FUJA DOS DESVIOS DE “DOUTRINAS VÁRIAS E ESTRANHAS”!

 Respondeu-lhes Jesus: A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou.

 Se alguém quiser fazer a vontade de Deus, há de saber se a doutrina é dele, ou se eu falo por mim mesmo.

 Quem fala por si mesmo busca a sua própria glória; mas o que busca a glória daquele que o enviou, esse é verdadeiro, e não há nele injustiça.

João 7: 16

Jesus fez questão de deixar bem claro que “não era dele” a doutrina perfeita e absoluta que vinha pregando. Assim disse, com todas as letras:

“Minha doutrina NÃO É minha, mas DAQUELE que me enviou”.

Quando João explicitou, em seu Evangelho, que “SEM O VERBO, NADA DO QUE FOI FEITO SE FEZ”, deixou também muito claro que “SOMOS AQUELE QUE É TODA A REALIDADE INFINITA, ONIATIVA E ONIPRESENTE!

Que sentido tem a frase de Jesus: “MINHA DOUTRINA É DAQUELE QUE ME ENVIOU”? Primeiramente, Jesus explicava que “sua presença”, como ENVIADO DE DEUS,  seria a mesma ILUSÃO que induzia a suposta “humanidade” a aceitar que “vivemos na Terra”, como “encarnados” nela nascidos. Jesus deixava claro que tanto ele como todos os demais JAMAIS ESTIVEMOS SENDO “ENVIADOS POR DEUS” A UM SUPOSTO “MUNDO MATERIAL”!  SEMPRE ESTIVEMOS ONDE AGORA ESTAMOS, COMO UNIDADE COMPLETA E PERFEITA EM DEUS!

Quando a Bíblia fala em “descida e subida ao Pai”, em “enviado por Deus”, isto é, em “Deus interagindo com o mundo”, fala da ILUSÃO e não do REFERENCIAL da Verdade Absoluta! Por esse motivo, Jesus orou para que PERCEBÊSSEMOS que somos uma UNIDADE PERFEITA, e não “seres viventes” num mundo separatista, em que diariamente ocorram “nascimentos e mortes”! Não há maior absurdo do que “doutrinas” que professem tais mentiras, em concordância com elas!

Como identificar “desvios” e “crenças infundadas”, para não darmos crédito a quaisquer deles? BASTA-NOS VIVER CONSCIENTES DA TOTALIDADE DE DEUS!  Esta TOTALIDADE está EVIDENCIADA, AQUI E AGORA, E É PERMANENTE! Exemplificando, se “alguém” divulgar a CRENÇA EM ESTÁGIOS DE CONSCIÊNCIAS, estaria ele condizente com a TOTALIDADE DE DEUS? Sabemos que não! E é assim que nos livramos de dar crédito aos inúmeros “desvios” que, aparentemente, possam nos surgir pela frente!

“A MINHA DOUTRINA NÃO É MINHA” – disse Jesus. DE QUEM PODERIA SER? DE DEUS, obviamente, QUE É TUDO! E sendo TUDO, não seria também Jesus? SERIA, SE JESUS, SENDO VISTO, ESTARIA SENDO VISTO COMO O CRISTO, E NÃO COMO “FILHO DE MARIA”, O QUE SERIA ILUSÃO!

“…MAS DAQUELE QUE ME ENVIOU”- disse Jesus. CONHECIA SUA IDENTIDADE CRÍSTICA E DIVINA, COMO TAMBÉM SABIA ESTAR SENDO RECONHECIDO PELO MUNDO COMO “CARNAL”! E ao passar ao mundo a VERDADE ABSOLUTA, estava, efetivamente, “ATRAINDO TODOS A MIM” – À UNIDADE PERFEITA! E TODO AQUELE QUE ASSIM SE VISSE ATRAÍDO A “CONHECER A VERDADE”, SE VERIA “ATRAÍDO À CONSTATAÇÃO DE SER, ELE PRÓPRIO, A VERDADE CONHECIDA!

 *

Deixe uma resposta