados laços humanos de parentesco: passaremos a contemplar o Filho unigênito que também eles já são, assim como toda a humanidade já é.

O mesmo se aplica aos demais relacionamentos humanos. É preciso que nos habituemos com o “novo céu e nova terra”. O Pai aparece como o Filho no ponto exato em que a crença cega reconhece a simples “aparência” de seres humanos, sob o disfarce de pais, parentes, amigos, vizinhos, patrões, funcionários, dirigentes, etc.

A VERDADE ABSOLUTA, DE FATO, É ESTA: EXISTE SOMENTE DEUS, APARECENDO COMO ESTE UNIVERSO E TUDO NELE CONTIDO. Não adianta ficarmos apenas falando ou pensando a respeito disso. DEVEMOS RECONHECER QUE ISTO JÁ CONSTITUI A NOSSA CONSCIÊNCIA; DEVEMOS RECONHECER QUE DEUS JÁ É A NOSSA CONSCIÊNCIA. Palavras e pensamentos são coisas das crenças, e não fazem parte de nosso Ser. A Consciência de Ser, esta sim, é Deus: esta é Você, aqui, agora, JÁ!

O OBJETIVO DA "PRÁTICA DO SILÊNCIO"

O OBJETIVO DA

“PRÁTICA DO SILÊNCIO”

Dárcio

É chegada a hora de entendermos o que é real e o que é mero “sonho” da mente humana. Há séculos que a humanidade vem recebendo revelações no sentido de que a Realidade divina está aqui e agora, expressa por inteiro, mas aparentemente oculta. Na verdade, Ela não está oculta! Está fora de nossa atenção, apenas isto! Se nossa atenção estivesse cem por cento dirigida para esta Realidade, as imagens mostradas pela mente humana não mais teriam significado para nós.

O contrário parece acontecer. Damos importância plena àquilo que a mente humana nos mostra. Acreditamos ainda que somos seres humanos cheios de falhas! Quem nos diz que somos assim? A mente humana! Se não houvesse revelações contrárias a esse testemunho humano, até seria normal acreditarmos nele. Entretanto, todas as revelações espirituais falam de um “eu perfeito”, de um “Reino perfeito”; elas deveriam nos mover radicalmente no sentido de descartarmos o que é dito ser falso, para buscarmos discernir o que é dito ser real ou verdadeiro. É um absurdo alguém receber a Revelação de estar num Reino perfeito, com uma identidade perfeita, e continuar mesmerizado como se nada lhe tivesse sido dito!

A “Prática do Silêncio” tem este objetivo: fazer-nos contemplar a Realidade espiritual. Ela existe mesmo? Sim. Onde? Aqui, exatamente aqui, onde VOCÊ ESTÁ. Resta-lhe unicamente percebê-La! Eis por que esta prática é contemplativa! Ela o fará notar algo perfeito que sempre esteve existindo! E o mundo material? E o eu humano? JAMAIS existiram! Os quadros mostrados pela mente humana são semelhantes miragens! São ilusões mentais! Nada além disso!

DEUS É TUDO!! Deus está sendo a Realidade infinita onipresente! Para esta Verdade ser discernida, pratique o “silêncio contemplativo”, não com a mente “neste mundo”, nem lutando para entrar “noutro mundo”; apenas aceitando a Verdade de que VOCÊ ESTÁ NO PARAÍSO! Para tanto, durante a prática, a suposta mente humana é descartada por completo. Daí, faça o seguinte reconhecimento:

A Mente infinita é minha Mente; a Mente divina, por ser única, é a minha única Mente em existência.

Este é o ponto de partida. Você não poderia aceitar que a Mente divina estivesse ausente exatamente de onde VOCÊ ESTÁ! Além disso, VOCÊ não poderia acreditar que esta Mente, presente onde VOCÊ está, estivesse deixando de VER A REALIDADE! Logo, acredite que esta Mente divina que já vê a Realidade perfeita é a SUA! Esta prática acaba por desfazer o hipnotismo! Sim, hipnotismo! Este mundo material é mera imagem hipnótica! Nunca teve realidade ou substância!

PRÁTICA DO SILÊNCIO

COLETIVA

3ª feira: 20,30-21,00h e 5ª feira: 21,30-22.00h

Onde estiver, perceba sua presença no Paraíso!Para isso revelou Paulo:

“Em Deus vivemos, nos movemos e temos o nosso ser”

Atos 17: 28

O MUNDO-SONHO DA MATÉRIA

O MUNDO-SONHO

DA MATÉRIA

Dárcio

Durante um sonho, a pessoa poderá se ver estando num corpo material e vivendo uma suposta realidade que somente sumirá pelo seu acordar. Que era a “matéria” de seu corpo naquele sonho? Era “mente mortal”; que era a situação vista por ele no sonho? Era ilusão da mente mortal. Desperta, sumirão o corpo e as situações do sonho.

Quando Cristo disse: “Vós, deste mundo, não sois”, explicava o “sonho” de vida na matéria! É lamentável que até hoje, a maioria ainda se curve diante desta ilusão de mundo, completamente alheia ao fato de estar vivenciando pura falsidade!

Despertar do sonho de “vida na matéria” é a meta de quem estuda a Verdade! Partindo da Verdade de que Deus é TUDO, cada um se contempla como sendo Deus e estando não com a mente que vê mundo material, mas sim com a própria Mente divina!

Faça isso já! Feche os olhos e reconheça:

O mundo-sonho da matéria é NADA! Aqui onde estou é o Reino do Absoluto! Somente existe Deus! Assim, a Mente onipresente está aqui e agora sendo a Mente única presente e atuante como a Minha Mente.

