"EU SOU O ALFA E O OMEGA" – Parte 1

Dárcio

Parte 1

“EU SOU O ALFA”

Quando os ensinamentos da Verdade Absoluta nos são revelados, devemos imediatamente fazer radical identificação com eles, assumindo-os como princípios já válidos agora para cada um de nós. Não devemos analisá-los com a suposta mente humana, esta ilusão de mente que desaparece diante do reconhecimento pleno e direto de que Deus, a Mente Única, é a nossa Mente real.

Toda análise humana da Verdade acaba por limitar o sentido total de uma Revelação. Exemplificando, se dissermos que “o tempo não existe”, teríamos algum benefício se nos prendêssemos a meras divagações intelectuais sobre o assunto? É comum querermos associar uma Revelação com as “coisas deste mundo”. Entretanto, toda Revelação retrata um Fato espiritual eterno, válido, portanto, AGORA para todos nós.

Diante da Revelação “Eu Sou o Alfa”, que faz a mente humana? Analisa e diz: “Deus é o Alfa”. E daí? Que vantagem tiramos disto? Nenhuma! Que estaria faltando? A nossa “identificação” com esta tremenda Verdade; a nossa percepção de que este “EU”, que é Deus, é a ÚNICA Presença no Universo inteiro, por ser Onipresente e por ser o Universo em Si. Estaria também faltando a nossa percepção de que este “Eu”, por ser único e igualmente presente em toda parte, já é o nosso Eu,

O Salmo 46 registra: “Aquieta-te e sabe, EU SOU DEUS”. Este “aquietar-se” pode ser avaliado como sendo a própria pessoa se empenhando em apaziguar seus pensamentos para perceber a própria identidade divina. Todavia, este entendimento, apesar de se mostrar útil até certo ponto, é relativo e dualista. Que “mente” existiria para ser aquietada? A da pessoa? Não, pois Deus é a Mente Única! A percepção “EU SOU DEUS” é direta e imediata, pois EU SOU O ALFA. Nada há, além de MIM. Portanto, este “aquietar-se” é uma direta percepção da Verdade Absoluta que desconhece o “tempo”, e desconhece “outra mente”.

Deixar a mente humana receptiva às Revelações é válido somente enquanto aparentemente dermos início à “Prática do Silêncio”. Se não mudarmos rapidamente de referencial, e não formos diretamente à percepção da Realidade (Deus Se Autopercebendo como este Eu que Eu Sou), a ilusão de “mente humana” irá perdurar, pois ela estará sendo admitida como existente por “estar à espera da aquietação”.

Não existe mente humana! Não existe, portanto, um ser ao lado de Deus tentando aquietá-la. “Eu Sou o Alfa” – eis a percepção atemporal que temos AGORA!

Em geral, quando chega alguém a este estudo, há nele a intenção de obter algo desejável no mundo visível. Quando lhe é informado que “TUDO JÁ EXISTE DENTRO DE NÓS”, esta Verdade, a princípio, lhe parece ser algo impalpável, abstrato demais e sem qualquer vínculo direto com sua vida atual. Enquanto não for feita a DIRETA CONTEMPLAÇÂO DA REALIDADE ESPIRITUAL, com sua total e radical IDENTIFICAÇÃO com a mesma, a ilusão de que a vida está na matéria não será transcendida, ou melhor, desmascarada!

A percepção direta, de que “EU SOU O ALFA”, anula a ilusão de nascimento humano. Assim, o Deus-Vivo, único Ser presente, espontaneamente Se revela estando VIVO como a VIDA ATUAL de todos nós. Nesta percepção, não existe esforço mental algum! Com naturalidade, é observado o Infinito Onipresente simplesmente sendo!

Ensinamentos dualistas ou relativos, por darem atenção à ilusória lógica humana, partem da aceitação de um mundo material aqui presente; assim, reforçam a ilusão de que “nascemos neste mundo”, e que nele vivemos em corpos materiais temporais. Jesus, ao ser rotulado de “muito jovem para ter conhecido Abraão”, confirmou a Verdade Absoluta válida para todos nós: “Antes que Abraão existisse, EU SOU”. Este “EU” é o “ALFA”: o princípio de tudo, ou seja, o princípio existencial de cada um de nós.

Uma Substância eterna, amorosa, constante, é o Universo inteiro da Realidade. A este Universo, damos o nome de Deus, ou Eu Sou. Onde Deus está, existe Realidade. Como Deus é Onipresente obviamente, somos esta Presença, exatamente aqui e agora. Eis por que cada um pode afirmar: “EU SOU O ALFA”. Sendo O ALFA, inexiste “alguém” que sofra mudança, que conheça tempo e espaço, que saiba algo além de MIM. Esta constatação é a síntese do Evangelho dos Iluminados.

Quando falamos em Iluminação, mesmo quando citamos “mestres” Iluminados, não devemos nos enganar achando que há “pessoas iluminadas”. EXISTE UMA MANIFESTAÇÃO UNIVERSAL PRESENTE! QUE É LUZ INFINITA! Um “Iluminado” simplesmente é o ser individual consciente desta Presença Impessoal Infinita! A percepção da Presença da Luz desfaz a ilusão de que a Luz, em algum ponto, possa estar ausente, dando lugar à ocupação pelas trevas. QUANDO DEIXAMOS DE LADO O MUNDO DAS APARÊNCIAS, CENTRADOS NA PERCEPÇÃO DE QUE, NESTA AUTOMANIFESTAÇÃO DO UNO, ESTAMOS INCLUSOS, ENTENDEMOS AS PALAVRAS DE JESUS: “QUEM ME VÊ A MIM, VÊ AQUELE QUE ME ENVIOU; QUEM ME VÊ, VÊ O PAI, EU E O PAI SOMOS UM”. Não falava de si mesmo como pessoa, mas como Luz Onipresente!

