O “EU” É ABSOLUTO E INOFENDÍVEL

”Sede compassivos, perdoando-vos uns aos outros como Deus, em Cristo, vos perdoou”.

Efésios 4: 32

Na suposta “vida na matéria”, são incontáveis os aparentes casos de  problemas vividos por aqueles que não conseguem viver sem acumular ressentimentos, ódios e mágoas que acabam culminando na falta de perdão.

Paulo indica-nos um “perdoar como Deus, EM CRISTO, nos perdoou”, isto é, perdoar tendo uma visão espiritual e correta dos fatos, e nunca como meros “carnais envolvidos em dissensões”.

Gandhi, ao dizer que o“Eu é inofendível”, demonstrava conhecer que a suposta “vida fenomênica” não passa de um desfile contínuo de crenças falsas, que insinuam a presença de várias mentes pessoais! Sendo aceita esta ilusão, fica preparado e oferecido à ” mente carnal” o “palco de exposição” dos seus aparentes conflitos ou contendas!

Declarar que O EU É INOFENDÍVEL significa pôr abaixo o teatro ilusório.. Por outro lado, há aqueles que vivem grudados a tais conflitos durante anos a fio, até que fiquem mentalmente acumulados dessa negatividade a ponto de comprometerem a própria saúde!

Jesus deixou claro: “Primeiro se reconcilie com o seu irmão, e só depois, faça a sua oferta no altar”.

Quanto mais alguém estuda as Leis Mentais e “contempla” a Unidade Perfeita, menos carrega dentro de si os supostos atritos da vida cotidiana! Isto por saber que TUDO DECORRE DELE PRÓPRIO, pois TUDO É UM, SEM QUE EXISTAM “OUTROS”.

Por isso a Lei Mental é clara: “OS SEMELHANTES SE ATRAEM”! Se o suposto “outro” ofender alguém, o ofendido terá de assumir ter estado na mesma frequência do “ofensor”, com ambos alheios à própria presença real na Unidade Perfeita.

Por outro lado, com o “ofendido” corrigindo a sua frequência, o assunto se mostrará encerrado!  

*

Deixe uma resposta