(Deixe a Verdade Se revelar espontaneamente como SUA Consciência)

A VISÃO DE FÁTIMA

A VISÃO DE FÁTIMA

Dárcio

Para que a percepção espiritual da Realidade seja feita conscientemente, é preciso que se separem os fenômenos ditos “mentais” da Existência divina. O mundo costuma dar imensa importância aos chamados “sinais de Deus”. Sinais, sinais, sinais! Sempre sinais na ILUSÃO! A mente que a eles se prende, mesmo reconhecendo-os como de origem divina, é a mente ilusória que acredita na existência do tempo e do espaço. A chamada “Visão de Fátima” é um desses sinais aceitos como revelação divina. Segundo consta, três crianças de Portugal, perto de Fátima, tiveram visões de Maria, mãe de Jesus, que se mostrou entristecida com a situação do mundo e disse que suas aparições eram para despertar a humanidade para o amor e espiritualidade. Após deixar mensagens proféticas e fazer com que cerca de setenta mil pessoas “vissem” o sol girando e caindo no céu, encerrou suas aparições.

O mundo religioso tem dado crédito à visão de Fátima. Se analisarmos o exposto, veremos que somente as pessoas presentes no local e proximidades puderam ver a “queda do sol”. Assim, o “milagre” se constituiu de uma ilusão de ótica regional, limitada à multidão ali presente. Não estamos, aqui, querendo discutir o fenômeno de Fátima em si. No nosso entender, esse tema pertence ao terreno da parapsicologia, ou do inconsciente humano. Nosso propósito, ao citarmos este caso, é o de utilizá-lo como exemplo de uma “miragem coletiva”. O mundo material, visto pelas pessoas, é uma visão coletiva, não apenas restrita a setenta mil pessoas, mas sim global, ou seja, é uma “ilusão de massa”, uma sugestão hipnótica coletiva. Assim como o sol jamais caiu do céu, como em Fátima pareceu ocorrer, o Universo espiritual jamais teve Sua Harmonia alterada, como as pessoas são levadas a crer. Se perguntarmos: “Você já teve alguma visão, estando acordado?”, na certa a maioria dirá que não. Mas o chamado “mundo material” é uma “visão”. A Consciência iluminada, a nossa Mente única em percepção, não conhece “mundo material” algum! Portanto, jamais algum “sinal”, “profecia” ou “visão”, que parte da existência do “tempo”, pode ter origem em Deus. Estamos conscientes somente da Existência espiritual, atemporal e imutável, que constitui a totalidade do AGORA em que vivemos e somos.

Deus é o nosso Ser; somos unicamente Espírito. A constatação de que o “mundo material” não passa de uma “visão”, é o primeiro passo para que haja a percepção do verdadeiro Universo aqui e agora existente.

A Verdade é para ser vivida na prática. Se dedicarmos nossa atenção aos princípios espirituais apenas em momentos de “Pratica do Silêncio”, acabaremos por aceitar o “mundo-miragem” como existente. Eis por que enfatizamos o termo “visão” neste artigo. Ele é sinônimo de “alucinação”. ESTE UNIVERSO É SEMPRE ESPIRITUAL E PERFEITO. Como fazemos parte dele, somente temos consciência daquilo que verdadeiramente existe, e que é puramente ESPÍRITO e PERFEITO. A percepção de que o Universo real é espiritual e perfeito não exclui a visão “mundo humano” em nosso dia-a-dia. Até que haja um “despertar em massa”, não poderemos dissociar o estudo da Verdade da experiência cotidiana. Após contemplarmos a Verdade da existência única do Universo espiritual e perfeito, seria lamentável que saíssemos de casa, olhássemos para alguma esquina e encontrássemos algum cego, paralítico ou mendigo sem o discernimento de que aquele cenário todo é apenas uma “visão”. Até aqui, empregamos o “paralelo didático” de modo produtivo. Através de sua aplicação sincera e consciente, a PERCEPÇÃO da Realidade se dará naturalmente, a qual por si dispensará qualquer expediente voltado ao propósito de revelar a perfeição única, que é o que sempre está existindo, universalmente.

Não existe Universo espiritual e “visão”. No fenômeno de Fátima, que citamos no início, podemos notar que não havia “um sol girando e caindo”, e “outro sol” em sua órbita normal sendo visto nos demais outros lugares. Este chamado “mundo visível” é uma “visão”, semelhante àquela presenciada pelas setenta mil pessoas em Fátima. A percepção de que a visão é nada corresponde, em nosso estudo do Absoluto, à percepção de que Deus, Realidade espiritual, é TUDO.

Não se prenda à maneira com que estamos dispondo as palavras deste texto. Faça a leitura da forma mais natural e sem esforço possível, pois, o “paralelo didático” irá desaparecer também de forma natural, e a sua Consciência espiritual, que já é iluminada, lhe será revelada como a totalidade do Seu Universo. Apenas contemple as revelações expostas, sem esforço algum.

Tudo é Espírito! Tudo é Espírito aqui; Tudo é Espírito agora. A Sua Consciência é espiritual e imutável. Assim, a Luz que VOCÊ JÁ É, é o Universo divino brilhando onde VOCÊ ESTÁ. O suposto ser humano, que se julgava “leitor desta página” já não mais se mostra como existente; restou somente aquilo que VOCÊ realmente é: Espírito, Luz, Deus sendo VOCÊ. Você é a Consciência espiritual que reconhece a Si mesma como sendo exclusivamente Espírito infinito onipresente. Neste AGORA, a Verdade Se expressa como todos nós; somos todos UM! Neste AGORA, VOCÊ RECONHECE E SE IDENTIFICA com a Unidade da Existência:

EU SOU DEUS; EU SOU ESPÍRITO; EU SOU PERFEITO; EU SOU A LUZ!