O conhecimento que a humanidade veio adquirindo, sobre a chamada mente humana, pode ter trazido algum tipo de alívio ou um certo domínio sobre a vida humana. Porém, o ser humano é ilusão. Mesmo que um ensinamento traga progresso visível, se estiver fundamentado em “mente humana”, e não na compreensão de que “EU SOU O ALFA”, não podemos dizer que houve o despertar espiritual. As “melhorias visíveis”, decorrentes deste despertar, nada têm a ver com mudanças de mentalidade humana que alguém possa promover em si mesmo. Poucos se detiveram nesse ponto, para bem observar a diferença radical entre melhoria vinda por acréscimo, fruto do “despertar”, e melhoria gerada por mentalização, fruto de força de vontade humana. Os resultados visíveis talvez se mostrem parecidos; entretanto, o agente-causa é regido por princípios totalmente distintos.

A ilusão “corpo humano” e a ilusão “mente humana” são a mesma ilusão: a crença de que há vida ou substância ao lado de Deus. Esta crença de mundo, ou da mente humana, é realidade. Assim, a cada mudança da crença, ou da mente humana, para melhor ou para pior, a suposta pessoa se vê diante do reflexo visível equivalente. Observemos que a crença em vida humana, nesse caso, ainda perdura; e, o que é pior, aparenta dar segurança à pessoa, que passa a se considerar “onipotente” com estes seus conhecimentos de “mentalismo”.

O “despertar espiritual” traz a melhoria visível; porém, esta é conseqüência de um Princípio espiritual. Quando Jesus disse: “Antes que Abraão existisse, EU SOU”, estava enfatizando a Verdade “EU SOU O ALFA”. Estava anulando a dualidade “Eu divino” e “eu humano”. O “despertar” é esta compreensão da Verdade: “EU SOU O ALFA”, ou seja, “Eu não tenho vida humana; Eu não tenho mente humana; Eu não tenho corpo humano”. Este “despertar” revela Deus! Revela que a Vida é Consciência, é Mente, é Corpo, é Verdade. Revela que “EU SOU O ALFA”.

Uma coisa é admitirmos corpo humano, mente humana, mentalizarmos “melhoria do corpo”, e, decorrente disso, surgir uma “aparência” de corpo curado; outra coisa é reconhecermos unicamente o Corpo de Luz, perfeito, uno com a Mente Infinita perfeita, já estando aqui presente como o nosso único Corpo atual, eterno e imutável. Este segundo enfoque, às vezes chamado de “cura divina”, é o enfoque absoluto, em que não há mente humana para criar o bem ou mal, mas que existe unicamente Deus.

A Consciência divina aparece como Corpo. Consciência e Corpo são UM; além disso, este “UM” é Deus. Eis por que Jesus disse: “Se o olho for simples, todo o Corpo terá Luz”.

O mundo se entretém com suas próprias crenças e teorias: fala em encarnação, reencarnação, regressão a outras vidas, etc. Todo esse emaranhado não sai do âmbito da ILUSÃO. Enquanto o Universo perfeito não for reconhecido como Onipresente, a ilusão irá permanecer dividindo a cabeça das pessoas. O intelecto ilusório logo se deixa atrair por “novas descobertas científicas”, alimentando cada vez mais a tendência de se tentar associar “avanços científicos” com a eterna “Sabedoria revelada”. Psicólogos, psiquiatras, e vários tipos de terapeutas procuram associar seus “estudos” com as práticas religiosas ou meditativas que vêm acompanhando a raça há milênios. Entretanto, seus “pacientes” nunca se vêem cem por cento libertos! Os traços de humanidade não chegaram a ser eliminados pela raiz!

“Conhecereis a Verdade e a Verdade vos libertará.”Eis a milenar frase deixada por Jesus. Que é a Verdade? Resposta: “EU SOU A VERDADE.” A Verdade não muda; a Verdade não “evolui”; a Verdade não nasce, não morre, não reencarna! A Verdade não tem passado nem futuro; a Verdade não faz regressão mental! A Verdade simplesmente É!

Leitor, parta da Verdade Absoluta! Abandone o “mundo das aparências”, voltando-se radicalmente ao Reino interior em que se achará “sendo O ALFA”. “Habite neste Esconderijo do Altíssimo!” A LUZ É VOCÊ! A LUZ É A SUA CONSCIÊNCIA! A LUZ É SEU CORPO! A LUZ É SEU UNIVERSO! Não tente entender esta Verdade com a ilusória “mente humana”! Não pense que esta Verdade será válida para VOCÊ somente “futuramente”, quando “for conscientizada”. Não existe mente humana! Nada há além de Deus. O TODO ESTÁ MANIFESTADO COMO LUZ UNIVERSAL INFINITA! ESTA LUZ JÁ É VOCÊ! DIGA COM A AUTORIDADE DO CONHECIMENTO: “EU SOU O ALFA!”

Continua…>

Deixe uma resposta