ATENHA-SE À VERDADE IMUTÁVEL, E NÃO AO FENÔMENO ILUSÓRIO!


O grande equívoco cometido pela humanidade, e que foi também endossado por muitos ensinamentos, é o que faz a maioria DESCONSIDERAR os Fatos reais, divinos, transcendentais e perfeitos, para dar atenção plena e CONSIDERAR o ilusório e transitório “mundo fenomênico”!

Isto se deve principalmente à INAPTIDÃO da suposta “mente humana” para PERCEBER o Reino Absoluto em que TODOS VIVEMOS, “FORMANDO DEUS” NA “UNIDADE ESSENCIAL PERFEITA”.

No Referencial da Verdade, A DIVINA ORDEM permanece estabelecida por Deus, e a UNIDADE PERFEITA permanece PERFEITA, sempre incluindo tudo e todos em Perfeição Absoluta”.

Quando nos voltamos a DEUS, em Sua Totalidade harmônica, “os caminhos tortos do mundo se endireitam”, e isto porque o “mundo fenomênico” não tem Deus nem tem realidade, não passando de uma “sombra finita” da falsa CRENÇA EM DOIS PODERES, sendo, portanto, uma “sombra mutável e dualista, sempre se projetando como “imagens falsas”, divididas em “boas” e “más”!

“Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus”, disse Jesus. E disse também que “este mundo material é o mundo do pai da mentira”!

ISTO QUER DIZER QUE A PERFEIÇÃO DO REINO DIVINO É A ÚNICA REALIDADE! Por isso, a prática destas revelações nos ensina a DESCARTAR APARÊNCIAS sem resistir a elas! ESTAREMOS OCUPADOS COM O RECONHECIMENTO DE QUE A VERDADE É A “DIVINA ORDEM”, UNIVERSALMENTE PRESENTE E EVIDENCIADA!

O suposto “mundo fenomênico”, tal qual uma “imagem hipnótica” cheia de sensacionismos, PERDE SUA APARENTE SUSTENTAÇÃO  de duas formas:

1) através de nossa IDENTIFICAÇÃO CONTEMPLATIVA com a TOTALIDADE DE DEUS; e

2) através da prática da Ciência Mental, quando AFIRMAMOS QUE A DIVINA ORDEM É A VERDADE JÁ MANIFESTADA, e TAMBÉM negamos como NADAS as supostas “alegações do mal”, aparentemente a nós sugeridas pela “mente carnal”.

A prática da Verdade é feita com autoridade divina, sem que realidade alguma seja dada a qualquer das “sugestões malignas”. NÃO TÊM PODER E NÃO AFETAM A “MENTE DE CRISTO” QUE TEMOS! Não passam de “influências vãs”, de natureza puramente hipnótica, a se exibirem na “mente humana”, sempre esperando ou contando com o NOSSO ENDOSSO! Mas, em vez de ENDOSSO, retribuímos a elas com a Verdade, tanto em seu “patamar ilusório”, com a “Ciência Mental”,  como em seu “patamar absoluto”, com as “contemplações absolutas”!

Nenhuma “chance de sobrevivência” é dada POR NÓS À ILUSÃO!

Seja qual for a “CRENÇA DO MAL” que, aparentemente, possa vir a nos tentar, CONTEMPLEMOS A TOTALIDADE DE DEUS,  AFIRMEMOS A NULIDADE DA CRENÇA, NEGUEMOS TER ELA REALIDADE, E, SERENAMENTE, RECONHEÇAMOS A “ONIPRESENÇA DA DIVINA ORDEM”. Até quando? ATÉ QUE A “CRENÇA” SE ESVAZIE E SUMA COMPLETAMENTE, EM SEU NADA ORIGINÁRIO! DEUS É TUDO!

*

Deixe uma resposta