"O VIGIA SOU EU"

“O VIGIA SOU EU”

Dárcio

Uma pessoa desempregada, sendo entrevistada e aprovada para ser o vigia de uma empresa, comparece no dia seguinte para assumir seu posto de trabalho. Uma visita, chegando à empresa, vê ali o estranho e pergunta: – Quem é você? E ele responde: -Eu sou o vigia.

Esta é a identificação imediata! Uma vez informado pela empresa de sua contratação, de “desempregado” ele passou de imediato a “vigia”; além disso, reconheceu o fato e o assumiu. Que mais? Ele deixou de agir e pensar como desempregado para se comportar como vigia!

Quem estuda a Verdade vem de uma fraudulenta crença coletiva de que é um ser humano, mísero mortal pecaminoso e sujeito a erros e acertos neste mundo material. Mas quando entra em contato com a Revelação divina, ele é “contratado pela Verdade”. Não pode mais justificar atitudes e pensamentos condizentes com a mentira. Se lhe perguntarem: -QUEM VOCÊ É?, ele dirá:

“Eu Sou o Cristo, a Verdade”.

Não postergue uma aceitação radical de sua Identidade real! Não tente justificar atitudes humanas vendo-se participante delas! VOCÊ É O CRISTO, A VERDADE! Assim como o vigia, que deu um “chega-pra-lá” no cidadão desempregado, faça o mesmo com a ILUSÃO! Não aceite nada contrário à Verdade! REALMENTE, O CRISTO É VOCÊ! Ficar protelando esta identificação radical apenas o deixará aberto a mais crendices! Reconheça, assuma e confirme: “EU SOU O CRISTO, A VERDADE! Somente então, sua ação corresponderá à ONIAÇÃO, tornando-o livre!

“Cristo é tudo em todos”

Colossenses 3;11

DEUS É TUDO

DEUS É TUDO

Dárcio

É vital partirmos da totalidade de Deus neste estudo. Partir de algo diferente de Deus é partir de inexistências ou engodos ilusórios. Vivemos em Deus, com Deus e como Deus! O Universo é Inteligência infinita em oniação! Esta percepção inicial anula a aceitação ilusória de que poderíamos partir de algo diferente de Deus em nossas contemplações. A Inteligência infinita é onipresente! Quem poderia negá-la em SI MESMO? Somente quem partisse da ilusória mente humana e seus conceitos fraudulentos! Assim, contemple esta Inteligência infinita atuando como SUA Mente!

Deus é Vida e Deus é Espírito! A Inteligência única não se encontra fora de SI mesma! Portanto, alguém se dizer habitante de mundo material, seria uma inexistência habitando noutra! Estas Verdades precisam ser contempladas com “coração de criança”. Não existe Vida na matéria e não existe matéria para ter Vida! DEUS É TUDO! A Vida é a Substância única! Parta disso, em suas contemplações, e “contemple-se” como Deus! Quando o apóstolo Paulo escreveu: “Glorificai a Deus em vosso corpo e em vosso espírito, os quais pertencem a Deus”, revelava a sua identidade EM DEUS! Por isso, este estudo é um reconhecimento DAQUILO QUE É, e não um “transformar” de algo que NÃO É!

"NÃO DEIS AOS CÃES O QUE É SANTO"

“NÃO DEIS AOS CÃES

O QUE É SANTO”

MATEUS 7: 6

Dárcio

A abertura espiritual

vem de uma revelação de Deus dentro de cada um. Quando alguém

entra em contato com um ensinamento ou princípio espiritual, e o aceita, na maioria dos casos a pessoa julga que este “contato” com o ensinamento é que a levou a buscar a espiritualidade. Porém, justamente o contrário é verdadeiro! Ocorre antes, dentro de cada um, o revelar de sua própria natureza divina; assim, os livros, instrutores, mensagens, palestras, que porventura começarem a surgir à sua frente, serão o efeito visível desta ação interna e  invisível da Graça divina .

Em vista do exposto, disse Jesus:

“Não deis aos cães o que é santo”, ou seja, não adianta querermos, de fora, forçar alguém a aceitar a Verdade que estudamos. Devemos somente expô-la, conforme nos sentirmos inspirados a fazê-lo, e aqueles que se sentirem tocados saberão tirar proveito.

"DEIXAR FLUIR" – Parte 2 (Final)


“DEIXAR FLUIR”

Dárcio

Parte 2 – Final

Acreditar que Deus flui como o nosso Ser é muito bom; no entanto, isto ainda não é o bastante. O importante é que haja a percepção de que o nosso Ser, presente aqui e agora, JAMAIS SOFREU NEM SOFRERÀ QUAISQUER MODIFICAÇÕES, por já ser o Eu Sou Iluminado que Deus é. Tal percepção é a garantia de que não somos influenciados pelo desfile de quadros ilusórios que o mundo aceita como existentes. Contemplar a constância de nossa harmonia, a despeito das aparentes mudanças que o mundo considera relacionadas conosco, eis em que consiste a VIDA PELA GRAÇA, a Vida do “DEIXAR FLUIR”, sem anseios ou preocupações. Como se preocupar? Se há a percepção de que a HARMONIA é constante, imutável, permanente, além de onipresente?

