A ABUNDÂNCIA DE DEUS É SUA AGORA!

 Caro amigo, saiba que Deus é a Fonte infinita de seu suprimento. Não tema nunca a carência de paz, fé, coragem, fortaleza, sabedoria ou de meios materiais. Em estado de equilíbrio e positividade você pode sintonizá-Lo e ser provido abundantemente, porque você é Seu filho, herdeiro de Sua inesgotável riqueza!

De uma obra de V. Ingrattam, destaquei este trecho: “insisto no fato inalterável de que DEUS É MEU SUPRIMENTO, até que eu possa senti-Lo, vê-Lo e experienciá-Lo! Atualmente nada me importa mais do que a compreensão e certeza deste fato. Cultivo-o a cada dia! Dormindo ou acordado, todo o meu ser se firma nesta verdade, até possuí-la nas profundezas da minha alma.”

Conscientizando que tenho parte na abundância de Deus, clamo repetidamente por meu bem.Ela é minha agora mesmo! Rejeito complexos de inferioridade, conceitos negativos de que seja incompetente ou “sem-jeito” para fazer as coisas. Ao contrário, aplico-me confiantemente às tarefas, sabendo que posso aprender e executar com primor tudo a que me dedicar! Se faço bem a minha parte, a abundância divina virá a meu encontro, às vezes de direções inesperadas ou canais inusitados. O fato é que, quanto maior seja a minha necessidade, tanto maior será a minha força de atração do suprimento para ela. E também, com mais abundância, o Pai preencherá meu intenso desejo!”

Às vezes nos rebelamos contra as exigências e disciplina da vida. Achamos que merecemos mais conforto e despreocupação. Reclamamos a condição de “filhos bem-amados de Deus”: que o Pai nos assista em nossas lutas, inseguranças e desafios. É mais importante recordar-nos que o impedimento é nosso: nossos estados negativos não estão permitindo que Deus nos revele a Sua graça e suprimento, bem próximos e acessíveis!

Faça sua experiência desta verdade, com toda a sua alma! Jesus ensinou: “Pedi e recebereis: buscai e achareis: batei e abrir-se-vos-á”. É uma chave: se você não anseia, não se abre, como pode atrair o seu bem? Como pode entrar o sol em sua casa, se você não lhe abre as janelas? Assim, abra-se, deseje, peça o seu justo bem e ele lhe será suprido, além da medida que espera! Mas tenha cuidado com as crenças negativas já em seu subconsciente: de que você não merece; de que tudo se conquista com esforço humano e nada devemos esperar dos céus, etc., Você não tem o direito de rejeitar uma verdade, se ainda nada fez para confirmá-la, Em realidade, Deus está provendo incessantemente, por inúmeros meios, todas as nossas necessidades e insuficiências aparentes, quando não Lhe opomos bloqueios internos.

Seu entusiasmo está arrefecido? Julga-se incapaz de enfrentar e vencer algum desafio atual? Então abrace com fé esta verdade: “A ABUNDÂNCIA DE DEUS É MINHA, AGORA!” Ponha em primeiro plano esta verdade. Afirme-a e reafirme-a, substituindo, com ela, os temores e sugestões limitativas. Erga o seu íntimo para o suprimento infinito de Deus. Deixe-O abençoá-lo e supri-lo. Dê graças antecipadas por isto, na certeza de ele já estar a caminho. De sua parte, faça o melhor! Relembre o que diz a parábola do filho pródigo: “Filho, tudo o que é meu, é teu!” Estas palavras são dirigidas a você! Aceite-as e faça delas a sua experiência prática!

Reconstrua o conceito que tem de você mesmo: saiba que você é um filho bem-amado de Deus. Firme sua fé no direito que tem. Declare:

“Nem as memórias passadas, nem as limitações do presente podem anuviar a minha consciência da verdade, Sou filho bem-amado e herdeiro de Deus. Desejo e me abro à Sua abundante provisão. Sei que Ele é Fonte inesgotável de bem. Aceito esta verdade agora!”

Se você já está usufruindo a graça desta verdade e está procurando ajudar alguém, o mais poderoso apoio que lhe pode dar é reconhecer, com absoluta convicção, que Deus é a Fonte infalível e amorosa de suprimento dessa pessoa. Não duvide! Varra as opiniões negativas que tenha tido dela. Se puder ajudá-la com folhetos ou com palavras (se ela o buscar), melhor. Se não, libere-a e entregue-a confiantemente a Deus! Faça disto um IDEAL. Seja isto a sua PRECE!

*

Deixe uma resposta