QUANDO AS “TENTAÇÕES” ALAVANCAM AS PERCEPÇÕES!

É comum aparecer alguém dizendo ser sempre incomodado pelos pensamentos e tentações do mundo, principalmente quando se encontram em meditação. Na Bíblia, encontramos Jesus encarando as “tentações da ilusão”, calando cada uma delas com a supremacia da Verdade que conhecia ser!

É fácil de reconhecermos que, através das próprias “tentações”, sua convicção de “não ser do mundo” ter sido amplamente ampliada, de forma que cada “tentação” acabou por colaborar para alavancar suas percepções do que é a Verdade, e do que são os seus “desvios”

SOMENTE EXISTE DEUS, e foi o que constatou em SI MESMO Jesus, diante da SUPOSTA “mente carnal tentadora”!

Não devemos nos preocupar com “pensamentos mundanos” ou com “tentações” supostamente vindas no dia a dia, ou enquanto meditamos! Se estão sendo percebidos, significa que “estamos endossando a “mente carnal ilusória” sem destruir os seus argumentos!

Em vista disso, o que deve ser feito, é contemplarmos, de modo o mais interiorizado possível, a PRESENÇA DE DEUS sendo quem somos, entendendo que “pensamentos e tentações” nunca são parte de nosso Ser, e que não passam das inoperantes CRENÇAS FALSAS COLETIVAS!

Enquanto as “tentações” estiverem sendo percebidas, a meditação deverá prosseguir, sempre nos apoiando na Verdade eterna,  e sempre entendendo como NADA todo aparente desvio! Jesus, por exemplo, aliava às suas meditações as contra argumentações iluminadas, que calavam a voz do erro!

Exemplificando, numa das vezes em que se viu “tentado”, estando no alto de um penhasco, assim ouviu do “tentador”: “Se tu és o FILHO DE DEUS, lança-te daqui abaixo; porque está escrito: A teus anjos darás ordens a teu respeito; e te tomarão nas mãos, para que nunca tropeces”. Respondeu Jesus:  “TAMBÉM ESTÁ ESCRITO: NÃO TENTARÁS O SENHOR TEU DEUS!”

O que salienta, ou põe em destaque esta mensagem, é sobre este entendimento, ou seja, que toda “aparente tentação” é excelente oportunidade para reforçarmos a Verdade que conhecemos, E QUE SOMOS!

As CRENÇAS COLETIVAS são um “véu feito de nadas”, enquanto a nossa PRESENÇA, na UNIDADE PERFEITA, jamais é afetada por QUALQUER DELAS! Desse modo, sempre que este “véu” aparentar se mostrar “presente”, em nossas vidas e meditações, basta percebê-lo como “véu ilusório” , e o contrariarmos, emitindo os argumentos da Verdade, SEMPRE fundamentados na TOTALIDADE DE DEUS e em nossa UNIDADE COM ELE! 

*

Deixe uma resposta