Talvez uma criança, olhando a lua no céu, em quarto crescente, acreditasse que ela levaria algum tempo para “ficar inteira” novamente. As pessoas do mundo reagem de modo idêntico, olhando, por exemplo, para um suposto “doente” e procurando “mentalizar” a sua “recuperação”. O tempo não existe! Nosso Ser é a perfeição divina individualizada; nosso Corpo é a perfeição constante e perene, aqui e agora. É a “aparência” que se altera e ilude a todos! Quando empregamos a expressão “DEIXAR FLUIR”, não queremos dizer que deixaremos as “aparências deste mundo” assumirem ao seu bel prazer os contornos dos quadros visíveis mutáveis. “DEIXAR FLUIR” significa perceber que a atividade única é Deus, agindo como nossa harmonia deste aqui-e-agora, nessa perfeição constante e perene. Equivaleria a olharmos para a lua em qualquer de suas fases e discernirmos que ela está sempre inteira.

Há um outro aspecto que merece ser abordado. Há pessoas que dizem o seguinte: “Pena que não conheci estes princípios antes, pois, teria desintegrado muitas aparências desagradáveis no meu passado!” Certamente, a ilusão de que a lua aumenta ou diminui de tamanho veio sendo aceita desde a antiguidade. Porém, a ilusão é sempre ilusão, e não seria um princípio espiritual que evitaria as modificações no tamanho da lua. Tais modificações jamais ocorreram! A LUA SEMPRE ESTEVE SENDO DO MESMO TAMANHO, E O TEMPO NÃO EXISTE! Todas as aparências “deste mundo” são o puro e simples NADA! Um “problema”, que alguém do mundo porventura venha a enfrentar “amanhã”, por exemplo, já era NADA desde o princípio, do ponto de vista da Verdade. TODAS AS APARÊNCIAS DO MUNDO FORAM, SÃO E SERÃO O “NADA”, pois, DEUS, SOMENTE, EXISTE. Por último, queremos ressaltar uma vez mais a importância da percepção da existência única do AGORA PERFEITO. Com esta percepção, as falsidades chamadas “tempo” e “espaço” se desvanecem, e o Universo luminoso é reconhecido como onipresente, constante e perene.

“Deixar fluir”, portanto, e permanecermos no referencial absoluto da imutabilidade, enquanto as “aparências”, para quem nelas crê, fiquem se modificando sem cessar na ilusória “tela” do tempo e do espaço.

MENTE, AMOR DIVINO E ATIVIDADE

MENTE, AMOR DIVINO E ATIVIDADE

Dárcio

Muita gente crê estar à mercê de muitos problemas, e o que deve ser sabido é que, como Deus é TUDO, inexiste outra mente sem ser a dEle. Sim, pois os tais “problemas vários” não são os reais problemas! O “problema” verdadeiro e único é a crença em duas mentes. Esta sugestão é que deve ser banida, sem que você lute contra ela. A chamada “outra mente”, que supostamente atua e gera os problemas que as pessoas crêem serem delas, é inexistente! Como lidar com isso? Entendendo que a Mente única, Deus, é Amor em atividade todo-abrangente! A Mente divina não enfrenta “outra mente”; tampouco reconhece “outra mente”. O que é REAL é o que existe eternamente! Reconheça com suavidade estas Verdades!

Pare de aceitar problemas! Pare de se identificar com a suposta “mente sugestionada” da humanidade! E pare de aceitar a possibilidade de haver, em VOCÊ, outra mente, senão a Mente que é Amor divino em oniação! Identifique-se com a Mente amorosa que não luta para existir! Identifique-se com a Mente que desconhece outra mente! Contemple serenamente a Verdade de que VOCÊ tem a “mente de Cristo”. Meras leituras não bastam! É preciso discernir o óbvio: somente a Mente de Deus existe e está em ação! E ESTA MENTE É A SUA! Tome, em sua contemplação, “Mente, Amor divino e Atividade”, e pondere, em suave reconhecimento, o que estas palavras representam como SUA Consciência!

"DEIXAR FLUIR" – Parte 1

“DEIXAR FLUIR”

Dárcio

Parte 1

Como existe somente Deus, o Universo funciona como um Todo harmônico, fluindo livremente sem limitações, oposições ou resistências de qualquer espécie. Observe que, por vivermos integrados a esse “Todo Harmônico”, nossa vida flui harmoniosamente sob todos os aspectos, aqui e agora. Aos olhos do mundo, as alterações ou mudanças aparentam ocorrer incessantemente, ao acaso. Entretanto, a percepção da Realidade revela que a Infinitude divina, aparecendo como a harmonia que sempre É, flui aqui e agora na qualidade de nossa experiência individual. Nossa Consciência individual é a Consciência divina única, que reconhece apenas esta HARMONIA SEMPRE PRESENTE, constante ou permanente. Existe somente Deus; logo, nada há para se contrapor ao fluir natural divino como o “aqui e agora” de nossa experiência individual. Além disso, esse fluir divino de nossa experiência é exclusivamente espiritual. Este radical reconhecimento faz com que as aparentes mudanças do chamado mundo visível revelem o seu “vazio”, ou sua natureza como inexistentes.

Uma das mais conhecidas ilustrações empregadas na literatura espiritual, e também das mais antigas, trata das aparentes mudanças que a lua parece sofrer, apesar de estar fluindo livremente no Todo universal, incólume em relação às aparentes “fases” que o mundo lhe vem atribuindo. Nosso Ser verdadeiro e único é Deus, incólume diante de todas as aparências que o mundo tenta associar com ele, por julgá-lo passível de nascimento, mudanças e morte. A lua aparenta surgir no céu, crescer, ficar “cheia”, diminuir e desaparecer a cada chamado “ciclo-lunar”. Algo similar ocorre com o nosso Ser, que desconhece qualquer ciclo de vida similar. Assim como a lua é sempre a mesma, também o nosso Ser não muda, sendo sempre o mesmo “Eu espiritual”, incólume e perfeito.

