"E QUANDO JEJUARDES…"

Dárcio

“E QUANDO JEJUARDES, NÃO VOS MOSTREIS CONTRISTADOS COMO OS HIPÓCRITAS, PORQUE DESFIGURAM SEUS ROSTOS, PARA QUE AOS HOMENS PAREÇA QUE JEJUAM. EM VERDADE VOS DIGO QUE JÁ RECEBERAM O SEU GALARDÃO. PORÉM TU, QUANDO JEJUARES, UNGE A TUA CABEÇA E LAVA TEU ROSTO, PARA NÃO PARECERES AOS HOMENS QUE JEJUAS, MAS A TEU PAI, QUE ESTÁ EM SECRETO; E TEU PAI, QUE VÊ EM SECRETO, TE RECOMPENSARÁ.
“MATEUS 6: 16-17.

O jejum está diretamente ligado à revelação absoluta de que não somos estes limitados seres materiais vistos pela mente humana. Cada vez que lemos “Teu Pai”, encontramos Jesus Cristo anulando nosso suposto nascimento humano! O jejum é uma espécie de comprovação de que “temos alimento que o mundo desconhece”, ou seja, o “Pão da Vida” que Se constitui da presença divina sendo o nosso ser real!

O jejum não é um objetivo em si mesmo! Ele atua como lembrete de nossa natureza divina, enquanto parecemos viver neste suposto “mundo material”.

Em sentido mais amplo, o “jejum” se refere à percepção de que “este mundo material” é NADA! Uma crença falsa a ser desmascarada! Quanto mais formos reconhecendo a Deus como a totalidade de nosso ser, mais estaremos “jejuando” e mais estaremos sendo por Deus recompensados, por estarmos lidando com a Substância real, que é Espírito, e deixando de tanto  trabalhar  pela “comida que perece”, que é pura ilusão gerada pela também ilusória mente humana.

Deixe uma resposta