ESTADOS DE CONSCIÊNCIA – Parte 1

Dárcio
1
A percepção de que Deus é a Consciência única permite que nos identifiquemos com essa unidade e possamos conhecer a Verdade de que “temos a Mente de Cristo”. Esta identificação correta anula a falsa, ligada à suposta mente humana; e, assim, as crenças hipnóticas universais acabam se mostrando como são: inoperantes e sem qualquer poder.
Suponhamos que alguém experiencie este Despertar espiritual de que sua consciência atual é a própria Consciência crística ou divina. Para as demais pessoas, que ainda se identificam com a mente humana, o “Desperto” passa a ser rotulado de “iluminado”, “mestre”, “praticista espiritual” etc. Desse modo, para a “mente humana”, estará existindo, por exemplo, um curador espiritual e seus pacientes. Se este praticista se dedicar a contemplar os supostos pacientes com o “Olho Crístico”, verá a Consciência infinita Se desdobrando em cada um deles, no lugar de vê-los como seres humanos em diversos estágios mentais de consciência. Quando as pessoas são receptivas à ação pura desta Consciência única, indivisível e onipresente, “curador” e “pacientes” são transcendidos, e, como efeito visível, teremos as chamadas “curas espirituais”.
Este efeito curativo é recebido igualmente por todas as pessoas? Não. O envolvimento com as crenças humanas, tanto por parte do “curador” quanto por parte dos “pacientes” influi na receptividade à Verdade. Em vista disso, em muitos ensinamentos espirituais, surgiu a propalada questão dos estados ou estágios de consciência.
Didaticamente, podemos subdividir a mente humana em consciente e subconsciente. A receptividade espiritual se relaciona com a habilidade ou facilidade com que a pessoa consiga deixar de lado a análise puramente lógica ou intelectual, em termos humanos, para permitir a percepção da atuação transcendental da Consciência única nela própria. Como essa facilidade difere de indivíduo para indivíduo, em função de diversos fatores, todos ligados ao envolvimento de cada um com o mundo das aparências, alguns autores de temas metafísicos dão o nome de “estados de consciência” a cada uma dessas supostas graduações de receptividade.
As palavras são meramente expedientes que buscam elucidar uma idéia. Se, por um lado, essas explicações agradam ao intelecto humano, por tratarem de algo aparente, por outro lado, se não ficarmos atentos, teremos o endosso de que a ILUSÃO existe! Que é ilusão? A crença na inexistência! A VERDADE ABSOLUTA É CLARA: DEUS, A CONSCIÊNCIA ILUMINADA, É A ÚNICA CONSCIÊNCIA.
Assim, por mais que os supostos “estados de consciência” pareçam existir, são todos ILUSÃO! Aceitá-los como existentes, quando estudamos a Verdade Absoluta, seria negar a BASE do estudo: a UNIDADE.

Deixe uma resposta