Todo enfoque que parte das aparências acaba por lhes atribuir algum senso ilusório de existência. Por exemplo: acreditar que estamos evoluindo, equivale a acreditar que a lua aumenta de tamanho a cada semana. A lua é sempre uma só: nosso Ser, de modo análogo, é sempre UM SÓ; e, este UM É DEUS! Contemple estas Verdades em quietude e silêncio.

Continua…>

O ALUCINADO SEM ALUCINAÇÃO

O ALUCINADO

SEM ALUCINAÇÃO

Dárcio

Que é a humanidade inteira? Uma alucinação coletiva! O Reino divino aqui está, intacto, perfeito, com Deus Se expressando infinitamente, enquanto uma “miragem” é vista pela mente alucinada!

No Evangelho de Tomé, achado em 1945 no Egito, encontramos os discípulos perguntando a Jesus: “Em que dia virá o Reino?” E Jesus respondeu: “Não vem pelo fato de alguém esperar por ele; nem se pode dizer: Ei-lo aqui! Ei-lo acolá! O Reino está presente no mundo inteiro, mas os homens não o enxergam.”

Quando falamos em “estudo da Verdade Absoluta”, falamos unicamente deste ponto! Não é algo ligado a “este mundo”; não é algo destinado a melhorar este mundo! Tem sentido alguém passar a vida tentando aperfeiçoar “miragens”? O estudo visa a mostrar ao “alucinado”, que vê a miragem no deserto, que a miragem é miragem, e que ele não está nela! E mostrar a ele que, para discernir isso, deve ele assumir radicalmente esta Verdade AGORA!

Tem sentido a pessoa dizer: “Eu, aos poucos, irei me desvencilhando desta miragem?” Um absurdo! Absurdo aceito pela maioria das pessoas e por muitos ensinamentos! O estudo real prevê o “alucinado” visto AGORA sem alucinação, consciente de nunca ter vivido em “miragens” geradas por ela. Os ensinamentos relativos devem ser largados! Eles o deixam com a cabeça na Verdade e os pés na ilusão! DEUS É TUDO! Atente para a frase iluminada de Jesus: “O Reino está presente no mundo inteiro, mas os homens não o enxergam!” Que deve VOCÊ fazer? Contemplar o FATO REVELADO! Entender que este reconhecimento não pode ser “por parte”. Ou VC adota este referencial AGORA, ou estará na ILUSÃO COLETIVA!

DEUS É TUDO! DEUS É SEMPRE DEUS MANIFESTADO COMO VOCÊ! Expulse as crenças em “evolução”, expulse a crença em tempo e espaço físico! E, principalmente, varra de vez a crença de que “este mundo” é uma “escola de aprimoramento espiritual”! Uma das maiores mentiras pregadas por ensinamentos apagados!

Atente para a frase iluminada de Jesus: “O Reino está presente no mundo inteiro, mas os homens não o enxergam!” Que deve VOCÊ fazer? Contemplar a REVELAÇÃO! Contemplar o fato real e atual de que VOCÊ não é um dos “homens”, mas um dos “deuses”! Estar aberto e totalmente voltado a discernir a plenitude e a onipresença deste Reino Iluminado! Contemplar o fato de VOCÊ estar sendo a Consciência iluminada em Autocontemplação!

Note bem: ou VC adota este referencial AGORA, ou estará na ILUSÃO COLETIVA! DEUS É TUDO! DEUS É SEMPRE DEUS MANIFESTADO COMO VOCÊ!

“O Reino está PRESENTE NO MUNDO INTEIRO, mas os homens não o enxergam.”

(Jesus Cristo)

MAESTRO E MÚSICO

MAESTRO E MÚSICO

Dárcio

A um movimento do maestro, e toda a orquestra executa a peça musical. Cada músico faz a sua parte, ao máximo de sua capacidade, e o resultado coletivo é a música, com sua melodia, harmonia e ritmo. Há momentos em que um músico é muito exigido, enquanto em outros, quase nada faz; e há momentos em que a situação se inverte, e nessa alternância, regida pelo maestro, a orquestra cumpre plenamente o seu objetivo.

Não fique se analisando em termos puramente pessoais! Veja-se como músico de uma orquestra em que o regente é Deus! Se estiver sendo mais ou menos exigido, em cada instante da vida, ocupe-se em fazer o melhor em todos eles! Há vezes em que tudo lhe é exigido; e há vezes em que fazer o melhor é nada fazer, tal como ocorre com o músico na orquestra! Tenha uma visão de músico, mas inclua a visão de maestro! No mundo visível, nada acontece por acaso! Se você está sendo pouco ou muito exigido, entenda que é assim que se desdobra a perfeição na tela deste mundo! Fique atento ao “Maestro”! Se ele exigir mais ou menos de você, é porque assim é necessário que seja!

.

A CANDEIA

A CANDEIA

Dárcio

“Vem porventura a candeia para se meter debaixo do alqueire, ou debaixo da cama? Não vem antes para se colocar no velador?”

MARCOS 4: 21

A citação acima, que faz parte da “Parábola do Semeador”, revela a Verdade absoluta de que somos, AQUI E AGORA, a Consciência que é a LUZ, a Consciência iluminada. “Os que recebem a semente em boa terra são os que ouvem a palavra e a recebem, e dão fruto, um a trinta, outro a sessenta, outro a cem, por um”.

Na essência, semente e fruto são UM. Muitos vinham recebendo ensinamentos relativos, e dando frutos correspondentes a eles. Entretanto, a Verdade absoluta desta parábola permanecia encoberta. Por que? Pelo seguinte motivo: a dualidade se mantinha pela errônea crença de que havia um semeador e um ouvinte da palavra (semente). Tal ilusão, no campo da espiritualidade, vem surgindo na forma de “pessoas iluminadas”, bem ou mal intencionadas, que se intitulam “mestres”, enquanto sentenciam os supostos discípulos à eterna posição de “seguidores”, ou “ouvintes”. Estes, por sua vez, sentindo-se no dever de seguir os mesmos passos, saem também ao mundo com a “missão” de propagar a Verdade, dentro dessa visão relativa. Desse modo, o que de fato é propagado é o dualismo ilusório, em que “duas consciências” são admitidas: a de quem fala e a de quem ouve. Em suma, a “candeia” permanece “sendo colocada debaixo do alqueire ou debaixo da cama”.

A partir de AGORA, coloque as coisas em seus devidos lugares: coloque a Candeia no Velador! Candeia e Velador são UM, o EU DIVINO que VOCÊ JÁ É! “Porque nada há encoberto que não haja de “ser manifesto”; e nada se faz para ficar oculto, mas para ser “descoberto” (Lc. 4:22). O Universo Divino é a SUA Consciência! Ao admitir este fato, estará admitindo a Verdade de que a Consciência Iluminada JÁ É a sua única Consciência deste AGORA! Uma vez percebido que a “Candeia” é a totalidade do seu EU, estará SENDO a LUZ que sempre foi; e, o que parecia estar encoberto (sua Deus-Identidade) Se revelará como MANIFESTO!

“EU SOU A CANDEIA” – espiritualmente falando, este reconhecimento revela que a Candeia já está no Velador, por constituírem uma UNIDADE inseparável.Em vez de se sentir na posição relativa de fazer propagar a Verdade, ocupe-se com esta PERCEPÇÃO CONSTANTE CONSCIENTE: “EU SOU A CANDEIA”. Este “EU SOU”, é Deus, o Universo iluminado inteiro. É como se a Voz da Infinitude declarasse: “EU SOU A CANDEIA JÁ POSTA NO VELADOR CHAMADO UNIVERSO”. Logicamente, aos olhos do mundo, você poderá ser visto como divulgador ou praticante da Verdade; as situações aparentes favoráveis para que isso ocorra, surgirão naturalmente em seu dia-a-dia, sem qualquer programação humana. Assim, num momento poderá estar divulgando algum livro, folheto ou texto da Verdade, em outro, poderá estar fazendo uma visita para falar sobre o assunto, etc. O seu AGIR NATURAL refletirá a CANDEIA QUE VOCÊ É, que jamais passará despercebida por aqueles à sua volta “com ouvidos para ouvir”.

“Atendei ao que ides ouvir. Com a medida com que medirdes vos medirão a vós, e ser-vos-á ainda acrescentado. Porque ao que tem, ser-lhe-á dado; e, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado” (Mc. 4: 24-25).

À medida que você for percebendo a Candeia única sendo a SUA Consciência, em unidade com todos com quem entra em contato, a ilusão de separatividade e de existência de vários “estágios de consciência” se desfaz. TUDO JÁ É UM; TUDO É DEUS; TUDO JÁ É LUZ. Eis por que você deve universalizar os princípios da Verdade: “EU SOU A CANDEIA; NÃO HÁ OUTRO SER AO LADO DE MIM. O SUPOSTO “OUTRO” É A CANDEIA QUE EU SOU”. É com esta medida que irá medir “os outros”.

JÁ TEMOS E SOMOS A CONSCIÊNCIA ILUMINADA. “Ao que tem, ser-lhe-á dado” – eis como a Bíblia nos incita a reconhecer que SOMOS a Candeia. Se negamos a Mente de Cristo já em nós, tampouco podemos reconhecer a Identidade Divina do próximo. Consequentemente, “até o que já temos”, ou seja, a ILUMINAÇÃO, “nos é aparentemente tirado”.

.

ÁRVORES NÃO VÊM DE SEMENTES

ÁRVORES NÃO VÊM DE SEMENTES

Dárcio

A visão que contempla a árvore pronta onde a cega mente humana vê uma semente dessa árvore, é a Mente de Cristo em VOCÊ. Enquanto VOCÊ não parar para desmantelar as falsidades aceitas coletivamente, a ILUSÃO lhe parecerá algo real e as revelações parecerão teorias!

Que é a presença real? A árvore pronta na Consciência do Absoluto? Ou a semente, que supostamente daria origem à árvore, caso fosse plantada no solo das crenças humanas? Não existe “terra de plantio” coisa nenhuma! Essa crença em mundo material é a irrealidade aceita como realidade! É por isso que a Verdade precisa ser contemplada! Assim como jamais uma árvore vem de semente, o homem jamais vem de óvulo fecundado! Esta ilusão ridícula já deveria ter sido varrida da crença geral, mas, a maioria continua crendo nisso, assim como continua crendo que “árvores vêm de sementes”.

A Verdade grandiosa está revelada! “TUDO É DEUS”, “TUDO ESTÁ FEITO”, “TUDO ESTÁ CONSUMADO”. A “Prática do Silêncio” é o momento em que contemplamos a Verdade Absoluta! Durante a “contemplação”, VOCÊ deverá reconhecer que:

(1) “onde o mundo iludido vê sementes a serem plantadas no solo, para dar origem a árvores, existe a “árvore pronta”;

(2) “onde o mundo iludido vê“solo” onde supostamente as sementes seriam plantadas, existe o “solo santo” que é a SUA Consciência iluminada;

(3) “onde o mundo iludido vê a ILUSÃO chamada“mundo material”, existe o Reino do Espírito;

(4) “onde você se vê como “alguém meditando”, existe

DEUS SENDO VOCÊ!”.

“São loucuras para os homens

as coisas de Deus”.

"NÃO VOS INQUIETEIS"


“NÃO VOS INQUIETEIS”

Dárcio

“NÃO VOS INQUIETEIS, POIS, PELO DIA DE AMANHÃ, PORQUE O DIA DE AMANHÃ CUIDARÁ DE SI MESMO. BASTA A CADA DIA O SEU MAL.

MATEUS 6: 34.

Quem levaria a sério a informação de que uma formiga, num formigueiro, estivesse apreensiva com o seu dia de amanhã? Por certo, ela estaria somente ocupada! Estaria empregando o máximo de sua capacidade no momento presente! Que podemos concluir? Que, para a formiga, o amanhã é coisa que não existe! E para nós? Que é o amanhã? Um futuro incerto? Ou o mesmo agora pleno e glorioso, chamado por Cristo de “o Reino de Deus dentro de nós?”

O que estraga a vida de muitos, aparentemente falando, é o desconhecimento de que “basta a cada dia o seu mal“.O que Jesus aqui nos ensina é a vivermos sempre ESTE AGORA,  ao mesmo tempo desprezando  as aparências visíveis com a certeza absoluta de que são, todas elas,  um quadro hipnótico ou ilusório aceito coletivamente pela mente humana, uma suposta mente fraudulenta que busca nos ocultar, com suas limitações, o verdadeiro e iluminado Universo divino aqui presente!

A vida do agora não é vivermos uma crença cega em um Deus presente em “algum lugar”; tampouco é acreditarmos que o “agora” seja este limitado “hoje” que a mente humana nos apresenta como  “mundo”. Viver o agora é perceber  a Vida Única, Deus, Se manifestando em Sua Perfeição gloriosa como Seu Reino de Luz, em que   sabemos que o que “já somos”, é o próprio Deus sendo Deus como nossa real identidade!Façamos este radical reconhecimento sempre “hoje”, e percebamos esta UNIDADE Pai-e-Filho; com esta permanente “sintonia” consciente com Deus em “cada dia”, o AGORA ETERNO se desdobrará continuamente como “cada amanhã que cuidará de si mesmo”.

O PARALELO DIDÁTICO

O

PARALELO DIDÁTICO

Dárcio

Em geral, o estudo da Verdade traz até nós uma variedade imensa de obras, escritas por vários autores, cada qual empregando uma terminologia própria ou específica, mas sempre com o intuito de nos transmitir os princípios espirituais da melhor maneira possível. Com muita frequencia, encontramos o que estamos aqui denominando “paralelo didático”, que consiste em se contrapor a Realidade Espiritual, invisível à suposta mente humana, ao “conceito” que as pessoas retém a respeito de si mesmas e do mundo, por estarem sugestionadas por esta mente ilusória.

As expressões, “Universo real e universo aparente”, “Eu verdadeiro e eu falso”, “Realidade e ilusão”, são alguns exemplos de “paralelo didático”. Logicamente, os autores que se utilizam desse linguajar sabem ser ele meramente um artifício literário que busca, por fim, colocar um ponto final tanto ao materialismo como ao dualismo, que aceitam a existência de matéria e espírito. Nos exemplos dados, é claro que o autor acredita SOMENTE no Universo real, no EU verdadeiro e na Realidade espiritual. As palavras “aparente”, “falso”, e “ilusão” não retratam existências, mas justamente o contrário, ou seja, retratam “vazios”, inexistências. A princípio, este “paralelo didático” é válido, muito útil, e cumpre uma finalidade, pois o leitor passa a entrar em contato com algo além da suposta mente humana antes ainda de transcendê-la conscientemente. Assim, os princípios espirituais inicialmente vão sendo lidos, conhecidos, analisados, enquanto o leitor com as leituras e primeiras meditações, dá início à abertura de sua mente para poder captar a Realidade, que é puramente espiritual.

Como dissemos, por terem sua utilidade, não somos contrários à utilização desses métodos. Se alguém estiver passando por uma suposta “crise financeira”, por exemplo, e lhe dissermos que a totalidade do suprimento universal já está à sua mão, totalmente à sua disposição, será natural que a sua mente, presa ao problema que crê existir, ache aquilo absurdo e ridículo, uma “teoria” impraticável, e não a Verdade Absoluta! Quando o caso é desse tipo, o “paralelo didático” se mostra bastante útil, pois dá à pessoa as condições momentâneas para que aceite o suprimento universal como já sendo dela, apesar da aparente situação de carência por que ela julga estar passando. Daí vêm as frases com o “paralelo didático”: “Você já é próspero; a carência é ilusão. O seu Eu verdadeiro é “um com Deus”, e desconhece a aparência de limitação que o seu “falso eu” admite existir . ”Raramente encontramos alguém neste estudo que não tenha empregado esse tipo de ensinamento em alguma fase de sua vida. Entretanto, não devemos permanecer aí. O hábito ou a permanência nesse tipo de enfoque acaba por anular o seu propósito inicial, que é de nos dar o discernimento pleno de que DEUS É TUDO. É quando a pessoa acaba fazendo uso do falso dualismo implícito no “paralelo didático”, atribuindo-lhe o caráter de existente. Como exemplo, alguém poderá dizer: “Eu não estou bem de saúde, mas sei que isso não passa de ilusão”, ou, “Eu sei que sou herdeiro de Deus, mas na aparência eu ainda estou com dificuldades financeiras”, etc.

Saiba que enquanto acobertar esse tipo de argumentação, você estará somente sendo condescendente com “inexistências indesejáveis”, não havendo, no caso, Verdade alguma sendo conhecida. A Verdade é a PERFEIÇÃO ABSOLUTA, e não há, além da Verdade, mais nada! Portanto, em dado momento, é preciso que deixe de lado o “paralelo didático”, sob quaisquer de suas formas, para que o discernimento espiritual não fique comprometido justamente por conta deste palavreado dualista ilusório. O “paralelo didático”, com relação a alguém paralítico, poderia ser: “O você verdadeiro está perfeito; somente o seu “falso eu” é que está paralítico”. E diante do mesmo quadro, a Verdade Absoluta irá dizer: “Levanta-te, toma o teu leito e vai para tua casa”. Este último enfoque dispensa e exclui a dualidade; exclui até mesmo a “dualidade aparente” contida nos termos, “Você verdadeiro e você falso”. O enfoque absoluto aborda a Verdade unicamente a partir da própria Verdade, desconsiderando por completo aquilo que é NADA, aquilo que JAMAIS EXISTIU. A Verdade flui sem oponentes. Seria lamentável que alguém lesse um artigo sobre a Verdade e continuasse na crença de limitações apenas impostas por palavras do vocabulário humano. Mesmo enquanto você possa estar fazendo uso do “paralelo didático” em suas leituras e mentalizações, durante as “contemplações silenciosas” livre-se dele! A VERDADE É VOCÊ! VOCÊ flui como o próprio Universo, sem limitações. RECONHEÇA QUE VOCÊ JÁ TEM A PERCEPÇÃO DESTA REALIDADE, EXATAMENTE AQUI E AGORA. CONTEMPLE ESTE FATO!

ILUSÃO É ILUSÃO

ILUSÃO É ILUSÃO

Dárcio

A pessoa está num vagão de trem parado, o vagão ao lado se move e ela se ilude, acreditando ser o dela em movimento: ela se moveu? Não! Era ILUSÃO! VOCÊ é emanado PERFEITO de Deus, recebe a revelação de que, sendo obra de Deus, além de perfeito, jamais muda; de repente, vem uma sugestão que lhe diz: “Você foi expulso de Deus”. Você foi? Não! Era ILUSÃO!

A estudo na Verdade, se dispensasse os intelectualóides da ILUSÃO, juntamente com a ILUSÃO que os contém, se resumiria nisso: A pessoa CONTEMPLAR O QUE JÁ É,  convicta de que ILUSÃO É ILUSÃO!

DEUS É TUDO! O resto é ILUSÃO! Aparências que jamais aconteceram, assim como jamais aconteceu de o vagão se mover, enquanto o do lado, em movimento, dava à pessoa esta impressão FALSA!

VEJA-SE "UM" COM O NECESSÁRIO

VEJA-SE “UM” COM

O NECESSÁRIO

Dárcio

Enquanto a natureza ilusória deste mundo material não for discernida, continuará a raça humana se achando necessitada de algo que falsamente julga não lhe estar à disposição! Desconhecendo a Verdade, “Tudo está feito”, acredita na “miragem tridimensional”, onde nada é perfeito nem completo, e deixa de se compenetrar da Verdade de que “tudo é um”.

O Universo real e único é Deus, uma Unidade perfeita! TUDO É UM, de forma que a “necessidade e o suprimento são um”. Quem se dedica à Verdade e ao discernimento de que o DEUS UNO É TUDO, sabe que tudo está em SI mesmo! Em sua própria Consciência Autossuprida! É quando ele se vê UM COM O NECESSÁRIO, e nunca separado ou carente de algo.

Por que há pessoas que aparentemente vivem sem o suprimento visível necessário? ELAS SE SEPARAM MENTALMENTE DELE, em sua crença ilusória! “Se eu tivesse isso, poderia fazer aquilo”, dizem as pessoas! Vivem SEPARANDO O NECESSÁRIO DE SI MESMAS! Quem desconsiderar “este mundo”, para CONTEMPLAR e se ver UM com Deus, UM, portanto, com TODO-SUPRIMENTO INFINITO, devido a este seu reconhecimento da UNIDADE ESPIRITUAL, o que for necessário lhe aparecerá visivelmente! Por que? Simples! Porque este suposto “mundo visível” é mera SOMBRA DAQUILO QUE VOCÊ CRÊ! Se VOCÊ crê estar UNO COM O QUE PRECISA, A CADA AGORA esta SOMBRA se projetará UMA, e você estará visivelmente com o necessário em mãos! Se, pelo contrário, VOCÊ crê estar num lugar enquanto em sua mente o “algo necessário” é posto num lugar distante, separado de você, e de difícil obtenção, estará “separando na crença” o que é UM na Essência, e na imagem visível VOCÊ estará impedindo de ver o necessário em suas mãos! Analise esta ilustração: Se você segurar um lápis na mão, a SOMBRA será uma: mão e lápis em unidade! Se você soltá-lo da mão, a sombra da mão aparecerá num lugar e a sombra do lápis noutro! Separadas! Assim se dá com o suprimento! “Busque PRIMEIRO o Reino”, disse Jesus, ou seja, medite e “SEGURE O REINO NAS MÃOS”, o TODO que é UM; assim, na “sombra visível”, VOCÊ aparecerá com todas AS COISAS NECESSÁRIAS EM MÃOS! Isto será inevitável!